Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Michael Clayton ****

28.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Tony Gilroy. Elenco: George Clooney, Tom Wilkinson, Tilda Swinton, Sydney Pollack, Michael O'Keefe. Nacionalidade: EUA, 2007.


SRC=http://a69.g.akamai.net/n/69/10688/v1/img5.allocine.fr/img_snd//18/35/40/45/18392135_tmp.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Michael Clayton (George Clooney) é o “fixer”, o solucionista de um escritório de advogados que entra em acção quando as coisas ameaçam tornar-se graves para os clientes que a sua empresa representa. Depois de escapar a uma bomba colocada no seu carro, um longo flashback irá reconstituir os acontecimento que levaram até àquele momento. A tarefa profissional de Clayton é manter os riscos sob controlo, mas a sua vida pessoal transborda caos: o casamento desfeito, o vício do jogo, a dívida de 75.000 dólares que o seu irmão tem junto de um agiota em resultado de um negócio falhado.

ALIGN=JUSTIFY>Quando o seu colega e amigo Arthur Edens (Tom Wilkinson) sofre um aparente esgotamento a meio de um processo de defesa da empresa agro-química U-North, Clayton é chamado para minimizar o problema. O chefe de Clayton, Marty Bach (Sydney Pollack), incumbe-o de fazer com que Edens volte à medicação para a sua bipolaridade ou fazer com que se cale. O que Clayton não sabe é que Edens descobriu provas que incriminam a U-North pela utilização de uma substância com efeitos secundários prejudiciais aos muitos agricultores a quem foi vendida e tenciona sabotar o caso a favor das vítimas. Mas Karen Crowder (Tilda Swinton), a responsável jurídica da U-North está disposta a tudo para defender a sua empresa e para preservar a sua posição na escada corporativa.

ALIGN=JUSTIFY>O argumentista da Trilogia “Bourne” estreia-se na realização com um competentíssimo filme, rico na sua complexidade, no confronto verbal e dispondo de um elenco pleno de intensidade, do brilhante Wilkinson à riqueza de tonalidades de Clooney e à dualidade atormentada de Swinton. Tony Gilroy atribuiu uma cuidadosa tridimensionalidade às suas personagens, e embora o argumento algo complexo exija a atenção do espectador, essa dedicação será totalmente compensadora.

ALIGN=JUSTIFY>Clooney carrega a alma melancólica e destroçada de Clayton como se fosse a sua. Na sombra, ele debate-se entre aquilo que é e aquilo em que se tornou. O seu dilema moral é o de uma sociedade que onde as pessoas se vão vendendo até perderem todo o seu valor humano. Onde as grandes corporações compram obtêm a lealdade em troca de uma ameaça velada. Onde estamos dispostos a fazer tudo para subir e mais ainda para nos mantermos lá em cima. Nem que seja preciso abdicar da nossa integridade para fazer parte dessa tão bem publicitada engrenagem de modernidade.

ALIGN=JUSTIFY>“Michael Clayton” é, nesta medida, um filme de terror. A frieza do mundo dos negócios e o conforto da vida familiar (potenciados na fotografia de Robert Elswit – “Syriana”, “Good Night, And Good Luck”) degladiam-se em torno de um eixo moral, simbolizado no livro ficcional ‘Realm and Conquest”, uma ‘bíblia’ de comportamento para o filho de Clayton (Austin Williams), ingénuo e puro como todos já fomos um dia, antes da grande corrupção.

ALIGN=JUSTIFY>É preciso abandonar essa “medicação” que nos entra pelos olhos e pelos ouvidos para conseguir alguma lucidez. Aí, a ambição é trocada pelo remorso, desespera-se contra as paredes de uma casa de banho, esconde-se a culpa num banco de trás de um táxi. Reza-se para ser ainda possível recuperar alguma humanidade.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“There's no play here. There's no angle. There's no champagne room. I'm not a miracle worker, I'm a janitor. The math on this is simple. The smaller the mess the easier it is for me to clean up.”
GEORGE CLOONEY (Michael Clayton)












Juno *****

26.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Jason Reitman. Elenco: Ellen Page, Michael Cera, Jennifer Garner, Jason Bateman, Allison Janney, J.K. Simmons, Olivia Thirlby. Nacionalidade: EUA / Canadá / Hungria, 2007.


