Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Michelangelo Antonioni

31.07.07, Rita


ALIGN=JUSTIFY>O dia de ontem assistiu ainda à perda de outro grande nome do cinema mundial: Michelangelo Antonioni, o realizador de “Blow Up” e “The Passenger” / “Professione: Reporter”.


SRC=http://byfiles.storage.msn.com/y1ppRbAVBgq99xVzRPDWHOWofAn9YXmLf63D7W2PhWUhnxEMIi62XbJGX1OiNpTfCyjuD7LV0nzp9g WIDTH=500>

ALIGN=CENTER>SIZE=1 COLOR=#BBBBBB>29 de Setembro de 1912 - 30 de Julho de 2007








5 séries - adenda

27.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Uma tertúlia nocturna instigou o trabalho da memória de regresso à adolescência e fez jorrar um rio de recordações, em acréscimo às séries referenciadas no post anterior (obrigada à S. e à A. pelas gargalhadas).


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N0d07279c/10289391_owy9O.png>


ALIGN=JUSTIFY>Pelo meu amor obsessivo às listas, aqui fica mais uma, esta por ordem alfabética *:


ALIGN=LEFT> COLOR=#BBBBBB>21 JUMP STREET (1987-91)


COLOR=#E90909>THE A-TEAM / SOLDADOS DA FORTUNA (1983-87)


COLOR=#BBBBBB>THE ADVENTURES OF SHERLOCK HOLMES (1984-85)


COLOR=#E90909>ALF (1986-90)


COLOR=#BBBBBB>ALFRED HITCHCOCK PRESENTS / HITCHCOCK APRESENTA (1955-62)


COLOR=#E90909>ALLÔ, ALLÔ! (1982-92)


COLOR=#BBBBBB>AUTOMAN (1983-84)


COLOR=#E90909>THE AVENGERS / OS VINGADORES (1961-69)


COLOR=#BBBBBB>BATTLESTAR GALACTICA (1978-79)


COLOR=#E90909>BEAUTY AND THE BEAST / A BELA E O MONSTRO (1987-90)


COLOR=#BBBBBB>BENSON (1979-86)


COLOR=#E90909>BONANZA (1959-73)


COLOR=#BBBBBB>BRIDESHEAD REVISITED / REVIVER O PASSADO EM BRIDESHEAD (1981)


COLOR=#E90909>BUCK ROGERS IN THE 25th CENTURY (1979-81)


COLOR=#BBBBBB>CAGNEY & LACEY (1982-88)


COLOR=#E90909>CHEERS (1982-93)


COLOR=#BBBBBB>CHINA BEACH / A PRAIA DA CHINA (1988-91)


COLOR=#E90909>COLUMBO (1971-1995)


COLOR=#BBBBBB>THE COSBY SHOW (1984-92)


COLOR=#E90909>THE DUKES OF HAZZARD / OS TRÊS DUKES (1979-85)


COLOR=#BBBBBB>DALLAS (1978-91)


COLOR=#E90909>DEAR JOHN (1988-92)


COLOR=#BBBBBB>DEGRASSI JUNIOR HIGH (1987-91)


COLOR=#E90909>DEMPSEY & MAKEPEACE (1985-86)


COLOR=#BBBBBB>DIFF’RENT STROKES (1978-86)


COLOR=#E90909>DOOGIE HOWSER MD (1989-93)


COLOR=#BBBBBB>DUARTE & Cª. (1985)


COLOR=#E90909>DYNASTY / DINASTIA (1981-89)


COLOR=#BBBBBB>FALCON CREST (1981-90)


COLOR=#E90909>FANTASY ISLAND / A ILHA DA FANTASIA (1978-84)


COLOR=#BBBBBB>FAWLTY TOWERS (1975-79)


COLOR=#E90909>THE FUGITIVE / O FUGITIVO (1963-67)


COLOR=#BBBBBB>FULL HOUSE (1987-95)


COLOR=#E90909>GET SMART / OLHO VIVO (1965-70)


COLOR=#BBBBBB>THE GOLDEN GIRLS / SARILHOS COM ELAS (1985-92)


