Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

BAFTA 2009 - nomeados

28.01.09, Rita


SRC=http://fotos.sapo.pt/6WBzYDhJq4qHKfJlzKjA/x435>


ALIGN=JUSTIFY>A edição deste ano dos Orange British Academy Film Awards terá lugar no próximo dia 8 de Fevereiro, também com direito a folha de apostas.

ALIGN=LEFT> COLOR=#E90909>MELHOR FILME

THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Kathleen Kennedy, Frank Marshall, Ceán Chaffin
FROST/NIXON – Tim Bevan, Eric Fellner, Brian Grazer, Ron Howard
MILK – Dan Jinks, Bruce Cohen
THE READER – Anthony Minghella, Sydney Pollack, Donna Gigliotti, Redmond Morris
SLUMDOG MILLIONAIRE – Christian Colson

COLOR=#E90909>MELHOR FILME BRITÂNICO (The Alexander Korda Award)

HUNGER – Laura Hastings-Smith, Robin Gutch, Steve McQueen, Enda Walsh
IN BRUGES – Graham Broadbent, Pete Czernin, Martin McDonagh
MAMMA MIA! – Judy Craymer, Gary Goetzman, Phyllida Lloyd, Catherine Johnson
MAN ON WIRE – Simon Chinn, James Marsh
SLUMDOG MILLIONAIRE – Christian Colson, Danny Boyle, Simon Beaufoy

COLOR=#E90909>MELHOR REALIZADOR, ARGUMENTISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO EM PRIMEIRA LONGA-METRAGEM (The Carl Foreman Award)

SIMON CHINN (Produtor) – Man On Wire
JUDY CRAYMER (Produtor) – Mamma Mia!
GARTH JENNINGS (Argumentista) – Son of Rambow
STEVE McQUEEN (Realizador/Argumentista) – Hunger
SOLON PAPADOPOULOS, ROY BOULTER (Produtores) – Of Time And The City

COLOR=#E90909>MELHOR REALIZADOR (The David Lean Award)

CHANGELING – Clint Eastwood
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – David Fincher
FROST/NIXON – Ron Howard
THE READER – Stephen Daldry
SLUMDOG MILLIONAIRE – Danny Boyle

COLOR=#E90909>MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

BURN AFTER READING – Joel Coen, Ethan Coen
CHANGELING – J. Michael Straczynski
I’VE LOVED YOU SO LONG – Philippe Claudel
IN BRUGES – Martin McDonagh
MILK – Dustin Lance Black

COLOR=#E90909>MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Eric Roth FROST/NIXON – Peter Morgan
THE READER – David Hare
REVOLUTIONARY ROAD – Justin Haythe
SLUMDOG MILLIONAIRE – Simon Beaufoy

COLOR=#E90909>MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA

THE BAADER MEINHOF COMPLEX – Bernd Eichinger, Uli Edel
GOMORRAH – Domenico Procacci, Matteo Garrone
I'VE LOVED YOU SO LONG – Yves Marmion, Philippe Claudel
PERSEPOLIS – Marc-Antoine Robert, Xavier Rigault, Marjane Satrapi, Vincent Paronnaud
WALTZ WITH BASHIR – Serge Lalou, Gerhard Meixner, Yael Nahlieli, Ari Folman

COLOR=#E90909>MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

PERSEPOLIS – Marjane Satrapi, Vincent Paronnaud
WALL•E – Andrew Stanton
WALTZ WITH BASHIR – Ari Folman

COLOR=#E90909>MELHOR ACTOR

FRANK LANGELLA – Frost/Nixon
DEV PATEL – Slumdog Millionaire
SEAN PENN – Milk
BRAD PITTThe Curious Case of Benjamin Button
MICKEY ROURKE – The Wrestler

COLOR=#E90909>MELHOR ACTRIZ

ANGELINA JOLIE – Changeling
KRISTIN SCOTT THOMAS – I’ve Loved You So Long
MERYL STREEP – Doubt
KATE WINSLET – The Reader
KATE WINSLET – Revolutionary Road

COLOR=#E90909>MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

ROBERT DOWNEY JR. Tropic Thunder
BRENDAN GLEESONIn Bruges
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN – Doubt
HEATH LEDGERThe Dark Knight
BRAD PITTBurn After Reading

COLOR=#E90909>MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

AMY ADAMS – Doubt
PENÉLOPE CRUZVicky Cristina Barcelona
FREIDA PINTO – Slumdog Millionaire
TILDA SWINTONBurn After Reading
MARISA TOMEI – The Wrestler

COLOR=#E90909>MELHOR BANDA SONORA (The Anthony Asquith Award)

THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Alexandre Desplat
THE DARK KNIGHT – Hans Zimmer, James Newton Howard
MAMMA MIA! – Benny Andersson, Björn Ulvaeus
SLUMDOG MILLIONAIRE – A. R. Rahman
WALL•E – Thomas Newman