SRC=http://www.linternaute.com/cinema/image_cache/objdbfilm/image/300/27352.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>“Tudo começou com uma cadeira...”

ALIGN=JUSTIFY>E assim, com esta facilidade, somos sugados para o universo de Juno MacGuff (Ellen Page), uma adolescente de 16 anos, cuja experiência sexual com o seu amigo Paulie Bleeker (Michael Cera) resultou numa gravidez indesejada. O choque inicial do pai (J.K. Simmons) e da madrasta (Allison Janney) rapidamente se transforma em apoio incondicional, mesmo quando, depois de ter tido a tentação de fazer um aborto, Juno decide ter a criança e dá-la para adopção. Com a ajuda da amiga Leah (Olivia Thirlby), Juno escolhe pelo jornal o casal a quem irá dar a criança: Vanessa e Mark Loring (Jennifer Garner e Jason Bateman).

ALIGN=JUSTIFY>Com o aproximar da data do parto, as estações mudam, as emoções mudam, e estas personagens serão obrigadas a verem-se a si mesmas com novos olhos. Mas se nada é tão perfeito como parece à primeira vista, também nada é tão péssimo. E às vezes o melhor da vida é feito em caminhos menos esperados.

ALIGN=JUSTIFY>O efeito de “Juno” assemelha-se ao de “Little Miss Sunshine” o ano passado: a surpresa, o desconcerto, o fascínio absoluto. Delicioso e estranho desde a animação do genérico inicial (ver vídeo abaixo) até ao comovente final onde Juno e Bleeker cantam uma versão dos The Moldy Peaches. Foi Ellen Page que sugeriu este grupo ao realizador, que depois usou extensivamente a voz de Kimya Dawson, com apontamentos de Belle & Sebastian e o doce ‘I’m Sticking With You’ dos The Velvet Underground, para colorir esta história.

ALIGN=JUSTIFY>O primeiro argumento da ex-stripper e blogger Diablo Cody é desarmante na forma refrescante como encara sem pânico e com naturalidade um acontecimento biologicamente natural. Se uma gravidez na adolescência tem um grande impacto na vida de uma jovem, não é menos verdade que o mundo não acaba por causa disso.

ALIGN=JUSTIFY>Sem posicionamentos morais quando ao direito à escolha (apesar do apropriamento indevido do movimento pró-vida que o usa como um estandarte que “Juno” não é nem pretende ser), o filme de Jason Reitman (“Thank You For Smoking”) trata as dores do crescimento sem condescendência, com inteligência e sem pretensiosismo, conseguindo ser tocante sem ser sentimentalista, e imensamente divertido evitando por completo o óbvio e o estereotipo.

ALIGN=JUSTIFY>Em “Juno” assistimos ao mágico processo do nascimento de uma pessoa. E não me refiro ao resultado da fusão entre um óvulo e um espermatozóide. No meio da sua angústia adolescente, Juno revela uma sabedoria surpreendente (irreal?) para uma rapariga da sua idade – esta extrema lucidez é o elemento que mais afasta a possibilidade de paralelismo com a realidade. Apesar do olhar atravessado por parte dos colegas de escola ou da expectativa dos pais que apenas tivesse sido expulsa ou metida em drogas, a decisão de Juno é tomada num contexto de afecto, pela amizade e pela família. É isso que lhe permite assumir as consequências dos seus actos e solucioná-las.

ALIGN=JUSTIFY>Do alto dos seus recentemente completados 21 anos, Ellen Page (“Hard Candy”) é um portento em tamanho mignon, condensando força e vulnerabilidade, inocência e maturidade, e fazendo totalmente seus os diálogos plenos de humor e ironia.

