CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA
Quinta-feira, 30 de Abril de 2009
Louise-Michel ****1/2


 

Realização: Gustave de Kervern e Benoît Delépine. Elenco: Yolande Moreau, Bouli Lanners, Benoît Poelvoorde, Albert Dupontel, Mathieu Kassovitz, Francis Kuntz. Nacionalidade: França, 2008.



 



 

Com “Louise-Michel”, os realizadores do irreverente “Aaltra”, Gustave de Kervern e Benoît Delépine, regressam ao registo politicamente incorrecto mas genialmente hilariante.


 

Esticando o absurdo até ao limite do bom gosto, o filme aproveita o nome da anarquista francesa Louise Michel (1830-1905) para, denominando também os protagonistas, lançar o mote de caos e loucura anárquica desta comédia negra sobre a injustiça de um mundo laboral dominado pelos interesses (meramente financeiros) das grandes corporações. O tom ultrajante (e humilhante) do humor destes realizadores-argumentistas é dado pela cena inicial num crematório, apesar de desligada do restante contexto do filme.


 

Na região da Picardia, em França, um grupo de trabalhadoras de uma fábrica, após um despedimento sem qualquer aviso, decidem juntar as magras indemnizações num total de 20.000 euros para um projecto em comum, onde terão maiores probabilidades de sucesso. Numa sessão de brainstorming, onde é descartada a ideia de abrir uma pizzaria ou fazer um calendário de nus, a analfabeta e associal Louise (Yolande Moreau) sugere que se contrate um assassino a soldo para matar o patrão. Sem hesitação, todas concordam com a ideia.


 

Por obra do acaso, Louise repara em Michel (Bouli Lanners), quando este, sem se aperceber, deixa cair no chão uma arma artesanal elaborada pelo seu vizinho. Michel é um totalmente inapto perito (?) em segurança, encarregue da vigilância de um parque de caravanas. Aceitando a missão sem hesitações à simples menção do montante, a grande dificuldade de Michel será apertar o gatilho, chegando a pedir o favor a uma prima que está numa fase terminal de cancro.


 

Quanto mais defeitos Kervern e Delépine colocam nas suas personagens, mais gostamos delas. Louise é horrenda e nojenta, caça pombos para jantar porque metade do seu ordenado vai para a comissão do chefe que lhe fez o favor de arranjar trabalho (e se aproveita dela para uma das situações mais kinky que já vi no cinema), e não hesita em matar o agente bancário que lhe vem falar das suas dívidas e insiste para que ela leia o contrato.


 

À medida que as circunstâncias se complicam, é impossível não torcermos por estes seres irreais (tão irreais que nenhum deles é o que parece). Às suas limitações intelectuais corresponde um ilimitado leque de complicadas emoções. Às suas acções histriónicas corresponde uma tristeza calada e uma solidão profunda. Só dois actores com a dimensão interpretativa de Yolande Moreau e Bouli Lanners poderiam conferir credibilidade às mais dúbias situações.


 

E depois temos ainda direitos aos mimos de Benoît Poelvoorde no papel do vizinho engenheiro metalúrgico com paranóias de conspiração e de Mathieu Kassovitz,(também produtor) como dono de um Bed & Breakfast ecológico com uma mulher adormecida.


 

Numa sociedade que obriga as pessoas a negarem as suas próprias identidades ou que, em sentido inverso, as obriga a mudar para que possam encaixar dentro de estreitos limites, o carácter único destas personagens e o imediatismo básico das suas necessidades, mesmo que louco e improvável, é de uma inegável e divertida frescura.




 



realizado por Rita às 00:16
link do post | comentar

Quarta-feira, 29 de Abril de 2009
Una Semana Solos ***

Realização: Celina Murga. Elenco: Magdalena Capobianco, Eleonora Capobianco, Natalia Gómez Alarcón, Ignacio Gimenez, Lucas del Bo, Gastón Luparo, Ramiro Saludas, Federico Peña, Manuel Aparício, Mateo Braun. Nacionalidade: Argentina, 2007.





À semelhança da conterrânea Lucrecia Martel em “La Mujer Sin Cabeza”, em “Una Semana Solos” Celina Murga (“Ana Y Los Otros”) dá também a sua visão do aborrecimento da burguesia argentina. Aqui com um sonoro “Martin Scorsese presents” antes dos créditos iniciais.


Sem preparação, caímos no meio dos hábitos diários de um grupo de jovens, cujas relações familiares só a pouco a pouco se tornam claras. Sob a supervisão tolerante, e quase despercebida, da empregada Esther (Natalia Gomez Alarcon), estes adolescentes e pré-adolescentes, jogam computador, distraem-se na piscina, e quando já nada os entusiasma, aproveitam para entrar nas casas dos vizinhos que, como eles, se encontram desocupadas.


O argumento de Murga e Juan Villegas não se centra em nenhum dos jovens em particular, ainda que haja um ligeiro foco em María (Magdalena Capobianco), a mais velha do grupo e o elo de ligação (telefónico) com os adultos que deveriam estar a tomar conta deles. A ausência dos pais nunca é justificada com nenhum motivo concreto, ainda que se subentenda uma actividade de lazer e se perceba o eterno adiar do regresso (à responsabilidade?).


O condomínio privado onde eles vivem é uma comunidade fechada, com estritas regras de funcionamento e, cedo nos começamos a aperceber, que o que os protege não são mais do que doces cadeias de uma prisão de luxo.


O aparecimento de Juan (Ignacio Gimenez), o irmão de Esther, como ela oriundo de uma pobre povoação de Entre Rios, vem destabilizar a homogeneidade do grupo que, em nenhum momento, se sente confortável na sua presença. Mesmo quando Esther sugere que o irmão acompanhe alguns dos outros rapazes à piscina pública e se pressente uma aproximação entre eles, essa ilusão é abandonada quando o irmão de María, Facundo (Lucas del Bo), traz uma coca-cola para os outros dois, mas não para Juan.


