1 comentário:
De a 6 de Novembro de 2007 às 18:09
Acho The Brave One um filme fabuloso sobre a introspecção emocional e psicológica, pela perspectiva feminina. Nunca a Jodie Foster esteve tão feminina como neste filme. Não concordo absolutamente nada quando dizes que o filme é pouco mais que uma fantasia de vingança: para mim, que entrei no espírito daquela personagem, vejo um arrepiante conflito interior, um desejo de reconhecimento e aceitação de facetas que se julgam inexistentes, a busca incansável da redenção e a dificuldade de se SER alguém que já quase não existe. É aí que brilha o realismo do filme.O argumento é fabuloso, a ambiguidade moral que desperta nos espectadores é inteligentíssima e as interpretações são superlativas. E aqueles planos finais, exímios no retrato da solidão e embalados pela música de Sarah McLachlan, são simplesmente assombrosos. Um dos melhores do ano!


Comentar post