Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Indie Aftermath

04.05.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>19 filmes. A companhia da Sofia, do Miguel, do Sérgio e da Helena para terminar. Mais uma bela viagem. Até para o ano!

ALIGN=JUSTIFY>Quem ganhou foi quem viu, mas aqui ficam os galardoados:


COLOR=#BBBBBB>GRANDE PRÉMIO DE LONGA-METRAGEM (EX-AEQUO)

“EL AMARILLO”, de Sérgio Mazza (Argentina, 2006)


SRC=http://www.cinenacional.com/images/galeria/fotos/8/amarillo10.jpg>

“LOVE CONQUERS ALL”, de Tan Chui Mui (Malásia, 2006)

SRC=http://www.dahuangpictures.com/blogs/media/blogs/lca/love-conquers-all-postcard0.jpg>


COLOR=#BBBBBB>GRANDE PRÉMIO DE CURTA-METRAGEM

“THE TUBE WITH A HAT”, de Radu Jude (Roménia, 2006)
COLOR=#BBBBBB>Menção Honrosa:

“PLAC”, de Ana Husman (Croácia, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO DE DISTRIBUIÇÃO

“PAS DOUCE”, de Jeanne Waltz (França/Suíça, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO TÓBIS MELHOR LONGA-METRAGEM PORTUGUESA

“BALAOU”, de Gonçalo Tocha (Portugal, 2007)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO TÓBIS MELHOR CURTA-METRAGEM PORTUGUESA

“EXCURSÃO”, de Leonor Noivo (Portugal, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO RESTART MELHOR REALIZADOR CURTA-METRAGEM

NUNO BERNARDO, “PRIMEIRO VOO” (Portugal, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO MELHOR FOTOGRAFIA LONGA-METRAGEM PORTUGUESA FUGIFILM/AIP

“BALAOU”, de Gonçalo Tocha (Portugal, 2007)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO ONDA CURTA

“ADULTS ONLY”, de Yeo Joon Han (Malásia, 2006)
“BUGCRUSH”, de Carter Smith (EUA, 2006)
“LE COUDE DE KIYUMI, LE GENOU DE SAYURU”, de Satoru Sugita (Japão, 2006)
“THE FLAG“, de Koken Ergun (Turquia, 2006)
COLOR=#BBBBBB>Menção Honrosa:

“EXCURSÃO”, de Leonor Noivo (Portugal, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO DO PÚBLICO JOHNNIE WALKER MELHOR LONGA-METRAGEM

“FOREVER”, de Heddy Honigmann (Holanda, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO DO PÚBLICO JOHNNIE WALKER MELHOR CURTA-METRAGEM

“VOYAGE EN SOL MAJEUR”, de Georgi Lazarevski (França, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO FIPRESCI

“FALKENBERG FAREWELL“, de Jesper Ganslandt (Suécia, 2006)

SRC=http://www.moviezine.se/filmbilder/033/falkenberg3.jpg WIDTH=430>


COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO AMNISTIA INTERNACIONAL

“HALF MOON”, de Bahman Ghobadi (Irão, 2006)
COLOR=#BBBBBB>Menção Honrosa:

“NO DAY OFF”, de Eric Khoo (Coreia do Sul, 2006)

COLOR=#BBBBBB>PRÉMIO INDIEJÚNIOR - VICTORIA SEGUROS

“A SUNNY DAY”, de Gil Alkabetz (Alemanha, 2007)












































Viva ****

03.05.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Anna Biller. Elenco: Anna Biller, Jared Sanford, Bridget Brno, Chad England, Marcus DeAnda, John Klemantaski, Paolo Davanzo, Barry Morse, Cole Chipman, Robbin Ryan. Nacionalidade: EUA, 2006.


SRC=http://www.lifeofastar.com/images/Viva_19.jpg>


ALIGN=CENTER>COLOR=#BBBBBB>“She was a housewife seeking kicks, in a world of swingers, orgies, booze and sin that was the sexual revolution”



ALIGN=JUSTIFY>Actriz, argumentista, realizadora, produtora e também encarregue da montagem, design de produção e de guarda-roupa, esta senhora deverá ser mantida debaixo de olho, Anna Biller controla cada detalhe de “Viva” com a mesma intensidade que a paleta de cores que utiliza. Em cada cenário, Biller constrói uma instalação artística, onde objectos, tecidos e actores trabalham para um mesmo fim: contar a história de uma mulher que, na sede de se liberar do papel que a sociedade lhe impôs, se deixa manipular por todos ao seu redor, só para se descobrir enclausurada num outro papel: o imposto pela imagética Playboy. Até finalmente se dar conta de que ninguém melhor do que ela mesma para decidir da sua liberdade.

