CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA
Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009
BAFTA 2009 - nomeados




A edição deste ano dos Orange British Academy Film Awards terá lugar no próximo dia 8 de Fevereiro, também com direito a folha de apostas.

MELHOR FILME
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Kathleen Kennedy, Frank Marshall, Ceán Chaffin
FROST/NIXON – Tim Bevan, Eric Fellner, Brian Grazer, Ron Howard
MILK – Dan Jinks, Bruce Cohen
THE READER – Anthony Minghella, Sydney Pollack, Donna Gigliotti, Redmond Morris
SLUMDOG MILLIONAIRE – Christian Colson

MELHOR FILME BRITÂNICO (The Alexander Korda Award)
HUNGER – Laura Hastings-Smith, Robin Gutch, Steve McQueen, Enda Walsh
IN BRUGES – Graham Broadbent, Pete Czernin, Martin McDonagh
MAMMA MIA! – Judy Craymer, Gary Goetzman, Phyllida Lloyd, Catherine Johnson
MAN ON WIRE – Simon Chinn, James Marsh
SLUMDOG MILLIONAIRE – Christian Colson, Danny Boyle, Simon Beaufoy

MELHOR REALIZADOR, ARGUMENTISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO EM PRIMEIRA LONGA-METRAGEM (The Carl Foreman Award)
SIMON CHINN (Produtor) – Man On Wire
JUDY CRAYMER (Produtor) – Mamma Mia!
GARTH JENNINGS (Argumentista) – Son of Rambow
STEVE McQUEEN (Realizador/Argumentista) – Hunger
SOLON PAPADOPOULOS, ROY BOULTER (Produtores) – Of Time And The City

MELHOR REALIZADOR (The David Lean Award)
CHANGELING – Clint Eastwood
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – David Fincher
FROST/NIXON – Ron Howard
THE READER – Stephen Daldry
SLUMDOG MILLIONAIRE – Danny Boyle

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL
BURN AFTER READING – Joel Coen, Ethan Coen
CHANGELING – J. Michael Straczynski
I’VE LOVED YOU SO LONG – Philippe Claudel
IN BRUGES – Martin McDonagh
MILK – Dustin Lance Black

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Eric Roth FROST/NIXON – Peter Morgan
THE READER – David Hare
REVOLUTIONARY ROAD – Justin Haythe
SLUMDOG MILLIONAIRE – Simon Beaufoy

MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA
THE BAADER MEINHOF COMPLEX – Bernd Eichinger, Uli Edel
GOMORRAH – Domenico Procacci, Matteo Garrone
I'VE LOVED YOU SO LONG – Yves Marmion, Philippe Claudel
PERSEPOLIS – Marc-Antoine Robert, Xavier Rigault, Marjane Satrapi, Vincent Paronnaud
WALTZ WITH BASHIR – Serge Lalou, Gerhard Meixner, Yael Nahlieli, Ari Folman

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO
PERSEPOLIS – Marjane Satrapi, Vincent Paronnaud
WALL•E – Andrew Stanton
WALTZ WITH BASHIR – Ari Folman

MELHOR ACTOR
FRANK LANGELLA – Frost/Nixon
DEV PATEL – Slumdog Millionaire
SEAN PENN – Milk
BRAD PITTThe Curious Case of Benjamin Button
MICKEY ROURKE – The Wrestler

MELHOR ACTRIZ
ANGELINA JOLIE – Changeling
KRISTIN SCOTT THOMAS – I’ve Loved You So Long
MERYL STREEP – Doubt
KATE WINSLET – The Reader
KATE WINSLET – Revolutionary Road

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO
ROBERT DOWNEY JR. Tropic Thunder
BRENDAN GLEESONIn Bruges
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN – Doubt
HEATH LEDGERThe Dark Knight
BRAD PITTBurn After Reading

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA
AMY ADAMS – Doubt
PENÉLOPE CRUZVicky Cristina Barcelona
FREIDA PINTO – Slumdog Millionaire
TILDA SWINTONBurn After Reading
MARISA TOMEI – The Wrestler

MELHOR BANDA SONORA (The Anthony Asquith Award)
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Alexandre Desplat
THE DARK KNIGHT – Hans Zimmer, James Newton Howard
MAMMA MIA! – Benny Andersson, Björn Ulvaeus
SLUMDOG MILLIONAIRE – A. R. Rahman
WALL•E – Thomas Newman

MELHOR FOTOGRAFIA
CHANGELING – Tom Stern
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Claudio Miranda
THE DARK KNIGHT – Wally Pfister
THE READER – Chris Menges, Roger Deakins
SLUMDOG MILLIONAIRE – Anthony Dod Mantle

MELHOR MONTAGEM
CHANGELING – Joel Cox, Gary D. Roach
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Kirk Baxter, Angus Wall
THE DARK KNIGHT – Lee Smith
FROST/NIXON – Mike Hill, Dan Hanley
IN BRUGES – Jon Gregory
SLUMDOG MILLIONAIRE – Chris Dickens

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
CHANGELING – James J. Murakami, Gary Fettis
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Donald Graham Burt, Victor J. Zolfo
THE DARK KNIGHT – Nathan Crowley, Peter Lando
REVOLUTIONARY ROAD – Kristi Zea, Debra Schutt
SLUMDOG MILLIONAIRE – Mark Digby, Michelle Day

MELHOR GUARDA-ROUPA
CHANGELING – Deborah Hopper
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Jacqueline West
THE DARK KNIGHT – Lindy Hemming
THE DUCHESS – Michael O'Connor
REVOLUTIONARY ROAD – Albert Wolsky

MELHOR SOM
CHANGELING – Walt Martin, Alan Robert Murray, John Reitz, Gregg Rudloff
THE DARK KNIGHT – Lora Hirschberg, Richard King, Ed Novick, Gary Rizzo
QUANTUM OF SOLACE – Jimmy Boyle, Eddy Joseph, Chris Munro, Mike Prestwood Smith, Mark Taylor
SLUMDOG MILLIONARE – Glenn Freemantle, Resul Pookutty, Richard Pryke, Tom Sayers, Ian Tapp
WALL•E – Ben Burtt, Tom Myers, Michael Semanick, Matthew Wood

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Eric Barba, Craig Barron, – Nathan McGuinness, Edson Williams
THE DARK KNIGHT – Chris Corbould, Nick Davis, Paul Franklin, Tim Webber
INDIANA JONES AND THE KINGDOM OF THE CRYSTAL SKULL – Pablo Helman, Marshall Krasser, Steve Rawlins
IRON MAN – Hal Hickel, Shane Patrick Mahan, John Nelson, Ben Snow
QUANTUM OF SOLACE – Chris Corbould, Kevin Tod Haug

MELHOR CARACTERIZAÇÃO
THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON – Jean Black, Colleen Callaghan
THE DARK KNIGHT – Peter Robb-King
THE DUCHESS – Daniel Phillips, Jan Archibald
FROST/NIXON – Edouard Henriques, Kim Santantonio
MILK – Steven E. Anderson, Michael White

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
CODSWALLOP – Greg McLeod, Myles McLeod
VARMINTS – Sue Goffe, Marc Craste
WALLACE AND GROMIT: A MATTER OF LOAF AND DEATH – Steve Pegram, Nick Park, Bob Baker

MELHOR CURTA-METRAGEM
KINGSLAND #1 THE DREAMER – Kate Ogborn, Tony Grisoni
LOVE YOU MORE – Caroline Harvey, Anthony Minghella, Sam Taylor-Wood, Patrick Marber
RALPH – Olivier Kaempfer, Alex Winckler
SEPTEMBER – Stewart le Maréchal, Esther May Campbell
VOYAGE D’AFFAIRES (THE BUSINESS TRIP) – Celine Quideau, Sean Ellis

THE ORANGE RISING STAR AWARD (atribuído pelo público)
MICHAEL CERA
NOEL CLARKE
MICHAEL FASSBENDER
REBECCA HALL
TOBY KEBBELL






realizado por Rita às 01:09
link do post | comentar

Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009
15th Annual SAG Awards®




Também este passado fim de semana, os actores tiveram oportunidade de galardoar os seus colegas de profissão na 15ª edição dos Screen Actors Guild Awards.


