Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

MÚSICA E CINEMA - VI

30.06.06, Rita


COLOR=#BBBBBB>EXTREME WAYS - Moby

COLOR=#E90909>in “Bourne Supremacy” de Paul Greengrass (2004)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N5807932a/10296083_RztE8.jpeg>


Extreme ways are back again
Extreme places I didn't know
I broke everything new again
Everything that I'd owned
I threw it out the windows, came along
Extreme ways I know, will part
The colors of my sea
Perfect color me

Extreme ways that help me
They help me out late at night
Extreme places I had gone
But never seen any light
Dirty basements, dirty noise
Dirty places coming through
Extreme worlds alone
Did you ever like it planned

I would stand in line for this
There's always room in life for this

Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Like it always does, always does

Extreme times that told me
They held me down every night
I didn't have much to say
I didn't get above the light
I closed my eyes and closed myself
And closed my world and never opened
Up to anything
That could get me alone

I had to close down everything
I had to close down my mind
Too many things to cover me
Too much can make me blind
I've seen so much in so many places
So many heartaches, so many faces
So many dirty things
You couldn't even believe

I would stand in line for this
It's always good in life for this

Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Like it always does, always does






































































MÚSICA E CINEMA - V

28.06.06, Rita


SON OF SAM - Elliott Smith
in “Antitrust” de Peter Howitt (2001)





something's happening, don't speak to soon
I told the boss off and made my move
got no where to go
son of sam, son of a shining path, the clouded mind
couple killer each and every time
I'm not uncomfortable, feeling weird
long revered options disappear
but I know what to do
son of sam, son of a doctor's touch, a nurse's love
acting under orders from above...
king for a day...
son of sam, son of a shining path, the clouded mind
couple killer running out of time
shiva opens her arms now
to make sure I don't get too far
I may talk in my sleep tonight cause I don't know what i am
I'm a little like you, more like son of sam



MÚSICA E CINEMA - IV

26.06.06, Rita


MR. E BEAUTIFUL BLUES - Eels
in “Along Came Polly” de John Hamburg (2004)





The smokestack spitting black soot into the sooty sky
The load on the road brings a tear to the indian's eye
The elephant won't forget what it's like inside his cage
The ringmaster's telecaster sings on an empty stage

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The girl with the curls and the sweet pink ribbon in her hair
She's crawling out her window 'cause her daddy
He just don't care
Come on

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The clown with the frown driving down to the sidewalk fair
Finger on the trigger let me tell you gave us quite a scare

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The kids flip their lids when their ids hear that crazy sound
My neighbor digs the flavor still he's moving to another town
And I don't believe he'll come back

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

Well I don't know how you take in all the shit you see
No don't believe anyone and most of all
Don't believe me
Believe you

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day



MÚSICA E CINEMA - III

23.06.06, Rita


SAVE ME - Aimee Mann
in “Magnolia” de Paul Thomas Anderson (1999)





You look like a perfect fit
For a girl in need of a tourniquet

But can you save me
Come on and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

'Cause I can tell
You know what it's like
The long farewell of the hunger strike

But can you save me
Come on and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

You struck me dumb like radium
Like Peter Pan or Superman

You will come to save me
C'mon and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone
'Cept the freaks
Who suspect they could never love anyone
But the freaks
Who suspect they could never love anyone

C'mon and save me
Why don't you save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

Except the freaks
Who suspect they could never love anyone
Except the freaks who could never love anyone



MÚSICA E CINEMA - II

21.06.06, Rita


COLOR=#BBBBBB>DREAMS - The Cranberries

COLOR=#E90909>in “Chungking Express” de Wong Kar Wai (1994)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/N9807b041/10296084_mjEiE.jpeg >


Oh my life is changing everyday
Every possible way
Though my dreams, it’s never quite as it seems
Never quite as it seems

I know I felt like this before
But now I’m feeling it even more
Because it came from you