Aqui está um grupo de jovens que respeita uma série de regras absurdas sem sequer as questionar (como a impossibilidade de levar ténis calçados para o recinto da piscina pública), mas que não vêem qualquer problema em decidir simplesmente não ir à escola, ou invadir a privacidade dos seus pares. Mas nada disto é feito com estrondo. Murga contém as emoções e as tensões, tudo é subtil: a primeira aparência de rufia de Juan, a humilhação de que ele é objecto para entrar no condomínio, os preconceiros, as relações emocionais (o interesse, o ciúme), a exposição da mesquinhez e a vergonha na atribuição de culpas.


O isolamento físico destes jovens representa um isolamento social muito maior. Ignorantes e despreocupados, eles não têm consciência desse outro mundo. Quando, no regresso da escola, María observa pela janela do autocarro um bairro de lata (um outro estilo de “condomínio privado” onde a dificuldade reside em sair e não em entrar), a sua expressão é vazia de entendimento. Olhar não é, de todo, o mesmo que ver.


O conjunto de interpretações surpreendentemente naturais confere a dose de indiferença das gerações a quem nada nunca faltou. Habituados que estão a que o mundo se limpe sozinho depois dos seus estragos, ceder a todos os caprichos sem pensar nas consequências ou nos sentimentos dos outros é o seu modus operandi. O seu desprezo pelos bens materiais vai tendo efeitos destrutivos cada vez maiores. Como se, de cada vez, a catarse só fosse possível indo um pouco mais além.


Confesso que a minha satisfação pessoal exigia uma solução mais dramática. Ou talvez fosse o meu cinismo que esperava o óbvio. Mas suponho que ultrapassar o comportamento aceitável tem diferentes consequências dependendo da qualidade dos infractores. O mundo continua a não ser justo: ensinar não implica, necessariamente, aprender.






realizado por Rita às 00:49
link do post | comentar

Terça-feira, 28 de Abril de 2009
once in a lifetime




DAVID BYRNE @ Coliseu dos Recreios






realizado por Rita às 20:08
link do post | comentar

Domingo, 26 de Abril de 2009
This Is England ***

Realização: Shane Meadows. Elenco: Thomas Turgoose, Stephen Graham, Jo Hartley, Andrew Shim, Vicky McClure, Joe Gilgun, Rosamund Hanson, Andrew Ellis. Nacionalidade: Reino Unido, 2006.





Na Inglaterra de 1983 Shaun (Thomas Turgoose) é um rapaz de 12 anos, cujo pai morreu recentemente na Guerra das Falkland. Sem amigos na escola, onde os colegas se divertem a gozar com as suas roupas fora de moda, Shaun é um triste solitário, a quem nem a mãe (Jo Hartley) consegue consolar. Um dia, a caminho de casa, Shaun tropeça num grupo de skinheads. O ar de perdido de Shaun fá-lo ganhar a piedade de Woody (Joseph Gilgun), o carismático líder do grupo, que o conquista pela atenção e pelo humor. Rapidamente, Shaun torna-se parte integrante do grupo. Sem qualquer doutrinamento ideológico, a integração de Shaun é feita pela adopção do visual: o cabelo rapado, a camisa e suspensórios, a bainha dos jeans enrola para cima e, as ambicionadas, Dr. Martens.


O afecto entre os membros do grupo é o de uma família. E apesar de tentarem parecer duros, são apenas miúdos a divertirem-se e a combaterem o isolamento com o sentido de pertença, sem vislumbre da violência ou do racismo associado aos skinheads. Aliás, Milky (Andrew Shim), um dos membros é de origem jamaicana. Mas o divertimento idílico muda de tom quando o antigo mentor de Woody, Combo (Stephen Graham), regressa da prisão decidido a institucionalizar a sua crença de que todos os que chegam a Inglaterra estão a roubar trabalho aos “verdadeiros ingleses”. Com a retórica, Combo consegue conquistar parte do grupo, incluindo Shaun, apelando ao orgulho que o seu pai teria dele.


Inspirado na própria infância do realizador-argumentista Shane Meadows, “This Is England” tem um ambiente de tragédia latente, mais intuída que mostrada. A começar pela morte do pai de Shaun, que ele sente como um abandono e uma traição, à explosão inevitável da violência.


Divertido e por vezes brutal, “This Is England” conta com duas interpretações de excepção: a do estreante Thomas Turgoose, cujo olhar consegue ir do deslumbre da descoberta ao desespero da perda; e um impressionante Stephen Graham como Combo, cujas cicatrizes emocionais (com o ciúme, o medo e a solidão transparecendo da sua máscara) o impelem a fazer parte de algo maior.


Sem fazer do filme um sermão, Meadows contextualiza historicamente a emergência de um movimento que tirou partido das fracas condições sociais. Sentindo-se desprezados por um sistema governativo que fez uma guerra para desviar a atenção da população dos verdadeiros problemas, o caminho mais fácil era arranjar também os seus próprios culpados, um inimigo que os validasse. E esse poderia bem ser o dono da mercearia que não nos deixa ler a revista sem a pagar. E se ele é paquistanês, é isso mesmo que se vai combater.


Meadows chama especial atenção para a vulnerabilidade da juventude às demagogias, mas é também na juventude que ele coloca a força para romper com os valores apodrecidos. De uma forma circular, Shaun volta à dor e ao distanciamento do resto do mundo que ela provoca. Pela corrupção, é feito um caminho da inocência ao cinismo, com as dores necessárias à formação de uma individualidade. Evidente fica o despropósito da violência, poeticamente retratado num velho barco preso num mar de relva.






