Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Seres Queridos **

16.06.05, Rita

Realização: Dominic Harari e Teresa Pelegri. Elenco: Norma Aleandro, Guillermo Toledo, María Botto, Marián Aguilera, Fernando Ramallo, Alba Molinero, Max Berliner, Mario Martín. Nacionalidade: Espanha / Argentina / Portugal / Reino Unido, 2004.





Leni (Marián Aguilera) prepara-se para a apresentar o seu novo namorado, Rafi (Guillermo Toledo), à família. Esta é uma situação já de si com potencial de tensão e de cómico. Se acrescentar-mos o facto de Leni ser judia e Rafi palestiniano, e Leni insistir para que Rafi se passe por judeu, pode-se imaginar uma série de situações caricatas com base nos contrastes de culturas e de políticas.


Pois não. Nada disso. A nacionalidade de Rafi é revelada às restantes personagens logo no início do filme. Por isso, tudo o que poderia advir desse segredo se desvanece. E a condição palestiniana face à judia torna-se tão pouco relevante que nos questionamos para que foi sequer levantada.


O filme limita-se, assim, e como já tantos outros antes, a relatar o incómodo exame dos sogros, que todos, mais cedo ou mais tarde, têm de “sofrer”. Para isso, usam-se personagens caricaturais com as quais não nos identificamos. Tal é o caso do irmão de Leni, David (Fernando Ramallo), cuja devoção aos rituais judaicos é mostrada com um arrogante paternalismo.


Algumas situações conseguem arrancar alguns sorrisos, e a ocasional gargalhada, sobretudo pelo ridículo. Se fosse um ridículo inteligente “a la Monty Python” (ou mesmo do judeu Woody Allen) eu não me queixaria, mas aqui é tudo demasiado forçado.


As duas estrelas são por Guillermo Toledo, um talentoso actor cómico, que deverá estrear ainda este mês, o bem mais divertido “Crimen Ferpecto”.


Dominic Harari e Teresa Pelegri, os realizadores, são casados e judeus não praticantes. Será que existe a possibilidade de se ser “realizador não praticante”?



P.S. - O que mais me assustou no meio disto tudo foi o meu corrector ortográfico não identificar as palavras “palestiniano” e “palestiniana”. Acrescentei-as de imediato, claro!
















Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.