Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Bergman e pipocas

08.03.05, Rita

Numa mui boa reportagem do Y sobre a importância de Ingmar Bergman para a geração cinéfila de 60 e 70, publicada aquando da estreia de "Saraband" o último filme deste realizador, o crítico João Lopes dizia que os espectadores mais jovens teriam que construir a sua própria forma de se relacionar com Bergman, porque os tempos eram outros. Eu, ao ir ver o filme, deparei de facto com uma nova visão de Bergman só possível nos dias de hoje. Bergman ao som de pipocas. Passado o primeiro choque e o momento de nojo que se lhe seguiu, dei comigo a meditar sobre a realidade que se deparava à minha frente.


Bergman e pipocas.


Como seria possível conciliar no mesmo espírito estes dois conceitos tão diferentes como são o de ir ver um filme de Bergman e ir para o cinema comer pipocas? Como é possível associar no mesmo corpo o acto de ir comprar um bilhete para um filme de Bergman com o acto de ir comprar um pacote (ou balde ou o quer que seja) de pipocas? Será possível fazê-lo num momento contínuo ou será necessário um momento de espera, de distracção do cérebro que impeça uma qualquer reacção química que iniba o corpo de agir. Haverá um momento de remorso posterior, uma tomada de consciência do acto que se cometeu, uma dor que ficará para sempre escondida no mais profundo da alma?


Para todas estas questões não consegui arranjar resposta. Ultrapassa-me. Vai para lá de toda a minha sabedoria (que de facto não será assim tanta). Mas sobre Bergman e pipocas tenho uma certeza. Que não combinam. E que não pode ser de maneira nenhuma essa a forma como a nossa geração se deverá relacionar com ele.


Em fecho de escrita gostaria de deixar um pequeno conselho. "Saraband" está a passar nos cinemas Alvaláxia porque Bergman foi muito rigoroso nas condições em que o filme podia ser exibido, só dando autorização para que fosse exibido em cinemas que dispusessem de equipamento digital de projecção topo de gama ("Digital HD") do qual em Portugal só o cinema Alvalaxia é dotado.


Aconselharia o sr. Bergman a talvez incluir uma nova adenda à sua lista de exigências que proibisse a entrada de pipocas nas salas onde o seu filme fosse projectado (que eu acredito não existir já por incapacidade do realizador sueco em conceber, mesmo que no plano teórico, tal acto). E já agora um conselho também ao senhor Paulo Branco, (de quem o autor destas linhas muito aprecia o trabalho quer como exibidor quer como produtor). Que por decisão própria pusesse desde já em prática essa proibição e impedisse a entrada de comida na sala onde o filme está a ser exibido. É fácil, basta um cartaz a dizer "É proibido levar alimentos para dentro desta sala". Se quiser basta ir buscar um ao Monumental. Lá existem bastantes, estão bem visíveis e resultam.


Para finalizar gostaria de anunciar que irão passar este mês dois filmes de Bergman na Cinemateca. Sem pipocas. Conto lá ir.



P.S. - Que fique claro, este artigo não é nenhum manifesto anti-pipocas (bem, de facto até é). Mas acima de tudo tratou-se de uma tentativa de perscrutar o mais profundo da alma humana. Porque se é possível ao Homem conciliar Bergman com pipocas, então tudo é possível.




por Sérgio

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.