Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Azuloscurocasinegro ***

07.07.08, Rita

Realização: Daniel Sánchez Arévalo. Elenco: Quim Gutiérrez, Marta Etura, Antonio de la Torre, Héctor Colomé, Raúl Arévalo, Eva Pallarés. Nacionalidade: Espanha, 2006.





Jorge (Quim Gutiérrez), na casa dos 20, está a tentar sair da alçada do pai Andrés (Héctor Colomé), porteiro no prédio onde moram, rebelando-se por um futuro que quer como seu. Dois anos depois, Jorge é porteiro desse mesmo prédio, ao mesmo tempo que toma conta do seu pai inválido. O seu sonho é ter uma carreira no mundo de negócios, para o que estudou à noite. O regresso da sua ex-namorada e vizinha Natalia (Eva Pallarés) vem evidenciar o impasse (e a rejeição) que marca também a sua vida amorosa.


O seu tempo livre é passado no terraço do prédio em discussões inconsequentes com o seu melhor amigo Israel (Raúl Arévalo), a braços com os seus próprios problemas pessoais, que incluem as constantes visitas do seu pai à casa de um massagista. O irmão de Jorge, Antonio (Antonio de la Torre, “Volver”) conhece a mulher dos seus sonhos no grupo de teatro da prisão. Paula (Marta Etura, “Para Que No Me Olvides”) está decidida a engravidar para que a transfiram para a enfermaria da prisão, onde estará a salvo das represálias de outras detidas.


“Azuloscurocasinegro” marca a estreia na realização de Daniel Sánchez Arévalo, argumentista há 15 anos. O seu grande mérito é conseguir um filme de grupo que consegue equilibrar a atenção dedicada a cada personagem, com origem num argumento generoso e coeso. Imagens de câmaras de vigilância, e close ups aproximam-nos ainda mais.


Debruçando-se sobre a temática do crescimento sexual, Arévalo evita os chavões, e consegue absorver-nos num universo pessoal e numa história sem consequência para o mundo. Estamos perante personagens perdidas, com vidas claustrofóbicas, que se debatem entre fugir ou mentir para amenizar a sua realidade. A fotografia de Juan Carlos Gómez só começa a ter mais luz quando elas caminham para a reinvenção.


Entre o humor e a seriedade, “Azuloscurocasinegro” aborda questões morais sobre o amor e os seus limites. As opções estilísticas de repetição que poderiam prejudicar no filme, acabam por funcionar como reforço da ideia de reflexo no outro e da procura de nós mesmos através da forma como os outros nos vêem.


A cor do fato que Jorge cobiça numa montra – azul escuro quase preto –, simboliza um ideal de liberdade. Um ideal que, ironicamente, o prende, sublinhando a sua resignação e o seu ressentimento. Romper com as expectativas parece ser o único caminho, porque esperar não vai fazer com que a vida aconteça.
















Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.