CITAÇÕES:


“You might look about four, but you kiss like a fourty year old!”
ROSAMUND HANSON (Smell)


“Combo − But I've got one question to ask you. Do you consider yourself English, or Jamaican?
Milky − … English.
Combo − Lovely, lovely, love you for that, that's fucking great. A proud man, learn from him; that's a proud man. That's what we need, man. That's what this nation has been built on, proud men. Proud fucking warriors! Two thousand years this little tiny fucking island has been raped and pillaged, by people who have come here and wanted a piece of it - two fucking world wars! Men have laid down their lives for this. For this... and for what? So people can stick their fucking flag in the ground and say: Yeah! This is England. And this is England, and this is England.”
STEPHEN GRAHAM (Combo) e ANDREW SHIM (Milky)






realizado por Rita às 17:23
link do post | comentar

Sábado, 25 de Abril de 2009
o poster – Cannes’2009







realizado por Rita às 11:02
link do post | comentar

Terça-feira, 21 de Abril de 2009
La Mujer Sin Cabeza **1/2

Realização: Lucrecia Martel. Elenco: María Onetto, Claudia Cantero, César Bordón, Daniel Genoud, Guillermo Arengo, Inés Efron. Nacionalidade: Argentina / França / Itália / Espanha, 2008.





“La Mujer Sin Cabeza” não passa de uma metáfora, que, ao ludibriar o espectador, o perde. No entanto, o terceiro filme da argumentista e realizadora argentina Lucrécia Martel (a cujo belo “La Ciénaga” se seguiu o, na minha opinião totalmente sobrevalorizado, “La Niña Santa”), está muito bem construído (e bem protagonizado) até quase ao seu final, quando a fácil solução da inconclusividade vem sobrepor-se à coerência interna.


Depois de um acidente na estrada e decidindo não parar, Verónica (María Onetto) fica convencida de que não foi um cão que atropelou, mas uma pessoa. Angustiada e incapaz de voltar à sua vida normal, da qual pouco parece recordar-se, Verónica entra num estado de semi-adormecimento, refugiando-se nas acções e reacções mecanizadas do dia-a-dia. A sua desorientação passa a ser a nossa.


Martel não nos diz nada sobre esta mulher antes do acidente, por isso a sua descoberta pessoal é também a nossa. O acidente faz com que ela sai da sua própria vida e Verónica parece não encontrar forma de regressar a ela mesma. Ela não tem qualquer controlo sobre o mundo que a rodeia, mas a sua ausência psicológica e emocional parecem não prejudicar a sua capacidade de desempenhar todos os papéis que lhe cabem (esposa, mãe, amante, amiga, profissional) e ninguém parece dar-se conta de que ela não está (é) ela mesma.


Os planos de Martel reforçam o ambiente de instabilidade, os corpos surgem em planos cortados ou apanhados em fundo como fantasmas. A luz vai-se esfumando como um crepúsculo. A interpretação de María Onetto confere a dose de sonambulismo e de passividade num constante (e por isso perturbante) sorriso.


Até aqui “La Mujer Sin Cabeza” cumpre na perfeição o seu papel. Independentemente da sua fuga à responsabilidade ou da sua culpa, Verónica dá-se conta de que a sua vida não precisa do seu envolvimento pessoal, reduzida que está àquilo que todos os outros projectam nela.


Na parte final do filme, Martel investe na paranóia, fazendo Verónica desaparecer um pouco mais através do desaparecimento dos exames médicos que fez após o acidente e mudando-lhe a cor de cabelo. Começamos finalmente a questionar tudo o que acabámos de ver e resolvemos o nó na nossa cabeça com a solução mais difícil de crer. Mas logo a seguir Martel resolve esbofetear-nos com a racionalidade, para depois voltar a sugerir o irreal.


Talvez “La Mujer Sin Cabeza” pretenda ser um documento ficcional sobre o aborrecimento da burguesia, para mim não passa da preguiça burguesa de uma realizadora egotista.


Eu não defendo que os filmes nos digam, na sua exígua duração, tudo aquilo que têm para dizer. Nem que sejam auto-evidentes. Mas irrita-me o facilitismo do deus ex machina, do “eu não tenho de deixar nada claro porque isto é tudo um sonho e, por isso, posso fazer o que bem me apetece e ignorar que há um espectador do outro lado que deverá entender a mensagem que eu quero transmitir”. Sou completamente a favor da masturbação, mas não faço questão de a ver.






realizado por Rita às 00:28
link do post | comentar

Segunda-feira, 20 de Abril de 2009
Che: Guerrilla ***


 

Realização: Steven Soderbergh. Elenco: Benicio Del Toro, Demián Bichir, Marc-André Grondin, Óscar Jaenada, Cristian Mercado, Jordi Mollà, Antonio Peredo, Jorge Perugorría, Franka Potente, Othello Rensoli, Armando Riesco, Catalina Sandino Moreno, Rodrigo Santoro, Mark Umbers, Yul Vazquez, Joaquim de Almeida, Lou Diamond Phillips, Matt Damon. Nacionalidade: Espanha / França / EUA, 2008.



 



 

Já depois de ter experimentado a realidade de Cuba, onde a recorrente imagem de Che, a par da de outros heróis de revolução e da independência, é a única “publicidade” em outdoors que se vê na auto-estrada(?) e em todos os caminhos entre as pequenas aldeias, “Che: Guerrilla” sabe a menos que “Che: El Argentino”.


 

Talvez porque neste segundo filme o desfecho não é a vitória, ou talvez porque o argumento de Peter Buchman e Benjamin A. van der Veen com base no livro “Diário de Bolívia” do próprio Ernesto 'Che' Guevara permita apenas acompanhar uma faceta do revolucionário, friamente visto pelos seus próprios olhos numa luta condenada à partida.


 

Ao contrário de Cuba, na Bolívia, a revolução contra o governo de Ballesteros (um Joaquim de Almeida com um deplorável sotaque português no seu espanhol), não encontrou o mesmo apoio popular que era esperado e que, na ilha do Caribe, foi essencial e determinante para a vitória em 1959.


 

Sete anos passados, Che está na Bolívia. Pelo meio ficam os tempos de implantação do regime, exactamente os mais polémicos para a definição entre herói e assassino. Soderberg poupa-se a esses trabalhos, que obrigariam a uma conflituosa conjugação de versões (e que poderiam facilmente ter posto em causa todo o projecto). Desta forma, apenas a palavra de Che é usada, e, contra ela, não existem argumentos. Mas, ao contrário de “El Argentino”, aqui Che está ausente do mundo mediático, por isso não existem outras imagens suas para mostrar, enquanto ele se adentra pela selva boliviana.