Then I open up and see
The person fumbling here is me
A different way to be

I want more, impossible to ignore
Impossible to ignore
They’ll come true, impossible not to do
Impossible not to do

Now I tell you openly
You have my heart so don’t hurt me
For what I couldn’t find

Talk to me amazing mind
So understanding and so kind
You’re everything to me

Oh my life is changing everyday
Every possible way
Though my dreams, it’s never quite as it seems
’cause you’re a dream to me
Dream to me










































MÚSICA E CINEMA - I

19.06.06, Rita


COLOR=#BBBBBB>GLASS, CONCRETE AND STONE - David Byrne

COLOR=#E90909>in “Dirty Pretty Things” de Stephen Frears (2002)



SRC=https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/Nb5079093/10296081_HQmlI.jpeg>


Now
I'm wakin' at the crack of dawn
to send a little money home
from here to the moon
is risin' like a discotheque
and now my bags are down and packed for traveling

Lookin' at happiness
keepin' my flavor fresh
nobody knows I guess
how far I'll go, I know
so I'm leavin' at Six O' Clock
meet in a parkin' lot
Harriet Hendershot
sunglasses on, she waits by this

Glass and concrete and stone
It is just a house, not a home.

Skin, that covers me from head to toe
except a couple tiny holes and openings
Where, the city's blowin' in and out
this is what it's all about, delightfully

Everything's possible
when you're an animal
not inconceivable
How things can change, I know

So I'm puttin' on aftershave
nothin' is out of place
gonna be on my way
Try to pretend, it's not only

Glass and concrete and stone
That it's just, not a home.
And its glass and concrete and stone

It is just a house, not a home
And my head is fifty feet high
Let my body and soul be my guide




















































Hard Candy ****

16.06.06, Rita

ALIGN=JUSTIFY>Realização: David Slade. Elenco: Patrick Wilson, Ellen Page, Sandra Oh, Odessa Rae. Nacionalidade: EUA, 2005.


SRC=http://us.movies1.yimg.com/movies.yahoo.com/images/hv/photo/movie_pix/lions_gate_films/hard_candy/_group_photos/ellen_page1.jpg>


ALIGN=JUSTIFY>“Hard Candy” é um daqueles filmes que vale a pena ver com o mínimo de informação possível. O efeito surpresa ampliará o choque deste sádico conto sobre um Capuchinho Vermelho decidido a vingar-se do Lobo Mau.

ALIGN=JUSTIFY>Jeff (Patrick Wilson) é um fotógrafo de moda de 32 anos. Hayley (Ellen Page) é uma adolescente de 14. Três semanas depois de estarem a teclar na Internet, numa conversa claramente sugestiva, Hayley propõe a Jeff conhecerem-se pessoalmente. Visivelmente agradados com a aparência física um do outro, a sedução mútua intensifica-se e, contra toda as regras do bom-senso, Hayley decide acompanhar Jeff a casa.

ALIGN=JUSTIFY>Hayley está decidida a provar que Jeff é um pedófilo, por muito que ele clame pela sua inocência. Da mesma forma que existe uma clara separação entre uma fantasia e levá-la a cabo (será legítimo julgar instintos?), o realizador David Slade, na sua estreia no cinema, opta, e bem, pelo terror psicológico em detrimento do visual.

ALIGN=JUSTIFY>Não interessa contar o resto, mas fica o aviso para eles: rapazes, este filme pode ferir a vossa susceptibilidade. A sério. E pode implicar alguns pesadelos.

ALIGN=JUSTIFY>“Hard Candy” é um desafio, limitando-se praticamente a um cenário e duas personagens, com nenhuma das quais é possível ao comum mortal identificar-se. Entre o sexo proibido e a vingança cega, ficamos sem perceber qual o desejo mais perigoso. Uma parte deste jogo sádico é feito com o espectador. Desconhecemos a base moral do conflito porque não sabemos quais as motivações de Hayley nem a extensão dos actos de Jeff. Mas esse desconhecimento, ao contrário de prejudicar a narrativa, acrescenta-lhe a dose certa de desconcerto.

