Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Oscar® 2011 – vencedores

28.02.11, Rita


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/u8c061a75/7926715_4nE1e.jpeg WIDTH=500>


ALIGN=JUSTIFY>Os resultados da cerimónia de ontem:

ALIGN=LEFT> COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME

The King’s Speech, de Tom Hooper

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR PRINCIPAL

Colin Firth por “The King’s Speech”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

Christian Bale por “The Fighter”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL

Natalie Portman por “Black Swan”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

Melissa Leo por “The Fighter”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

Toy Story 3, de Lee Unkrich

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DIRECÇÃO ARTÍSTICA

Robert Stromberg (Production Design), Karen O'Hara (Set Decoration) por “Alice in Wonderland”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FOTOGRAFIA

Wally Pfister por “Inception”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR GUARDA-ROUPA

Colleen Atwood por “Alice in Wonderland”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR REALIZADOR

Tom Hooper por “The King’s Speech”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DOCUMENTÁRIO

Inside Job, de Charles Ferguson

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTAL

Strangers No More, de Karen Goodman e Kirk Simon

COLOR=#AAAAAA>MELHOR MONTAGEM

Angus Wall e Kirk Baxter por ”The Social Network”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA

Hævnen - In a Better World (Dinamarca), de Susanne Bier

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CARACTERIZAÇÃO

Rick Baker e Dave Elsey por “The Wolfman”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR BANDA SONORA ORIGINAL

Trent Reznor e Atticus Ross - “The Social Network”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CANÇÃO

We Belong Together“Toy Story 3” (música e letra de Randy Newman)

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

The Lost Thing, de Shaun Tan e Andrew Ruhemann

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM

God of Love, de Luke Matheny

COLOR=#AAAAAA>MELHOR EDIÇÃO DE SOM

Richard King por “Inception”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR SONOPLASTIA

Lora Hirschberg, Gary A. Rizzo e Ed Novick por “Inception”

COLOR=#AAAAAA>MELHORES EFEITOS ESPECIAIS

Paul Franklin, Chris Corbould, Andrew Lockley e Peter Bebb por “Inception”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

Aaron Sorkin por “The Social Network”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

David Seidler por “The King’s Speech”



ALIGN=JUSTIFY>Restantes nomeados aqui.
























































Winter’s Bone **1/2

26.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Debra Granik. Elenco: Jennifer Lawrence, John Hawkes, Kevin Breznahan, Dale Dickey, Lauren Sweetser, Tate Taylor, Garret Dillahunt, Sheryl Lee, Shelley Waggener. Nacionalidade: EUA, 2010.


SRC=http://www.mannythemovieguy.com/images/winters_bone_detroit_film_critics.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Ree Dolly (Jennifer Lawrence) é uma jovem de 17 anos que toma conta de uma mãe quase catatónica e dos dois irmãos mais novos, enquanto o pai, desaparecido, deu como fiança a casa e as terras da família caso não se apresente dentro de poucos dias em tribunal para se defender da acusação de produção de metanfetaminas.

ALIGN=JUSTIFY>“Winter’s Bone” é um filme lento, como a vida nas geladas montanhas do Missouri, onde paira a desolação, física e emocional, e os sentimento são tão duros como as acções. Num mundo onde, estranhamente, todos parecem ser parentes, e que se rege por leis de honra familiar e justiça de sangue, quem existe é porque sobreviveu – a todas as pancadas da vida e a todos os ossos partidos.

ALIGN=JUSTIFY>Movidos a raiva animal, amor e ódio significam ambos duas coisas: perseverança e coragem.








Blue Valentine ***

25.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Derek Cianfrance. Elenco: Ryan Gosling, Michelle Williams. Nacionalidade: EUA, 2010.


SRC=http://cdn.crushable.com/files/2010/11/blue_valentine1-490x390.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Entre o passado e o presente, entre a facilidade do começo e a dificuldade do fim, entre a paixão imediata e o longo e doloroso processo de abandonar aquilo em que se depositaram todas as expectativas, “Blue Valentine” acompanha Dean (Ryan Gosling) e Cindy (Michelle Williams). de uma relação inevitável a uma relação para além do remediável.