COLOR=#E90909>MELHOR FOTOGRAFIA

CHANGELING – Tom Stern
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Claudio Miranda
THE DARK KNIGHT – Wally Pfister
THE READER – Chris Menges, Roger Deakins
SLUMDOG MILLIONAIRE – Anthony Dod Mantle

COLOR=#E90909>MELHOR MONTAGEM

CHANGELING – Joel Cox, Gary D. Roach
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Kirk Baxter, Angus Wall
THE DARK KNIGHT – Lee Smith
FROST/NIXON – Mike Hill, Dan Hanley
IN BRUGES – Jon Gregory
SLUMDOG MILLIONAIRE – Chris Dickens

COLOR=#E90909>MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

CHANGELING – James J. Murakami, Gary Fettis
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Donald Graham Burt, Victor J. Zolfo
THE DARK KNIGHT – Nathan Crowley, Peter Lando
REVOLUTIONARY ROAD – Kristi Zea, Debra Schutt
SLUMDOG MILLIONAIRE – Mark Digby, Michelle Day

COLOR=#E90909>MELHOR GUARDA-ROUPA

CHANGELING – Deborah Hopper
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Jacqueline West
THE DARK KNIGHT – Lindy Hemming
THE DUCHESS – Michael O'Connor
REVOLUTIONARY ROAD – Albert Wolsky

COLOR=#E90909>MELHOR SOM

CHANGELING – Walt Martin, Alan Robert Murray, John Reitz, Gregg Rudloff
THE DARK KNIGHT – Lora Hirschberg, Richard King, Ed Novick, Gary Rizzo
QUANTUM OF SOLACE – Jimmy Boyle, Eddy Joseph, Chris Munro, Mike Prestwood Smith, Mark Taylor
SLUMDOG MILLIONARE – Glenn Freemantle, Resul Pookutty, Richard Pryke, Tom Sayers, Ian Tapp
WALL•E – Ben Burtt, Tom Myers, Michael Semanick, Matthew Wood

COLOR=#E90909>MELHORES EFEITOS ESPECIAIS

THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Eric Barba, Craig Barron, – Nathan McGuinness, Edson Williams
THE DARK KNIGHT – Chris Corbould, Nick Davis, Paul Franklin, Tim Webber
INDIANA JONES AND THE KINGDOM OF THE CRYSTAL SKULL – Pablo Helman, Marshall Krasser, Steve Rawlins
IRON MAN – Hal Hickel, Shane Patrick Mahan, John Nelson, Ben Snow
QUANTUM OF SOLACE – Chris Corbould, Kevin Tod Haug

COLOR=#E90909>MELHOR CARACTERIZAÇÃO

THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Jean Black, Colleen Callaghan
THE DARK KNIGHT – Peter Robb-King
THE DUCHESS – Daniel Phillips, Jan Archibald
FROST/NIXON – Edouard Henriques, Kim Santantonio
MILK – Steven E. Anderson, Michael White

COLOR=#E90909>MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

CODSWALLOP – Greg McLeod, Myles McLeod
VARMINTS – Sue Goffe, Marc Craste
WALLACE AND GROMIT: A MATTER OF LOAF AND DEATH – Steve Pegram, Nick Park, Bob Baker

COLOR=#E90909>MELHOR CURTA-METRAGEM

KINGSLAND #1 THE DREAMER – Kate Ogborn, Tony Grisoni
LOVE YOU MORE – Caroline Harvey, Anthony Minghella, Sam Taylor-Wood, Patrick Marber
RALPH – Olivier Kaempfer, Alex Winckler
SEPTEMBER – Stewart le Maréchal, Esther May Campbell
VOYAGE D’AFFAIRES (THE BUSINESS TRIP) – Celine Quideau, Sean Ellis

COLOR=#E90909>THE ORANGE RISING STAR AWARD (atribuído pelo público)

MICHAEL CERA
NOEL CLARKE
MICHAEL FASSBENDER
REBECCA HALL
TOBY KEBBELL














































































































































15th Annual SAG Awards®

27.01.09, Rita


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o77047547/5714508_fOrhr.jpeg>


ALIGN=JUSTIFY>Também este passado fim de semana, os actores tiveram oportunidade de galardoar os seus colegas de profissão na 15ª edição dos Screen Actors Guild Awards.