ALIGN=JUSTIFY>Ellen Page (“X-Men: The Last Stand”) é uma Lolita irresistível (com 17 anos à data do filme), fazendo uso do seu poder de sedução, deliciando-se com o seu domínio sobre um homem adulto e lisonjeada com as suas atenções. Um pouco como qualquer rapariga adolescente: uma criança num corpo de mulher, utilizando o poder que a sociedade actual lhe dá de bandeja e julgando-se, arrogantemente, acima de tudo. A sua interpretação é impressionante, de tão rica e poderosa. Patrick Wilson (“Angels in America” e “The Phantom of the Opera”) é charmoso sem ser agressivo, consciente da estranheza de eles os dois juntos (diz inclusivamente que terá de esperar 4 anos por ela), mas mantendo a dose certa de perturbante mistério.

ALIGN=JUSTIFY>Fazendo uso, sem misericórdia, de todos os twists possíveis, que nos levam a crer, em cada momento, que encontrámos a solução, “Hard Candy” recusa-se a ser um exercício de destreza mental. Vai muito mais fundo que isso, questionando comportamentos de raiz puramente animal. Este será, certamente, o pior pesadelo para qualquer homem que tenha alguma vez cobiçado uma rapariga menor de idade.

ALIGN=JUSTIFY>Infelizmente, no final opta-se pela solução fácil. E não gosto mesmo nada quando um argumentista/realizador parte do princípio que sabe o que eu quero.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


ALIGN=JUSTIFY>CITAÇÕES:

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA>“I was expecting someone not as impressive.”
PATRICK WILSON (Jeff)


ALIGN=JUSTIFY> “You use the same phrases about Goldfrapp that they use on Amazon.”
ELLEN PAGE (Hayley)

ALIGN=JUSTIFY>COLOR=#AAAAAA> “Was I born a vindictive little bitch or has society made me this way?”
ELLEN PAGE (Hayley)













All The Invisible Children ***

14.06.06, Rita


ALIGN=JUSTIFY>Baseado numa ideia de Chiara Tilesi, e produzido por Tilesi, Stefano Veneruso e Maria Grazia Cucinotta (sim, meninos, a própria - que também aparece por breves segundos no segmento “Ciro”), “All The Invisible Children” é um conjunto de sete retratos de infâncias desfavorecidas, de crianças exploradas, sujeitas a situações extremas de guerra, de pobreza, ou pressão psicológica.

ALIGN=JUSTIFY>Com os lucros destinados à UNICEF, ao Programa Alimentar da ONU, e à Cooperação Italiana para o Desenvolvimento, este projecto convidou oito realizadores dos vários continentes para contribuírem com o seu ponto de vista: Medhi Charef (África), Emir Kusturica (Sérvia-Montenegro), Spike Lee (EUA), Kátia Lund (Brasil), Jordan e Ridley Scott (Reino Unido), Stefano Veneruso (Itália) e John Woo (China).

ALIGN=JUSTIFY>As contribuições de Kusturica, Lee, Lund e Woo encaixam perfeitamente dentro da sua obra, e talvez por isso, nenhuma delas se torne verdadeiramente marcante. Os segmentos que, ainda assim, se salientam por uma qualidade superior são o de Kátia Lund (co-realizadora de “A Cidade de Deus”) e o de John Woo. No entanto, a perspectiva mais original acaba por ser a da equipa pai-filha Scott.

ALIGN=JUSTIFY>Tina Turner e Elisa interpretam conjuntamente o belíssimo tema “Teach Me Again”, elaborado expressamente para este projecto.