 

“Che: Guerrilla” não tem o humor do filme anterior, aqui há tristeza e angústia. Todos os gestos e passos são apenas tentativas. Aqui Che surge mais frágil, menos imponente e incansável. Um homem que, a cada momento, parece questionar-se: Que sentido faz lutar pela mudança de um país quando esse país parece ele mesmo não querer essa mudança? Na Bolívia, o seu idealismo tem de ser explicado, quando em Cuba era entendido quase sem palavras. Agora as acções parecem limitar-se a negociações mesquinhas com os agricultores, ou entre os seus soldados.


 

Mas, mais do que em “El Argentino”, a personagem de Benicio del Toro domina a acção. Os secundários perdem a importância, reduzidos a pequenos auxílios, como é o caso de Franka Potente (Tania), Lou Diamond Phillips (o presidente do Partido Comunista Boliviano Mario Monje) ou Matt Damon (no papel de Padre Schwartz).


 

Soderbergh faz questão de evidenciar o aborrecimento de guerra, o tempo perdido em esperas e a frustração dos apenas ínfimos passos. Enquanto estes poucos homens se abrigam de um clima agreste, os americanos treinam as tropas bolivianas para a captura do revolucionário argentino. É também este ritmo mais lento que prejudica “Che: Guerrilla” como filme individual. Ao passo que “Che: El Argentino” pode bem dispensar uma segunda parte, “Che: Guerrilla” dificilmente será apreciado por quem não tenha antes contextualizado a luta de Ernesto 'Che' Guevara por aquilo que ele entendia ser “o novo homem”.


 

Soderbergh conseguiu o feito de ilustrar uma vida sem a julgar. E se 'Che' Guevara adoptou Cuba como a sua missão, Cuba adoptou-o totalmente como seu. E é também assim que o país deve ser experimentado: sem julgamentos, sem hipérboles e sem condescendências. Um país onde a selecção de basebol é recebida em casa como se tivesse acabado de lutar numa contra o imperialismo, onde a rádio é marcada por radionovelas sobre a independência espanhola, onde todos os homens e mulheres são “remediados”. Cuba foi, no final dos anos 50, o lugar certo para o germinar e o crescer de uma revolução, e se alguma vez a palavra “revolucionário” definiu completamente alguém, esse alguém foi 'Che' Guevara.



 




 

CITAÇÕES:


 

“−Tal vez acá nunca lo han querido.
− Sí, tal vez... o tal vez nuestro fracaso los despierte.”




 



realizado por Rita às 00:37
link do post | comentar

Domingo, 19 de Abril de 2009
Gran Torino ****

Realização: Clint Eastwood. Elenco: Clint Eastwood, Christopher Carley, Bee Vang, Ahney Her, Brian Haley, Geraldine Hughes, Dreama Walker, Brian Howe, John Carroll Lynch, William Hill. Nacionalidade: EUA / Austrália, 2008.





Walt Kowalski (Clint Eastwood) é um homem execrável e racista. Após o funeral da mulher, Walt quer apenas o conforto do silêncio e da solidão, e que os dois filhos cujos trabalhos não têm sentido, e os netos egoístas e gananciosos, o deixem em paz. Um veterano da Guerra da Coreia, Walt revolta-se contra a “invasão” asiática do seu bairro no Michigan. Na casa ao lado da sua reside agora uma família Hmong (grupo étnico da região montanhosa entre o Laos, a Tailândia e a China), que Walt despreza e a quem se refere com depreciativas alcunhas.


A tranquilidade de Walt, e da sua habitual cerveja no alpendre de casa, é perturbada quando o vizinho do lado, Thao (Bee Vang), um adolescente que, numa praxe para entrar no gang do seu primo, tenta roubar o Ford Gran Torino de 1972 de Walt. Ele não hesita em pegar na sua caçadeira e resolver as coisas pelas suas próprias mãos. No dia seguinte, a voluntariosa irmã de Taho, Sue (Ahney Her) vem pedir desculpas pelo irmão e oferecer o serviços dele para o que Walt possa precisar, Walt resolve pô-lo a limpar a casa em frente à sua (sem pedir licença ao vizinho), para que a vista do seu alpendre seja finalmente mais agradável.


Walt carrega velhas cicatrizes (ainda que inomináveis) da sua experiência na guerra. Aliás para ele a vida parece-se com uma guerra, onde ele foi endurecendo para reagir de forma rápida e brutal, sem pedir desculpas, nem mesmo ao jovem padre da paróquia (Christopher Carley). Thao é um rapaz calado e estudioso, e Walt está decidido em formá-lo como homem. De repente, aqueles estranhos, numa generosidade que Walt não consegue compreender, tornam-se mais próximos dele que a sua própria família. Quando a integridade de Thao e Sue é ameaçada, o instinto de protecção de Walt desperta em toda a sua violência.


Naquela que é anunciada como a despedida de Eastwood como actor, aquele que vemos é o habitual herói dos muitos westerns que protagonizou. Um homem duro em busca da redenção, em luta com um passado sangrento que ele deixou que definisse o resto da sua vida. Até a barbearia serve de cenário às “conversas de homens”. A vingança surge aqui, também, em defesa da fragilidade feminina. E o final, só poderia ser um duelo.


E Eastwood despede-se em grande, com uma expressividade carregada de rugas (ou deveria dizer rugas carregadas de expressividade?), de raiva e de amargura, conferindo ao argumento de Nick Schenk uma força só comparável às da natureza. E é isso que Walt é.


“Gran Torino” é um filme sobre a aceitação da diferença, sobre as consequências da violência e a paz interior encontrada na fórmula simples da compaixão com os demais. A natureza humana não pode servir de desculpa para comportamentos individuais errados e que apenas a nós cabe modificar.