COLOR=#E90909>GROWING PAINS (1985-92)


COLOR=#BBBBBB>HIGHWAY TO HEAVEN / UM ANJO NA TERRA (1984-89)


COLOR=#E90909>KNIGHT RIDER / O JUSTICEIRO (1982-86)


COLOR=#BBBBBB>KUNG-FU (1972-75)


COLOR=#E90909>LA LAW / AS TEIAS DA LEI (1987-1994)


COLOR=#BBBBBB>LIFE GOES ON / A VIDA CONTINUA (1989-93)


COLOR=#E90909>LITTLE HOUSE ON THE PRAIRIE / UMA CASA NA PRADARIA (1974-83)


COLOR=#BBBBBB>THE LITTLEST HOBO / O CÃO VAGABUNDO (1979-85)


COLOR=#E90909>THE LOVE BOAT / O BARCO DO AMOR (1977-86)


COLOR=#BBBBBB>MacGYVER (1985-92)


COLOR=#E90909>THE MAN FROM ATLANTIS / O HOMEM DA ATLÂNTIDA (1977-78)


COLOR=#BBBBBB>MANIMAL (1983)


COLOR=#E90909>MAUDE (1972-78)


COLOR=#BBBBBB>MIAMI VICE (1984-89)


COLOR=#E90909>MIDNIGHT CALLER / REPÓRTER DA MEIA-NOITE (1988-91)


COLOR=#BBBBBB>MISTER ED (1961-66)


COLOR=#E90909>MISSION: IMPOSSIBLE / MISSÃO IMPOSSÍVEL (1966-73)


COLOR=#BBBBBB>MOONLIGHTING / MODELO E DETECTIVE (1985-89)


COLOR=#E90909>THE MUPPET SHOW (1976-81)


COLOR=#BBBBBB>MURDER, SHE WROTE / CRIME, DISSE ELA (1984-96)


COLOR=#E90909>MURPHY BROWN (1988-98)


COLOR=#BBBBBB>NORTH AND SOUTH / NORTE E SUL (1985)


COLOR=#E90909>PERRY MASON (1957-66)


COLOR=#BBBBBB>LA PIOVRA / O POLVO (1984)


COLOR=#E90909>POIROT (1989-2008)


COLOR=#BBBBBB>QUANTUM LEAP (1989-93)


COLOR=#E90909>REMINGTON STEELE (1982-87)


COLOR=#BBBBBB>THE ROPERS (1979-80)


COLOR=#E90909>ROSEANNE (1988-97)


COLOR=#BBBBBB>THE SAINT / O SANTO (1962-69)


COLOR=#E90909>SAVED BY THE BELL (1989-93)


COLOR=#BBBBBB>SOAP (1977-81)


COLOR=#E90909>SONS AND DAUGHTERS (1982-87)


COLOR=#BBBBBB>SPACE: 1999 / ESPAÇO 1999 (1975-77)


COLOR=#E90909>STAR TREK / O CAMINHO DAS ESTRELAS (1966-69)


COLOR=#BBBBBB>SUPERGRAN (1985)


COLOR=#E90909>TAXI (1978-83)


COLOR=#BBBBBB>THIRTYSOMETHING (1987-91)


COLOR=#E90909>TWILIGHT ZONE / A QUINTA DIMENSÃO (1959-64)


COLOR=#BBBBBB>V: THE FINAL BATTLE / V: A BATALHA FINAL (1984)


COLOR=#E90909>VERANO AZUL / VERÃO AZUL (1981-82)


COLOR=#BBBBBB>WHO’S THE BOSS / CHEFE MAS POUCO (1984-92)


COLOR=#E90909>WONDER WOMAN (1976-79)


COLOR=#BBBBBB>YES, MINISTER / SIM, SENHOR MINISTRO (1980-84)


COLOR=#E90909>YING HUNG CHUT SIU NIN / YOUNG HEROES OF SHAOLIN / OS HERÓIS DE SHAOLIN (1981)


COLOR=#BBBBBB>THE YOUNG RIDERS (1989-92)


COLOR=#E90909>ZÉ GATO (1979)


COLOR=#BBBBBB>[actualização]: CARLSON’S LAW (1983-84)




SIZE=1>* o critério de inclusão limitou a data de início da série a 1989






























































































5 séries

26.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>O Non-Blog desafiou o Cinerama a escolher as melhores 5 séries da sua vida. Ora o Cinerama está prestes a fazer 3 anos, o que lhe deixa pouca margem e os Morangos Com Açúcar estão claramente fora de questão.