ALIGN=JUSTIFY>Todas as experiências são passíveis de contribuir para o nosso crescimento. Aliás, essa contribuição é a evidência da sua necessidade. Uma escolha, seja ela qual for, deve resultar de uma atitude consciente. Honesta e autêntica, como este filme.




ALIGN=CENTER>COLOR=#E90909 SIZE=1>ALL I WANT IS YOU, de Barry Louis Polisar



WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“It all started with a chair.”
ELLEN PAGE (Juno)


ALIGN=JUSTIFY>“Hi, I'm calling to procure a hasty abortion...”
ELLEN PAGE (Juno)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Gerta Rauss – So how far along are you?
Juno – I'm a junior.”
EILEEN PEDDE (Gerta Rauss) e ELLEN PAGE (Juno)


ALIGN=JUSTIFY>“Mac MacGuff – I thought you were the kind of girl who knew when to say when.
Juno – I don't know what kind of girl I am.”
J.K. SIMMONS (Mac MacGuff) e ELLEN PAGE (Juno)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“I think that kids get bored and have intercourse.”
ALLISON JANNEY (Bren)


ALIGN=JUSTIFY>“Vanessa Loring – Your parents are probably wondering where you are.
Juno – Nah... I mean, I'm already pregnant, so what other kind of shenanigans could I get into?”
JENNIFER GARNER (Vanessa Loring) e ELLEN PAGE (Juno)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“And Bleeker is very good in... chair!”
ELLEN PAGE (Juno)


ALIGN=JUSTIFY>“Hey there, big puffy version of Junebug!”
J.K. SIMMONS (Mac MacGuff)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Paulie Bleeker – Come on, let me carry your bag.
Juno – Oh, what's another ten pounds?”
MICHAEL CERA (Paulie Bleeker) e ELLEN PAGE (Juno)


ALIGN=JUSTIFY>“You seem to be getting pregnanter these days.”
MICHAEL CERA (Paulie Bleeker)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“I need to know that it's possible that two people can stay happy together forever.”
ELLEN PAGE (Juno)


ALIGN=JUSTIFY>“Doctors are sadists who like to play God and watch lesser people scream.”
ALLISON JANNEY (Bren)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Vanessa Loring – How do I look?
Bren – Like a new mom. Scared shitless.”
JENNIFER GARNER (Vanessa Loring) e ALLISON JANNEY (Bren)

























Oscar® – vencedores

25.02.08, Rita


SRC=http://photos.oscars.org/downloadpreview.php/01_OscarsPoster_12X17-p.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Eis o rescaldo (parabéns V.!):


COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR PRINCIPAL

DANIEL DAY-LEWIS por “There Will Be Blood”, de Paul Thomas Anderson

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

JAVIER BARDEM por “No Country For Old Men”, de Ethan Coen e Joel Coen

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL

MARION COTTILARD por “La Vie en Rose”, de Olivier Dahan

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

TILDA SWINTON por “Michael Clayton”, de Tony Gilroy

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

“RATATOUILLE”, de Brad Bird

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DIRECÇÃO ARTÍSTICA

DANTE FERRETTI (Art Direction), FRANCESCA LO SCHIAVO (Set Decoration) – “Sweeney Todd The Demon Barber of Fleet Street”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FOTOGRAFIA

ROBERT ELSWIT – “There Will Be Blood”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR GUARDA-ROUPA

ALEXANDRA BYRNE – “Elizabeth: The Golden Age”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR REALIZADOR

ETHAN COEN e JOEL COEN por “No Country For Old Men”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR DOCUMENTÁRIO

“TAXI TO THE DARK SIDE”, de Alex Gibney

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTAL

“FREEHELD”, de Cynthia Wade

COLOR=#AAAAAA>MELHOR MONTAGEM

CHRISTOPHER ROUSE – “The Bourne Ultimatum”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA

“DIE FÄLSCHER” (“THE COUNTERFEITERS”), de Stefan Ruzowitzky (Áustria)

