Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

War, Inc. **

24.09.08, Rita

Realização: Joshua Seftel. Elenco: John Cusack, Joan Cusack, Marisa Tomei, Hilary Duff, Ben Kingsley, Dan Aykroyd, Lubomir Neikov. Nacionalidade: EUA, 2008.





A empresa Tamerlane está encarregue de gerir o Turaquistão, uma nação ocupada pelos Estados Unidos. Perante a ameaça da construção de um oleoduto através do Turaquistão, o director da Tamerlane (Dan Akyroyd) envia o agente Brand Hauser (John Cusack) com a missão de assassinar o magnata do petróleo Omar Sharif (Lubomir Neikov). O seu disfarce é uma feira sobre a liberdade, coordenada pela relações públicas Marsha Dillon (Joan Cusack). Pelo caminho, Hauser tem de se esquivar da jornalista Natalie Hegalhuzen (Marisa Tomei), e lidar com a mimada estrela pop do país, Yonica Babyyeah (Hillary Duff).


O grande problema de “War, Inc.” é a sua indefinição. Perdido entre o que seria um filme sério sobre a guerra e o domínio global das grandes corporações empresariais, a sátira a essa realidade e uma delirante novela das nove, o resultado deste projecto pessoal de John Cusack (que co-assina o argumento e a produção) não vai além de um caos que nunca a chega a fazer-nos soltar uma gargalhada sentida.


“War, Inc.” é demasiado evidente em tudo. Na sua leitura paralela com a realidade (será fácil ligar nomes e entidades à história recente americana), a narrativa vai pelos caminhos mais previsíveis. As marcas colocadas em quase todas as cenas pelo design de produção (além do pouco subtil Brand de Cusack), que começam por ser divertidas rapidamente se tornam extenuantes. E nem sequer o passado de Hauser, marcado pela traição do seu chefe na CIA (Ben Kingsley) e que o leva a tomar doses industriais de molho picante para abrandar a dor, serve para adicionar qualquer camada àquilo que não passa de uma caricatura, como acontece com todas as outras personagens.


Quem se lembra de “Grosse Pointe Blank” (1997) sabe que John Cusack consegue ser bastante mais contundente, quer no texto quer no plateau.














Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.