ALIGN=JUSTIFY>Ainda que como peça de cinema não faça jus aos nomes que envolve, como meio de alertar as consciências adormecidas, ou para quem pensa que os dramas da infância vão pouco além da gestão entre TPC e Morangos com Açúcar, “All The Invisible Children” merece uma olhadela.

ALIGN=JUSTIFY>Para que as crianças se tornem visíveis.



COLOR=#E90909>TANZA


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Mehdi Charef. Intérpretes: Adama Bila, Elysee Rouamba, Rodrigue Ouattara, Ahmed Ouedraogo, Harouna Ouedraogo. Nacionalidade: Argélia, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/0000y8zc>


ALIGN=JUSTIFY>Sete jovens armados lutam pela liberdade do seu povo. O mais velho tem 20 anos e lidera o grupo. Tanza (Adama Bila), de 12, juntou-se ao grupo depois da sua família ter sido massacrada. Após um encontro violento com uma patrulha militar, donde resulta a morte de um dos jovens, o grupo chega ao seu alvo, uma aldeia, onde Tanza é encarregue da colocação de uma bomba.

ALIGN=JUSTIFY>Sem identificação do país onde decorre a acção, Charef põe os jovens a falar (dificilmente) inglês. Mas esta abstracção, ainda que bem embrulhada na música de Rokia Traore, em vez de alargar o âmbito do filme, parece que nos distancia dele para um terreno de irrealidade.



COLOR=#E90909>BLUE GYPSY


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Emir Kusturica. Intérpretes: Uroš Milovanovic, Dragan Zurovac, Vladan Milojevic, Goran R. Vracar, Mihona Vasic, Mita Belic, Dalibor Milenkovic, Miroslav Cvetkovic, Petar Simic. Nacionalidade: Sérvia-Montenegro, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/00011rt5>


ALIGN=JUSTIFY>Uroš (Uroš Milovanovic) prepara-se para sair do centro de detenção juvenil onde passou os seus últimos tempos, e onde se sente em casa. A ansiedade pela nova liberdade reveste-se, no entanto, de alguma preocupação. Uroš quer ir trabalhar com o tio como barbeiro, mas o pai de Uroš não tem intenção de abandonar o seu projecto de vida: todos os seus filhos roubam para ele.

ALIGN=JUSTIFY>Neste conto sobre a falta de escolha das crianças, limitadas que estão por contingências externas, Kusturica replica o seu universo (até o musical), com humor, mas sem grande novidade.



COLOR=#E90909>JESUS CHILDREN OF AMERICA


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Spike Lee. Intérpretes: Rosie Perez, Hannah Hodson, Andre Royo, Coati Mundi, Hazelle Goodman, Damaris Edwards, Keteya Ulmer, Ashley Evans, Lavon Malik Green, Petra Quinones, Natalia Roldan, Charles Socarides, Robin Lord Taylor, Lanette Ware, Philicia Wood. Nacionalidade: EUA, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/0000w4hh WIDTH=500>


ALIGN=JUSTIFY>Os pais de Blanca (Hannah Hodson) são toxicodependentes. Na escola, em Brooklyn, a adolescência assume toda a sua cruel competitividade, e uma rixa na escola coloca à frente dos seus olhos uma dura realidade: Blanca é seropositiva. À ignorância e preconceito dos colegas e pais adiciona-se a confusão e o drama de lidar com a sua mortalidade.

ALIGN=JUSTIFY>Filmado com o realismo característico de Spike Lee, e com a mestria do murro no estômago no momento certo, o destaque interpretativo vai para a “grande” Rosie Perez.



COLOR=#E90909>BILU E JOÃO


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Katia Lund. Intérpretes: Vera Fernandes, Francisco Anawake de Freitas. Nacionalidade: Brasil, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/00010sba>


ALIGN=JUSTIFY>Nas ruas de São Paulo, Bilu e João dão o seu melhor para arranjar dinheiro, de recolher cartão e latas para vender ao peso e poderem comprar tijolos para que o pai possa construir a sua casa. Assumindo uma infância de responsabilidades, transformam a cidade no seu recreio e usam a sua imaginação para concretizar os seus objectivos. Modestos, como a realidade impõe.