ALIGN=JUSTIFY>Dessa forma, prefiro aceitar o desafio a título pessoal, e sugiro que os restantes colaboradores desta casa façam o mesmo.

ALIGN=JUSTIFY>Na actualidade teria de repetir a referência à excelente SIX FEET UNDER, mas sinto-me meia nostálgica e, da minha história pessoal, há outras séries igualmente incontornáveis (resolvi parar de pensar quando cheguei às cinco sob pena de me ver obrigada a listar mais umas quantas).

ALIGN=JUSTIFY>Por ordem cronológica:


COLOR=#E90909>MONTY PYTHON’S FLYING CIRCUS (1969-74)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N55075dc9/10292916_639BZ.jpeg>



COLOR=#E90909>ALL IN THE FAMILY / UMA FAMÍLIA ÀS DIREITAS (1971-79)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N9707d1a5/10292912_DUOAz.jpeg>



COLOR=#E90909>FAME / FAMA (1980)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/Ned0778f3/10292913_IHywb.jpeg>



COLOR=#E90909>HILL STREET BLUES / A BALADA DE HILL STREET (1981-87)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/Nd20750c1/10292915_RR7uZ.jpeg>



COLOR=#E90909>FAMILY TIES / QUEM SAI AOS SEUS (1982-89)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N2d07bc98/10292914_dkktB.jpeg>

























The Condemned *

24.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Scott Wiper. Elenco: Steve Austin, Vinnie Jones, Rick Hoffman, Robert Mammone, Tory Mussett, Christopher Baker, Sam Healy, Madeleine West, Luke Pegler, Masa Yamaguchi, Emelia Burns, Manu Bennett, Dasi Ruz, Marcus Johnson, Nathan Jones. Nacionalidade: EUA, 2007.


SRC=http://us.movies1.yimg.com/movies.yahoo.com/images/hv/photo/movie_pix/lions_gate_films/the_condemned/vinnie_jones/condemned1.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Sob pena dos meus amigos colocarem a sua amizade por mim em questão quando souberem que eu fui ver este filme (julgo que a desculpa de ver erradamente o horário do “Alpha Dog” não ajuda a inocentar-me), ainda considerei nem sequer escrever esta crítica. Mas quem me ama, tem de gostar de mim pelo que sou. E eu sou uma das pessoas que foi ver este filme. Mas é com arrependimento que o digo, se isso me pode valer de algo.

ALIGN=JUSTIFY>Foi a premissa que me impeliu, fazendo-me lembrar de um filme que vi há uns anos, “Series 7: The Contenders” (2001) de Daniel Minahan, e que recomendo. O ‘ultimate reality show’ é aquele em que os concorrentes vão sendo eliminados – eliminados, mesmo eliminados – um a um.

ALIGN=JUSTIFY>Em “The Condemned” dez homens e mulheres condenados à morte em prisões de todo o mundo são os concorrentes num concurso mistura de ‘Big Brother’ e ‘Survivor’, que será transmitido pela Internet num sistema pay per view, e recheando a conta do seu criador, Ian Breckel (Robert Mammone). Os concorrentes terão de lutar até à morte numa ilha deserta, o vencedor ganhará a liberdade. Entre eles está Jack Conrad (Steve Austin, profissional de wrestling), um ex-agente do governo americano capturado em El Salvador. O seu maior rival será Ewan (Vinnie Jones), um ex-agente das forças especiais britânicas com sérios instintos sádicos.

ALIGN=JUSTIFY>A cobertura televisiva está garantida em quase todos os pontos da ilha, o que permite desculpar o facto de uma série de conversas e situações passarem desapercebidas à equipa de filmagens. As tremuras da câmara, na tentativa de dar realismo às imagens, torna-se simplesmente aborrecido, já para não falar dos planos totalmente impossíveis tendo em conta a colocação das supostas câmaras.