ALIGN=JUSTIFY>Assim ficaram as coisas:

ALIGN=LEFT> color=#e90909>THEATRICAL MOTION PICTURES


color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role

SEAN PENN por “Milk”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role

MERYL STREEP por “Doubt”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role

HEATH LEDGER por “The Dark Knight”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role

KATE WINSLET por “The Reader”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by the Cast of a Motion Picture

RUBINA ALI, TANAY HEMANT CHHEDA, ASHUTOSH LOBO GAJIWALA, AZHARUDDIN MOHAMMED ISMAIL, ANIL KAPOOR, IRRFAN KHAN, AYUSH MAHESH KHEDEKAR, TANVI GANESH LONKAR, MADHUR MITTAL, DEV PATEL, FREIDA PINTO, PRIMETIME TELEVISION por “Slumdog Millionaire”


color=#e90909>PRIMETIME TELEVISION


color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries

PAUL GIAMATTI por “John Adams”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries

LAURA LINNEY por “John Adams”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series

HUGH LAURIE por “House”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series

SALLY FIELD por “Brothers & Sisters”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series

ALEC BALDWIN por “30 Rock”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series

TINA FEY por “30 Rock”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series

SCOTT ADSIT, ALEC BALDWIN, KATRINA BOWDEN, TINA FEY, JUDAH FRIEDLANDER, JANE KRAKOWSKI, JACK McBRAYER, TRACY MORGAN, MAULIK PANCHOLY, KEITH POWELL por “30 Rock”

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series

BRYAN BATT, ALISON BRIE, MICHAEL GLADIS, JON HAMM, AARON HART, CHRISTINA HENDRICKS, JANUARY JONES, VINCENT KARTHEISER, ROBERT MORSE, MARK MOSES, ELISABETH MOSS, KIERNAN SHIPKA, JOHN SLATTERY, RICH SOMMER, AARON STATON por “Mad Men”


color=#e90909>SAG HONORS FOR STUNT ENSEMBLES


color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture

“THE DARK KNIGHT” (Warner Bros. Pictures)

color=#aaaaaa>Outstanding Performance by a Stunt Ensemble in a Television Series

“HEROES” (NBC)









































Sundance XXV

26.01.09, Rita


SRC=http://fotos.sapo.pt/aBTt5HbnnCTZvSUy6F1A/x435>


ALIGN=JUSTIFY>Da 25ª edição do Festival de Cinema de Sundance, que teve lugar neste passado fim de semana, saíram, entre outros, os seguintes vencedores:


ALIGN=LEFT> color=#aaaaaa>Grand Jury Prize: Documentary

WE LIVE IN PUBLIC, de Ondi Timoner (EUA)

color=#aaaaaa>Grand Jury Prize: Dramatic

PUSH: Based on the novel by Sapphire, de Lee Daniels (EUA)

color=#aaaaaa>World Cinema Jury Prize: Documentary

ROUGH AUNTIES, de Kim Longinotto (Reino Unido)

color=#aaaaaa>World Cinema Jury Prize: Dramatic

LA NANA (THE MAID), de Sebastian Silva (Chile)

color=#aaaaaa>Audience Award: U.S. Documentary

THE COVE, de Louie Psihoyos (EUA)

color=#aaaaaa>Audience Award: U. S. Dramatic

PUSH: Based on the novel by Sapphire, de Lee Daniels (EUA)

color=#aaaaaa>World Cinema Audience Award: Documentary

AFGHAN STAR, de Havana Marking (Afeganistão/Reino Unido)

color=#aaaaaa>World Cinema Audience Award: Dramatic

AN EDUCATION, de Lone Scherfig (Reino Unido)























The Curious Case of Benjamin Button ***1/2

23.01.09, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: David Fincher. Elenco: Brad Pitt, Cate Blanchett, Taraji P Henson, Tilda Swinton, Jason Flemyng, Elias Koteas, Julia Ormond, Jared Harris, Elle Fanning, Mahershalhashbaz Ali. Nacionalidade: EUA, 2008.


SRC=http://latimesblogs.latimes.com/photos/uncategorized/2008/06/23/bradpittold.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Desde o início de “The Curious Case of Benjamin Button” percebemos não estar perante o conto de F. Scott Fitzgerald, situado na Baltimore do início dos anos 20. É 2005, em New Orleans, na iminência do furacão Katrina. Num quarto de hospital, uma mulher (Julia Ormond) lê um diário à sua mãe moribunda (Cate Blanchett). Naquelas páginas está a juventude da sua mãe, entrelaçada na vida de um homem único, de seu nome Benjamin Button (Brad Pitt). Benjamin nasce no final da Grande Guerra. Apesar do seu tamanho e capacidades mentais serem as de um recém-nascido, Benjamin tem a pele enrugada de um velho, a artrite e a fraca condição física de um homem idoso. Abandonado pelo pai (Jason Flemyng), Benjamin é criado por Queenie (Taraji P Henson), responsável por uma residência de idosos, onde, nos primeiros anos de vida (e contra todos os prognósticos), Benjamin encaixa na perfeição. À medida que vai crescendo, Benjamin vai rejuvenescendo, em sentido contrário a todos os outros. Em sentido contrário também a Daisy (Elle Fanning), neta de uma residentes do lar, por quem Benjamin sente uma ligação especial.