ALIGN=JUSTIFY>Uma fabulosa viagem visual, para os apreciadores do kitsch americano dos 70s. Simplesmente hilariante!


SRC=http://www.lifeofastar.com/images/gallery/viva/rick_barbi_01.gif>


SRC=http://www.lifeofastar.com/images/gallery/viva/viva_018.jpg WIDTH=384>












Rabia ****

02.05.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: Oscar Cárdenas. Elenco: Carola Carrasco, Constanza Aguirre, Camila Aguirre, Daniela Yuri, Daniela Salinas, Ana Domínguez, Ignacio García, Trinidad Squella, Daniela Riveros, Daniela Ríos, Sylvia Hernández, Benjamín Berger. Nacionalidade: Chile, 2006.


SRC=http://antalya.uab.es/guionactualidad/IMG/arton1849.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Constrangedor, angustiante, revoltante. Ao longo de seis capítulos, o realizador estreante Oscar Cárdenas leva-nos pelas atribulações de Camila (Carola Carrasco) na sua procura de emprego. Há mais de um ano que Camila se encontra desempregada e, à semelhança dela, muitas outras pessoas no Chile (curiosamente o filme foca o caso específico feminino).

ALIGN=JUSTIFY>Nos corredores à porta dos gabinetes onde aguardam para ser chamadas para as entrevistas, estas mulheres conversam e medem as suas qualificações e, de certa forma, também a necessidade que cada uma tem deste emprego, como se o troféu fosse para a vencedora desse combate. Aquilo que começa de uma forma agradável, duas pessoas que, para passar o tempo, trocam ideias sobre as suas experiências na aventura do desemprego, passa gradualmente a uma investida onde há lugar a invejas, mas também a atitudes generosas.

ALIGN=JUSTIFY>Filmada em dois dias, com uma equipa de sete pessoas, “Rabia” tem um visual documental essencial para fincá-la à realidade. Com direcções específicas acerca dos objectivos de cada um dos segmentos, coube aos actores o trabalho de improvisação, o que tornou as interpretações de uma naturalidade e contundência desarmantes.

ALIGN=JUSTIFY>Um ano é muito tempo – eu que o diga! –, e exige uma grande força psicológica manter um espírito positivo numa senda onde a auto-estima é constantemente posta em causa, onde a utilidade de uma pessoa para a sociedade é medida numa escala de valores distorcida. Em dias que se arrastam sem nada para fazer, ou então repletos de anúncios que não levam a lado nenhum, corre-se o risco de perder a noção central da identidade. E levados ao extremo, a raiva pode se parecer o único caminho disponível. Felizmente, há outros.








Big Bang Love, Juvenile A ****

01.05.07, Rita

ALIGN=JUSTIFY>T.O.: 46-okunen no koi. Realização: Miike Takashi. Elenco: Ryuhei Matsuda, Masanobu Ando. Nacionalidade: Japão, 2006.


SRC=http://www.elmulticine.com/imagenes/carteles/bigbanglove_b.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>Jun Ariyoshi (Ryuhei Matsuda) acaba de ser preso pelo assassinato de um homem que se vem depois saber ser um cliente do bar gay onde Jun trabalhava. Juntamente com Jun, é preso um outro jovem, Shiro Kazuki (Masanobu Ando). Shiro tem um carisma magnético apenas comparável com um instinto desmedido para a violência. Um dia, Shiro é encontrado morto, com as mãos em torno do seu pescoço está Jun.

ALIGN=JUSTIFY>O filme de Miike Takashi (“Uma Chamada Perdida”, segmento “Box” do filme “3... Extremos”) está dividido em episódios, cada um deles aportando novas informações ao mistério material deste filme.

ALIGN=JUSTIFY>No plano imaterial, o mistério é outro. Apesar da abstracção espacial e temporal, a sociedade destes indivídos mostra-se orfã de valores com a procura de uma identidade como o Santo Graal. A pergunta que move Jun é “que homem quero ser?”. As suas acções ditarão isso mesmo.

ALIGN=JUSTIFY>“Big Bang Love, Juvenile A” é uma obra de arte visual, com um belíssimo trabalho de câmara do cinematógrafo Masahito Kaneko e uma fotografia saturada de dourados, da pele, dos tecidos, do céu. Esse mesmo céu que, em determinado momento, é colocado em oposição ao espaço (religião vs. ciência).

ALIGN=JUSTIFY>Miike Takashi cria uma prisão extrema, de violência, de sexo, de loucura, e até de filosofia, juntando à claustrofobia desse interior um exterrior surreal e opressivo, de onde não parece ser possível escapar. Estes homens vão vagando pela realidade, pela memória, pelos sonhos e pelos medos, no tortuoso caminho que é o da liberdade. E onde o amor é um raio de luz directo ao coração.








Pág. 4/4