ALIGN=JUSTIFY>As personagens são assustadoramente unidimensionais, Steve Austin é uma estátua de expressividade, e parece que os assassinos treinados pelos governos são mais inteligentes que os outros. De entre o elenco de quase desconhecidos, apenas Vinnie Jones (“Snatch”, 2000) se safa (por isso só ele merece foto).

ALIGN=JUSTIFY>“The Condemned” tem ainda a presunção de uma mensagem, sem no entanto dispor da inteligência exigida para uma sátira. Ele próprio pode ser metáfora do vazio que a sociedade actual assumiu como entretenimento. O filme é, em si mesmo, aquilo que condena. O que até poderia fazer um irónico sentido, não soasse a um fraco moralismo para justificar a sádica e delirante carnificina (que chega a grassar o ridículo). O espectador que acaba por considerar os verdadeiros maus a equipa de filmagens que está por detrás do ‘reality show’ facilmente se sentirá ressentido perante quem fez “The Condemned”.

ALIGN=JUSTIFY>Não é a violência filmada que me choca (não sou uma pessoa muito susceptível, e, de uma forma que não nego seja inquietante, sou daquelas pessoas que compra a violência ficcionada), mas até a violência no cinema exige qualidade e bom gosto. Foi teimosia querer ir ao cinema nesse dia. Para o efeito que se pretendia, que era manter-me acordada até à hora de ir beber um copo ao Bairro Alto também serviu. Mas para nada mais.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“This is not war, this is television. Much more complicated.”
ROBERT MAMMONE (Ian Breckel)












Death Proof *****

21.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Quentin Tarantino. Elenco: Kurt Russell, Rosario Dawson, Vanessa Ferlito, Jordan Ladd, Rose McGowan, Sydney Poitier, Tracie Thoms, Mary Elizabeth Winstead, Zoë Bell, Michael Parks, James Parks, Quentin Tarantino, Monica Staggs. Nacionalidade: EUA, 2007.


SRC=http://a69.g.akamai.net/n/69/10688/v1/img5.allocine.fr/acmedia/rsz/434/x/x/x/medias/nmedia/18/62/88/98/18755083.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>A cicatriz que marca a cara de Stuntman Mike (Kurt Russell) é o que ele tem de menos inquietante. Duplo de filmes e séries de televisão dos anos 70, ele distrai-se a utilizar o seu carro Chevy Nova “à prova de morte” para matar belas jovens.

ALIGN=JUSTIFY>“Death Proof” é um slasher movie misturado com o típico filme de perseguições. Uma homenagem, tal como “Kill Bill” o tinha sido para os filmes de kung-fu.

ALIGN=JUSTIFY>Aqui existem mulheres bonitas (uma especial nota para quem tenha um foot fetish) e carros cheios de estilo. As referências aos anos 70 são inúmeras, quer as estéticas, como a fotografia de Brigitte Bardot cuja pose é emulada por Jungle Julia, quer as cinematográficas, como o evidente “Vanishing Point” (1971). Mas, ao mesmo tempo, Tarantino faz questão de se descolar de um tempo fixo, e dá-nos telemóveis e carros figurantes totalmente actuais.

ALIGN=JUSTIFY>A estrutura do filme divide-se em duas partes, separadas cronologicamente por alguns meses e por dois grupos diferentes de jovens mulheres. O primeiro é composto por Jungle Julia (Sydney Poitier, filha do actor Sidney Poitier), Arlene (Vanessa Ferlito), Shanna (Jordan Ladd, filha da Charlie’s Angel Cheryl Ladd) e Lanna Frank (Monica Staggs), jovens arrogantes com vontade de beber uns copos, fumar alguma erva e divertirem-se. Do segundo grupo fazem parte Kim (Tracie Thoms), Abernathy (Rosario Dawson), Lee (Mary Elizabeth Winstead) e Zoë (Zoë Bell, a dupla de The Bride em “Kill Bill”, aqui interpretando-se a si mesma), mulheres temperamentais decididas a experimentar as potencialidades de um Dodge Challenger R/T de 1970, o mesmo modelo usado em “Vanishing Point”.

