Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Born Into Brothels ****

22.04.05, Rita

T.O.: Born Into Brothels: Calcutta's Red Light Kids. Realização: Zana Briski e Ross Kauffman. Género: Documentário. Nacionalidade: Índia / EUA, 2004.





Em 1997, a fotógrafa de origem britânica Zana Briski aventurou-se no bairro Sonagachi de Calcutá, conhecido pela sua prostituição. O seu objectivo era conhecer algumas das mulheres que aí trabalhavam e fotografá-las. No entanto, deu-se conta de que sendo uma estranha nunca conseguiria o seu propósito. Por isso, decidiu mudar-se para lá.


Como inesperada consequência, Briski acabou por formar fortes laços com as crianças do bairro, muitas delas não desejadas ou amadas. Na tentativa de as salvar da sua própria vida, a Tia Zana, como lhe chamam, decidiu ensinar-lhes fotografia e, entre a pobreza e o trabalho das suas mães (e, para as raparigas, a inevitabilidade de um mesmo futuro), as crianças responderam de uma forma voraz e, em alguns casos, esta experiência mudou radicalmente as suas vidas.


Não satisfeita com o despertar da criatividade inata destas crianças, Briski tenta inscrevê-las em escolas privadas e enfrenta pacientemente a burocracia indiana para conseguir certidões de nascimento, senhas de racionamento e os comprovativos dos testes de HIV negativos. As mães resistem, porque não querem perder outra fonte de rendimento e são poucas as crianças que permanecem hoje em escolas privadas.

Mas Briski, cujo amor e compaixão são contagiosos, mantém ainda hoje a sua ajuda, através da fundação Kids With Cameras.


Este filme, vencedor do Oscar® na categoria de documentário na edição de 2004, acompanha as experiências de sete crianças dos 10 aos 14 anos, a sua curiosidade, o seu talento e a sua energia. Mas também o desespero que as cerca. No entanto, “Born Into Brothels” não se perde em excessos de sentimentalismo ou manipulação: a realidade faz o que tem a fazer, para o bem e para o mal.


Mas, em última análise, “Born Into Brothels” é um testemunho do poder transformador da arte. Treinando a sua visão através da lente da câmara, as crianças aprendem a ver o seu mundo de forma diferente e a sonhar com outras possibilidades. Mas Briski e Kauffman não se intimidam em mostrar realisticamente os obstáculos que existem. E o bilhete de saída parece estar disponível apenas para poucos.


Apesar do foco serem as fotografias das crianças (tiradas em casa, na rua, no zoo, à beira mar), “Born Into Brothels” aborda também o tema das classes sociais na Índia (onde estas crianças são “intocáveis” devido às suas mães). Mas o que fica deste filme, é, sobretudo, uma mensagem de esperança e de como a determinação e o empenho de uma pessoa podem fazer toda a diferença.






CITAÇÕES:


“I used to want to be a doctor. Then I wanted to be an artist. Now I want to be a photographer...”
AVIJIT


“I want to show in pictures how people live in this city. I want to put across the behavior of man.”
GOUR


“I feel shy taking pictures outside. People taunt us. They say, 'Where did they bring those cameras from?'”
KOCHI


“We went to the beach to take pictures. I had never seen the ocean before. I was amazed!”
MANIK


“One day I opened the camera and the whole roll got burned, so I don't do it anymore.”
PUJA


“Zana Auntie teaches us so well that everything goes into our brain. We like doing photography so much that we forget to do our work!”
SHANTI


“When I have a camera in my hands I feel happy. I feel like I am learning something... I can be someone.”
SUCHITRA


“When we first got to use the camera, it felt so good. Before we never had a chance... we'd watch other people doing it and wish we had a camera too.”
TAPASI



1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.