Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

I Am Legend **

16.01.08, Rita

Realização: Francis Lawrence. Elenco: Will Smith, Alice Braga, Charlie Tahan, Salli Richardson, Willow Smith. Nacionalidade: EUA, 2007.





“I Am Legend”, a terceira adaptação do livro de ficção científica de 1954 da autoria de Richard Matheson (em 1964, Ubaldo B. Ragona realizou “The Last Man on Earth”, protagonizado por Vincent Price; e em 1971, Boris Sagal fez o filme “The Omega Man” com Charlton Heston) conta a história do cientista militar Robert Neville (Will Smith), último sobrevivente de um vírus mortal que resultou da mutação de uma cura para o cancro (cameo de Emma Thompson como médica responsável) e que dizimou a raça humana. Passeando pelas ruas de uma Manhattan desolada com o seu pastor alemão, Sam, Neville assume solitariamente a luta contra agressivas criaturas mutantes. Todas as noites, barricando em sua casa, cuja cave é um laboratório onde há três anos Neville pesquisa um antídoto para o vírus.


Graças ao design de produção de Naomi Shohan e à fotografia de Andrew Lesnie, “I Am Legend” será recordado pelas impressionantes imagens de uma Nova Iorque pós-apocalíptica (carros abandonados, prédios degradados, ervas daninhas rompendo o alcatrão); um pouco à semelhança do impacto da Londres de “28 Days Later...” (mas sem a qualidade e congruência do filme Danny Boyle).


Infelizmente o filme de Francis Lawrence (“Constantine”) tem pouco mais que isso. Apesar de Will Smith se mostrar capaz de uma expressividade maior do que aquela que a maioria dos seus trabalhos reflectiu, a personagem e o argumento (onde estão contidas as acções/decisões que definem essa mesma personagem), são incapazes de criar alguma empatia e/ou simpatia pelo herói. Nem mesmo quando vemos Neville com a mulher e filha (Salli Richardson e Willow Smith, filha do actor). Se as nossas emoções permanecem intocadas, todo o irrepreensível trabalho visual serve apenas como portfolio para os respectivos técnicos.


As soluções ou são fáceis e previsíveis ou são incongruentes e pouco credíveis. E há detalhes que se tornam francamente irritantes. Esse é o caso do aparecimento sem mais explicações de dois não contaminados, Ethan (Charlie Tahan) e Anna (Alice Braga, “Cidade de Deus” – a sobrinha de Sónia participa também na adaptação de Fernando Meirelles do livro de Saramago ‘Ensaio Sobre a Cegueira’ a estrear este ano). Se eu não tivesse nada melhor que fazer, ainda hoje me estaria a questionar como. Tendo em conta a ausência de pontes transitáveis para ilha...














Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.