Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

A PRENDA DE NATAL PERFEITA *. . . PARA QUEM NÃO TEM DINHEIRO PARA UM IPOD

21.12.05, Rita




O que estou a falar é do pack DVD recentemente editado com as 2 longas-metragens de Lucrecia Martel, a maior revelação cinematográfica deste século (e é indiferente para esta avaliação que se considere o início do século o ano 2000 ou, se se quiser optar por uma perspectiva mais científica, o ano 2001) e a melhor coisa vinda da Argentina desde Beto Acosta.


Lucrecia Martel apesar de só contar com 2 longas no seu curriculum é já uma aposta segura do cinema de hoje, dotada já de uma identidade muito própria (não correremos o risco de a ver perdida por Hollywood, como parece acontecer com quase todos os realizadores sul americanos que se destacam), praticante de um cinema quase sensitivo, obsessivo nas suas temáticas e sem grandes concessões (em Martel não encontramos os truques do costume para agarrar o espectador, não temos personagens ou situações com que facilmente nos identifiquemos, enquadramentos e planos sofisticados, os argumentos sugerem mais do que revelam e não se encaminham para finais em que tudo se resolve) e no entanto consegue ser um cinema que não se perde fechado em si (não é um "Alice" por exemplo) e não é um cinema cru, que afasta à primeira o espectador menos predisposto (Martel não é Pedro Costa, sem desprimor para este, que considero o melhor realizador português na actualidade e o único da sua geração capaz de atingir os patamares de Oliveira ou César Monteiro). Bem pelo contrário, os filmes de Martel conseguem envolver-nos desde as primeiras cenas e, se não nos transportam para dentro deles, conseguem transpirar para as salas de cinema os ambientes que por eles trespassam. Com apenas dois filmes, Lucrecia Martel consegue já ter mais obra que a maioria dos realizadores que por aí andam. E ocupando unicamente o espaço de 2 DVDs.


Em última análise, se o ano de 2005, cinematograficamente falando, tinha começado em grande com a estreia comercial da sua segunda obra, "La Niña Santa" e a possibilidade de revisão da primeira, "La Cienaga", tem um fim à altura, com a agora possibilidade de as levar para casa, juntinhas, para revisões múltiplas e embelezamento da estante já esgotada no que a espaço para mais DVDs diz respeito.


E pela módica quantia de 15 euros, o que o torna o melhor negócio com que me deparei desde um Best of... de Velvet Underground a 500 escudos, comprado num hipermercado qualquer muitos natais atrás.

* (ainda melhor que uma biografia do Vale e Azevedo)




por Sérgio


 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.