Assim ficaram as coisas:


THEATRICAL MOTION PICTURES

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
SEAN PENN por “Milk”

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
MERYL STREEP por “Doubt”

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
HEATH LEDGER por “The Dark Knight”

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
KATE WINSLET por “The Reader”

Outstanding Performance by the Cast of a Motion Picture
RUBINA ALI, TANAY HEMANT CHHEDA, ASHUTOSH LOBO GAJIWALA, AZHARUDDIN MOHAMMED ISMAIL, ANIL KAPOOR, IRRFAN KHAN, AYUSH MAHESH KHEDEKAR, TANVI GANESH LONKAR, MADHUR MITTAL, DEV PATEL, FREIDA PINTO, PRIMETIME TELEVISION por “Slumdog Millionaire”


PRIMETIME TELEVISION

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
PAUL GIAMATTI por “John Adams”

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
LAURA LINNEY por “John Adams”

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
HUGH LAURIE por “House”

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
SALLY FIELD por “Brothers & Sisters”

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
ALEC BALDWIN por “30 Rock”

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series
TINA FEY por “30 Rock”

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
SCOTT ADSIT, ALEC BALDWIN, KATRINA BOWDEN, TINA FEY, JUDAH FRIEDLANDER, JANE KRAKOWSKI, JACK McBRAYER, TRACY MORGAN, MAULIK PANCHOLY, KEITH POWELL por “30 Rock”

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
BRYAN BATT, ALISON BRIE, MICHAEL GLADIS, JON HAMM, AARON HART, CHRISTINA HENDRICKS, JANUARY JONES, VINCENT KARTHEISER, ROBERT MORSE, MARK MOSES, ELISABETH MOSS, KIERNAN SHIPKA, JOHN SLATTERY, RICH SOMMER, AARON STATON por “Mad Men”


SAG HONORS FOR STUNT ENSEMBLES

Outstanding Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
“THE DARK KNIGHT” (Warner Bros. Pictures)

Outstanding Performance by a Stunt Ensemble in a Television Series
“HEROES” (NBC)






realizado por Rita às 00:16
link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009
Sundance XXV




Da 25ª edição do Festival de Cinema de Sundance, que teve lugar neste passado fim de semana, saíram, entre outros, os seguintes vencedores:



Grand Jury Prize: Documentary
WE LIVE IN PUBLIC, de Ondi Timoner (EUA)

Grand Jury Prize: Dramatic
PUSH: Based on the novel by Sapphire, de Lee Daniels (EUA)

World Cinema Jury Prize: Documentary
ROUGH AUNTIES, de Kim Longinotto (Reino Unido)

World Cinema Jury Prize: Dramatic
LA NANA (THE MAID), de Sebastian Silva (Chile)

Audience Award: U.S. Documentary
THE COVE, de Louie Psihoyos (EUA)

Audience Award: U. S. Dramatic
PUSH: Based on the novel by Sapphire, de Lee Daniels (EUA)

World Cinema Audience Award: Documentary
AFGHAN STAR, de Havana Marking (Afeganistão/Reino Unido)

World Cinema Audience Award: Dramatic
AN EDUCATION, de Lone Scherfig (Reino Unido)






realizado por Rita às 23:25
link do post | comentar

Domingo, 25 de Janeiro de 2009
Rita rocks!


Esta série não faz parte dos meus vícios regulares.
Mas (caramba!) gosto deste título:








realizado por Rita às 01:35
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009
The Curious Case of Benjamin Button ***1/2

Realização: David Fincher. Elenco: Brad Pitt, Cate Blanchett, Taraji P Henson, Tilda Swinton, Jason Flemyng, Elias Koteas, Julia Ormond, Jared Harris, Elle Fanning, Mahershalhashbaz Ali. Nacionalidade: EUA, 2008.





Desde o início de “The Curious Case of Benjamin Button” percebemos não estar perante o conto de F. Scott Fitzgerald, situado na Baltimore do início dos anos 20. É 2005, em New Orleans, na iminência do furacão Katrina. Num quarto de hospital, uma mulher (Julia Ormond) lê um diário à sua mãe moribunda (Cate Blanchett). Naquelas páginas está a juventude da sua mãe, entrelaçada na vida de um homem único, de seu nome Benjamin Button (Brad Pitt). Benjamin nasce no final da Grande Guerra. Apesar do seu tamanho e capacidades mentais serem as de um recém-nascido, Benjamin tem a pele enrugada de um velho, a artrite e a fraca condição física de um homem idoso. Abandonado pelo pai (Jason Flemyng), Benjamin é criado por Queenie (Taraji P Henson), responsável por uma residência de idosos, onde, nos primeiros anos de vida (e contra todos os prognósticos), Benjamin encaixa na perfeição. À medida que vai crescendo, Benjamin vai rejuvenescendo, em sentido contrário a todos os outros. Em sentido contrário também a Daisy (Elle Fanning), neta de uma residentes do lar, por quem Benjamin sente uma ligação especial.


Num longo flashback, o argumento de Eric Roth (“The Good Shepherd”, “Munique”) usa a mesma premissa fantástica de Fitzgerald para logo se afastar dele quer no contexto da vida familiar de Benjamin, quer do seu crescimento. “The Curious Case of Benjamin Button” centra-se na procura que Benjamin faz de um sentido para a sua especificidade. Uma diferença que o impede de estabelecer relações duradouras e o deixa à deriva. No conto, a sua idade cruza-se em determinado ponto com a do seu pai, posteriormente com a do seu filho e, finalmente, com a do seu neto, criando com cada um deles uma relação real. Aqui Daisy é o eixo em torno do qual Benjamin gravita, como se ela fosse o único ponto possível de contacto com a realidade.


Incongruências à parte, “The Curious Case of Benjamin Button” está belissimamente filmado, impregnado de fatalismo e sob o espectro da mortalidade. Para percebermos que o percurso de Benjamin é, em essência, igual ao de todos os outros. Também ele nasceu indefeso, e também recusa, no final, ser um fardo para aqueles que ama. A grande falha do argumento de Roth é fugir ao confronto da idade de Benjamin com a realidade que o rodeia.


Apesar da sua complexidade técnica (e do impressionante trabalho de caracterização e efeitos especiais), este é um filme simples. A realização de David Fincher (“Fight Club”, “Zodiac”) é contida e sem sentimentalismo. As interpretações são honestas. Cate Blanchett nunca esteve tão bonita, e Brad Pitt conseguiu o tom perfeito de uma personagem que, apesar das suas extraordinárias circunstâncias, é extraordinariamente normal.


David Fincher nunca foi tão poético, tão romântico, tão afectuoso, tão clássico como aqui. Mas é exactamente por isso que não me apetece que ele seja contemplado com um Oscar por este filme, apesar da sua qualidade. Porque o seu olhar e as suas obras conseguem ser bem mais viscerais e a “The Curious Case of Benjamin Button” falta uma boa dose de paixão.


A vida é, por definição, um conjunto de imensas improbabilidades. Primeiro as históricas e depois as biológicas. O amor é só mais uma. É apenas um momento, hoje, como um relâmpago. Um pequeno incidente que, se tivermos sorte, nunca esqueceremos.






CITAÇÕES:


“We're meant to lose the people we love. How else are we supposed to know how important they are?”
PAULA GRAY (Sybil Wagner)


“Your life is defined by its opportunities... even the ones you miss.”
BRAD PITT (Benjamin Button)


“Daisy – Would you still love me if I were old and saggy?
Benjamin Button – Would you still love ME if I were young and had acne? Or if I end up wetting the bed?”
CATE BLANCHETT (Daisy) e BRAD PITT (Benjamin Button)


“I'm always lookin' out my own eyes.”
BRAD PITT (Benjamin Button)


“For what its worth it's never too late, or in my case too early to be whoever you want to be. There's no time limit. Start whenever you want. You can change or stay the same. There are no rules to this thing. We can make the best or the worst of it; I hope you make the best of it. I hope you see things that startle ya. I hope you feel things that you've never felt before. I hope you meet people with a different point of view. I hope you live a life you are proud of. If you find that you're not, I hope you have the strength to start all over again.”
BRAD PITT (Benjamin Button)


“Along the way you bump into people who make a dent on your life. Some people get struck by lightning. Some are born to sit by a river. Some have an ear for music. Some are artists. Some swim the English Channel. Some know buttons. Some know Shakespeare. Some are mothers. And some people can dance.”
BRAD PITT (Benjamin Button)






realizado por Rita às 01:53
link do post | comentar | ver comentários (6)

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009
Oscar® 2009 – nomeados




Eis os nomeados pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences para a célebre estatueta dourada, cuja 81ª edição terá lugar a 22 de Fevereiro.


“The Curious Case Of Benjamin Button” domina com 13 nomeações, seguido de “Slumdog Millionaire”</i> com 10 e de “Milk” e “The Dark Knight”, cada um com 8. Nas principais categorias o grande esquecido parece ser “Revolutionary Road”.


Para quem, como eu, não consegue evitar os palpites, este ano é disponibilizado um cupão oficial para as apostas.