ALIGN=JUSTIFY>Ainda à semelhança de “Kill Bill”, “Death Proof” é também um filme sobre a vingança. Mas em contraste com exploração sexual típica deste género de filmes, Tarantino dá uma inusual força às mulheres, estabelecendo um ritmo crescente, que vai desde os intensos diálogos (tarantinescos) da primeira parte à intensa acção física da parte final. A violência e o gore assumem aqui um deliberado estilo anos 70, com fotografia granulosa, cores gastas, película com riscos, mudanças de bobine e cortes propositados na montagem.

ALIGN=JUSTIFY>Tarantino rodeia-se de elementos familiares, desde o toque do telemóvel "Twisted Nerve" de Bernard Herrmann, que acompanhou a arrepiante caminhada de Daryl Hannah em “Kill Bill Vol.1”, até ao carro amarelo com barras pretas, “vestido” exactamente igual a Uma Thurman. Também de “Kill Bill Vol.1” vêm os agentes McGraw, pai e filho interpretados, respectivamente, por Michael e James Parks. As paredes estão repletas de posters, e apetece parar cada frame e analisar com atenção todos os detalhes, sabendo de antemão que todos eles foram pensados com extrema minúcia.

ALIGN=JUSTIFY>E para quem se canse do carácter ‘self-conscious’ das excessivas referências, ou ache insuficiente a moralidade subjacente do “cá se fazem cá se pagam”, basta deixar-se inebriar pelo sentimento de perigo real providenciado pela incrível perseguição final, onde o CGI não tem lugar e onde Zoë Bell é simplesmente impressionante.

ALIGN=JUSTIFY>Uma nota ainda para a sempre boa selecção de banda sonora, de onde destaco JEEPSTER dos T-Rex, HOLD TIGHT dos Dave Dee Dozy Beaky Mick and Titch e, para terminar, a viciante CHICK HABIT de April March (versão da música de Serge Gainsbourg “Laisser Tomber les Filles” popularizada por France Gall).

ALIGN=JUSTIFY>“Death Proof” foi idealizado para ser apresentado em sessão dupla em conjunto com o filme “Planet Terror”, o filme de Robert Rodriguez que entre nós deverá estrear em Setembro. Espero, pelo menos, que “Death Proof” seja reposto nessa altura para permitir que a experiência seja feita na sua totalidade. Ainda assim, como obra individual (e com a vantagem de termos ganho 27 minutos face à versão americana) “Death Proof” é imperdível.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“But maybe a little later in the evening, you've had a few drinks, you're kind of losey gosey, you're safe with your girls. Then some kinda cute, kinda hot, kinda sexy, hysterically funny but not funny looking guy comes over and says it - then maybe you did it earlier and maybe you didn't.”
SYDNEY POITIER (Jungle Julia)


ALIGN=JUSTIFY>“There are few things more fetching than the bruised ego of a beautiful angel...”
KURT RUSSELL (Stuntman Mike)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“Hey, Pam, remember when I said this car was death proof? Well, that wasn't a lie. This car is 100% death proof. Only to get the benefit of it, honey, you REALLY need to be sitting in my seat.”
KURT RUSSELL (Stuntman Mike)


ALIGN=JUSTIFY>“Watcha ya sign?”
TRACIE THOMS (Kim)



ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>Alguns interessantes trivia podem ser encontrados aqui.




ALIGN=JUSTIFY>SIZE=1>GRINDHOUSE
A grindhouse is an American term for a theater that mainly showed exploitation films. It is also a term used to describe the genre of films that played in such theatres. Grindhouse films are also referred to as "exploitation films". Grindhouses were known for non-stop programs of B movies, usually consisting of a double feature where two films were shown back to back. Most of these type of films were made for drive-in theaters as a second and third feature. Since most large urban areas didn't feature outdoor drive-in theaters, these movies were shown in older theaters that formerly featured burlesque shows which included "bump and grind" dancing, leading to the term "grindhouse." Beginning in the late 1960s and especially during the 1970s, the subject matter of grindhouse films was dominated by explicit sex, violence, bizarre or perverse plot points, and other taboo content.