ALIGN=JUSTIFY>Num longo flashback, o argumento de Eric Roth (“The Good Shepherd”, “Munique”) usa a mesma premissa fantástica de Fitzgerald para logo se afastar dele quer no contexto da vida familiar de Benjamin, quer do seu crescimento. “The Curious Case of Benjamin Button” centra-se na procura que Benjamin faz de um sentido para a sua especificidade. Uma diferença que o impede de estabelecer relações duradouras e o deixa à deriva. No conto, a sua idade cruza-se em determinado ponto com a do seu pai, posteriormente com a do seu filho e, finalmente, com a do seu neto, criando com cada um deles uma relação real. Aqui Daisy é o eixo em torno do qual Benjamin gravita, como se ela fosse o único ponto possível de contacto com a realidade.

ALIGN=JUSTIFY>Incongruências à parte, “The Curious Case of Benjamin Button” está belissimamente filmado, impregnado de fatalismo e sob o espectro da mortalidade. Para percebermos que o percurso de Benjamin é, em essência, igual ao de todos os outros. Também ele nasceu indefeso, e também recusa, no final, ser um fardo para aqueles que ama. A grande falha do argumento de Roth é fugir ao confronto da idade de Benjamin com a realidade que o rodeia.

ALIGN=JUSTIFY>Apesar da sua complexidade técnica (e do impressionante trabalho de caracterização e efeitos especiais), este é um filme simples. A realização de David Fincher (“Fight Club”, “Zodiac”) é contida e sem sentimentalismo. As interpretações são honestas. Cate Blanchett nunca esteve tão bonita, e Brad Pitt conseguiu o tom perfeito de uma personagem que, apesar das suas extraordinárias circunstâncias, é extraordinariamente normal.

ALIGN=JUSTIFY>David Fincher nunca foi tão poético, tão romântico, tão afectuoso, tão clássico como aqui. Mas é exactamente por isso que não me apetece que ele seja contemplado com um Oscar por este filme, apesar da sua qualidade. Porque o seu olhar e as suas obras conseguem ser bem mais viscerais e a “The Curious Case of Benjamin Button” falta uma boa dose de paixão.

ALIGN=JUSTIFY>A vida é, por definição, um conjunto de imensas improbabilidades. Primeiro as históricas e depois as biológicas. O amor é só mais uma. É apenas um momento, hoje, como um relâmpago. Um pequeno incidente que, se tivermos sorte, nunca esqueceremos.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“We're meant to lose the people we love. How else are we supposed to know how important they are?”
PAULA GRAY (Sybil Wagner)


ALIGN=JUSTIFY>“Your life is defined by its opportunities... even the ones you miss.”
BRAD PITT (Benjamin Button)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Daisy – Would you still love me if I were old and saggy?
Benjamin Button – Would you still love ME if I were young and had acne? Or if I end up wetting the bed?”
CATE BLANCHETT (Daisy) e BRAD PITT (Benjamin Button)


ALIGN=JUSTIFY>“I'm always lookin' out my own eyes.”
BRAD PITT (Benjamin Button)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“For what its worth it's never too late, or in my case too early to be whoever you want to be. There's no time limit. Start whenever you want. You can change or stay the same. There are no rules to this thing. We can make the best or the worst of it; I hope you make the best of it. I hope you see things that startle ya. I hope you feel things that you've never felt before. I hope you meet people with a different point of view. I hope you live a life you are proud of. If you find that you're not, I hope you have the strength to start all over again.”
BRAD PITT (Benjamin Button)


ALIGN=JUSTIFY>“Along the way you bump into people who make a dent on your life. Some people get struck by lightning. Some are born to sit by a river. Some have an ear for music. Some are artists. Some swim the English Channel. Some know buttons. Some know Shakespeare. Some are mothers. And some people can dance.”
BRAD PITT (Benjamin Button)















Oscar® 2009 – nomeados

22.01.09, Rita


SRC=http://fotos.sapo.pt/2DBOGDsjPsjnHOZCQAu8/>


ALIGN=JUSTIFY>Eis os nomeados pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences para a célebre estatueta dourada, cuja 81ª edição terá lugar a 22 de Fevereiro.

ALIGN=JUSTIFY>“The Curious Case Of Benjamin Button” domina com 13 nomeações, seguido de “Slumdog Millionaire”
com 10 e de “Milk” e “The Dark Knight”, cada um com 8. Nas principais categorias o grande esquecido parece ser “Revolutionary Road”.

ALIGN=JUSTIFY>Para quem, como eu, não consegue evitar os palpites, este ano é disponibilizado um cupão oficial para as apostas.


COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR PRINCIPAL

Richard Jenkins por “The Visitor”
Frank Langella por “Frost/Nixon“
Sean Penn por “Milk”
Brad Pitt por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Mickey Rourke por “The Wrestler”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

Josh Brolin por “Milk”
Robert Downey Jr. por “Tropic Thunder”
Philip Seymour Hoffman por “Doubt”
Heath Ledger por “The Dark Knight”
Michael Shannon por “Revolutionary Road”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL

Anne Hathaway por “Rachel Getting Married”
Angelina Jolie por “Changeling”
Melissa Leo por “Frozen River”
Meryl Streep por “Doubt”
Kate Winslet por “The Reader”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

Amy Adams por “Doubt”
Penélope Cruz por “Vicky Cristina Barcelona”
Viola Davis por “Doubt”
Taraji P. Henson por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Marisa Tomei por “The Wrestler”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

Bolt, de Byron Howard e Chris Williams
Kung Fu Panda, de Mark Osborne e John Stevenson
WALL•E, de Andrew Stanton

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DIRECÇÃO ARTÍSTICA

James J. Murakami e Gary Fettis por “Changeling”
Donald Graham Burt e Victor J. Zolfo por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Nathan Crowley e Peter Lando por “The Dark Knight”
Michael Carlin e Rebecca Alleway por “The Duchess”
Kristi Zea e Debra Schutt por “Revolutionary Road”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FOTOGRAFIA

Tom Stern por “Changeling”
Claudio Miranda por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Wally Pfister por “The Dark Knight”
Roger Deakins e Chris Menges por “The Reader”
Anthony Dod Mantle por ”Slumdog Millionaire”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR GUARDA-ROUPA

Catherine Martin por “Australia”
Jacqueline West por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Michael O'Connor por “The Duchess”
Danny Glicker por “Milk”
Albert Wolsky por “Revolutionary Road”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR REALIZADOR

Danny Boyle por ”Slumdog Millionaire”
Stephen Daldry por “The Reader”
David Fincher por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Ron Howard por “Frost/Nixon”
Gus Van Sant por “Milk”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DOCUMENTÁRIO

The Betrayal - Nerakhoon, de Ellen Kuras e Thavisouk Phrasavath
Encounters at the End of the World, de Werner Herzog
The Garden, de Scott Hamilton Kennedy
Man on Wire, de James Marsh
Trouble the Water, de Tia Lessin e Carl Deal

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTAL

The Conscience of Nhem En, de Steven Okazaki
The Final Inch, de Irene Taylor Brodsky e Tom Grant
Smile Pinki, de Megan Mylan
The Witness from the Balcony of Room 306, de Adam Pertofsky

COLOR=#AAAAAA>MELHOR MONTAGEM

Angus Wall e Kirk Baxter por “The Curious Case of Benjamin Button”
Lee Smith por “The Dark Knight”
Daniel P. Hanley e Mike Hill por “Frost/Nixon”
Elliot Graham por “Milk”
Chris Dickens por “Slumdog Millionaire”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA

The Baader Meinhof Complex, de Uli Edel (Alemanha)
Entre Les Murs, de Laurent Cantet (França)
Revanche, de Götz Spielmann (Áustria)
Okuribito (Departures), de Yojiro Takita (Japão)
Waltz With Bashir, de Ari Folman (Israel)

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CARACTERIZAÇÃO

Greg Cannom por “The Curious Case of Benjamin Button”
John Caglione Jr. e Conor O'Sullivan por “The Dark Knight”
Mike Elizalde e Thomas Floutz por “Hellboy II: The Golden Army”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR BANDA SONORA ORIGINAL

Alexandre Desplat“The Curious Case of Benjamin Button”
James Newton Howard – “Defiance”
Hans Zimmer“Frost/Nixon”
A.R. Rahman“Slumdog Millionaire”
Thomas Newman – por “WALL•E”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CANÇÃO

Jai Ho (A.R. Rahman e Gulzar) – “Slumdog Millionaire”
O Saya (A.R. Rahman e Maya Arulpragasam) – “Slumdog Millionaire”
Down to Earth (Peter Gabriel e Thomas Newman) – “WALL•E”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME

The Curious Case Of Benjamin Button, de David Fincher
Frost/Nixon, de Ron Howard
Milk, de Gus Van Sant
The Reader, de Stephen Daldry
Slumdog Millionaire, de Danny Boyle

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

La Maison en Petits Cubes, de Kunio Kato
Ubornaya istoriya - lyubovnaya istoriya, de Konstantin Bronzit
Oktapodi, de Emud Mokhberi, Thierry Marchand, Quentin Marmier, Olivier Delabarre, François-Xavier Chanioux e Julien Bocabeille
Presto, de Doug Sweetland
This Way Up, de Alan Smith e Adam Foulkes

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM

Auf der Strecke, de Reto Caffi
Manon sur le bitume, de Elizabeth Marre e Olivier Pont
New Boy, de Steph Green
Grisen, de Dorthe Warnø Høgh
Spielzeugland, de Jochen Alexander Freydank

COLOR=#AAAAAA>MELHOR EDIÇÃO DE SOM

Richard King por “The Dark Knight”
Frank E. Eulner e Christopher Boyes por “Iron Man”
Tom Sayers por “Slumdog Millionaire”
Ben Burtt e Matthew Wood por “WALL•E”
Wylie Stateman por “Wanted”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR SONOPLASTIA