MELHOR ACTOR PRINCIPAL
Richard Jenkins por “The Visitor”
Frank Langella por “Frost/Nixon“
Sean Penn por “Milk”
Brad Pitt por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Mickey Rourke por “The Wrestler”

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO
Josh Brolin por “Milk”
Robert Downey Jr. por “Tropic Thunder”
Philip Seymour Hoffman por “Doubt”
Heath Ledger por “The Dark Knight”
Michael Shannon por “Revolutionary Road”

MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL
Anne Hathaway por “Rachel Getting Married”
Angelina Jolie por “Changeling”
Melissa Leo por “Frozen River”
Meryl Streep por “Doubt”
Kate Winslet por “The Reader”

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA
Amy Adams por “Doubt”
Penélope Cruz por “Vicky Cristina Barcelona”
Viola Davis por “Doubt”
Taraji P. Henson por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Marisa Tomei por “The Wrestler”

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO
Bolt, de Byron Howard e Chris Williams
Kung Fu Panda, de Mark Osborne e John Stevenson
WALL•E, de Andrew Stanton

MELHOR DIRECÇÃO ARTÍSTICA
James J. Murakami e Gary Fettis por “Changeling”
Donald Graham Burt e Victor J. Zolfo por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Nathan Crowley e Peter Lando por “The Dark Knight”
Michael Carlin e Rebecca Alleway por “The Duchess”
Kristi Zea e Debra Schutt por “Revolutionary Road”

MELHOR FOTOGRAFIA
Tom Stern por “Changeling”
Claudio Miranda por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Wally Pfister por “The Dark Knight”
Roger Deakins e Chris Menges por “The Reader”
Anthony Dod Mantle por ”Slumdog Millionaire”

MELHOR GUARDA-ROUPA
Catherine Martin por “Australia”
Jacqueline West por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Michael O'Connor por “The Duchess”
Danny Glicker por “Milk”
Albert Wolsky por “Revolutionary Road”

MELHOR REALIZADOR
Danny Boyle por ”Slumdog Millionaire”
Stephen Daldry por “The Reader”
David Fincher por “The Curious Case Of Benjamin Button”
Ron Howard por “Frost/Nixon”
Gus Van Sant por “Milk”

MELHOR DOCUMENTÁRIO
The Betrayal - Nerakhoon, de Ellen Kuras e Thavisouk Phrasavath
Encounters at the End of the World, de Werner Herzog
The Garden, de Scott Hamilton Kennedy
Man on Wire, de James Marsh
Trouble the Water, de Tia Lessin e Carl Deal

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTAL
The Conscience of Nhem En, de Steven Okazaki
The Final Inch, de Irene Taylor Brodsky e Tom Grant
Smile Pinki, de Megan Mylan
The Witness from the Balcony of Room 306, de Adam Pertofsky

MELHOR MONTAGEM
Angus Wall e Kirk Baxter por “The Curious Case of Benjamin Button”
Lee Smith por “The Dark Knight”
Daniel P. Hanley e Mike Hill por “Frost/Nixon”
Elliot Graham por “Milk”
Chris Dickens por “Slumdog Millionaire”

MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA
The Baader Meinhof Complex, de Uli Edel (Alemanha)
Entre Les Murs, de Laurent Cantet (França)
Revanche, de Götz Spielmann (Áustria)
Okuribito (Departures), de Yojiro Takita (Japão)
Waltz With Bashir, de Ari Folman (Israel)

MELHOR CARACTERIZAÇÃO
Greg Cannom por “The Curious Case of Benjamin Button”
John Caglione Jr. e Conor O'Sullivan por “The Dark Knight”
Mike Elizalde e Thomas Floutz por “Hellboy II: The Golden Army”

MELHOR BANDA SONORA ORIGINAL
Alexandre Desplat“The Curious Case of Benjamin Button”
James Newton Howard – “Defiance”
Hans Zimmer“Frost/Nixon”
A.R. Rahman“Slumdog Millionaire”
Thomas Newman – por “WALL•E”

MELHOR CANÇÃO
Jai Ho (A.R. Rahman e Gulzar) – “Slumdog Millionaire”
O Saya (A.R. Rahman e Maya Arulpragasam) – “Slumdog Millionaire”
Down to Earth (Peter Gabriel e Thomas Newman) – “WALL•E”

MELHOR FILME
The Curious Case Of Benjamin Button, de David Fincher
Frost/Nixon, de Ron Howard
Milk, de Gus Van Sant
The Reader, de Stephen Daldry
Slumdog Millionaire, de Danny Boyle

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
La Maison en Petits Cubes, de Kunio Kato
Ubornaya istoriya - lyubovnaya istoriya, de Konstantin Bronzit
Oktapodi, de Emud Mokhberi, Thierry Marchand, Quentin Marmier, Olivier Delabarre, François-Xavier Chanioux e Julien Bocabeille
Presto, de Doug Sweetland
This Way Up, de Alan Smith e Adam Foulkes

MELHOR CURTA-METRAGEM
Auf der Strecke, de Reto Caffi
Manon sur le bitume, de Elizabeth Marre e Olivier Pont
New Boy, de Steph Green
Grisen, de Dorthe Warnø Høgh
Spielzeugland, de Jochen Alexander Freydank

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Richard King por “The Dark Knight”
Frank E. Eulner e Christopher Boyes por “Iron Man”
Tom Sayers por “Slumdog Millionaire”
Ben Burtt e Matthew Wood por “WALL•E”
Wylie Stateman por “Wanted”

MELHOR SONOPLASTIA
David Parker, Michael Semanick, Ren Klyce e Mark Weingarten por “The Curious Case of Benjamin Button”
Ed Novick, Lora Hirschberg e Gary Rizzo por “The Dark Knight”
Ian Tapp, Richard Pryke e Resul Pookutty por “Slumdog Millionaire”
Tom Myers, Michael Semanick e Ben Burtt por “WALL•E”
Chris Jenkins, Frank A. Montaño e Petr Forejt por “Wanted”

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
Eric Barba, Steve Preeg, Burt Dalton e Craig Barron por “The Curious Case of Benjamin Button”
Nick Davis, Chris Corbould, Timothy Webber e Paul J. Franklin por “The Dark Knight”
John Nelson, Ben Snow, Daniel Sudick e Shane Mahan por “Iron Man”

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO
Courtney Hunt por “Frozen River”
Mike Leigh por “Happy-Go-Lucky”
Martin McDonagh por “In Bruges”
Dustin Lance Black por “Milk”
Andrew Stanton, Pete Docter e Jim Reardon por “WALL•E”

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL
Eric Roth e Robin Swicord por “The Curious Case of Benjamin Button”
John Patrick Shanley por “Doubt”
Peter Morgan por “Frost/Nixon”
David Hare por “The Reader”
Simon Beaufoy por ”Slumdog Millionaire”




realizado por Rita às 16:38
link do post | comentar

Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009
A Onda - Die Welle ***1/2

Realização: Dennis Gansel. Elenco: Jürgen Vogel, Frederick Lau, Max Riemelt, Jennifer Ulrich, Christiane Paul, Jacob Matschenz, Cristina do Rego, Elyas M'Barek. Nacionalidade: Alemanha, 2008.





Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é um daqueles professores modernos de que todos os alunos gostam, a sua informalidade tornando-o preferido face a outros professores mais tradicionais. Ele mede a sua eficácia como professor por essa admiração. No projecto semanal que ele deve desenvolver com uma turma, calha-lhe a temática da ‘Autocracia’, quando ele tinha expressado a sua preferência pela ‘Anarquia’, um assunto que ele viveu na pele na sua juventude. Dada a indiferença que as suas objecções recebem, Wenger resigna-se e decide abordar o tema da forma mais original de que se consegue lembrar. Perante a questão que se levanta num primeiro debate – poderia a Alemanha dos dias de hoje voltar a um totalitarismo? –, Wenger resolve fazer uma simulação de um sistema autocrático liderado por ele mesmo.


“A Onda - Die Welle” adapta o livro de Todd Strasser, que é, por sua vez, livremente baseado no ensaio “The Third Wave” de Ron Jones, relatando a sua experiência como professor de história no Cubberley High School em Palo Alto, California, em 1967. Na tentativa de explicar como é que os alemães permitiram que Hitler e o Partido Nazi chegassem ao poder, Jones criou, numa semana, um movimento com o mote: "Strength through discipline, strength through community, strength through action, strength through pride.".


Para espanto de Wenger, os seus alunos reagem favoravelmente à disciplina imposta. Os argumentos usados para unir a turma – os benefícios da igualdade, da justiça e da ordem –, são os mesmos que historicamente têm sido usados por sistemas políticos quer de direita quer de esquerda. O realizador Dennis Gansel faz questão de mostrar, de uma forma sintética mas eficaz, os ambientes familiares de alguns dos alunos, contextualizando dessa forma as suas reacções posteriores. Os alunos tímidos começam a sentir-se finalmente parte de um grupo, antigas rivalidades atenuam-se, e praticamente todos se deixam repousar no conforto deste totalitarismo que não os obriga a pensar por eles mesmos.