CITAÇÕES:


“I confess that I have no desire to confess.”
CLINT EASTWOOD (Walt Kowalski)


“Padre Janovich – Why didn't you call the police?
Walt Kowalski – Well you know, I prayed for them to come but nobody answered. ”
CHRISTOPHER CARLEY (Padre Janovich) e CLINT EASTWOOD (Walt Kowalski)


“I once fixed a door that wasn't even broken yet.”
CLINT EASTWOOD (Walt Kowalski)


“The thing that haunts a guy is the stuff he wasn't ordered to do.”
CLINT EASTWOOD (Walt Kowalski)






realizado por Rita às 23:13
link do post | comentar

Sábado, 18 de Abril de 2009
a censura


“The Girlfriend Experience” é o próximo filme de Steven Soderbergh, protagonizado pela estrela porno Sasha Grey.

No cartaz, oculta, leio a palavra mais pornográfica de todas, também com 4 letras: love.





visto aqui






realizado por Rita às 12:10
link do post | comentar

Quinta-feira, 9 de Abril de 2009
em estreia


“GO GO TALES”, de Abel Ferrara





ler opinião






realizado por Rita às 00:46
link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Abril de 2009
Choke **

Realização: Clark Gregg. Elenco: Sam Rockwell, Anjelica Huston, Kelly Macdonald, Brad William Henke, Clark Gregg, Heather Burns, Joel Grey. Nacionalidade: EUA, 2008.





“Choke” é a segunda adaptação de um livro de Chuck Palahniuk, autor também de “Clube de Combate” (David Fincher, 1999) − “Survivor” e “Lullaby” parecem estar igualmente na forja −, mas ao contrário de “Fight Club” que traduz e amplifica todo o universo perturbado de Palahniuk, a “Choke” falta-lhe uma boa quantidade de alma.


Com muito menos desespero e tristeza que o livro (sou uma fã confessa do autor americano), “Choke” conta-nos a história de Victor (Sam Rockwell), um homem viciado em sexo que todos os dias se mascara para trabalhar num parque temático da América colonial do século XVIII. Regularmente, Victor costuma escolher um restaurante, diferente de cada vez, onde, após escolher cuidadosamente uma “vítima” abastada, finge asfixiar-se. Começando por partilhar do êxtase dos esforços altruístas e heróicos de outros, Victor capitaliza na sua bondade, e na crença supersticiosa segundo a qual quando se salva a vida a alguém fica-se responsável por ela, para conseguir que os seus salvadores (organizados numa mailing list que ele vai alimentando com histórias tristes) lhe enviem dinheiro.


Quando percebemos que Victor usa esse dinheiro para pagar o dispendioso lar onde se está a sua mãe (Anjelica Huston), que raramente o reconhece nas suas muitas e constantes visitas, começamos a ter pena dele. De repente, este pulha desprezível e amoral é apenas fruto de uma infância infeliz e sem afecto, que ele procura substituir de uma forma doentia, vivendo sob o jugo de uma autoridade materna totalmente castradora (a verdadeira asfixia).


O tom de comédia, ampliado pelas personagens de Denny (Brad William Henke) e da enfermeira Paige (Kelly Macdonald), é aqui levado demasiado à letra, perdendo-se o caminho tortuoso que Victor faz da auto-comiseração à compreensão de si mesmo. “Choke” retém, no entanto, o predomínio do conhecimento sobre a transformação. Porque quando não existe vontade, a mudança não é consistente, nem, em boa verdade, possível. E Victor é daqueles que não mudam.


Não fosse pela força centrípeta de Sam Rockwell, o argumento e a realização a cargo do também actor Clark Gregg ter-nos-iam deixado bastante indiferentes. Mesmo através dos frequentes flashbacks parecem contribuir muito pouco para dar a devida densidade à personagem. O tom de absurdo superficial, que deveria esconder uma verdade irónica, acaba por nunca se materializar.


Quanto à leitura do livro, sugiro-a sem hesitações.






CITAÇÕES:


“And you're right-I'm pathetic. I have sex with strangers because I'm incapable of doing it with someone I actually like. I can't even ask anyone out on a date because if it doesn't end up in a high speed chase, I get bored. I've kept myself numb for so long that now I actually want to feel something and I can't because no matter where I go, no matter what I do, I always end up back here with you. I need to break up, Ma.”
SAM ROCKWELL (Victor)






realizado por Rita às 22:56
link do post | comentar | ver comentários (1)

Cinefools
RITA, MIGUEL, SÉRGIO, NUNO,
VASCO, LUÍS,
efeitos visuais por S.
Citação

“When morals decline and good men do nothing evil flourishes.”
LEONARDO DICAPRIO (J. Edgar Hoover) in J. EDGAR, de Clitn Eastwood
Banda sonora

PILEDRIVER WALTZ – Alex Turner
in “Submarine” de Richard Ayoade (2010)
Artigos recentes

Dos vícios antigos se faz...

Dos vícios antigos se faz...

Reavivar com música XIV

Reavivar com música XIII

Reavivar com música XII

Dos vícios antigos se faz...

Porque a cultura nunca fe...

E dia 30, no Porto, tudo ...

