Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

The Wrestler ****1/2

02.03.09, Rita

Realização: Darren Aronofsky. Elenco: Mickey Rourke, Marisa Tomei, Evan Rachel Wood, Mark Margolis, Todd Barry, Wass Stevens, Judah Friedlander, Ernest Miller. Nacionalidade: EUA / França, 2008.





Sem o experimentalismo visual que marca a obra de Darren Aronofsky – “Pi”, “Requiem For A Dream”, “The Fountain”“The Wrestler” tem toda a sua característica complexidade emocional, reforçada por uma extrema simplicidade e crueza.


Randy Robinson (Mickey Rourke) está longe da glória dos nos 80, quando a sua alcunha 'The Ram' enchia ringues no circuito profissional de wrestling. Hoje ele está limitado a encontros mal pagos em pequenos centros comunitários, sessões de autógrafos em ginásio de escolas, ou à compra de utensílios para o seu número em lojas dos 300. O seu trabalho a tempo parcial num supermercado mal lhe dando para pagar a renda do atrelado onde vive.


Tirando a camaradagem superficial dos seus colegas de profissão, Randy é um homem solitário, cuja dedicação profissional destruiu tudo e todas as relações ao seu redor. O seu corpo é um espelho da sua derrota. O ringue é o único sítio onde ele não se sente perdido e sozinho. Numa mistura de necessidade e orgulho, ele não tem outra saída se não continuar a fazer a única coisa que sabe fazer. Quando um ataque cardíaco vem colocar a sua vida sob uma nova perspectiva, Randy tenta recuperar a sua relação com a filha Stephanie (Evan Rachel Wood) e, pelo caminho, construir uma nova relação com a stripper Cassidy (Marisa Tomei).


Aronofsky está enfeitiçado pela personagem, pelo actor ou, muito possivelmente, por ambos e consegue de Rourke uma interpretação mágica de força e de intimismo. Mickey Rourke É Randy "The Ram" Robinson, física e emocionalmente. A sua realidade (de ruína e tentativa de redenção, com uma passagem pelo mundo do boxe profissional) confundindo-se com a ficção do argumento de Robert D. Siegel. Apesar da sua aparição em “Sin City”, este é o seu regresso. E, para que não fiquemos com dúvidas, neste papel sobre um regresso ele é físico e visceral, e simultaneamente, calmo e poderosamente triste.


Num mundo onde o sexo e a violência são bens comerciáveis, Randy e Cassidy dão aos “espectadores” o que eles querem, no ringue ou no palco. Na pele carregam as suas memórias e os seus erros, ele nas cicatrizes, ela nas tatuagens. Mas quando se fala de corpo, o tempo não tem misericórdia (as feições de Rourke, deturpadas já pelo botox e que tais é reflexo disso mesmo).


Marisa Tomei contraria esta tendência, melhorando a cada novo filme e com cada peça de roupa de a menos. Uma nota (muito) especial para Evan Rachel Wood que, sem contexto à frente do ecrã, consegue conferir uma intensidade impressionante às suas cenas.


“The Wrestler” é um olhar desde dentro para o mundo do wrestling nos circuitos de menor calibre (haverá quem diga que isso era antes e não agora, mas eu mantenho algum cepticismo). O planeamento a que as lutas estão sujeitas não impede nem a dor nem o sangue, faz apenas com que os lutadores se magoem de uma forma esperada. E, no mundo do espectáculo, vale tudo.


Randy é um homem que compreende os seus erros, mas que não sabe como corrigi-los. Um novo trabalho é a possibilidade de alguma forma de futuro. E talvez consiga ser o pai que nunca foi e talvez possa, finalmente, ser amado. Para ilustrar essa janela de oportunidade, Aronofsky oferece-nos uma das cenas mais belas dos últimos tempos: Randy desloca-se do balneário para a sua nova tarefa na charcutaria do supermercado, em fundo ouve-se a multidão e, de repente, é como se estivesse a entrar num ringue.


Desengane-se quem pensa que este filme é sobre wrestling. A condição humana é transversal. E, por entre murros, cabeçadas e golpes acrobáticos, este filme sussurra-nos ao ouvido o próximo movimento da luta.






CITAÇÕES:


“I just want to say to you all tonight I'm very grateful to be here. A lot of people told me that I'd never wrestle again and that's all I do. You know, if you live hard and play hard and you burn the candle at both ends, you pay the price for it. You know in this life you can loose everything you love, everything that loves you. Now I don't hear as good as I used to and I forget stuff and I aint as pretty as I used to be but god damn it I'm still standing here and I'm The Ram. As times goes by, as times goes by, they say "he's washed up", "he's finished" , "he's a loser", "he's all through". You know what? The only one that's going to tell me when I'm through doing my thing is you people here.”
MICKEY ROURKE (Randy 'The Ram' Robinson)























Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.