A narrativa, com uma progressão diária, acompanha o envolvimento da turma no projecto: a criação de um uniforme, um nome, um logótipo, uma página no myspace. Este fervor acaba por contagiar outros alunos fora da turma, ao mesmo tempo que repele todos os que opinião de maneira diferente. A ligação afectiva que se estabelece com todos os que decidem entrar assume uma dimensão idêntica à discriminação e violência contra todos os outros.


Desde o início, Gansel vai construindo um ambiente tenso, da música de revolta à frustrante tentativa de inclusão social que marca a adolescência. Esta é uma geração que se sente perdida, sem objectivos, e cujos valores se reduzem a um consumo desenfreado. Unificados em torno de uma razão maior, eles estabelecem relações de camaradagem e igualdade. A transposição para o cenário alemão torna a questão ainda mais forte, primeiro, porque a incredulidade perante a repetição de uma História tão recente é mais acentuada e, segundo, porque à semelhança de outras gerações pós-3º Reich, também estes jovens partilham uma culpa que não lhes pertence.


Apesar da rapidez das transformações, a mudança nos alunos e nas suas atitudes é bastante credível. Numa sociedade que os afoga em informação e individualismo, vem à tona a sua necessidade de limites contra os quais se rebelar e unir. À margem, ostracizados, estão os alunos que se recusam se seguir este movimento e que tentam alertar Wenger e parar o projecto. O próprio professor, em extrema contradição com a sua atitude inicial, deixa-se maravilhar pela adulação de que é objecto.


A moralidade da história é explosiva e sem margem para dúvidas. Talvez tenha sido uma opção pedagógica, mas, do meu ponto de vista, serve apenas um facilitismo dramático e subestima a capacidade de discernimento do espectador médio.


“A Onda - Die Welle” fala da fragilidade do Homem, da sua fraca memória, da sua credulidade. Tudo aquilo que faz com que esqueçamos os erros passados e com que a História se repita. Do ponto de vista narrativo, há uma semelhança muito próxima ao filme “Das Experiment” de Oliver Hirschbiegel, baseado na Stanford Prison Experiment em 1971; do ponto de vista conceptual não posso deixar de pensar em “Lord of the Flies” de William Golding e no fascínio que o fascismo exerce na juventude.


Vivemos num mundo onde as palavras dos políticos e a imagética publicitária conseguem convencer a população a abdicar dos seus direitos e liberdades para alimentar um policiamento e vigilância doentios, em nome de uma falsa necessidade de segurança. Os interesses económicos desta “indústria” impedem que se volte atrás mesmo quando o perigo deixa de existir. Até pelas melhores razões, o totalitarismo pode ser tentador. É esse o terror contra o qual temos de lutar, um terror que vive mesmo ao nosso lado e, muitas vezes, dentro de nós mesmos.






realizado por Rita às 00:16
link do post | comentar

Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009
Valsa com Bashir ****1/2

Realização: Ari Folman. Argumento: Ari Folman. Nacionalidade: Israel, 2008.

 

 

 

Comecemos pelo fim – afinal, o filme conta uma história conhecida: os massacres de Sabra e Chatila, na guerra do Líbano, em 1982. No fim, o que vemos é a história então contada ao mundo pelas câmaras de televisão. Sabra e Chatila eram dois campos de refugiados palestinianos. Sob a complacência israelita, cristãos libaneses massacraram inocentes, mulheres, crianças, velhos. O que vemos no ecrã é o regresso de sobreviventes aos campos – que choram e gritam. A dor já não é filtrada pelas cores intensas do desenho que é este filme de Ari Folman. Mas antes, em 90 minutos, esta “Valsa com Bashir” só podia ser contada assim, em animação: o protagonista confronta-se com a sua memória que apagou os dias da guerra no Líbano e decide partir em busca do que foram esses dias. A sua descoberta é a nossa.

 

Comecemos pelo princípio. Folman é um realizador israelita e foi soldado na guerra de 1982. Mais de 20 anos depois, um encontro com um amigo traz-lhe à memória esses dias, de que não se lembra, de que apagou o registo. A partir daí o filme constroi-se de encontros entre camaradas de armas onde Ari vai reconstruindo a sua ida à guerra. A sua viagem é nossa também e à medida que ele compõe o quadro do que aconteceu naquele ano, o espectador vai construindo também a teia complexa em que se enredou já há muito o Médio Oriente.

 

Nestes dias em que a guerra voltou a essas paragens (afinal, algum dia terá parado?), “Valsa com Bashir” apresenta-nos um olhar notável de inteligência e beleza, de sonho e mesmo humor sobre os eternos conflitos da região. Por entre as cores fortes, a atenção aos detalhes de som e imagem, o olhar quase terno das personagens sobre o seu passado, as ideias feitas são desarrumadas. No meio dos tiros, Ari Folman põe-nos a dançar a valsa, para sublinhar o absurdo da guerra, de qualquer guerra. Excelente filme.



realizado por Miguel Marujo às 11:35
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009
Oscar de Melhor Filme Estrangeiro: shortlist


Para reduzir a apenas cinco no dia 22 de Janeiro.




REVANCHE, de Götz Spielmann (Áustria)

CE QU’IL FAUT POUR VIVRE, de Benoît Pilon (Canadá)

ENTRE LES MURS, de Laurent Cantet (França)

DER BAADER MEINHOF KOMPLEX, de Uli Edel (Alemanha):

VALS IM BASHIR (VALSA COM BASHIR), de Ari Folman (Israel)

OKURIBITO (DEPARTURES), de Yojiro Takita (Japão)

ARRÁNCAME LA VIDA, de Roberto Sneider (México)

MARIA LARSSONS EVIGA ÖGONBLICK (EVERLASTING MOMENTS), de Jan Troell (Suécia)

ÜÇ MAYMUN (OS TRÊS MACACOS), de Nuri Bilge Ceylan (Turquia)






realizado por Rita às 08:33
link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009
Vicky Cristina Barcelona **

Realização: Woody Allen. Elenco: Rebecca Hall, Scarlett Johansson, Javier Bardem, Penélope Cruz, Patricia Clarkson, Chris Messina. Nacionalidade: Espanha / EUA, 2008.





As duas melhores amigas Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) resolvem passar umas pequenas férias em Barcelona, aproveitando a hospitalidade de uns familiares de Vicky, Judy e Mark (Patricia Clarkson e Kevin Dunn). Vicky está nas vésperas de seu há muito decidido casamento com Doug (Chris Messina), enquanto Cristina pretende explorar a sua veia artística e esquecer a sua última desilusão amorosa. Numa galeria de arte, Vicky e Cristina conhecem o artista plástico Juan Antonio (Javier Bardem), envolvido na aura de escândalo do seu divórcio de Maria Elena (Penélope Cruz), incluindo violenras agressões. Mais tarde, num restaurante, Juan Antonio, educadamente mas sem rodeios, faz a ambas uma “proposta indecente” de um fim de semana em Oviedo. Vicky, a responsável e madura, reage com indignação, enquanto Cristina, impulsiva e aventureira, é instantaneamente atraída por este homem.


Desde “Match Point”, a primeira incursão de Woody Allen na Europa, que ele parece incapaz de nos surpreender. “Scoop” e “Cassandra’s Dream” foram obras menores do realizador e as expectativas residiam agora em “Vicky Cristina Barcelona”, longe já das humidades inglesas e dando lugar ao calor da capital catalã.


Mas se Barcelona consegue criar nas duas protagonistas a ilusão de uma mudança na sua vida, perante os nossos olhos desvendam-se todos os clichés da cidade, como um postal turístico. E se a sua beleza é inegável, a sua eficácia é nula.


Woody Allen tem-nos habituado a “documentos” sobre as diferentes formas do ser humano viver os afectos, a favor ou contra a sua própria natureza. O universo de “Vicky Cristina Barcelona” é novamente uma burguesia sem preocupações de maior, mas onde o peso social (e do socialmente correcto) cria uma cisão entre o emocional e o racional. Parece haver aqui a tese subjacente segundo a qual desde que haja consentimento numa relação entre adultos tudo é permitido.


A prudência de Vicky, para quem o amor é uma escolha, rapidamente (e sem surpresa) se transforma em inveja de Cristina, para quem amar é perder-se. Mas a miopia de Vicky impede-a de ver os custos que Cristina paga por uma aventura excitante. De certa forma elas esperam que este homem e esta cidade as salvem das suas expectativas sobre o amor: uma certa resignação para Vicky e um sofrimento certo para Cristina. Percebemos que o afecto não é suficiente para fazer com que uma relação resulte, mas Allen não consegue sequer provar em que medida é que ele é imprescindível.