David Parker, Michael Semanick, Ren Klyce e Mark Weingarten por “The Curious Case of Benjamin Button”
Ed Novick, Lora Hirschberg e Gary Rizzo por “The Dark Knight”
Ian Tapp, Richard Pryke e Resul Pookutty por “Slumdog Millionaire”
Tom Myers, Michael Semanick e Ben Burtt por “WALL•E”
Chris Jenkins, Frank A. Montaño e Petr Forejt por “Wanted”

COLOR=#AAAAAA>MELHORES EFEITOS ESPECIAIS

Eric Barba, Steve Preeg, Burt Dalton e Craig Barron por “The Curious Case of Benjamin Button”
Nick Davis, Chris Corbould, Timothy Webber e Paul J. Franklin por “The Dark Knight”
John Nelson, Ben Snow, Daniel Sudick e Shane Mahan por “Iron Man”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

Courtney Hunt por “Frozen River”
Mike Leigh por “Happy-Go-Lucky”
Martin McDonagh por “In Bruges”
Dustin Lance Black por “Milk”
Andrew Stanton, Pete Docter e Jim Reardon por “WALL•E”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

Eric Roth e Robin Swicord por “The Curious Case of Benjamin Button”
John Patrick Shanley por “Doubt”
Peter Morgan por “Frost/Nixon”
David Hare por “The Reader”
Simon Beaufoy por ”Slumdog Millionaire”













































































































































A Onda - Die Welle ***1/2

21.01.09, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Dennis Gansel. Elenco: Jürgen Vogel, Frederick Lau, Max Riemelt, Jennifer Ulrich, Christiane Paul, Jacob Matschenz, Cristina do Rego, Elyas M'Barek. Nacionalidade: Alemanha, 2008.


SRC=http://www.dialoginternational.com/photos/uncategorized/2008/03/25/welle.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é um daqueles professores modernos de que todos os alunos gostam, a sua informalidade tornando-o preferido face a outros professores mais tradicionais. Ele mede a sua eficácia como professor por essa admiração. No projecto semanal que ele deve desenvolver com uma turma, calha-lhe a temática da ‘Autocracia’, quando ele tinha expressado a sua preferência pela ‘Anarquia’, um assunto que ele viveu na pele na sua juventude. Dada a indiferença que as suas objecções recebem, Wenger resigna-se e decide abordar o tema da forma mais original de que se consegue lembrar. Perante a questão que se levanta num primeiro debate – poderia a Alemanha dos dias de hoje voltar a um totalitarismo? –, Wenger resolve fazer uma simulação de um sistema autocrático liderado por ele mesmo.

ALIGN=JUSTIFY>“A Onda - Die Welle” adapta o livro de Todd Strasser, que é, por sua vez, livremente baseado no ensaio “The Third Wave” de Ron Jones, relatando a sua experiência como professor de história no Cubberley High School em Palo Alto, California, em 1967. Na tentativa de explicar como é que os alemães permitiram que Hitler e o Partido Nazi chegassem ao poder, Jones criou, numa semana, um movimento com o mote: "Strength through discipline, strength through community, strength through action, strength through pride.".

ALIGN=JUSTIFY>Para espanto de Wenger, os seus alunos reagem favoravelmente à disciplina imposta. Os argumentos usados para unir a turma – os benefícios da igualdade, da justiça e da ordem –, são os mesmos que historicamente têm sido usados por sistemas políticos quer de direita quer de esquerda. O realizador Dennis Gansel faz questão de mostrar, de uma forma sintética mas eficaz, os ambientes familiares de alguns dos alunos, contextualizando dessa forma as suas reacções posteriores. Os alunos tímidos começam a sentir-se finalmente parte de um grupo, antigas rivalidades atenuam-se, e praticamente todos se deixam repousar no conforto deste totalitarismo que não os obriga a pensar por eles mesmos.

ALIGN=JUSTIFY>A narrativa, com uma progressão diária, acompanha o envolvimento da turma no projecto: a criação de um uniforme, um nome, um logótipo, uma página no myspace. Este fervor acaba por contagiar outros alunos fora da turma, ao mesmo tempo que repele todos os que opinião de maneira diferente. A ligação afectiva que se estabelece com todos os que decidem entrar assume uma dimensão idêntica à discriminação e violência contra todos os outros.

ALIGN=JUSTIFY>Desde o início, Gansel vai construindo um ambiente tenso, da música de revolta à frustrante tentativa de inclusão social que marca a adolescência. Esta é uma geração que se sente perdida, sem objectivos, e cujos valores se reduzem a um consumo desenfreado. Unificados em torno de uma razão maior, eles estabelecem relações de camaradagem e igualdade. A transposição para o cenário alemão torna a questão ainda mais forte, primeiro, porque a incredulidade perante a repetição de uma História tão recente é mais acentuada e, segundo, porque à semelhança de outras gerações pós-3º Reich, também estes jovens partilham uma culpa que não lhes pertence.