Reavivar com música XI

Reavivar com música X


NOTÍCIAS

OPINIÕES

Filmes
#
$9.99
(500) Days of Summer
12:08 A Este de Bucareste
127 Hours
13 (Tzameti)
1408
16 Blocks
2 Days in Paris
2046
21
21 Grams
25 Watts
3... Extremos
300
4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias
4ème Morceau de la Femme Coupée en Trois, Le
50/50
5x2
9 Songs

A
À l’Origine
À Tout de Suite
Aaltra
Abrazos Rotos, Los
Adam
Adeus, Dragon Inn
Ae Fond Kiss
Affaire Farewell, L’
Afterschool
Agents Secrets
Agony and the Ecstasy of Phil Spector, The
Ágora
After.Life
Alatriste
Albert Nobbs
Alex
Alexander
Alfie
Alice In Wonderland
All The Invisible Children
Amants Réguliers, Les
American, The
American Gangster
American Splendor
Amor Idiota
Amours Imaginaires, Les
An Education
An Obsession
Ana Y Los Otros
Anche Libero Va Bene
Angel-A
Anges Exterminateurs, Les
Answer Man, The
Anthony Zimmer
Antichrist
Apocalypto
Approaching Union Square
Après Vous...
Arnacoeur, L’
Arsène Lupin
Artist, The
Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, The
Assassination of Richard Nixon, The
Astronaut Farmer, The
Asylum
Atonement
Ausentes
Aventures Extraordinaires d'Adèle Blanc-Sec, Les
Aviator, The
Away We Go
Azuloscurocasinegro

B
Baader-Meinhof Komplex, Der
Babel
Babies
Backstage
Ballad of Jack and Rose, The
Banquet, The
Barney’s Version
Basic Instinct 2
Batman Begins
Battle in Seattle
Be Kind Rewind
Bee Movie
Before Sunset
Before the Devil Knows You’re Dead
Beginners
Being Julia
Belle Bête, La
Belleville Rendez-Vous
Big Bang Love, Juvenile A
Big Fish
Birth - O Mistério
Black Swan
Blade Runner
Blindness
Blood Diamond
Blue Valentine
Boat That Rocked, The
Bobby
Body of Lies
Bocca del Lupo, Las
Borat
Born Into Brothels
Bourne Ultimatum, The
Box, The
Boxing Day
Boy in the Striped Pyjamas, The
Boys are Back, The
Brave One, The
Breach
Breakfast on Pluto
Breaking and Entering
Brick
Brokeback Mountain
Broken Flowers
Brothers Bloom, The
Brothers Grimm, The
Brüna Surfistinha
Brüno
Burn After Reading
Butterfly Effect

C
Caché
Caimano, Il
Camping Sauvage
Candy
Canino - Kynodontas
Capitalism: A Love Story
Capote
Caramel
Carandiru
Carlos
Carnage
Carne Fresca, Procura-se
Cartouches Gauloises
Casanova
Casino Jack
Casino Royale
Caos Calmo
Castro
C’est Pas Tout à Fait la Vie Dont J’avais Rêvé
Chamada Perdida, Uma
Changeling
Chansons d’Amour
Chaos
Chaos Theory
Charlie and the Chocolate Factory
Charlie Wilson's War
Che: El Argentino
Che: Guerrilla
Chefe Disto Tudo, O - Direktøren for det Hele
Chico & Rita
Children of Men
Chloe
Choke
City of Life and Death
Client 9: The Rise and Fall of Eliot Spitzer
Climas - Iklimer
Closer - Perto Demais
Cloudy With A Chance Of Meatballs
Coco Avant Chanel
Cœurs
Coffee and Cigarettes
Coisa Ruim
Cold Souls
Collateral
Collector, The
Combien Tu M’Aimes?
Comme une Image
Concert, Le
Condemned, The
Constant Gardener, The
Control
Copying Beethoven
Corpse Bride
Couperet, Le
Couples Retreat
Crash
Crazy, Stupid, Love.
Crimen Ferpecto
Crimson Gold
Crónicas
Crónicas de Narnia, As
Curious Case of Benjamin Button, The
Curse of the Golden Flower

D
Da Vinci Code, The
Dangerous Method, A
Dans Paris
Darjeeling Limited, The
Dark Knight, The
De Tanto Bater o Meu Coração Parou
Dead Girl, The
Dear Wendy
Death of Mr. Lazarescu, The
Death Proof (S), Death Proof (R)
Debt, The
Deixa-me Entrar
Déjà Vu
Delirious
Departed, The
Descendants, The
Despicable Me
Derailed
Destricted
Dialogue Avec Mon Jardinier
Diarios de Motocicleta
Die Hard 4.0
Disturbia
Do Outro Lado
Don’t Come Knocking
Dorian Gray
Doublure, La
Drama/Mex
Drawing Restraint 9
Dreamgirls
Dreams on Spec
Drive

E
Eamon
Eastern Promises
Easy Rider
Edge of Love, The
Educación de las Hadas, La
Edukadores, Os
Elegy
Elizabeth: The Golden Age
Elizabethtown
En la Cama
Enfant, L’
Ensemble, C’est Tout
Enter The Void
Entre Les Murs
Entre os Dedos
Entre Ses Mains
Eternal Sunshine of the Spotless Mind
Être et Avoir
Eu Servi o Rei de Inglaterra
Evening
Everything is Illuminated
Exit Through the Gift Shop
Extremely Loud & Incredibly Close

F
Factory Girl
Fahrenheit 9-11
Family Stone, The
Fantastic Mr. Fox
Fast Food Nation
Faute à Fidel, La
Ferro 3
Fighter, The
Fille Coupée en Deux, La
Fille du Juge, La
Fils de L’Épicier, Le
Final Cut, The
Find Me Guilty
Finding Neverland
Fish Tank
Five Minutes of Heaven
Flags Of Our Fathers
Flores de Otro Mundo
Flushed Away
Fountain, The
Forgotten, The
Fracture
Frágeis
Frank Zappa - A Pioneer of the Future of Music Part I & II
Frankie
Freedomland
Fresh Air
Frost/Nixon
Frozen Land

G
Gabrielle
Gainsbourg (Vie Héroïque)
Garden State
Géminis
Genesis
Gentille
George Harrison: Living in the Material World
Get Smart
Gigantic
Ghost Dog - O Método do Samurai
Ghost Town
Ghost Writer, The
Girl From Monday, The
Girl With a Pearl Earring
Girlfriend Experience, The
Go Go Tales
Gomorra
Gone Baby Gone
Good German, The
Good Night, And Good Luck
Good Shepherd, The
Good Year, A
Graduate, The
Graine et le Mulet, La
Gran Torino
Grande Silêncio, O
Gravehopping
Green Lantern
Grbavica

