Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

La Educación de las Hadas **1/2

15.05.07, Rita

Realização: José Luis Cuerda. Elenco: Ricardo Darín, Irène Jacob, Bebe, Glòria Roig, Víctor Valdivia. Nacionalidade: Argentina / França / Portugal / Espanha, 2006.





Nicolás (Ricardo Darín), inventor de jogos para crianças, conhece a ornitóloga Ingrid (Irène Jacob) e o seu filho Raúl (Víctor Valdivia) num avião a caminho de Barcelona, e apaixona-se pelos dois. Este é o início do seu conto de fadas. É também através das fadas que Nicolás explica o mundo a Raúl, estimulando a sua criatividade num mundo que insiste em impor os seus factos, sem deixar lugar para a fantasia. Raúl sabe que se encontrar uma fada poderá pedir-lhe três desejos, mas antes terá de educá-la, porque muitas fadas não se lembram que o são. Em dado momento e sem explicações, Ingrid decide colocar um ponto final na relação com Nicolás. É nesse momento que nas suas vidas aparece Sezar (Bebe), uma jovem argelina que trabalha num supermercado, enquanto aguarda resposta para um bolsa na Sorbonne.


José Luis Cuerda (“La Lengua de las Mariposas”, 1999), com base no livro ‘L’Education d’une Fée’ (2000) do francês Didier Van Cauwelaert, constrói uma história mágica e intimista onde, através do olhar de uma criança, se desvenda um mundo adulto e cheio de medos. Talvez por isso às observações de Raúl, por muito interessantes e divertidas que sejam, lhe falte a naturalidade infantil.


Quando a fantasia é usada para explicar o mundo corre-se o risco de a usar como refúgio desse mesmo mundo. E “La Educación de las Hadas” refugia-se também na fantasia para disfarçar a previsibilidade com que responde às questões lançadas. Torna-se igualmente complicado desconstruir relações idílicas quando todas as personagens são tão boas e sem falhas que é difícil acreditar nelas.


Apesar de tudo, o elenco internacional encabeçado pelo argentino Ricardo Darín (“El Hijo de la Novia”) e pela francesa Irène Jacob (“La Double Vie de Véronique”) cumpre o seu papel, com uma chamada de atenção para a cantora espanhola Bebe, cujo álbum ‘Pafuera Telarañas’ toca com alguma insistência lá em casa, e que integrará o próximo filme de Julio Medem, “Caótica Ana”.


No bosque encantado de Montseny na Catalunha, a fotografia de Hans Burmann e a música de Lucio Godoy mostram-nos um mundo onde a inocência tem poder para vencer o cinismo, mas é a voz de Bebe cantando “deja que te acompañe que no es momento de andar sola” que nos enche a alma e nos agarra à cadeira no genérico final. Quando tudo na nossa vida parece estar ao contrário, existem forças (dentro e fora de nós) que conseguem fazer-nos crer que tudo irá correr bem. E não vale a pena indagar muito. Afinal de contas, o que seria do quotidiano sem os seus mistérios?






CITAÇÕES:


“Estábamos enamorados como críos. Ahora nos hicimos adultos. Será menos hermoso, pero más completo.”
IRÈNE JACOB (Ingrid)


TIEMPO PEQUEÑO
de Bebe e Lucio Godoy

¿Quién se va y quién se queda?
¿Quién le duele más la soledad?
¿Quién le duele más la soledad?
Si tós los rincones de mi vida tienen algo tuyo
¿Cual es tu camino?
¿Cual es el mío?
¿Dónde se encontraron
¿Dónde se han ió?

Anda, deja que te acompañe que no es momento de andar sola.

Con lo pequeño que es el tiempo
¿quién recogerá el perdió?
Si tu me cuidas yo me curo
Mi cura es tu compañía
Deja que te cuide las alas... tus alas

Anda, deja que te acompañe que no es momento de andar sola.

Mis cinco sentidos son pá ti
Mis manos pá sujetarte a ti
Y mi alegría pá que la bebas toda tu

Anda, deja que te acompañe que no es momento de andar sola.

Anda, deja que te acompañe que no es momento de andar sola.

Déjame que te acompañe.


















































Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.