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CARACTERIZAÇÃO

DIDIER LAVERGNE e JAN ARCHIBALD – “La Vie en Rose”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR BANDA SONORA ORIGINAL

DARIO MARIANELLI por “Atonement”, de Joe Wright

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CANÇÃO

FALLING SLOWLY – “Once” (música e letra de Glen Hansard e Marketa Irglova

COLOR=#AAAAAA>MELHOR FILME

“NO COUNTRY FOR OLD MEN”, de Ethan Coen e Joel Coen

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

“PETER & THE WOLF”, de Suzie Templeton

COLOR=#AAAAAA>MELHOR CURTA-METRAGEM

“LE MOZART DES PICKPOCKETS”, de Philippe Pollet-Villard

COLOR=#AAAAAA>MELHOR EDIÇÃO DE SOM

KAREN BAKER LANDERS e PER HALLBERG – “The Bourne Ultimatum”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR SONOPLASTIA

SCOTT MILLAN, DAVID PARKER e KIRK FRANCIS – “The Bourne Ultimatum”

COLOR=#AAAAAA>MELHORES EFEITOS ESPECIAIS

MICHAEL FINK, BILL WESTENHOFER, BEN MORRIS e TREVOR WOOD – “The Golden Compass”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

ETHAN COEN e JOEL COEN por “No Country For Old Men”

COLOR=#AAAAAA>MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

DIABLO CODY por “Juno”




Restantes nomeados aqui.






























































No Country For Old Men ****

21.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Ethan e Joel Coen. Elenco: Tommy Lee Jones, Javier Bardem, Josh Brolin, Woody Harrelson, Kelly Macdonald, Garret Dillahunt, Tess Harper, Barry Corbin. Nacionalidade: EUA, 2007.


SRC=http://www.linternaute.com/cinema/image_cache/objdbfilm/image/300/26459.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Texas, 1980. Llewelyn Moss (Josh Brolin) depara-se com o cenário devastado de uma venda de droga que terminou com a morte dos intervenientes. No meio do deserto, uma mala com 2 milhões de dólares é uma tentação irresistível. No rasto dessa mala encontra-se Anton Chigurh (Javier Bardem), um assassino a soldo muito (demasiado) dedicado ao seu trabalho, e Carson Wells (Woody Harrelson), um caçador de prémios a mando de um investidor. Percebendo que Chigurh se encontra no seu encalço, Moss tenta proteger a sua mulher Carla Jean (Kelly Macdonald) e foge para o México. Nas pistas da carnificina provocada pela botija de ar comprimido que Chigurh usa está o Xerife Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones).

ALIGN=JUSTIFY>“No Country For Old Men”, do livro de Cormac McCarthy, consegue, através de uma história simples, ter um olhar negro sobre a imprevisibilidade da vida, a transitoriedade dos seus elementos e a aleatoriedade da violência. Num registo bem mais pesado do que nos seus últimos filmes, os irmãos Coen fazem algo entre o thriller e o character study.

ALIGN=JUSTIFY>No centro do furacão está a personagem de Bardem (cujo sotaque está quase irreconhecível) espalhando caos por onde passa. O seu sangue frio e calculismo não são exactamente cínicos. Ele apenas se rege por uma moral diferente da da sociedade e é isso que lhe permite ser uma eficiente máquina de matar. Na sua percepção nada é mais natural do que decidir a vida ou morte com o lançar de uma moeda. Mas os lampejos de simpatia e humanidade que os Coen nos mostram são tão ou mais perturbadores que a sua crueldade. Custa aceitar a possibilidade do humano numa criatura assim.

ALIGN=JUSTIFY>Enquanto Chigurh não consegue resistir ao seu impulso de ser simultaneamente juiz e carrasco para as leis que ele mesmo definiu, Moss, com alguma ingenuidade, não consegue resistir à força da sua consciência para com outros seres humanos. Algures a meio caminho, está a personagem de Tommy Lee Jones, desacreditado e incrédulo, sentindo-se demasiado velho para fazer face a uma forma de crime que não compreende. O trio central de actores está irrepreensível, e as personagens, todas elas, são tão envolventes que genuinamente nos preocupamos com o que lhes poderá acontecer.