Sem subtilezas Allen coloca em duas mulheres a duplicidade que poderia residir numa só (mas talvez desse muito trabalho criar uma personagem com várias camadas), o que as reduz a muito pouco. Nenhuma delas é tão perfeita (no caso de Vicky) ou tão moderna (no caso de Cristina) como pensa. Aliás, Vicky é apenas aborrecida e cobarde, e Cristina caprichosa e imatura.


Desde início, Allen impõe uma narração externa à história (Christopher Evan Welch) que lhe poupa alguma contextualização, mas que de nada vale ao longo da narrativa, repetindo aquilo que já estamos a ver.


Tal como o cenário, também os actores são bonitos. Para sorte de Allen tratam-se de bons actores, nomeadamente um Javier Barden extremamente simpático e uma Penélope Cruz em plena paranóia. Scarlett Johansson cumpre sem enfeitiçar e Rebecca Hall vai pouco além do irritante.


No final de “Vicky Cristina Barcelona” fica uma viagem que não serviu para nada. As personagens não tiveram sequer direito a um arco evolutivo. E nós, espectadores, aprendemos coisa nenhuma. Allen precisa urgentemente de voltar à sua neurótica Nova Iorque. O feitiço da Europa parece estar a esgotá-lo ou, pelo menos, a torná-lo preguiçoso.






CITAÇÕES:


“Maria Elena used to say that only unfulfilled love can be romantic.”
JAVIER BARDEM (Juan Antonio)


“I'll go to your room, but you'll have to seduce me.”
SCARLETT JOHANSSON (Cristina)






realizado por Rita às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (14)

Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009
66th Golden Globe Awards - vencedores




Na noite passada foram revelados os vencedores da 66ª edição dos Golden Globe Awards. Para afinar as apostas nos Oscar® aqui ficam os premiados:



BEST MOTION PICTURE - DRAMA
Slumdog Millionaire, de Danny Boyle

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A MOTION PICTURE - DRAMA
Kate Winslet por “Revolutionary Road”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A MOTION PICTURE - DRAMA
Mickey Rourke por “The Wrestler”

BEST MOTION PICTURE - MUSICAL OR COMEDY
Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A MOTION PICTURE - MUSICAL OR COMEDY
Sally Hawkins por “Happy-Go-Lucky”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A MOTION PICTURE - MUSICAL OR COMEDY
Colin Farrell por “In Bruges”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A SUPPORTING ROLE IN A MOTION PICTURE
Kate Winslet por “The Reader”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A SUPPORTING ROLE IN A MOTION PICTURE
Heath Ledger por “The Dark Knight”

BEST DIRECTOR - MOTION PICTURE
Danny Boyle por ”Slumdog Millionaire”

BEST SCREENPLAY - MOTION PICTURE
Simon Beaufoy por ”Slumdog Millionaire”

BEST ORIGINAL SONG - MOTION PICTURE
The Wrestler – “The Wrestler”

BEST ORIGINAL SCORE - MOTION PICTURE
A.R. Rahman – “Slumdog Millionaire”

BEST ANIMATED FEATURE FILM
WALL•E, de Andrew Stanton

BEST FOREIGN LANGUAGE FILM
Waltz With Bashir (Israel), de Ari Folman

BEST TELEVISION SERIES - DRAMA
Mad Men

BEST TELEVISION SERIES - MUSICAL OR COMEDY
30 Rock

BEST MINI-SERIES OR MOTION PICTURE MADE FOR TELEVISION
John Adams

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A MINI-SERIES OR A MOTION PICTURE MADE FOR TELEVISION
Paul Giamatti por “John Adams”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A MINI-SERIES OR A MOTION PICTURE MADE FOR TELEVISION
Laura Linney por “John Adams”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A TELEVISION SERIES - MUSICAL OR COMEDY
Alec Baldwin por “30 Rock”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A TELEVISION SERIES - MUSICAL OR COMEDY
Tina Fey por “30 Rock”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A TELEVISION SERIES - DRAMA
Gabriel Byrne por ”In Treatment”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A TELEVISION SERIES - DRAMA
Anna Paquin por “True Blood”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A SUPPORTING ROLE IN A SERIES, MINI-SERIES OR MOTION PICTURE MADE FOR TELEVISION
Tom Wilkinson por “John Adams”

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A SUPPORTING ROLE IN A SERIES, MINI-SERIES OR MOTION PICTURE MADE FOR TELEVISION
Laura Dern por “Recount”



Restantes nomeados aqui.






realizado por Rita às 08:23
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 10 de Janeiro de 2009
Dreams on Spec ***

Realização: Daniel Snyder. Género: Documentário. Nacionalidade: EUA, 2007.





“Spec [de ‘speculative’] script” é definido pelo Variety Slanguage Dictionary como “a script shopped or sold on the open market, as opposed to one commissioned by a studio or production company”. Das dezenas de milhares de argumentos escritos por ano, apenas umas centenas são realizados. Desses, a grande maioria pertence a escritores já estabelecidos no mercado, o que deixa uma margem diminuta para os “spec scripts”. Estes guiões são escritos sem certezas, na esperança que um produtor, realizador ou actor goste deles e os transforme num filme. A sensação com que se fica é que é mais ou menos como fazer um filho, tê-lo nove meses em gestação e esperar depois que outra pessoa o dê à luz.


“Dreams on Spec” acompanha três aspirantes argumentistas: David J. Stieve, assistente de um agente de talentos, cujo guião “Behind the Mask” despertou a atenção de um realizador que o quer produzir; Joe Aaron, corrector de bolsa que, apesar dos custos para a sua vida familiar, trabalha há três anos no guião de “Rattled”; Deborah Goodwin, que aproveita a sua situação de desemprego para tentar arranjar financiamento para a produção independente da comédia romântica “When You're Not There”, e quer que seja protagonizada por Adrien Brody.


A escolha que o argumentista/realizador Daniel Snyder (autor também do documentário “Brilliant But Cancelled”) fez dos seus “objectos de estudo” é perfeita, porque cada um deles está num momento decisivo da sua vida como argumentista. Stieve enfrenta a perspectiva de sucesso com enorme angústia, perante as concessões artísticas que se vê obrigado a fazer. Aaron aperfeiçoa o argumento até à exaustão, levando-o a consultores especializados e fazendo sessões de leitura, mas qual o custo pessoal da sua insistência? Goodwin está empenhada em levar o seu texto para a próxima fase, assumindo a responsabilidade da realização, mas a pressão para pagar as contas da água e luz pode obrigá-la a abdicar do seu sonho.


Além desta três narrativas, “Dreams on Spec” conta também com o testemunho de profissionais confirmados como Nora Ephron, Carrie Fisher ou James L. Brooks. Mas, neste mundo altamente competitivo, as suas inquietações não são muito diferentes das dos amadores: a ansiedade do ecrã branco, meses de trabalho que podem acabar no lixo, ou quase pior, a possibilidade de êxito e ver o seu guião ser rescrito por marketeers.


“Dreams on Spec” relata um processo criativo, onde a inspiração vive lado a lado com a solidão. Apesar de todo o apoio e conselhos de amigos, a superação dos imensos obstáculos exige que a força motriz (por vezes sobre-humana) venha essencialmente da teimosia do argumentista. O desespero, a frustração, a desistência (nem que seja cogitada) estão garantidos.


Snyder nunca nos revela o conteúdo dos argumentos que os seus três protagonistas têm em mãos, ainda que fiquemos a saber que o filme de Stieve foi de facto realizado. Esse é, sem dúvida, o grande senão de “Dreams on Spec”, e aquilo que nos poderia ter conduzido a uma maior empatia por cada um deles.


Apesar do guião ser o primeiro e o mais importante passo do processo de produção de um filme, no absurdo mundo do cinema é visto como apenas um pormenor e os argumentistas serão, muito provavelmente, os profissionais mais desrespeitados do meio (no campo da produção televisiva a situação que tem mudado radicalmente, com o poder cada vez mais na mão de quem escreve).