ALIGN=JUSTIFY>As interpretações honestas de Vera Fernandes e Francisco Anawake de Freitas são a grande mais-valia desta curta sobre a realização pessoal através de pequenas tarefas.



COLOR=#E90909>JONATHAN


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Jordan Scott e Ridley Scott. Intérpretes: David Thewlis, Kelly MacDonald, Jack Thompson, Jonathan Jordan Clarke, Joshua Light, Jake Ritzema, Kemal Chakarto. Nacionalidade: Reino Unido, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/0000x30t>


ALIGN=JUSTIFY>Jonathan (David Thewlis) é um foto-jornalista de guerra, desiludido com a vida e em estado de choque com a acumulação dos duros eventos a que assistiu. Num sonho de liberdade, ele regressa à sua infância e, através de uma aventura de descoberta recupera a sua fé na humanidade.

ALIGN=JUSTIFY>O segmento mais inesperado, pela inclusão do ponto de vista adulto, versa sobre o instinto de mútua protecção das crianças e o seu instinto de sobrevivência, que lhes permite lidar com as situações mais extremas.



COLOR=#E90909>CIRO


ALIGN=JUSTIFY>Realização: Stefano Veneruso. Intérpretes: Daniele Vicorito, Emanuele Vicorito, Maria Grazia Cucinotta, Peppe Lanzetta, Ernesto Mahieux, Giovanni Mauriello.. Nacionalidade: Itália, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/0000tbsd WIDTH=500>


ALIGN=JUSTIFY>Ciro (Daniele Vicorito) vive nos subúrbios de Nápoles, num complexo de edifícios de cimento construídos depois do terramoto de 1980. Em plena luz do dia, Ciro parte a janela de um carro enquanto o seu amigo Bertucciello (Emanuele Vicorito) rouba o Rolex do condutor. Os dois amigos fogem em direcções separadas. Uma cão persegue Ciro, ameaçando a sua fuga.

ALIGN=JUSTIFY>Negligenciado pela mãe, Ciro conta apenas com este grupo de amigos como referência. A inevitabilidade de um futuro de criminalidade paira no ar, apesar do sonho de paz num intervalo tirado à realidade num parque de diversões.



COLOR=#E90909>SONG SONG & LITTLE CAT


ALIGN=JUSTIFY>Realização: John Woo. Intérpretes: Zhao Zi Cun, Qi Ru Yi, Wang Bin, Jiang Wen Li, You Yong, Jiang Tong, Shen Chang, Xu Jun. Nacionalidade: China, 2005.


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/0000zer7>


ALIGN=JUSTIFY>Song Song (Zhao Zi Cun) toca no piano a angústia de assistir à separação dos seus pais. A mãe, deprimida, ignora Song Song, que por sua vez se revolta contra a sua colecção de bonecas. Um idoso (Wang Bin) encontra uma boneca debaixo de um viaduto, no mesmo sítio onde anos antes tinha encontrado um bebé: Little Cat (Qi Ru Yi), que adoptou. A boneca passa de mãos entre as duas crianças, ambas enfrentando, de forma distinta, infâncias difíceis.

ALIGN=JUSTIFY>Este é o segmento que possui personagens mais consistentes. Woo consegue, através de uma série de detalhes, colocar-nos perante a realidade de cada uma delas. Apesar do cliché rico vs. pobre, a expressividade das duas pequenas actrizes é tocante.


WIDTH=70% COLOR=#E90909 SIZE=1>


SRC=http://www.musicchannel.cc/images/232965,cover,284.jpg>


ALIGN=CENTER>COLOR=#E90909>TEACH ME AGAIN - Tina Turner & Elisa


COLOR=#BBBBBB>What's it to walk on a silent road
To be thirsty and wait for,
wait for the rain?
What is it like?