ALIGN=JUSTIFY>Na vasta paisagem texana, árida, crua e desolada (dominada em absoluto pela fotografia de Roger Deakins), o Homem torna-se mais pequeno ainda quando faz frente a uma injustiça implacável, uma atormentadora e malévola sombra. Os Coen colocam em cada cena o peso necessário para nos conduzir, a seu tempo e sem pressas, à cena seguinte, onde se acumulam ainda mais tensões. O terror é subtil, o é humor subtil. Como se um monte de sujidade estivesse envolvido num papel bonitinho e um laço. Inteligente e arrepiante.

ALIGN=JUSTIFY>Na aparente inconsequência dos actos diários, uma voz profunda faz-se ouvir em pano de fundo: cara ou coroa?


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Wendell – That's very linear Sherrif.
Ed Tom Bell – Well, age will flatten a man.”
GARRET DILLAHUNT (Wendell) e TOMMY LEE JONES (Ed Tom Bell)


ALIGN=JUSTIFY>“It starts when you begin to overlook bad manners. Anytime you quit hearing "sir" and "ma'am", the end is pretty much in sight.”
TOMMY LEE JONES (Ed Tom Bell)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“I always figured when I got older, God would sorta come inta my life somehow. And he didn't. I don't blame him. If I was him I would have the same opinion of me that he does.”
TOMMY LEE JONES (Ed Tom Bell)


ALIGN=JUSTIFY>“Whatcha got ain't nothin new. This country's hard on people, you can't stop what's coming, it ain't all waiting on you. That's vanity.”
BARRY CORBIN (Ellis)














A não perder

21.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>“Persépolis”, de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, estreia hoje. Na complicada semana de estágio para os Oscar, é um descanso já ter visto este.


SRC=http://www.plume-noire.com/gif&co/poster/persepolis.jpg>







There Will Be Blood ****

20.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Paul Thomas Anderson. Elenco: Daniel Day-Lewis, Paul Dano, Kevin J. O'Connor, Ciarán Hinds, Dillon Freasier. Nacionalidade: EUA, 2007.


SRC=http://www.linternaute.com/cinema/image_cache/objdbfilm/image/300/27826.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>No final do século XIX princípio do século XX, Daniel Plainview (Daniel Day-Lewis) é um homem do petróleo, especialista em perfurações. Quando o jovem Paul (Paul Dano) lhe vende a informação da existência de petróleo no rancho da sua família, na Califórnia, Daniel pega o seu filho, H.W. Plainview (Dillon Freasier) e desloca-se até ao rancho dos Sunday para investigar a situação. As subtis hipocrisias de Plainview começam a ser desmontadas com o degladiar da sua avareza com a de Eli (Paul Dano), o irmão de Paul, pastor da Igreja da Terceira Revelação.

ALIGN=JUSTIFY>Com “There Will Be Blood” Paul Thomas Anderson traz-nos o seu trabalho mais sóbrio. Pela primeira vez usando material de terceiros, neste caso o livro ‘Oil’ de Upton Sinclair (1927), o argumento de P.T. Anderson abdica da criatividade patente em filmes como “Magnolia” ou “Punch Drunk Love”, a favor da força desta história, ou melhor, da sua personagem principal. O seu domínio do movimento e dos tempos é acompanhado da montagem sem falhas de Dylan Tichenor. É esse compasso que confere a “There Will Be Blood” a sua aura de lenda, uma tragédia movida pela a ambição e a avareza, onde os elos familiares se fazem e se cortam em função das necessidades.