ALIGN=RIGHT>SIZE=1>in Wikipedia















TARANTINO, GAJAS BOAS E CARROS VELOZES.

20.07.07, sergiotrs

 

 

“Um filme sobre foda e acidentes de automóveis. Como é que é possível não gostar ?”
Esta foi a critica que ouvi de um colega meu de faculdade há uns anos atrás em relação ao “Crash” do Cronenberg. E a verdade que desde esse dia que esta frase se me apresenta como a mais perfeita critica de cinema que alguma vez ouvi. È claro que pecava por ser incompleta (o filme de facto era mais do que isso), mas o que é inegável é que ia direita ai assunto. E tudo numa frase.
Desde esse dia, tentei várias vezes fazer o mesmo, mas sempre sem sucesso. Até hoje.
Não faço a mínima ideia por onde andará esse meu colega nos dias de hoje, mas se o encontrasse na rua diria-lhe uma coisa. “Vai ver o último filme do Tarantino. Hás-de gostar”. “É sobre quê? È sobre gajas boas e carros velozes”. E pronto. Com isto ficava tudo dito. Numa só frase. Bem, na verdade não ficava. Ou melhor dizendo, teria que ser ligeiramente reformulada, porque a frase para ser completa tinha que referir Tarantino. È que misturadas com estes dois ingredientes, as gajas e os carros, estão as marcas de Tarantino, os longos diálogos sobre nada, (mas desta vez em de conversa de bandidos estamos perante conversas de miúdas da pesada (como é que se traduz “kick-ass girls”?)), mais as referencias cinéfilas e musicais apontadas aos anos 70 e autocitações ao universo tarantiano (a Rosário Dawson tem um toque de telemóvel igual ao meu). E sem esquecer, claro, os grandes planos de pés femininos. Daí que a frase completa para resumir este filme teria que ser outra :
“É um filme do Tarantino sobre gajas boas e carros velozes”.
Mas acreditem, com isto está tudo dito. (Bem talvez a Rita consiga dizer mais alguma coisita). Mas para mim resumo-o a isto. E numa só frase.
Se é bom?  É um filme do Tarantino. Isso responde à questão.
 
P.S. Em relação à questão sobre a exibição na Europa deste filme em separado do filme de Robert Rodrigues, que em conjunto compunham um sessão única, o que posso dizer é que, ultrapassando a questão de que se trata de uma adulteração da ideia original dos autores o que só por si a torna uma decisão negativa, a verdade é não me chateia a troca de mais 30 minutos de Tarantino por 90 de Rodriguez. Tenho pena de não ver falsos traillers, no entanto.

 

Grindhouse

20.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Estreia esta semana a primeira parte de uma experiência que deveria ser dupla. Quentin Tarantino realiza “Death Proof”, mas só em Setembro chegará às nossas salas “Planet Terror”, a metade correspondente a Robert Rodriguez.

Não percebo o que o mercado europeu possa ter contras as sessões duplas...


SRC=http://a69.g.akamai.net/n/69/10688/v1/img5.allocine.fr/acmedia/rsz/434/x/x/x/medias/nmedia/18/62/88/98/18744393.jpg>


SRC=http://a69.g.akamai.net/n/69/10688/v1/img5.allocine.fr/acmedia/rsz/434/x/x/x/medias/nmedia/18/62/88/98/18736661.jpg>











René Magritte no cinema (ii)

19.07.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>A relação de Magritte com o cinema não foi unilateral. O próprio foi influenciado pela visão do mundo de artistas como Louis Feuillade e a sua personagem Fantômas.


SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/ub9079ef4/10292950_bCwbR.jpeg>

ALIGN=CENTER>SIZE=1>“Fantômas - À l'ombre de la guillotine” (1913), “Fantômas contre Fantômas” (1914)




SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/u610730ee/10293003_Z34Pv.jpeg WIDTH=475>

ALIGN=CENTER>SIZE=1>Le Retour de Flamme, 1943









Pág. 1/3