Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

The Brave One ***

03.11.07, Rita

Realização: Neil Jordan. Elenco: Jodie Foster, Terrence Howard, Nicky Katt, Naveen Andrews, Mary Steenburgen. Nacionalidade: EUA / Austrália, 2007.





Até que ponto o instinto de vingança faz parte da natureza humana? O que pode levar uma mulher aparentemente normal a tornar-se juiz e carrasca? Que ilusão de controlo se procura numa sociedade onde o medo é a arma mais generalizada? O poder postiço conferido por uma arma pode ser tão viciante (e tão autodestrutivo) como uma droga?


Estas são algumas das questões que pairam no último filme de Neil Jordan (“The Crying Game”, “Breakfast on Pluto”).


Erica Bain (Jodie Foster) percorre as ruas de Nova Iorque, recolhendo sons que depois usa no seu programa de rádio. A perspectiva do casamento com o namorado David (Naveen Andrews, “Lost”) é brutalmente eliminada, quando, numa noite no Central Park ambos são atacados por um grupo de delinquentes. David não resiste à violenta agressão e Erica fica em coma durante três semanas. Ao regressar a casa, o grande desafio de Erica é arranjar coragem para sair a porta de casa. Quando finalmente o consegue fazer, Erica decide que a única forma de conseguir regressar à cidade que sempre conheceu é arranjar uma arma. Mas em vez de a ajudar a recuperar o controlo, a arma vem apenas adicionar um carácter mortal á sede de vingança de Erica, que volta a sua revolta para todos os marginais e começa a fazer justiça pelas suas próprias mãos. À medida que a sua pontaria melhora, o detective Sean Mercer (Terrence Howard) segue o rasto dos seus crimes. Erica sente-se incapaz de parar, mas a sua aproximação a Mercer revela a sua vontade em ser detida.


Sem ser de todo realista, “The Brave One” tenta fazer um comentário social ao estado de medo vivido actualmente, e em particular nos Estados Unidos pós-9/11. Mas o argumento de Roderick Taylor, Bruce A. Taylor e Cynthia Mort recusa-se a marcar uma posição, e o que resta é pouco mais que uma fantasia de vingança, a solução tentadora – e até fácil, se se considerar a árdua alternativa de dar sentido ao inexplicável.


Jodie Foster, de uma beleza amadurecida (ainda que menos feminina) regressa à tipologia de vítima, que tem vindo a apurar desde “The Accused” e é credível em todos os seus registos, da dor à raiva, e passando pela confusão. Terrence Howard (“Hustle & Flow”) faz um competente trabalho de contracena.


O terror não pode ser combatido com terror. E não se elimina o medo criando novos medos. A confiança que daí resulta não é nada mais que ilusória e, nesse processo, corre-se o grave risco de perder o que resta de humanidade na humanidade. Talvez a única forma de enfrentar o medo seja aceitá-lo e, apesar dele, levantarmo-nos todas as manhãs. Devemo-nos isso a nós mesmos, condenados que estamos a este pequeno pedaço de vida.






CITAÇÕES:


“Most everybody lies. Dead can't.”
TERRENCE HOWARD (Detective Mercer)

“I always believed that fear belonged to other people. Weaker people. It never touched me. And then it did. And when it touches you, you know... that it's been there all along. Waiting beneath the surfaces of everything you loved.”
JODIE FOSTER (Erica Bain)

“Woman kill their friends, husbands. Shit they love.”
TERRENCE HOWARD (Detective Mercer)

“The essential American soul is hard, isolate, stoic, and a killer.”
D.H. LAWRENCE


SARAH McLACHLAN
Answer


I will be the answer
At the end of the line
I will be there for you
While you take the time
In the burning of uncertainty
I will be your solid ground
I will hold the balance
If you can't look down

If it takes my whole life
I won't break, I won't bend
It will all be worth it
Worth it in the end
Cause I can only tell you what I know
That I need you in my life
When the stars have all gone out
You'll still be burning so bright

Cast me gently
Into morning
For the night has been unkind
Take me to a
Place so holy
That I can wash this from my mind
The memory of choosing not to fight
(...)



















































Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.