Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Vantage Point **1/2

07.04.08, Rita

Realização: Pete Travis. Elenco: Dennis Quaid, Matthew Fox, Forest Whitaker, Bruce McGill, Edgar Ramirez, Saïd Taghmaoui, Ayelet Zurer, Zoe Saldana, Sigourney Weaver, William Hurt, James LeGros, Eduardo Noriega. Nacionalidade: EUA, 2008.





O Presidente americano, Ashton (William Hurt) chega à Plaza Mayor de Salamanca para apresentar um tratado internacional que condensa os esforços na luta contra o terrorismo. Rex Brooks (Sigourney Weaver), produtora de um noticiário televisivo, dá as últimas indicações às câmaras e à jornalista Angie Brooks (Zoe Saldana) quando o Presidente se prepara para discursar. Mas, antes sequer de falar, dois disparos fazem-no cair por terra. Poucos instantes depois uma bomba explode.


O argumento de Barry L. Levy leva-nos para 23 minutos antes e acompanhamos então o agente dos Serviços Secretos Thomas Barnes (Dennis Quaid) que, com o seu colega Kent Taylor (Matthew Fox), transportam o Presidente para o local. Pouco após a explosão, a acção é de novo rebobinada, e o ponto de vista é o do polícia espanhol Enrique (Eduardo Noriega), apanhado no meio dos acontecimentos. De seguida é a vez do turista americano Howard Lewis (Forest Whitaker) que, inadvertidamente, filma pormenores importantes do atentado. E, por fim, o do Presidente Ashton, num dilema entre os riscos para a sua segurança e as suas responsabilidade profissionais.


Todas as personagens são conduzidas a um mesmo momento de caos e morte, a partir do qual a narrativa se desenrola linearmente, para prejuízo do próprio filme. A gestão cuidada da informação que ia sendo revelada em cada novo segmento, o evitar de repetições desnecessárias e a sua consistência global (se excluirmos o facto dos conspiradores umas vezes falarem espanhol entre si outras não), servem apenas de prelúdio a uma grande cena de perseguição pelas ruas da cidade – muito bem filmada há que conceder (mesmo que o robusto Opel Corsa não apresente um único airbag - obrigada N. pela observação).


Enquanto se foca nos pontos de vista pessoais, “Vantage Point” consegue manter-nos agarrados, para logo nos perder quando se alarga ao geral. O abandono da estrutura, que é afinal o único ponto de originalidade (mesmo não sendo uma inovação), vem desmascarar um banal “salvar o presidente”, e a linearidade do cliché toma conta do filme. O presidente americano é surpreendentemente corajoso, a sua força de segurança está totalmente apaixonada por ele, as motivações dos terroristas não são sequer exploradas ou discutidas – fazendo com que a sua dúbia moralidade seja não só inverosímil como também ridícula.


O bom elenco é subaproveitado num filme marcado pela superficialidade e por personagens unidimensionais. A presença de Sigourney Weaver é empolgante mas curta, Dennis Quaid faz o que pode com um homem atormentado pelo seu passado, Matthew Fox parece estar apenas a tentar descolar-se da imagem de Jack em “Lost”, o portentoso Forest Whitaker está transformado num delicodoce com queda para o auto-sacrifício e William Hurt, bem, William Hurt é grande demais para um filme destes.


O espectador de cinema de ficção tem uma impressionante capacidade para aceitar um número inimaginável de coincidências, especialmente quando o objectivo é o puro entretenimento. Mas, mesmo assim, há exigências básicas ao nível da coerência entre aquilo que uma personagem é e as suas acções.


E se, no meio de tudo isto, a tragédia é criada com base num plano elaborado, o triunfo parece surgir de um mero acaso, sem méritos. Talvez esse seja um irónico paralelismo com o combate ao terror.


‘Vantage Point’ tem, na língua inglesa, um duplo significado. Quando referente a um lugar significa um sítio normalmente elevado de onde se consegue ter uma visão abrangente de uma área. Quando associado a indivíduos, refere-se a um ponto de vista ou conjunto de opiniões pessoais. Mas “Vantage Point”, o filme, restringe o seu foco e não consegue transmitir mais do que uma visão. Uma obra irrisória, sob qualquer ponto de vista.


















Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.