É angustiante pensar na quantidade de guiões que ficam fechados em gavetas por não serem vistos pelas pessoas certas (ou com a visão certa), especialmente vendo a global falta de qualidade de tantos filmes que vêem a luz do dia. “Dreams on Spec” é essencial para quem pensa seguir este (árduo) caminho, seja para o convencer totalmente seja para o dissuadir de vez. Falhar será sempre nem sequer tentar.






realizado por Rita às 00:43
link do post | comentar

Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2009
Et Dieu... créa la femme




O Miguel lançou-me o desafio de ilustrar o seu blog por um dia. O “sim” foi dado com um misto de antecipação infantil e responsabilidade. Navegar a net em busca de mulheres bonitas que façam jus ao bom gosto e qualidade do E DEUS CRIOU A MULHER não foi tão fácil como poderia parecer à primeira vista. Primeiro, porque queria fugir às óbvias, e segundo, porque tenho um “pequeno” problema obsessivo (havia uma em particular que queria colocar mas para a qual não encontrei fotos adequadas, e retribuí assim o desafio ao Miguel). No grupo de 10 mulheres que destaquei (algumas incontornáveis) não consegui estabelecer qualquer coerência interna. Apenas que me enchem muito os olhos e põem seriamente em questão a minha (de outra forma convicta) heterossexualidade.






realizado por Rita às 09:00
link do post | comentar

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009
Valsa Com Bashir - debates



Parte integrante na Selecção Oficial do Festival de Cinema de Cannes, vencedor do prémio de Melhor Filme Estrangeiro nos British Independent Film Awards e vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro, o filme do realizador israelita Ari Folman conta, sob a forma de animação, a recuperação das suas memórias, 25 anos passados, da invasão do Líbano por Israel em 1982.


Acompanhando a presença em cartaz de “Valsa Com Bashir”, a Atalanta Filmes, em parceria com o Le Monde Diplomatique, organizou três debates que terão lugar no Cinema King durante o mês de Janeiro, sempre pelas 23h00 horas, após a sessão das 21h30.


16 de janeiro
A PRIMEIRA GUERRA DO LÍBANO: OS MASSACRES DE SABRA E CHATILA
com a presença de António Elóy (Vice-presidente da Amnesty International Portugal), José Goulão (jornalista do Le Monde Diplomatique) e Lumena Raposa (jornalista do Diário de Noticias)

23 de janeiro
O TRABALHO DE MEMÓRIA E OS TRAUMATISMOS DO PÓS-GUERRA
com Afonso Albuquerque (psiquiatra), Armindo Matos Roque (director de Apoiar: Associação de apoio aos ex-combatentes vítimas de stress de guerra) e António Louçã (historiador e jornalista da RTP)

30 de janeiro
A UTILIZAÇÃO DO CINEMA DE ANIMAÇÃO
com Regina Pessoa (realizadora) e Fernando Galrito (realizador, professor Universitário e Director Artístico da MONSTRA)






realizado por Rita às 20:22
link do post | comentar

David Robert Hayward-Jones




Hoje, 8 de Janeiro, relembramos aqui mais uma vez o aniversário desse génio que é David Bowie.


Enquanto isso, durante este mês, no Bacalhoeiro tem lugar um ciclo de homenagem à presença de Bowie no cinema.





Ainda que esta selecção esteja limitada à presença de Bowie à frente da câmara, refiro aqui a sua produção executiva do incontornável filme “Scott Walker: 30 Century Man”, documentário de Stephen Kijak integrante da última edição do IndieLisboa.






realizado por Rita às 08:56
link do post | comentar

Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
Leatherheads **

Realização: George Clooney. Elenco: George Clooney, Renée Zellweger, John Krasinski, Jonathan Pryce, Stephen Root, Wayne Duvall, Keith Loneker. Nacionalidade: EUA / Alemanha, 2008.





Depois de “Confessions of a Dangerous Mind” e “Good Night, And Good Luck”, George Clooney volta à realização com aquilo que pretende ser uma homenagem aos primeiros passos do futebol americano profissional. Assumindo totalmente a sua comparação ao charme de Cary Grant, George Clooney protagoniza aquilo que pretende ser um revivalismo da ‘screwball comedy’ dos anos 30. “Leatherheads” pretende ser muitas coisas, não chegando a ser nenhuma delas.


Em 1925, Carter ‘Bullet’ Rutherford (John Krasinski) é a estrela da equipa universitária de futebol americano de Princeton, conduzindo-a a consecutivas vitórias. Jimmy ‘Dodge’ Connelly (George Clooney) é jogador, treinador e co-proprietário de uma pequena equipa profissional, os Duluth Bulldogs, que enfrenta sérias dificuldades para se manter em campo. Apesar dos elevados custos Connelly decide contratar Rutherford para dar o impulso e a divulgação necessários ao desporto. Atrás deles anda a jornalista Lexie Littleton (Reneé Zellweger), encarregue de fazer um reportagem de fundo sobre "Bullet" Rutherford, mas cuja verdadeira intenção é investigar os rumores de que Rutherford talvez não mereça o selo de herói de guerra que lhe foi atribuído. Para isso, ela aproxima-se dele de forma romântica, mas a sua atenção acaba por ser roubada por Connelly. No meio deste triângulo, ela poderá conseguir a sua história, mas a que custo?


Como filme de época, “Leatherheads” reúne uma equipa técnica de fotografia (Newton Thomas Sigel), guarda-roupa (Louise Frogley) e design de produção (James D. Bissell) que não o deixa falhar. O encantador desastrado encaixa na perfeição no Clooney-actor, como a mulher independente de língua afiada encaixa em Zellweger. Mas apesar da faísca intelectual, a ligação entre os dois nunca nos surge como emocionalmente inevitável, e o fogo fica por atear.


Por outro lado, o argumento de Duncan Brantley e Rick Reilly, com muito menos futebol do que se poderia pensar (ou querer), peca ao criar personagens pouco extremas. É normalmente no jogo de opostos, no confronto com as suas próprias falhas, que o elemento cómico se manifesta. E, apesar de um ou outro sorriso e da clara inspiração de Clooney-realizador pelo burlesco dos irmãos Coen, “Leatherheads” não nos consegue arrancar uma verdadeira gargalhada.






CITAÇÕES:


“You're only as young as the woman you feel.”
GEORGE CLOONEY (Jimmy 'Dodge' Connelly)






realizado por Rita às 21:51
link do post | comentar

Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009
Hallam Foe ***


 

Realização: David Mackenzie. Elenco: Jamie Bell, Sophia Myles, Ciarán Hinds, Jamie Sives, Maurice Roëves, Ewen Bremner, Claire Forlani. Nacionalidade: Reino Unido, 2007.



 



 

Hallam Foe (Jamie Bell) é um adolescente que, desde o suicídio da sua mãe, vive numa casa construída numa árvore na propriedade do pai (Ciarán Hinds). É daí que espreita os seus vizinhos, rodeado de fotografias ampliadas da mãe naquilo que mais parece um altar. Hallam está convencido de que a sua madrasta (Claire Forlani) está envolvida na morte da mãe, e, com a determinação em provar a sua culpa, Hallam acaba por se exceder e decide fugir para Edimburgo. Aí, ele arranja uma nova obsessão: Kate (Sophia Myles), uma empregada de um hotel com uma perturbante semelhança física com a mãe de Hallam.
 

Baseado no livro de Peter Jinks, “Hallam Foe” é um atípico coming of age, simultaneamente negro e romântico. A realização inteligente de David Mackenzie (“Young Adam”, “Asylum”), a par da interpretação de Jamie Bell (“Billy Elliot”, “Dear Wendy”) que combina brilhantemente paranóia e vulnerabilidade, fazem com que o comportamento de Hallam, apesar de claramente perturbado, nunca nos cause repulsa.


 

Usando os telhados de Edimburgo como forma de libertação, Mackenzie conduz-nos a um mundo estranho e angustiante onde o humor é compensado por uma sombra de tragédia. O olhar da câmara é, muitas vezes, o mesmo olhar exterior de Hallam. Através de binóculos, ramos de árvores, portas ou janelas partidas, ele invade o mundo de outros, definindo-se a si mesmo em oposição a, ou em identificação com, eles.


 

Mais do que uma questão edipiana, Hallam condensa memórias e emoções num ídolo (ideal) que lhe dá segurança perante a imprevisibilidade do mundo. Quando obrigado a enfrentar uma verdade que vem desmantelar a sua estrutura, o seu instinto é criar mecanismos que protejam a sua recém-adquirida, mas frágil, realidade.


 

A busca de uma identidade própria é uma das grandes aventuras da existência. Entre rupturas e confrontos, esse é um caminho que só se pode fazer em direcção ao nosso interior. A maturidade chega quando percebemos que é possível encantarmo-nos com a realidade mais banal.



 




 

CITAÇÕES:


 

“Sometimes I want sweet. Sometimes I want sour. Sometimes I don't know what I want. My shit stinks. I'm going to die one day.”
SOPHIA MYLES (Kate)




 



realizado por Rita às 22:36
link do post | comentar

Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009
Os Três Macacos **

T.O.: Üç Maymun. Realização: Nuri Bilge Ceylan. Elenco: Yavuz Bingol, Hatice Aslan, Rifat Sungar, Ercan Kesal, Cafer Köse, Gürkan Aydin. Nacionalidade: Turquia / França / Itália, 2008.