ALIGN=JUSTIFY>Apesar da rapidez das transformações, a mudança nos alunos e nas suas atitudes é bastante credível. Numa sociedade que os afoga em informação e individualismo, vem à tona a sua necessidade de limites contra os quais se rebelar e unir. À margem, ostracizados, estão os alunos que se recusam se seguir este movimento e que tentam alertar Wenger e parar o projecto. O próprio professor, em extrema contradição com a sua atitude inicial, deixa-se maravilhar pela adulação de que é objecto.

ALIGN=JUSTIFY>A moralidade da história é explosiva e sem margem para dúvidas. Talvez tenha sido uma opção pedagógica, mas, do meu ponto de vista, serve apenas um facilitismo dramático e subestima a capacidade de discernimento do espectador médio.

ALIGN=JUSTIFY>“A Onda - Die Welle” fala da fragilidade do Homem, da sua fraca memória, da sua credulidade. Tudo aquilo que faz com que esqueçamos os erros passados e com que a História se repita. Do ponto de vista narrativo, há uma semelhança muito próxima ao filme “Das Experiment” de Oliver Hirschbiegel, baseado na Stanford Prison Experiment em 1971; do ponto de vista conceptual não posso deixar de pensar em “Lord of the Flies” de William Golding e no fascínio que o fascismo exerce na juventude.

ALIGN=JUSTIFY>Vivemos num mundo onde as palavras dos políticos e a imagética publicitária conseguem convencer a população a abdicar dos seus direitos e liberdades para alimentar um policiamento e vigilância doentios, em nome de uma falsa necessidade de segurança. Os interesses económicos desta “indústria” impedem que se volte atrás mesmo quando o perigo deixa de existir. Até pelas melhores razões, o totalitarismo pode ser tentador. É esse o terror contra o qual temos de lutar, um terror que vive mesmo ao nosso lado e, muitas vezes, dentro de nós mesmos.








Valsa com Bashir ****1/2

19.01.09, Miguel Marujo

Realização: Ari Folman. Argumento: Ari Folman. Nacionalidade: Israel, 2008.

 

 

 

Comecemos pelo fim – afinal, o filme conta uma história conhecida: os massacres de Sabra e Chatila, na guerra do Líbano, em 1982. No fim, o que vemos é a história então contada ao mundo pelas câmaras de televisão. Sabra e Chatila eram dois campos de refugiados palestinianos. Sob a complacência israelita, cristãos libaneses massacraram inocentes, mulheres, crianças, velhos. O que vemos no ecrã é o regresso de sobreviventes aos campos – que choram e gritam. A dor já não é filtrada pelas cores intensas do desenho que é este filme de Ari Folman. Mas antes, em 90 minutos, esta “Valsa com Bashir” só podia ser contada assim, em animação: o protagonista confronta-se com a sua memória que apagou os dias da guerra no Líbano e decide partir em busca do que foram esses dias. A sua descoberta é a nossa.

 

Comecemos pelo princípio. Folman é um realizador israelita e foi soldado na guerra de 1982. Mais de 20 anos depois, um encontro com um amigo traz-lhe à memória esses dias, de que não se lembra, de que apagou o registo. A partir daí o filme constroi-se de encontros entre camaradas de armas onde Ari vai reconstruindo a sua ida à guerra. A sua viagem é nossa também e à medida que ele compõe o quadro do que aconteceu naquele ano, o espectador vai construindo também a teia complexa em que se enredou já há muito o Médio Oriente.

 

Nestes dias em que a guerra voltou a essas paragens (afinal, algum dia terá parado?), “Valsa com Bashir” apresenta-nos um olhar notável de inteligência e beleza, de sonho e mesmo humor sobre os eternos conflitos da região. Por entre as cores fortes, a atenção aos detalhes de som e imagem, o olhar quase terno das personagens sobre o seu passado, as ideias feitas são desarrumadas. No meio dos tiros, Ari Folman põe-nos a dançar a valsa, para sublinhar o absurdo da guerra, de qualquer guerra. Excelente filme.

Oscar de Melhor Filme Estrangeiro: shortlist

15.01.09, Rita


ALIGN=CENTER>Para reduzir a apenas cinco no dia 22 de Janeiro.

SRC=http://fotos.sapo.pt/6on3ng7upZ7bncCzp5aU/x435>


ALIGN=LEFT> REVANCHE, de Götz Spielmann (Áustria)

CE QU’IL FAUT POUR VIVRE, de Benoît Pilon (Canadá)

ENTRE LES MURS, de Laurent Cantet (França)

DER BAADER MEINHOF KOMPLEX, de Uli Edel (Alemanha):

VALS IM BASHIR (VALSA COM BASHIR), de Ari Folman (Israel)

OKURIBITO (DEPARTURES), de Yojiro Takita (Japão)

ARRÁNCAME LA VIDA, de Roberto Sneider (México)

MARIA LARSSONS EVIGA ÖGONBLICK (EVERLASTING MOMENTS), de Jan Troell (Suécia)

ÜÇ MAYMUN (OS TRÊS MACACOS), de Nuri Bilge Ceylan (Turquia)
























Vicky Cristina Barcelona **

13.01.09, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Woody Allen. Elenco: Rebecca Hall, Scarlett Johansson, Javier Bardem, Penélope Cruz, Patricia Clarkson, Chris Messina. Nacionalidade: Espanha / EUA, 2008.


