Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Grbavica *****

30.11.06, Rita

Realização: Jasmila Žbanić. Elenco: Mirjana Karanović, Luna Mijović, Leon Lucev, Kenan Catic, Jasna Ornela Berry, Dejan Acimovic, Bogdan Diklic, Emir Hadzihafisbegovic. Nacionalidade: Áustria / Bósnia-Herzegovina / Alemanha / Croácia, 2006.





“Sarajevo, meu amor”. Este deveria ser, à semelhança de França, o título deste filme em português. O titulo também de uma canção popular.


Esma (Mirjana Karanović) é mãe solteira e vive no bairro de Grbavica, em Sarajevo. Trabalha num bar e faz vestidos por encomenda, mas nem assim consegue reunir o dinheiro necessário para pagar a excursão da escola da sua filha de 12 anos, Sara (Luna Mijović). Pela apresentação de um certificado provando que o seu pai foi um mártir da guerra (shaheed), os jovens têm um desconto na viagem, mas Esma parece disposta a manter a verdade para si própria.


As inseguranças de Sara, típicas de qualquer adolescência, exigem-lhe que marque a sua posição frente a uma mãe que, mesmo que extremosa, desempenha o papel de autoridade. Sara quer saber quem era o seu pai e que feições passaram geneticamente para ela, quando tudo o que Esma quer é esquecer. Mas o seu processo é de fuga; o grupo de apoio em que participa é para ela apenas a fonte de mais uns dinheiros mensais. O aparecimento de Pelda (Leon Lucev), segurança do dono do bar onde Esma trabalha, vem, no entanto abrir-lhe a possibilidade de um novo caminho.


De uma forma inteiramente pessoal, e com um cunho intimista (e por isso duro), a realizadora Jasmila Žbanic, vencedora do Urso de Ouro na 56ª edição do Festival de Berlim, analisa um aspecto verdadeiramente horripilante: as violações em massa de mulheres durante a guerra da Bósnia (a estimativa oficial - e, por isso, por baixo - é de 20 000 mulheres violadas por soldados sérvios entre 1992 e 1995).


Žbanic olha, de uma forma corajosa para estas vidas, símbolo de todas as vítimas, directas e indirectas, deste conflito (e de tantos outros). Apesar da guerra ter terminado, os seus efeitos são muito mais duradouros do que a maioria de nós julga (considerando quem, como eu, vive - felizmente - longe desses extremos atropelos humanos), e a sensação de injustiça persiste.


“Grbavica” conta com duas magistrais interpretações por parte de Mirjana Karanović (“Underground”, “Life is a Miracle”) e da estreante Luna Mijović, completamente entregues a um processo de reconstrução, procurando encontrar significado no meio da devastação (pessoal), eliminando os elementos que evocam um passado brutal, e, por fim, aceitando-o e libertando-se dele.


Žbanic tem uma imensa atenção ao detalhe, carregando cada cena de todo o significado possível. Não de todos os significados, entenda-se. É uma questão de intensidade, não de extensão. Žbanic faz-nos perceber todas as inquietudes, todas as dúvidas e todas as contradições das suas personagens. E sabemos que um filme é bom quando uma mão colada a um vidro diz tanta coisa.


Há um tom de tragédia em todo o filme, ampliado pela brancura e pelo frio. Não se trata de uma tragédia iminente, mas sim imanente - que persiste naquelas pessoas, que vem de dentro, em silêncio, através de olhares magoados e gestos cortados. Um filme desarmante e comovente, de uma seriedade e uma gravidade a que nenhum de nós, como ser humano, pode ficar indiferente.






P.S. - O distribuidor local do filme na Bósnia-Herzegovina, Oscar Film, decidiu não fazer sair o filme para as salas. A sua justificação é a seguinte: “We live in the Serb part of Bosnia and we don't want to provoke a revolt of the Serb population and, since there is no interest in the movie, we do not have the economic interest to show it.”

Trágico...






















Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.