Depois do belíssimo “Iklimer - Climas”, esperava do realizador turco Nuri Bilge Ceylan mais um filme avassalador. Infelizmente, e por alguma razão que nem consigo apontar (certamente não por culpa das fortes interpretações) não consegui estabelecer qualquer ligação às personagens ou às suas emoções.


Após acidentalmente atropelar um peão, e perante a perspectiva de iminentes eleições, o político Servet (Ercan Kesal) convence o seu motorista Eyüp (Yavuz Bingol) a assumir a sua culpa em troca de uma generosa quantia que, além do salário mensal, lhe será paga quando sair da prisão. À medida que os nove meses da pena de Eyüp se arrastam, o seu filho Ismail (Rifat Sungar) pressiona a mãe, Hacer (Hatice Aslan), para que peça um adiantamento a Servet para poder começar um pequeno negócio de transporte de crianças.


Pegando na metáfora dos três macacos: Mizaru, que, cobrindo os olhos, não vê o mal; Kikazaru, que, cobrindo os ouvidos, não ouve o mal; e Iwazaru, que, cobrindo a boca, não fala o mal; este filme debruça-se sobre a incapacidade das personagens comunicarem entre si. Na ausência de alicerces morais ou, pelo menos, de uma consideração cuidadosa, eles não medem as consequências das suas acções. E depois, perante os seus erros, eles preferem evitar a verdade, torturando-se na esperança que os seus problemas desapareçam pelo simples acto de os ignorar.


Em contraponto à casa soturna onde a família vive, abre-se uma janela sobre o mar. O mesmo vislumbre de liberdade que Hacer tem com a prisão do marido. Nuri Bilge Ceylan repete a parceria de “Iklimer - Climas” com o director de fotografia Gokhan Tiryaki, conseguindo belíssimas composições em alta definição e criando um ambiente de angústia e opressão numa paleta de castanhos e cinzentos.


Primando por uma cuidada subtileza, mas ao mesmo tempo também por uma lentidão extenuante, “Os Três Macacos” (cuja responsabilidade do argumento se reparte entre Nuri Bilge Ceylan, a sua mulher Ebru Ceylan e Ercan Kesal) perde-se no simbolismo (por vezes fantasmagórico) e desperdiça a tensão criada entre as suas personagens.


Se “Os Três Macacos” é a sociedade imatura onde, em detrimento das implicações a longo prazo, se decide apenas em função dos benefícios imediatos, é também a sociedade miserável onde a morte de um desconhecido nos deixa indiferentes. Não deixa de ser curioso olhar para o ressentimento como um alarme da nossa (escondida) moralidade.






realizado por Rita às 22:17
link do post | comentar

Domingo, 4 de Janeiro de 2009
Quatro Noites Com Anna ***

T.O.: Cztery noce z Anna. Realização: Jerzy Skolimowski. Elenco: Artur Steranko, Kinga Preis, Jerzy Fedorowicz, Redbad Klijnstra. Nacionalidade: Polónia / França, 2008.





Após 15 anos, durante os quais entre outras coisas interpretou o avô russo de Naomi Watts em “Eastern Promises”, o polaco Jerzy Skolimowski inspirou-se numa notícia lida num jornal e regressou à realização com uma história de amor obsessivo.


Um homem dolorosamente tímido compra um machado e movimenta-se de forma suspeita por uma aldeia desolada. Numas instalações decrépitas vemo-lo prestes a incinerar uma mão humana. A banda sonora de Michal Lorenc cria o ambiente do crime iminente e cremos estar perante um perigoso assassino.


“Quatro Noites Com Anna” começa por prender-nos a atenção como um thriller para logo nos envolver numa história de amor impossível. Gradualmente, o nevoeiro criado pelo argumento de Eva Piaskowska e Jerzy Skolimowski, vai-se dissipando, e conhecemos Leon Okrasa (Artur Steranko), um homem de meia-idade que toma conta da sua avó doente e que trabalha no crematório de um hospital. Incapaz de estabelecer contacto visual com outra pessoa, Leon vive obcecado pela enfermeira Anna (Kinga Preis), espiando-a nos dormitórios do hospital. Leon aproveita os comprimidos de dormir da sua avó para drogar o açúcar que Anna usa todas as noites no seu chá. Aproveitando o seu sono, ele entra no quarto dela e, durante quatro noites. Começando por simplesmente a observar, Leon acaba por imergir na sua vida nos mais pequenos detalhes.


Somos tirados do meio deste “romance” abruptamente e recorrentemente. Através de flashbacks que conduzem a um interrogatório, Jerzy Skolimowski preenche as lacunas da história até à raiz da obsessão de Leon por Anna. Com um agudo sentido dramático, Skolimowski assume inteiramente o ponto de vista de Leon. Do seu objecto de afecto sabemos tanto quanto ele, quase nada. Anna está distante também do espectador. Num voyeurismo passivo que faz lembrar Hitchcock, a câmara assume o lado autista e patético, mas também dócil, de Leon.


A fotografia cinzenta de Adam Sikora reforça a escuridão, a sujidade, a desolação, o desconforto. Enquanto a realização de Skolimowski, com um breve humor negro, reflecte a consciência fracturada do seu protagonista, a sua confusão, a sua humilhação. A interpretação física de Artur Steranko vai da repulsa à pena, à medida que ele se arrisca cada vez mais a ser descoberto.


Com deliciosos pormenores surrealistas, e num ritmo muito próprio, “Quatro Noites Com Anna” é um filme sobre a violência da invasão. Seja ela ríspida ou suave. Física ou emocional.






realizado por Rita às 20:09
link do post | comentar | ver comentários (1)

Cinefools
RITA, MIGUEL, SÉRGIO, NUNO,
VASCO, LUÍS,
efeitos visuais por S.
Citação

“When morals decline and good men do nothing evil flourishes.”
LEONARDO DICAPRIO (J. Edgar Hoover) in J. EDGAR, de Clitn Eastwood
Banda sonora

PILEDRIVER WALTZ – Alex Turner
in “Submarine” de Richard Ayoade (2010)
Artigos recentes

Dos vícios antigos se faz...

Dos vícios antigos se faz...

Reavivar com música XIV

Reavivar com música XIII

Reavivar com música XII

Dos vícios antigos se faz...

Porque a cultura nunca fe...

E dia 30, no Porto, tudo ...

Reavivar com música XI

Reavivar com música X


NOTÍCIAS

OPINIÕES

Filmes
#
$9.99
(500) Days of Summer
12:08 A Este de Bucareste
127 Hours
13 (Tzameti)
1408
16 Blocks
2 Days in Paris
2046
21
21 Grams
25 Watts
3... Extremos
300
4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias
4ème Morceau de la Femme Coupée en Trois, Le
50/50
5x2
9 Songs

A
À l’Origine
À Tout de Suite
Aaltra
Abrazos Rotos, Los
Adam
Adeus, Dragon Inn
Ae Fond Kiss
Affaire Farewell, L’
Afterschool
Agents Secrets
Agony and the Ecstasy of Phil Spector, The
Ágora
After.Life
Alatriste
Albert Nobbs
Alex
Alexander
Alfie
Alice In Wonderland
All The Invisible Children
Amants Réguliers, Les
American, The
American Gangster
American Splendor
Amor Idiota
Amours Imaginaires, Les
An Education
An Obsession
Ana Y Los Otros
Anche Libero Va Bene
Angel-A
Anges Exterminateurs, Les
Answer Man, The
Anthony Zimmer
Antichrist
Apocalypto
Approaching Union Square
Après Vous...
Arnacoeur, L’
Arsène Lupin
Artist, The
Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, The
Assassination of Richard Nixon, The
Astronaut Farmer, The
Asylum
Atonement
Ausentes
Aventures Extraordinaires d'Adèle Blanc-Sec, Les
Aviator, The
Away We Go
Azuloscurocasinegro

B
Baader-Meinhof Komplex, Der
Babel
Babies
Backstage
Ballad of Jack and Rose, The
Banquet, The
Barney’s Version
Basic Instinct 2
Batman Begins
Battle in Seattle
Be Kind Rewind
Bee Movie
Before Sunset
Before the Devil Knows You’re Dead
Beginners
Being Julia
Belle Bête, La
Belleville Rendez-Vous
Big Bang Love, Juvenile A
Big Fish
Birth - O Mistério
Black Swan
Blade Runner
Blindness
Blood Diamond
Blue Valentine
Boat That Rocked, The
Bobby
Body of Lies
Bocca del Lupo, Las
Borat
Born Into Brothels
Bourne Ultimatum, The
Box, The
Boxing Day
Boy in the Striped Pyjamas, The
Boys are Back, The
Brave One, The
Breach
Breakfast on Pluto
Breaking and Entering
Brick
Brokeback Mountain
Broken Flowers
Brothers Bloom, The
Brothers Grimm, The
Brüna Surfistinha
Brüno
Burn After Reading
Butterfly Effect

