Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Secret Window ***

12.08.04, Rita

Realização: David Koepp. Elenco: Johnny Depp, John Turturro, Maria Bello, Timothy Hutton, Charles S. Dutton. Nacionalidade: USA, 2004.





Partindo do princípio que é impossível superar a adaptação que Kubrick fez de um livro de Stephen King (The Shining), podemos dar uma oportunidade a este A Janela Secreta (do livro Secret Window, Secret Garden). A história de um escritor, Mort Rainey (Johnny Depp) a braços com o final do seu casamento e uma profunda crise criativa, que se vê acusado de plágio e acossado pelo autor, John Shooter (John Turturro), disposto a defender a originalidade da sua obra até às últimas consequências. Da mesma forma que recusa entregar os pontos na discussão quanto à legitimidade da sua obra, Rainey escapa-se também à assinatura dos papéis do divórcio, mesmo tendo apanhado a mulher (Maria Bello) em flagrante com o seu novo namorado (Timothy Hutton).


Johnny Depp é, neste momento, o maior camaleão do cinema. Apesar de alguma inconsistência na qualidade dos projectos em que se involve, é inegável que, em todos eles, ele é o melhor actor que se poderia ter, transparecendo o enorme divertimento que ele retira de cada uma das suas interpretações. Mort Rainey não foge à regra, e permite-lhe transfigurar-se entre humor e drama.


John Turturro, em fugazes aparições, enche o ecrã, e o terror do seu silêncio é equiparável ao esgar psicótico de um Jack Nicholson.


Há detalhes de realização que quero destacar, como o pormenor dos nomes dos produtos que Rainey coloca na caixa do supermercado na parte final da história, e da imagem, claramente inspirada no quadro A Reprodução Interdita (1937) de René Magritte, onde, olhando-se no espelho, Rainey vê o reflexo das suas próprias costas. Mas apesar das referências estudadas, do suspense conseguido pela música de Philip Glass e de dois grandes actores, o desenrolar da história torna-se previsível.


A personagem de Depp diz que a parte mais importante de uma história é o final. Mas isso não serve de desculpa para que Koepp nos ofereça esse final antes de tempo. Esse é o grande pecado deste filme. A preocupação com a coerência é talvez a razão para que as pistas se tornem demasiado evidentes. Ou talvez as reviravoltas se tenham tornado tão habituais que ninguém já espera um final tradicional. Ainda virá o dia em que nos surpreenderemos com um “e viveram felizes para sempre...”.






CITAÇÕES:


“The only thing that matters is the ending. It's the most important part of the story. And this one, is very good. This one is perfect.”
JOHNNY DEPP (Mort Rainey)



















Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.