Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

The Painted Veil ***1/2

11.04.07, Rita

Realização: John Curran. Elenco: Naomi Watts, Edward Norton, Toby Jones, Liev Schreiber, Diana Rigg, Anthony Wong Chau-Sang. Nacionalidade: China / EUA, 2006.





O mais recente filme de John Curran (“We Don't Live Here Anymore”) começa por nos tirar a respiração com uma paisagem luxuriante, onde um homem e uma mulher se encontram tão distantes um do outro que até os seus silêncios parecem degladiar-se.


Walter Fane (Edward Norton) é um bacteriologista que se apaixona por Kitty (Naomi Watts), uma menina de boas famílias de Londres. O seu apressado casamento deve-se, por um lado, à vontade de Kitty escapar aos julgamentos sociais, em especial aos da sua própria mãe, e, por outro, ao facto de Walter desenvolver o seu trabalho em Xangai. Entre o silêncio da sua vida marital e o tédio social de Xangai, Kitty envolve-se numa relação adúltera com o vice-consul Charles Townsend (Liev Schreiber, companheiro de Naomi Watts na vida real). Quando Walter descobre a traição, a sua frieza faz com que Kitty o culpe de não agir como “um homem a sério”. Mas Walter é bem menos ingénuo que isso, e, como represália, decide mudar-se com Kitty para a remota aldeia de Mei-tan-fu, colocando as vidas de ambos em risco no meio de um surto de cólera. As condições físicas extremas em que se irão encontrar, às quais se acrescentam os tumultos sociais da China dos anos 20, serão o caminho para resolverem as suas emoções.


É neste período de descoberta que se centra “The Painted Veil”, argumento adaptado por Ron Nyswaner do romance de 1925 de W. Somerset Maugham (em 1934, o realizador Richard Boleslawski levou este mesmo livro ao grande ecrã com Greta Garbo e em 1957 foi a vez Ronald Neame fez uma adaptação sob o título “Seventh Sin”). Os eventos históricos que circundam este drama, como o movimento nacionalista de Chiang Kai-shek, são menosprezados a favor das lutas íntimas que os protagonistas disputam entre si, motivados por um egoísmo que reflecte o da própria cultura colonialista. Mas a grande batalha é feita consigo mesmos, dois indíviduos moralmente divididos entre o amor e o dever. Walter é um profissional dedicado, um tímido apaixonado, um marido rancoroso e um homem orgulhoso, que não se perdoa a si mesmo por amar uma mulher superficial. Kitty é mimada, sensual, frágil e corajosa, mas o seu caminho passar por aprender o seu valor como indivíduo num contexto mais alargado que o do seu pequeno mundo.


À frente deste épico emocional estão dois grandes actores (e, neste caso, também produtores), em duas excelentes, subtis e complexas interpretações. Nos secundários, o apoio vem de um Toby Jones de quem ainda não consigo descolar por completo a personagem de Capote, no papel do único vizinho dos Fanes; Anthony Wong Chau-Sang como o duro General Yu; e Diana Rigg (sim, a Emma Peel dos “Vingadores”) como Madre Superiora.


John Curran controla o melodrama, evitando emoções exageradas e mostrando um enorme respeito pelos silêncios (decorados pela fotografia de Stuart Dryburgh). Talvez seja nesse compasso que a gestão temporal se confunde: há uma sensação de que o tempo da acção é bastante mais alargado do que aquele que efectivamente decorre.


É demasiado simples responder que se ama o outro pelas suas qualidades. Afinal de contas os defeitos fazem tanto parte de uma pessoa como as suas virtudes. Talvez não se ame o sequer o que se vê, mas sim exactamente aquele invisível que não se espera e, por isso mesmo, não se frustra.






TAGLINE:


Sometimes the greatest journey is the distance between two people



CITAÇÕES:


“I'm not angry at you, I'm angry at myself for ever allowing myself to love you.”
EDWARD NORTON (Walter Fane)


“Why would you put so much effort into something that's going to die?”
NAOMI WATTS (Kitty Fane)


“The only thing that counts is the love of duty; when love and duty are one, then grace is in you and you will enjoy a happiness which passes all understanding.”
DIANA RIGG (Madre Superiora)




1 comentário

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.