SRC=http://images.salon.com/ent/movies/btm/feature/2008/08/15/vicky_cristina/story.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>As duas melhores amigas Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) resolvem passar umas pequenas férias em Barcelona, aproveitando a hospitalidade de uns familiares de Vicky, Judy e Mark (Patricia Clarkson e Kevin Dunn). Vicky está nas vésperas de seu há muito decidido casamento com Doug (Chris Messina), enquanto Cristina pretende explorar a sua veia artística e esquecer a sua última desilusão amorosa. Numa galeria de arte, Vicky e Cristina conhecem o artista plástico Juan Antonio (Javier Bardem), envolvido na aura de escândalo do seu divórcio de Maria Elena (Penélope Cruz), incluindo violenras agressões. Mais tarde, num restaurante, Juan Antonio, educadamente mas sem rodeios, faz a ambas uma “proposta indecente” de um fim de semana em Oviedo. Vicky, a responsável e madura, reage com indignação, enquanto Cristina, impulsiva e aventureira, é instantaneamente atraída por este homem.

ALIGN=JUSTIFY>Desde “Match Point”, a primeira incursão de Woody Allen na Europa, que ele parece incapaz de nos surpreender. “Scoop” e “Cassandra’s Dream” foram obras menores do realizador e as expectativas residiam agora em “Vicky Cristina Barcelona”, longe já das humidades inglesas e dando lugar ao calor da capital catalã.

ALIGN=JUSTIFY>Mas se Barcelona consegue criar nas duas protagonistas a ilusão de uma mudança na sua vida, perante os nossos olhos desvendam-se todos os clichés da cidade, como um postal turístico. E se a sua beleza é inegável, a sua eficácia é nula.

ALIGN=JUSTIFY>Woody Allen tem-nos habituado a “documentos” sobre as diferentes formas do ser humano viver os afectos, a favor ou contra a sua própria natureza. O universo de “Vicky Cristina Barcelona” é novamente uma burguesia sem preocupações de maior, mas onde o peso social (e do socialmente correcto) cria uma cisão entre o emocional e o racional. Parece haver aqui a tese subjacente segundo a qual desde que haja consentimento numa relação entre adultos tudo é permitido.

ALIGN=JUSTIFY>A prudência de Vicky, para quem o amor é uma escolha, rapidamente (e sem surpresa) se transforma em inveja de Cristina, para quem amar é perder-se. Mas a miopia de Vicky impede-a de ver os custos que Cristina paga por uma aventura excitante. De certa forma elas esperam que este homem e esta cidade as salvem das suas expectativas sobre o amor: uma certa resignação para Vicky e um sofrimento certo para Cristina. Percebemos que o afecto não é suficiente para fazer com que uma relação resulte, mas Allen não consegue sequer provar em que medida é que ele é imprescindível.

ALIGN=JUSTIFY>Sem subtilezas Allen coloca em duas mulheres a duplicidade que poderia residir numa só (mas talvez desse muito trabalho criar uma personagem com várias camadas), o que as reduz a muito pouco. Nenhuma delas é tão perfeita (no caso de Vicky) ou tão moderna (no caso de Cristina) como pensa. Aliás, Vicky é apenas aborrecida e cobarde, e Cristina caprichosa e imatura.

ALIGN=JUSTIFY>Desde início, Allen impõe uma narração externa à história (Christopher Evan Welch) que lhe poupa alguma contextualização, mas que de nada vale ao longo da narrativa, repetindo aquilo que já estamos a ver.

ALIGN=JUSTIFY>Tal como o cenário, também os actores são bonitos. Para sorte de Allen tratam-se de bons actores, nomeadamente um Javier Barden extremamente simpático e uma Penélope Cruz em plena paranóia. Scarlett Johansson cumpre sem enfeitiçar e Rebecca Hall vai pouco além do irritante.

ALIGN=JUSTIFY>No final de “Vicky Cristina Barcelona” fica uma viagem que não serviu para nada. As personagens não tiveram sequer direito a um arco evolutivo. E nós, espectadores, aprendemos coisa nenhuma. Allen precisa urgentemente de voltar à sua neurótica Nova Iorque. O feitiço da Europa parece estar a esgotá-lo ou, pelo menos, a torná-lo preguiçoso.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Maria Elena used to say that only unfulfilled love can be romantic.”
JAVIER BARDEM (Juan Antonio)


ALIGN=JUSTIFY>“I'll go to your room, but you'll have to seduce me.”
SCARLETT JOHANSSON (Cristina)












Pág. 1/2