ALIGN=JUSTIFY>Dentro de uma patológica dinâmica de casal, onde todas as concessões e as consecutivas desilusões se transformaram em rancor, e o que é pensado mas não dito se transformou em desconforto, uma discussão insignificante passa a significar o fim de tudo. E o quarto de motel escolhido por Dean para uma escapadela romântica (apropriadamente sob o tema “Futuro”), e que surge como a desesperada e derradeira tentativa para salvar o irrecuperável, é decadente, como decadente é a sua relação.

ALIGN=JUSTIFY>As diferenças que coloriram o início transformam-se em abismos intransponíveis. E o caminho, que se queria comum, diverge agora com objectivos irreconciliáveis. Lutar pelo passado só porque é passado é tão sem sentido como desistir do presente por preguiça. Um resultado triste e sem esperança.

ALIGN=JUSTIFY>“You always hurt the ones you love...”








Somewhere **

24.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Sofia Coppola. Elenco: Stephen Dorff, Elle Fanning, Chris Pontius. Nacionalidade: EUA, 2010.


SRC=http://www.theurbn.com/wp-content/uploads/2010/12/somewhere-sofia-coppola-01-495x289.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>O último filme de Sofia Coppola (“Marie Antoinette”), vencedor do Leão de Ouro do Festival de Veneza, começa com a cena de um Ferrari ás voltas numa pista. Ironicamente, esta acaba por ser a infeliz metáfora para o próprio filme: muitas voltas para chegar a lugar nenhum.

ALIGN=JUSTIFY>Reminiscente do universo de Bret Easton Ellis, mas sem o seu sarcasmo, observa desde dentro a vida vazia e fútil de uma celebridade (Stephen Dorff), que sucumbe à fome canibal do mundo que lhe deu tudo.

ALIGN=JUSTIFY>Numa existência egocêntrica, marcada pela auto-comiseração e mania da perseguição, apenas o aparecimento da sua filha (Elle Fanning) parece romper com a preguiça de viver que é a sua rotina, para rapidamente ela mesma se ver absorvida pela inércia e pela repetição.

ALIGN=JUSTIFY>Centrado numa personagem sonâmbula e derrotada, incapaz de gerar empatia pela vacuidade da sua vida privilegiada, “Somewhere” é, também ele, um filme inerte e repetitivo. Apontando redutoramente para a solução da paternidade como razão e sentido da vida, apenas vislumbramos a inquietação gerada pelo paradoxo da liberdade e de não ter (ou não saber) para onde ir nos planos abertos e estáticos que Sofia Coppola, estilisticamente, nos oferece.

ALIGN=JUSTIFY>Este não é um daqueles pequenos filmes em que o silêncio está cheio de relevância. “Somewhere” é silencioso porque pouco tem a dizer.








127 Hours ***1/2

23.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Danny Boyle. Elenco: James Franco, Kate Mara, Amber Tamblyn, Clémence Poésy. Nacionalidade: EUA / Reino Unido, 2010.


SRC=http://militarytimes.com/blogs/gearscout/files/2010/11/127-Hours-500x328.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Pela lei do eterno retorno, proposta por Nietzsche, o homem, condenado a viver a mesma vida eternamente, teria o estímulo necessário para ser a melhor versão de si mesmo em cada momento, fazendo da sua vida uma vida que merecesse a pena ser repetida incessantemente, sem arrependimentos.

ALIGN=JUSTIFY>Muito poucos de nós deixariam de apagar ou corrigir alguma coisa. Menos ainda Aron Ralston (James Franco). O canivete suíço esquecido, o telefonema não atendido, a bebida energética deixada no carro, sem dizer a ninguém onde ia passar o fim-de-semana. Em 2003, Ralston teve 127 horas para pensar em tudo isso e ainda nas formas possíveis de libertar o seu braço direito de um pedregulho que o prendeu à parede do desfiladeiro Bluejohn no Utah.

