Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Valkyrie **1/2

08.03.09, Rita

Realização: Bryan Singer. Elenco: Tom Cruise, Kenneth Branagh, Bill Nighy, Tom Wilkinson, Carice van Houten, Thomas Kretschmann, Terence Stamp, Eddie Izzard, Kevin McNally, Christian Berkel. Nacionalidade: EUA / Alemanha, 2008.





A 20 de Julho de 1944, Hitler sofreu um atentado à bomba do qual saiu ileso. “Valkyrie” é a história da conspiração de um grupo de oficiais alemães em profundo desacordo com o caminho que o III Reich estava a levar. Convencidos de que, após a invasão da Normandia a guerra estava definitivamente perdida para os Aliados, esta seria a única forma de poupar vidas civis e militares e limpar a cara de uma Alemanha que seria alvo das maiores repressões internacionais. Conscientes de estarem a praticar alta traição e com elevado risco de morte, a possibilidade de insucesso era de diminuta importância perante a necessidade de fazer saber ao mundo que nem todos os alemães apoiavam Hitler.


No centro deste golpe estava o Coronel Claus von Stauffenberg (Tom Cruise), introduzido pelo Major-General Henning von Tresckow (Kenneth Branagh) – perpetrador de um anterior e falhado atentado – a um círculo de objectores de consciência onde se incluía o General Friedrich Olbricht (Bill Nighy) e o reformado General Ludwig Beck (Terence Stamp).


A operação de conspiração aproveitava o Plano Valkyrie de defesa de Berlim em caso de ataque pelos Aliados. Para defesa da cidade em caso de invasão era mantido um Exército de Reserva. A ideia era assassinar Hitler ao mesmo tempo que se accionava este Exército, ordenando a imobilização das SS para manter a estabilidade. Em resultado, seria estabelecido um novo governo encabeçado por estes oficiais e poderia dar-se início a uma conversação com os Aliados. Um plano que quase resultou: até ser recebida a notícia de que Hitler afinal tinha escapado do ataque e estava vivo. Deste fracasso resultaram 700 detenções e 200 execuções.


Uma vez que é do conhecimento público a sobrevivência de Hitler, o importante em “Valkyrie” é ilustrar o planeamento e a execução a do golpe, bem como as motivações de quem nele esteve envolvido. O argumento de Christopher McQuarrie e Nathan Alexander tem o cuidado de nos apresentar aos principais intervenientes, distingui-los e explicar os seus papéis no âmbito do plano. Mas a realização de Bryan Singer torna esta apresentação demasiado rápida, contingência que é compensada pelo facto de a maioria deles serem actores de renome, tornando, por isso, relativamente fácil a sua diferenciação.


“Valkyrie” é um filme muito bem compassado, com toda a tensão e suspense exigíveis de um thriller. A mão de Singer (“The Usual Suspects”, “X-Men”), aqui num registo menos “especial”, faz-se notar em alguns planos muito bons e sequências muito bem construídas.


No campo das interpretações Tom Cruise está bem, mas, sem se fundir com o papel, está longe de excepcional. Quer ele, quer o bom conjunto de secundários (com a particularidade de todos manterem os seus respectivos sotaques) incorporam as qualidades reservadas e estóicas que se supõe destes homens. O que torna algo estranha a falta de subtileza na expressão do seu desprezo por Hitler.


“Valkyrie” peca por alguma dispersão, nomeadamente as cenas entre Stauffenberg e a sua mulher (Carice van Houten), motivadas possivelmente pela construção de carácter mas totalmente dispensáveis. A própria personagem de Kenneth Branagh que surge no início de filme, desaparece subitamente e volta a reaparecer no final parece evidenciar grandes compromissos da sala de montagem.


A quase não referência ao genocídio dos judeus, faz-nos questionar os motivos deste homens para a sua acção contra o Führer. Independentemente disso, eles deram a vida para livrarem o mundo de um monstro. “Valkyrie” mostra-nos esses outros alemães, por muitos desconhecidos. E este permanece como mais um “e se...” da História.






CITAÇÕES:


“I'm a soldier, but in serving my country, I have betrayed my conscience.”
TOM CRUISE (Cor. Claus von Stauffenberg)






















1 comentário

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.