H
Habana Blues
Habemus Papam
Habitación de Fermat, La
Half Nelson
Hallam Foe
Hanna
Happening, The
Happy Endings
Happy-Go-Lucky
Hard Candy
Harsh Times
He Was a Quiet Man
Hedwig - A Origem do Amor
Héctor
Hellboy
Hellboy II: The Golden Army
Help, The
Herbes Folles, Les
Hereafter
History of Violence, A
Hoax, The
Holiday, The
Home at the End of the World, A
Host, The
Hostel
Hotel Rwanda
Hottest State, The
House of the Flying Daggers
How To Lose Friends & Alienate People
Howl
Humpday
Hunger
Hurt Locker, The
Hustle & Flow
I
I Am Legend
I Could Never Be Your Woman
I Don’t Want To Sleep Alone
I Heart Huckabees
I Love You Phillip Morris
I’m Not There
I’m Still Here
Ice Age - The Meltdown
Ice Harvest, The
Ides of March, The
If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front
Illusionist, The
Illusioniste, L’
Ils Ne Mouraient Pas Tous Mais Tous Étaient Frappés
Imaginarium of Doctor Parnassus, The
Immortel (ad vitam)
In a Better World - Hævnen
In Bruges
In Good Company
In Her Shoes
In The Loop
In the Valley of Elah
In Time
Inception
Inconvenient Truth, An
Incredible Hulk, The
Incredibles, The
Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull
Indigènes - Dias de Glória
Infamous
Informant!, The
Informers, The
Inglourious Basterds
Inland Empire
Inner Life of Martin Frost, The
Inside Man
Intermission
Interpreter, The
Interview
Into the Wild
Introspective
Io Sono L’Amore
Iron Lady, The
Iron Man
Island, The
It Happened Just Before
It Might Get Loud
Ivresse du Pouvoir, L’

J
J. Edgar
Jacket, The
Japanese Story
Jarhead
Je Ne Suis Pas La Pour Être Aimé
Je Préfère Qu’on Reste Amis
Jeux d’Enfants
Jindabyne
Julie & Julia
Juno
Just Like Heaven
Juventude em Marcha

K
Kids Are All Right, The
Kill List
King Kong
King’s Speech, The
Kiss Kiss Bang Bang
Klimt
Knight and DayKovak Box, The

L
Laberinto del Fauno, El
Lady in the Water
Lake House, The
Land of Plenty
Lars and the Real Girl
Last King of Scotland, The
Last Kiss, The
Last Night
Last Station, The
Leatherheads
Letters From Iwo Jima
Levity
Libertine, The
Lie With Me
Life Aquatic with Steve Zissou, The
Life During Wartime
Life is a Miracle
Lions For Lambs
LIP, L’Imagination au Pouvoir, Les
Lisboetas
Little Children
Little Miss Sunshine
Livro Negro - Zwartboek
Left Ear
Lonely Hearts
Long Dimanche de Fiançailles, Un
Lost in Translation
Lou Reed's Berlin
Louise-Michel
Love Conquers All
Love and Other Drugs
Love in the Time of Cholera
Love Song for Bobby Long, A
Lovebirds, The
Lovely Bones, The
Lucky Number Slevin
Luna de Avellaneda
Lust, Caution

M
Machete
Madagascar
Made in Dagenham
Mala Educación, La
Malas Temporadas
Mammuth
Man About Town
Man On Wire
Management
Manuale d’Amore
Maquinista, O
Mar Adentro
Margin Call
Margot at the Wedding
Maria Cheia de Graça
Marie Antoinette
Martha Marcy May Marlene
Mary
Match Point
Me And You And Everyone We Know
Meek's Cutoff
Melancholia
Melinda and Melinda
Memórias de uma Geisha
Men Who Stare at Goats, The
Método, El
Mi Vida Sin Mí
Michael Clayton
Micmacs à Tire Larigot
Midnight in Paris
Milk
Million Dollar Baby
Mio Fratello è Figlio Unico
Moine, Le
Momma’a Man
Moneyball
Monster
Moon
Morning Glory
Mother (Madeo)
Mother, The
Moustache, La
Mozart and the Whale
Mrs Henderson Presents
Mujer Sin Cabeza, La
Munique
Music & Lyrics
My Blueberry Nights
My Week With Marilyn
My Son, My Son, What Have Ye Done
Mysterious Skin

N
Nana, La
Nathalie
Ne Le Dis À Personne
Ne Te Retourne Pas
NEDS
New World, The
Ni pour, ni contre (bien au contraire)
Niña Santa, La
Night Listener, The
Night on Earth
Nightmare Before Christmas, The
Ninguém Sabe
No Country For Old Men
No Reservations
No Sos Vos, Soy Yo
Nombres de Alicia, Los
North Country
Notes on a Scandal
Number 23, The

O
Ocean’s Thirteen
Odore del Sangue L’
Offside
Old Joy
Oldboy
Oliver Twist
Once
Onda, A - Die Welle
Ondine
Orgulho e Preconceito
Orly

P
Pa Negre (Pan Negro)
Painted Veil, The
Palais Royal!
Para Que No Me Olvides
Paradise Now
Paranoid Park
Parapalos
Paris
Paris, Je T’Aime
Passager, Le
Passenger, The (Professione: Reporter)
Patti Smith - Dream of Life
Perder Es Cuestión de Método
Perfume: The Story of a Murderer
Persépolis
Personal Velocity
Petite Lili, La
Piel Que Habito, La
Pink
Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest
Planet Terror
Playtime
Please Give
Post Mortem
Poupées Russes, Les
Prairie Home Companion, A
Precious: Based on the Novel ‘Push’ by Sapphire
Prestige, The
Presunto Culpable
Pretty In The Face
Prophète, Un
Promeneur du Champ de Mars, Le
Promotion, The
Proof
Proposition, The
Prud'Hommes
Public Enemies

Q
Quantum of Solace
Quatro Noites Com Anna
Queen, The
Quelques Jours en Septembre
Qui M’Aime Me Suive