ALIGN=JUSTIFY>Esta é a história de um homem que confiou demasiado nas suas capacidades, que tomava o mundo e a vida como garantidos e não teve outra alternativa senão reajustar a sua percepção do que é importante.

ALIGN=JUSTIFY>Este filme é James Franco. Da incompreensão inicial à frustração das várias tentativas. Da recusa a cair na impotência, achando-se demasiado inteligente para ceder ao pânico, do seu humor resistente à percepção final de que a vida deve ser vivida como um valioso prémio.

ALIGN=JUSTIFY>Boyle liberta o espectador da prisão de Ralston em breves respiros de flashbacks e alucinações. Apenas o tempo suficiente para nos colocar de novo ao seu lado, partilhando a sua angústia e racionalmente negando o desfecho que sabemos vir a caminho.

ALIGN=JUSTIFY>Brutal de ver, duro de digerir (dificilmente na lista dos “a rever”), “127 Hours” leva-nos ao limite, numa luta determinada contra o desespero.








Casino Jack ***

17.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: George Hickenlooper. Elenco: Kevin Spacey, Barry Pepper, Kelly Preston, Rachelle Lefevre, Jon Lovitz, Maury Chaykin. Nacionalidade: Canadá, 2010.


SRC=http://beta.images.theglobeandmail.com/archive/01152/casino28rv2_JPG_1152044cl-8.jpg WIDTH=500>


ALIGN=JUSTIFY>Da duplicidade e hipocrisia humanas, da asquerosa manipulação de interesses, dos dúbios negócios de bastidores, da absurda inculpabilidade dos principais intervenientes, da assustadora realidade política.








The Fighter ***1/2

16.02.11, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: David O. Russell. Elenco: Mark Wahlberg, Christian Bale, Amy Adams, Melissa Leo, Jack McGee, Mickey O'Keefe. Nacionalidade: EUA, 2010.


SRC=http://filmonic.com/wp-content/uploads/2010/11/The-Fighter-Filmonic.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Sem aspirações a metáfora generalista, “The Fighter” é um biopic sobre o pugilista Micky Ward (Mark Wahlberg) e o seu percurso desde Lowell, um subúrbio operário de Boston, até ao êxito profissional.

ALIGN=JUSTIFY>Dominado por uma mãe (Melissa Leo), que insiste em gerir a sua carreira, e pelo meio-irmão Dicky (Christian Bale), que insiste em ser seu treinador apesar da sua irresponsabilidade e do seu pouco saudável interesse pelo crack, Micky submete-se às escolhas que os outros fazem por ele, parecendo ser o único que não quer explorar o seu próprio talento.

ALIGN=JUSTIFY>Com e entrada em cena de Charlene (Amy Adams), e por insistência do seu pai (Jack McGee) e do seu preparador físico (Mickey O'Keefe interpretando-se a si mesmo), Micky terá, eventualmente, de assumir a responsabilidade pela sua própria vida.

ALIGN=JUSTIFY>“The Fighter” é, antes de mais, um drama familiar sobre escolhas difíceis e oportunidades perdidas. Com a atenção focada nas suas personagens, beneficiando todas elas de fortes interpretações, as cenas de boxe acabam por ser, curiosamente, as mais mornas.

ALIGN=JUSTIFY>Especialmente por Christian Bale: em perfeito domínio do seu talento.








Goya 2011

15.02.11, Rita


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/u7306734b/8017889_FZwc2.jpeg WIDTH=498>


ALIGN=JUSTIFY>“Pa Negre”, filme de Agustí Villaronga sobre o pós-guerra civil na Catalunha rural, foi o grande vencedor da 25ª edição dos Prémios Goya, que tiveram lugar este fim de semana.


allowfullscreen>



ALIGN=CENTER>SIZE=1 COLOR=#AAAAAA>(trailer)










Pág. 1/2