Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias ***

03.02.08, Rita

T.O.: 4 Luni, 3 Saptamani si 2 Zile. Realização: Cristian Mungiu. Elenco: Anamaria Marinca, Laura Vasiliu, Vlad Ivanov, Alexandru Potocean. Nacionalidade: Roménia, 2007.





1987, a Roménia está ainda sob o totalitarismo do ditador comunista Nicolae Ceausescu. Otilia (Anamaria Marinca) e Gabita (Laura Vasiliu) são duas estudantes universitárias que partilham um quarto num dormitório de uma cidade romena não identificada. O dormitório assemelha-se a uma prisão, e o dia-a-dia é um mercado negro incentivado pelo rígido regime comunista. Otilia e Gabita estão agitadas, a primeira de uma forma assertiva e agressiva, a segunda insegura e hesitante, enquanto se preparam para passar os próximos dois dias num hotel.


Cristian Mungiu que, com este filme arrebatou a Palma de Ouro em Cannes o ano passado, gere a informação que nos quer dar com extrema cautela, mantendo um tom misterioso e provocando um estranho desconforto acerca dos planos das duas amigas. Num exercício profundamente realista, a acção é condensada num único dia. Um dia marcado pela impotência e vulnerabilidade, pelo dilema moral, e pela suspeição (sobre actos, palavras e sentimentos). Mungiu foge a esse julgamento das suas personagens ou das suas motivações.


Em vez dos ‘4 meses, 3 semanas e 2 dias’ Gabita mente e diz a Bebe (Vlad Ivanov num registo aterrorizador) que está grávida de dois meses, para que ele aceda a fazer-lhe um aborto (prática ilegalizada desde 1966). Bebe é um homem calmo e ameaçador e tem com as duas amigas uma agonizante negociação sobre o dinheiro e a pena de prisão a que poderia está sujeito. Aliás, em “4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias” tudo é negociado: os cigarros, um bilhete de autocarro, o preço de um quarto de hotel. É essa relação que define de que lado está o poder. Fazendo-as sentirem-se simultaneamente agradecidas e culpadas pela sua ajuda, Bebe usa aquele segredo como alavanca.


Em vez de facilmente seguir a personagem de Gabita, Mungiu privilegia Olivia. Segue-a até casa do namorado, Adi (Alexandru Potocean), onde tem lugar um jantar de família. No meio dos comentários divertidos, Otilia dissolve-se em silêncio com um olhar fixo do qual não nos conseguimos afastar. Nela lemos culpa, vergonha, humilhação e raiva.


Enquanto Gabita se reduz ao egoísmo do seu problema pessoal, para Otilia aquele momento modificou a sua forma de olhar para os outros: a sua amiga torna-se uma pessoa fraca, tonta e caprichosa, o seu namorado um ser superficial no qual não pode confiar. A interpretação de Anamaria Marinca é destemida e ser reservas, credível tanto na sua força como vulnerabilidade.


A fotografia de Oleg Mutu centrada em cinzentos cria um ambiente frio e cru. A câmara digital inquieta reforça a angústia das personagens, o espaço restrito reforça a claustrofobia de um sistema político castrador, os apontamentos de humor apenas aliviam a tensão e intensidade dramática. A explosão de violência pode ocorrer. A qualquer momento.




Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.