R
Rabia
Rachel Getting Married
Raison du Plus Faible, La
Ratatouille
Re-cycle
Reader, The
Red Eye
Red Road
Redacted
Refuge, Le
Religulous
Reservation Road
Reservoir Dogs
Resident, The
Restless
Revenants, Les
Revolutionary Road
Ring Two, The
Road, The
Road To Guantanamo, The
Rois et Reine
Rôle de sa Vie, Le
Romance & Cigarettes
Rubber
Rum Diary, The
S
Sabor da Melancia, O
Safety of Objects, The
Salt
Salvador (Puig Antich)
Samaria
Sauf Le Respect Que Je Vous Dois
Savages, The
Saw
Saw II
Saw III
Scaphandre et le Papillon, Le
Scanner Darkly, A
Science des Rêves, La
Sconosciuta, La
Scoop
Scott Pilgrim vs. The World
Secret Window
Secreto de Sus Ojos, El
Selon Charlie
Sem Ela...
Semana Solos, Una
Señora Beba
Sentinel, The
Separação, Uma - Jodaeiye Nader az Simin
Séptimo Día, El
Séraphine
Seres Queridos
Serious Man, A
Sex is Comedy
Sexualidades - En Soap
S&Man
Shady Grove
Shame
Shattered Glass - Verdade ou Mentira
She Hate Me
Shooting Dogs
Shopgirl
Shortbus
Shrek 2
Shrek The Third
Shrink
Shutter Island
Sicko
Sideways
Silence de Lorna, Le
Silk
Simpsons Movie, The
Sin City
Single Man, A
Sky Captain and the World of Tomorrow
Slumdog Millionaire
Smart People
Social Network, The
Soeurs Fâchées, Les
Soledad, La
Solitudine dei Numeri Primi, La
Somewhere
Son of Rambow
Sonny
Snow
Snow Cake
Spanglish
Spread
Squid and the Whale, The
Star Trek
Still Life
Stop Making Sense
Stranger Than Fiction
Strings
Submarine
Sunshine
Super 8
Sweeney Todd
Syriana

T
Tabloid
Tarnation
Tartarugas Também Voam, As
Taxidermia
Te Doy Mis Ojos
Temps du Loup, Le
Temps Qui Changent, Les
Temps Qui Reste, Le
Temporada de Patos
Teta Asustada, La
Thank You For Smoking
There Will Be Blood
This Is England
This Movie Is Broken
This Must Be The Place
Thirst
Thor
Three Burials of Melquiades Estrada, The
Thumbsucker
Tideland
Tigre e la Neve, La
Time Traveler's Wife, The
Tinker, Tailor, Soldier, Spy
To Take A Wife
Todos os Outros – Alle Anderen
Tonite Let's All Make Love in London
Tournée
Toy Story 3
Transamerica
Transsiberian
Travaux, On Sait Quand Ça Commence
Tree of Life, The
Très Bien, Merci
Três Macacos, Os
Trilogia Lucas Belvaux
Triple Agent
Tristram Shandy: A Cock and Bull Story
Tropa de Elite
Tropa de Elite 2
Tropic Thunder
Tropical Malady
Trust the Man
Tsotsi
Tueur, Le

U
United States of Leland
Unknown
Untergang, Der - A Queda
Up
Up In The Air

V
V For Vendetta
Vacancy
Valkyrie
Valsa com Bashir
Vanity Fair
Vantage Point
Vera Drake
Vers Le Sud
Vicky Cristina Barcelona
Vida Secreta de las Palabras, La
Vidas dos Outros, As (Das Leben der Anderen)
Vie en Rose, La
Village, The
Vipère au Poing
Visitor, The
Viva
Volver

W
Walk Hard: The Dewey Cox Story
Walk the Line
WALL-E
War, Inc.
War of the Worlds
Wassup Rockers
Waste Land - Lixo Extraordinário
Watchmen
What a Wonderful Place
What the #$*! Do We (K)now!?
Whatever Works
When in Rome
Where the Truth Lies
Where The Wild Things Are
Whip It
Whisky
We don’t care about music anyway…
We Dont’t Live Here Anymore
Weisse Band, Das – O Laço Branco
Wide Awake
Wilbur Wants to Kill Himself
Wind That Shakes The Barley, The
Winter’s Bone
Woman Under The Influence, A
Woodsman, The
World, The
World Trade Center
Wrestler, The

X
X-Files: I Want To Believe, The
X-Men: First Class
X-Men Origins: Wolverine

Y
Yo Soy La Juani
Young Adult
Youth in Revolt
Youth Without Youth

Z
Zack And Miri Make A Porno

Zodiac
Arquivo

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Festivais e Prémios
- FANTASPORTO
- FESTROIA
- INDIE LISBOA
- FESTIVAL DE CINEMA GAY E LÉSBICO DE LISBOA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS METRAGENS DE VILA DO CONDE
- DOCLISBOA
- CINANIMA
- CineECO
- FamaFEST
- FICA
- FESTIVAL DE CINEMA LUSO-BRASILEIRO DE SANTA MARIA DA FEIRA
- fest | FESTIVAL DE CINEMA E VÍDEO JOVEM DE ESPINHO
- CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS
- FESTIVAL DE CANNES
- LES CÉSAR DU CINEMA
- PREMIOS GOYA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE DONOSTIA - SAN SEBASTIAN
- LA BIENNALE DI VENEZIA
- FESTIVAL INTERNAZIONALE DEL FILM - LOCARNO
- INTERNATIONALE FILMSPIELE BERLIN<
- BAFTA
- LONDON FILM FESTIVAL
- EDINBURGH INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- OSCAR
- SUNDANCE FILM FESTIVAL
- GOLDEN GLOBES
- NEW YORK FILM FESTIVAL
- SAN FRANCISCO FILM FESTIVAL
- TORONTO INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- MONTRÉAL WORLD FILM FESTIVAL
- ROTTERDAM INTERNATIONAL FILM FESTIVAL