Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Once ***

22.09.08, Rita

Realização: John Carney. Elenco: Glen Hansard, Marketa Irglova, Hugh Walsh, Gerry Hendrick, Alaistair Foley, Geoff Minogue, Bill Hodnett, Danuse Ktrestova. Nacionalidade: Irlanda, 2006.





“Once” não é um musical, é antes um filme sobre música, sobre o amor pela música. Por isso, e apesar do Oscar para melhor canção por ‘Falling Slowly’, ninguém começa a cantar a despropósito a meio da história ou a dançar no meio da rua.


O filme de John Carney é feito de subtilezas que fogem até ao cliché, quer da procura do sucesso quer do romance. O talento musical, o charme e a cumplicidade dos seus protagonistas, Glen Hansard e Marketa Irglova dão autenticidade a uma história simples.


Um jovem compositor (Hansard) aproveita os intervalos no trabalho de reparação de máquinas que partilha com o pai, para cantar as suas músicas na rua. Numa noite, conhece uma emigrante checa (Irglova) que lhe dá umas moedas pela sua canção. Entre os dois surge a confortável intimidade que só se consegue com estranhos. De uma forma ou outra, ambos estão presos ao passado, e, com a desculpa racional da música começam a olhar oara o seu futuro. Cada um deles funciona como catalisador para que o outro lute pelo seu sonho e o processo de composição assume um paralelismo com a construção de uma relação pessoal, como se a música legitimasse o conforto emocional de estar com o outro.


Apenas Hansard tinha já alguma (pouca) experiência de interpretação – como guitarrista em “The Commitments” (1991) –, e são de sua autoria a maioria das canções que surgem em “Once”, fazendo por vezes lembrar Damien Rice. Mas o conforto de Irglova terá também origem na sua anterior colaboração: o álbum ‘The Swell Season’ de 2006 gravado com Hansard.


Por muito utilitarista que seja esta visão, todos os outros são meios para chegarmos a algum lugar, a algum lugar de nós mesmos também. Uns seguem connosco lado a lado por um tempo, outros para sempre, outros ainda ficam pelo caminho. E se são tão raras as pessoas que conseguem fazer o melhor de nós vir ao de cima, mais uma razão para as “aproveitarmos”.








FALLING SLOWLY

I don't know you
But I want you
All the more for that
Words fall through me
And always fool me
And I can't react
And games that never amount
To more than they're meant
Will play themselves out

Take this sinking boat and point it home
We've still got time
Raise your hopeful voice you have a choice
You've made it now

Falling slowly, eyes that know me
And I can't go back
Moods that take me and erase me
And I'm painted black
You have suffered enough
And warred with yourself
It's time that you won

Take this sinking boat and point it home
We've still got time
Raise your hopeful voice you had a choice
You've made it now

Take this sinking boat and point it home
We've still got time
Raise your hopeful voice you had a choice
You've made it now
Falling slowly sing your melody
I'll sing along






















































Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.