ALIGN=JUSTIFY>A acção de “There Will Be Blood” alimenta-se do combate entre Plainview e Eli Sunday, e é um prazer assistir a cada um deles tentando manipular o outro. Neles, mistura-se ganância e piedade num paradoxo espiritual / filosófico, neles, identifica-se a dureza dos negócios com a inflexibilidade da religião. Dois seres estranhos e inescrutáveis, de que não gostamos assim muito e compreendemos ainda menos. Mas isso parece não fazer parte das preocupações de P.T. Anderson. Ele limita-se a fazer-nos chegar este conto, sem maquilhagem, a fotografia e o trabalho de iluminação de Robert Elswit apenas conferindo alguma elegância ao visceral. Quanto à banda sonora de Jonny Greenwood (Radiohead), que eu tinha já ouvido por separado, continuou a não me impressionar grandemente, ou seja, faz parte do filme, mas não existe fora dele.

ALIGN=JUSTIFY>A genialidade de Daniel Day-Lewis, um dos (meus) melhores actores de sempre, não é surpreendente, e o seu Daniel Plainview é frio e incomodativo, desagradável e fascinante. Com a sua voz profunda, rouba-nos o olhar e, na sua quietude e silêncio, amedronta-nos. Mas se existe uma nova “cinderela” nas mãos de P.T. Anderson, na senda de Tom Cruise em “Magnolia” e Adam Sandler em “Punch Drunk Love”, esse é Paul Dano (“Fast Food Nation”, “Little Miss Sunshine”). Apesar de uma bagagem menos marcante que a dos dois outros actores, o que implica menor surpresa na transformação, a mescla de ingenuidade e terror que Dano confere ao seu papel é arrepiante e perturbadora.

ALIGN=JUSTIFY>O título deste filme funciona, desde logo, como uma promessa: a inevitável consequência de fazer negócios a todo o custo e passando por cima de quem for preciso, inclusive de si mesmo – Daniel Plainview poderia facilmente ser uma metáfora para os actuais gigantes petrolíferos. Entre castigos e perdões, a inocência dificilmente será recompensada.








Berlinale 2008

18.02.08, Rita

ALIGN=JUSTIFY>SRC=http://www.berlinale.de/media/images/logo_small.gif BORDER=10 ALIGN=LEFT>
A 56ª edição do Festival Internacional de Cinema de Berlim atribuiu o Leão de Ouro para Melhor Filme à longa-metragem TROPA DE ELITE do brasileiro José Padilha.

O júri internacional distribuiu ainda os seguintes prémios:



ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Grande Prémio de Júri

“STANDARD OPEERATION PROCEDURE”, de Errol Morris

COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Melhor Realizador

PAUL THOMAS ANDERSON, por “There Will Be Blood”

COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Melhor Actriz

SALLY HAWKINS, por “Happy-Go-Lucky” de Mike Leigh

COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Melhor Actor

REZA NAJIE, por “Avaze Gonjeshk-ha” de Majid Majidi

COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Contribuição Artística (Música)

JONNY GREENWOOD, por “There Will Be Blood” de Paul Thomas Anderson

COLOR=#BBBBBB>Urso de Prata - Melhor Argumento

WANG XIASHUAI, por “Zuo You” (“In Love We Trust”)

COLOR=#BBBBBB>Prémio Alfred Bauer

“LAKE TAHOE”, de Fernando Eimbcke




ALIGN=CENTER>SIZE=1 COLOR=#E90909>trailer de TROPA DE ELITE




ALIGN=JUSTIFY>Restantes prémios aqui.


























Might as well face it...

14.02.08, Rita

ALIGN=CENTER>I’m addicted to...


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o0804faf1/6632298_Y77EB.jpeg>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o5a04dc5e/6632299_DO2cS.jpeg WIDTH=400>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o8d04fbb8/6632300_vbjSH.jpeg>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o0404ef85/6632301_icpbE.jpeg>


SRC=http://fotos.sapo.pt/Rp4LcBPBkhE8cceZiUVR/x435>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/od404abec/6632305_4mQAt.jpeg>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o000446b4/6632306_jQALU.jpeg WIDTH=400>


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o4804a857/6632307_NPpYD.jpeg>





















Pág. 1/3