Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

CINERAMA

CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA

Amor Idiota ****

29.09.06, Rita

Realização: Ventura Pons. Elenco: Santi Millán, Cayetana Guillén Cuervo, Mercè Pons, Marc Cartes, Jordi Dauder, Gonzalo Cunill, Daniela Corbo. Nacionalidade: Espanha, 2004.





“A minha vida constitui um longo e proveitoso caminho em direcção à estupidez. Um dia, quando era adolescente, dei-me conta de que era idiota. Uns quanto anos mais tarde, descobri que não era o único. Agora que vou a caminho dos trinta e cinco anos estou convencido não só de que todo o mundo é idiota, mas também que nunca deixamos de o ser.”


Assim começa “Amor Idiota”, uma reflexão na primeira pessoa, feita com ironia e cepticismo mas também com humor (negro por vezes), sobre o eterno desencontro que é o amor.


Pere-Lluc (Santi Millán) encontra-se numa fase complicada da sua vida. Tudo lhe parece irrelevante e sem consequência, sente-se desiludido, perdido, oscilando entre a auto-flagelação e a auto-comiseração. Desde início, Ventura Pons mostra-o no seu nível mais baixo, num acto infantil e exibicionista num jantar do Gabinete Cárdenas de Orientação Psico-profissional, onde trabalha. Isto serve para nos situar no seu processo, e para que vejamos como ele se vai elevando do seu infortúnio, e vai abandonando o seu estado de despojo humano.


Ao final de uns dias, Pere-Lluc descobre que o seu grande amigo Nicco Zenone (Gonzalo Cunill), um actor argentino, morreu. Revoltado por apenas tomar conhecimento do sucedido 5 meses depois, Pere-Lluc embebeda-se para esquecer a sua dor. De regresso a casa, choca com as escadas de uma rapariga (Cayetana Guillén Cuervo) cujo trabalho consiste em pendurar cartazes publicitários nos postes de electricidade de Barcelona. O embate não é mais forte do que a fascinação que Pere-Lluc sente por esta desconhecida, que o ignora completamente. Mas, para ele, foi apenas preciso um momento para se apaixonar, e para se obcecar por ela. Assumindo a idiotice como parte de si mesmo (há inclusive uma referência clara ao ‘O Idiota’ de Dostoiévski), Pere-Lluc não tem intenções de a corrigir, mas sim de tirar o melhor partido dela, e, a partir desse momento, a vida de Pere-Lluc terá o ritmo das suas perseguições, ao trabalho dela, ao bar onde espera pelo marido, ou à casa de ambos.


A vida plácida e aborrecida de Pere-Lluc encontra um novo fôlego, o risco e a adrenalina de espiá-la fazem-no sentir-se vivo. E a obsessão que o devora é também aquilo que lhe devolve a integridade.


Baseado no livro ‘Amor d’Idiota’ de Lluís-Anton Baulenas, Ventura Pons aborda o tema da necessidade de comunicação e de afecto, a procura do outro e a necessidade de nos revermos noutro ser. Neste caso, essa busca é excessiva, descontrolada, ilógica e patológica. A ânsia de Pere-Lluc é a mesma ânsia da câmara, a imagem em permanente movimento a la Dogma, rápida, abrupta, nervosa, excitada; primeiro pela perseguição do objecto desejado, depois pelo desesperado devorar do mesmo, e finalmente pela angústia das decisões difíceis.


Tanto Santi Millán (que eu já tinha tido oportunidade de ver no filme “Di Que Sí” (2004) de Juan Calvo, uma comédia romântica sem grandes consequências onde contracena com Paz Vega) como Cayetana Guillén Cuervo se envolvem nas suas personagens, humanizando-as. Ele, omnipresente e obsessivo, ela, acossada e agredida na sua intimidade. Ele, um livro aberto, ela, enigmática, pois apenas existe como objecto do olhar daquele que a deseja e a persegue. No entanto, o filme desequilibra-se quando se afasta dos dois protagonistas, quer quando envolve o padrinho de Pere-Lluc, quer o romance atabalhoado dos seus dois amigos, Jordina (Mercè Pons) e Àlex (Marc Cartes), quer os flashbacks ao amigo argentino.


Em “Amor Idiota” a palavra tem um papel fundamental, focado que é numa personagem que explora, durante constantes monólogos em off, um comportamento idiota do qual sente, simultaneamente, uma certa vaidade. O texto é brilhante e inteligente, com rasgos de existencialismo, feitos com o humor necessário para evitar que se tornem presunçosos.


“Amor Idiota” é também uma crónica da cidade de Ventura Pons - Barcelona: as placas das ruas, os passeios em mota, as escadas das casas, a linha do horizonte, os bares (que estranhamente reconfortante é reconhecermos num filme um espaço do qual já fizemos parte - em “Amor Idiota” isso aconteceu-me com o Bar “La Confiteria”, primeiro insinuado e depois confirmado numa segunda cena). Por isso lamento ter visto a versão dobrada em castelhano, quando grande parte do diálogo é em catalão.


A história de Ventura Pons fala da simplicidade dos sentimentos, mesmo sendo obsessivos ou idiotas, e das questões intelectuais que complicam o amor. Fala de um amor que é inseparável da loucura, porque é desenfreado, porque é uma luta sem regras. Fala de uma paixão onde o sexo urgente assume um tom de absurdo desespero, como se, mais do que o culminar, fosse um meio para alcançar o afecto.


Quando amamos portamo-nos como idiotas, infringindo todas as leis: pessoais, sociais, gravitacionais, de sobrevivência. Mandamos o alarme do instinto à fava e pisamos solo movediço. Somos repugnantes, execráveis, desprezíveis, submissos, generosos, sublimes e sobre-humanos.






CITAÇÕES:


“Mi vida constituye un largo y provechoso viaje hacia la idiotez. Un día, siendo adolescente, me di cuenta de que era idiota. Unos cuantos años más tarde, descubrí que no era el único. Ahora que voy camino de los treinta y cinco años estoy convencido de que no solamente todo el mundo es idiota, sino que además nunca dejamos de serlo.”
SANTI MILLÁN (Pere-Lluc)

“A experiência não nos torna mais sábios, apenas mais velhos.”
SANTI MILLÁN (Pere-Lluc)

“Los idiotas sólo podemos tener fe, esperanza y caridad. Y un poco de amor porque es gratis.”
SANTI MILLÁN (Pere-Lluc)



























Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.