You wake me up
with a ray of light.
Tell me a joke
And if you don't know one, nevermind.
Can't we just look at the sun?

And live a lifetime in a day
Like some butterfly,
life's not quite the same
A lifetime in a day
In which we learn to fly out of a cage.

CHORUS:
(So what is)
The smell of summer like and,
(So what is)
The sound of your heart
when you're running
(So what is)
To be fearless like
(So what is)
It to have nothing in life
but plenty of space?

In this place is the law of the strongest
But we confuse the weak
with the one that make's the big mistakes
And the strong with the perfect

And live a lifetime in a day
Like some butterfly,
life's not quite the same
A lifetime in a day
In which we learn to fly out of a cage.

CHORUS

Teach me again. Teach me again.
Teach me again. Teach me again.

CHORUS

Teach me again. Teach me again.
Teach me again. Teach me again.






































































































FESTROIA - Vencedores

13.06.06, Rita


SRC=http://fotos.sapo.pt/almeida_rita/pic/000123qc>


ALIGN=JUSTIFY>A 22ª edição do FESTROIA - a primeira a que tive o prazer de assistir - chegou ao fim. Apesar da fraquíssima afluência de espectadores às sessões que tiveram lugar no cinema Monumental (apesar de tudo a pessoa que sincronizava as legendas ajudava a compor mais a sala), espero que a organização volte a fazer esta extensão no próximo ano. Eu vou!

Foi este o resultado:


COLOR=E90909>Prémios Oficiais


MELHOR FILME – GOLFINHO DE OURO
“WHAT A WONDERFUL PLACE”, de Eyal Halfon (Israel)

PRÉMIO ESPECIAL DO JÚRI, - GOLFINHO DE PRATA
“GRAVEHOPPING”, de Jan Cvitkovič (Eslóvenia)

MELHOR REALIZADOR – GOLFINHO DE PRATA
EYAL HALFON, por “WHAT A WONDERFUL PLACE” (Israel)

MELHOR ACTRIZ – GOLFINHO DE PRATA
MARIA LUNDQVIST, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)

MELHOR ACTOR – GOLFINHO DE PRATA
TOPI MAJANIEMI, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)

MELHOR ARGUMENTO – GOLFINHO DE PRATA
DAGUR KÁRI e RUNE SCHJOTT, por “DARK HORSE” (Dinamarca/Islândia)

MELHOR FOTOGRAFIA – GOLFINHO DE PRATA
JARKKO LAINE, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)


COLOR=E90909>Prémios especiais


PRÉMIO DO PÚBLICO
“THE WEDDING PARTY”, de Dominique Deruddere (Bélgica/Alemanha)

PRÉMIO HOMEM E A NATUREZA
“THE CAVE OF THE YELLOW DOG”, de Byambasuren Davaa (Mongólia/Alemanha)

PRÉMIO CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL –INDEPENDENTES AMERICANOS
“THINGS THAT HANG FROM TREES”, de Ido Mizrahy (EUA)

PRÉMIO PRIMEIRAS OBRAS
“MAN PUSH CART”, de Ramin Bahrani (Irão/EUA)

MENÇÃO ESPECIAL
“AHLAAM”, de Mohamed Al-Daradji (Iraque/Inglaterra/Holanda)

PRÉMIO FIPRESCI
“EN LA CAMA”, de Matías Bize (Chile/Alemanha)

PRÉMIO SIGNIS
“WHAT A WONDERFUL PLACE”, de Eyal Halfon (Israel)

MENÇÃO ESPECIAL
“THE CHILDREN OF LENINGRADSKY”, de Anna Polak e Andrzej Celinski (Polónia)

PRÉMIO CICAE
“GRAVEHOPPING”, de Jan Cvitkovič (Eslóvenia)




























































Pág. 1/2