Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

La Science des Rêves *****

19.11.06, Rita

Realização: Michel Gondry. Elenco: Gael García Bernal, Charlotte Gainsbourg, Alain Chabat, Miou-Miou, Emma de Caunes, Aurélia Petit, Sacha Bourdo, Pierre Vaneck, Stéphane Metzger. Nacionalidade: França, 2006.





Após a morte do pai, Stéphane Miroux (Gael García Bernal) regressa a Paris, onde vive a sua mãe, Christine (Miou-Miou), que lhe garante um trabalho como ilustrador de calendários. O plano de Stéphane é publicar o seu calendário de ‘Desastrologia’, salientando, em cada mês, um desastre de grandes proporções que ocorreu nalgum ponto do globo. Mas o seu trabalho no escritório acaba por se revelar tremendamente monótono, o que apenas serve para exacerbar a propensão natural de Stéphane para se refugiar num mundo onírico. Quando Stéphane conhece a sua nova vizinha, Stephanie (Charlotte Gainsbourg, “21 Grams”), e se apaixona, a sua tentativa de aproximar estes dois mundos e manter-se em equilíbrio toma novas proporções.


A dificuldade de Stéphane separar os seus sonhos da realidade prende-se com a sua incapacidade de lidar com um mundo onde as pessoas erram e se magoam, ou seja, um mundo adulto. À semelhança da personagem de Jim Carrey em “Eternal Sunshine of the Spotless Mind”, também Stéphane prefere negar a realidade. Sem aviso, Michel Gondry leva-nos para dentro da mente de Stéphane, materializada num estúdio em cartão de onde é emitida a StéphaneTV. E tal como Stéphane, também nós tentamos discernir o que é real e o que é sonho. Ou serão os sonhos uma forma de realidade?


Apesar de não estar feliz com o seu trabalho, aquele parece ser o lugar perfeito para Stéphane. Os colegas Guy (um fabuloso Alain Chabat, “Le Gôut des Autres”), Martine (Aurélia Petit) e Serge (Sacha Bourdo) comportam-se como autênticas crianças, e ampliam os delírios de Stéphane, como se se tratassem, eles próprios, de diferentes facetas do seu sub-consciente. O mesmo acontecendo com o brando patrão M. Pouchet (Pierre Vaneck). Um dos momentos mais deliciosos de “Science of Sleep” é quando Stéphane e os colegas, vestidos de gatos, interpretam a música ‘If You Rescue Me’, uma versão da música ‘After Hours’ dos Velvet Underground, cuja letra feita expressamente para este filme fala de um gato abandonado.


De uma forma extremamente imaginativa, por vezes absurda, por vezes bizarra, Michel Gondry constrói um universo de sonhos com o mínimo de recurso a efeitos especiais. O seu mundo é feito de texturas: água de celofane e nuvens de algodão. Ao som de ‘Instinct Blues’ de White Stripes, a cidade de Stéphane é reconstruída em cartão, para uma pista de ski bastou juntar tecido e fios de várias cores, e uma máquina de viajar um segundo no tempo é utilizada por Stéphane para dar dois primeiros beijos a Stephanie, um no futuro, e outro – o mesmo – no presente.


O campo das interpretações é dominado por um Gael García Bernal ímpar (“Diarios de Motocicleta”, “La Mala Educación”). Mesmo no registo mais disparatado é totalmente credível, porque percebemos que Stéphane tenta, verdadeiramente, superar as suas inseguranças e, entre o desastre e o charme, ele é apenas um rapaz a tentar fazer-se um homem.


Sem explicações ou concessões, Gondry utiliza a fantasia para falar da realidade do amor. Ele consegue representar visualmente a confusão, o delírio e a magia de estar apaixonado, de querer viver a realidade mas não conseguir dominar a imaginação. Mas apesar de se passar no inconsciente, este é um filme muito pouco sexual. Exceptuando umas quantas anedotas porcas, as referências a sexo não passam de clichés reunidos no quotidiano. Por isso a ligação entre Stéphane e Stephanie pode facilmente ser extrapolada para uma dualidade entre o feminino e o masculino, na qual a semelhança do nome joga um importante papel.


“Science of Sleep” é um portento de imaginação, um banquete visual, divertido e melancólico e, tal como os sonhos, cheio de símbolos, para digerir com a devida atenção. Mas os sonhos não são apenas um processo de fuga, deles pode também depender a sanidade. Os de Gondry são feitos à mão, com tesoura, cola e muito amor.






CITAÇÕES:


“Tonight I’ll show you how dreams are prepared, people think it’s a very simple and easy process but it’s a bit more complicated than that…As you can see a very delicate combination of complex ingredients is the key. First we put in some random thoughts, then we add a little bit of reminiscences of the day mixed with some memories from the past, it’s for two people… Love, friendships, relationships, all those ships. Together with songs you heard in the day, things you saw (...) I'm talking quietly to not wake myself up...”
GAEL GARCIA BERNAL (Stéphane)

“P.S.R. - Parallel Synchronized Randomness. An interesting brain rarity and our subject for today. Two people walk in opposite directions at the same time and then they make the same decision at the same time. Then they correct it, and then they correct it, and then they correct it, and then they correct it, and then they correct it. Basically, in a mathematical world these two little guys will stay looped for the end of time. The brain is the most complex thing in the universe and it's right behind the nose.”
GAEL GARCIA BERNAL (Stéphane)

“Will you marry me when you are seventy and have nothing to lose?”
GAEL GARCIA BERNAL (Stéphane)

“Things can turn out the way you want to. If you just stop doubting that I love you.”
CHARLOTTE GAINSBOURG (Stephanie)

“I like your boobs. They're simple and unpretentious. And I would like to see them someday.”
GAEL GARCIA BERNAL (Stéphane)

“You have a serious problem of distorting reality. You could sleep with the whole world and still feel rejected.”
CHARLOTTE GAINSBOURG (Stephanie)




IF YOU RESCUE ME
interpretada por Gael Garcia Bernal, Alain Chabat, Sacha Bourdo e Aurélia Petit


(falado)
So Stéphane Miroux we have a little surprise for you to do.
Now.
A song for her!


(cantado)
If you rescue me
I’ll be your friend forever
Let me in your bed
I’ll keep you warm in winter

All the kittens are playing
they’re having such fun
I wish it could happen to me
But if you rescue me
I’ll never have to be alone again

All the cars drive do fast
And the people are mean
And sometimes it’s hard to find food
Let me into your world
I’ll keep you warm and amused
All the things we can do in the rain

If you rescue me
I’ll be your friend forever
Let me in your bed
I’ll keep you warm in winter
Oh someday I know
Someone will look into my eyes
And say: hello, you’re a very special kitten

So if you rescue me
I’ll never have to be alone again
I’ll never have to be alone again
I’ll never have to be alone again







































































2 comentários

  • Imagem de perfil

    Rita

    11.12.06

    Olá, gaja. Long time no see. Em Janeiro vê se apareces uma sexta-afeira ao final do dia, para um encontro "daqueles".
    Kiss Kiss
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.