C
Caché
Caimano, Il
Camping Sauvage
Candy
Canino - Kynodontas
Capitalism: A Love Story
Capote
Caramel
Carandiru
Carlos
Carnage
Carne Fresca, Procura-se
Cartouches Gauloises
Casanova
Casino Jack
Casino Royale
Caos Calmo
Castro
C’est Pas Tout à Fait la Vie Dont J’avais Rêvé
Chamada Perdida, Uma
Changeling
Chansons d’Amour
Chaos
Chaos Theory
Charlie and the Chocolate Factory
Charlie Wilson's War
Che: El Argentino
Che: Guerrilla
Chefe Disto Tudo, O - Direktøren for det Hele
Chico & Rita
Children of Men
Chloe
Choke
City of Life and Death
Client 9: The Rise and Fall of Eliot Spitzer
Climas - Iklimer
Closer - Perto Demais
Cloudy With A Chance Of Meatballs
Coco Avant Chanel
Cœurs
Coffee and Cigarettes
Coisa Ruim
Cold Souls
Collateral
Collector, The
Combien Tu M’Aimes?
Comme une Image
Concert, Le
Condemned, The
Constant Gardener, The
Control
Copying Beethoven
Corpse Bride
Couperet, Le
Couples Retreat
Crash
Crazy, Stupid, Love.
Crimen Ferpecto
Crimson Gold
Crónicas
Crónicas de Narnia, As
Curious Case of Benjamin Button, The
Curse of the Golden Flower

D
Da Vinci Code, The
Dangerous Method, A
Dans Paris
Darjeeling Limited, The
Dark Knight, The
De Tanto Bater o Meu Coração Parou
Dead Girl, The
Dear Wendy
Death of Mr. Lazarescu, The
Death Proof (S), Death Proof (R)
Debt, The
Deixa-me Entrar
Déjà Vu
Delirious
Departed, The
Descendants, The
Despicable Me
Derailed
Destricted
Dialogue Avec Mon Jardinier
Diarios de Motocicleta
Die Hard 4.0
Disturbia
Do Outro Lado
Don’t Come Knocking
Dorian Gray
Doublure, La
Drama/Mex
Drawing Restraint 9
Dreamgirls
Dreams on Spec
Drive

E
Eamon
Eastern Promises
Easy Rider
Edge of Love, The
Educación de las Hadas, La
Edukadores, Os
Elegy
Elizabeth: The Golden Age
Elizabethtown
En la Cama
Enfant, L’
Ensemble, C’est Tout
Enter The Void
Entre Les Murs
Entre os Dedos
Entre Ses Mains
Eternal Sunshine of the Spotless Mind
Être et Avoir
Eu Servi o Rei de Inglaterra
Evening
Everything is Illuminated
Exit Through the Gift Shop
Extremely Loud & Incredibly Close

F
Factory Girl
Fahrenheit 9-11
Family Stone, The
Fantastic Mr. Fox
Fast Food Nation
Faute à Fidel, La
Ferro 3
Fighter, The
Fille Coupée en Deux, La
Fille du Juge, La
Fils de L’Épicier, Le
Final Cut, The
Find Me Guilty
Finding Neverland
Fish Tank
Five Minutes of Heaven
Flags Of Our Fathers
Flores de Otro Mundo
Flushed Away
Fountain, The
Forgotten, The
Fracture
Frágeis
Frank Zappa - A Pioneer of the Future of Music Part I & II
Frankie
Freedomland
Fresh Air
Frost/Nixon
Frozen Land

G
Gabrielle
Gainsbourg (Vie Héroïque)
Garden State
Géminis
Genesis
Gentille
George Harrison: Living in the Material World
Get Smart
Gigantic
Ghost Dog - O Método do Samurai
Ghost Town
Ghost Writer, The
Girl From Monday, The
Girl With a Pearl Earring
Girlfriend Experience, The
Go Go Tales
Gomorra
Gone Baby Gone
Good German, The
Good Night, And Good Luck
Good Shepherd, The
Good Year, A
Graduate, The
Graine et le Mulet, La
Gran Torino
Grande Silêncio, O
Gravehopping
Green Lantern
Grbavica

H
Habana Blues
Habemus Papam
Habitación de Fermat, La
Half Nelson
Hallam Foe
Hanna
Happening, The
Happy Endings
Happy-Go-Lucky
Hard Candy
Harsh Times
He Was a Quiet Man
Hedwig - A Origem do Amor
Héctor
Hellboy
Hellboy II: The Golden Army
Help, The
Herbes Folles, Les
Hereafter
History of Violence, A
Hoax, The
Holiday, The
Home at the End of the World, A
Host, The
Hostel
Hotel Rwanda
Hottest State, The
House of the Flying Daggers
How To Lose Friends & Alienate People
Howl
Humpday
Hunger
Hurt Locker, The
Hustle & Flow
I
I Am Legend
I Could Never Be Your Woman
I Don’t Want To Sleep Alone
I Heart Huckabees
I Love You Phillip Morris
I’m Not There
I’m Still Here
Ice Age - The Meltdown
Ice Harvest, The
Ides of March, The
If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front
Illusionist, The
Illusioniste, L’
Ils Ne Mouraient Pas Tous Mais Tous Étaient Frappés
Imaginarium of Doctor Parnassus, The
Immortel (ad vitam)
In a Better World - Hævnen
In Bruges
In Good Company
In Her Shoes
In The Loop
In the Valley of Elah
In Time
Inception
Inconvenient Truth, An
Incredible Hulk, The
Incredibles, The
Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull
Indigènes - Dias de Glória
Infamous
Informant!, The
Informers, The
Inglourious Basterds
Inland Empire
Inner Life of Martin Frost, The
Inside Man
Intermission
Interpreter, The
Interview
Into the Wild
Introspective
Io Sono L’Amore
Iron Lady, The
Iron Man
Island, The
It Happened Just Before
It Might Get Loud
Ivresse du Pouvoir, L’

J
J. Edgar
Jacket, The
Japanese Story
Jarhead
Je Ne Suis Pas La Pour Être Aimé
Je Préfère Qu’on Reste Amis
Jeux d’Enfants
Jindabyne
Julie & Julia
Juno
Just Like Heaven
Juventude em Marcha

K
Kids Are All Right, The
Kill List
King Kong
King’s Speech, The
Kiss Kiss Bang Bang
Klimt
Knight and DayKovak Box, The

L
Laberinto del Fauno, El
Lady in the Water
Lake House, The
Land of Plenty
Lars and the Real Girl
Last King of Scotland, The
Last Kiss, The
Last Night
Last Station, The
Leatherheads
Letters From Iwo Jima
Levity
Libertine, The
Lie With Me
Life Aquatic with Steve Zissou, The
Life During Wartime
Life is a Miracle
Lions For Lambs
LIP, L’Imagination au Pouvoir, Les
Lisboetas
Little Children
Little Miss Sunshine
Livro Negro - Zwartboek
Left Ear
Lonely Hearts
Long Dimanche de Fiançailles, Un
Lost in Translation
Lou Reed's Berlin
Louise-Michel
Love Conquers All
Love and Other Drugs
Love in the Time of Cholera
Love Song for Bobby Long, A
Lovebirds, The
Lovely Bones, The
Lucky Number Slevin
Luna de Avellaneda
Lust, Caution

M
Machete
Madagascar
Made in Dagenham
Mala Educación, La
Malas Temporadas
Mammuth
Man About Town
Man On Wire
Management
Manuale d’Amore
Maquinista, O
Mar Adentro
Margin Call
Margot at the Wedding
Maria Cheia de Graça
Marie Antoinette
Martha Marcy May Marlene
Mary
Match Point
Me And You And Everyone We Know
Meek's Cutoff
Melancholia
Melinda and Melinda
Memórias de uma Geisha
Men Who Stare at Goats, The
Método, El
Mi Vida Sin Mí
Michael Clayton
Micmacs à Tire Larigot
Midnight in Paris
Milk
Million Dollar Baby
Mio Fratello è Figlio Unico
Moine, Le
Momma’a Man
Moneyball
Monster
Moon
Morning Glory
Mother (Madeo)
Mother, The
Moustache, La
Mozart and the Whale
Mrs Henderson Presents
Mujer Sin Cabeza, La
Munique
Music & Lyrics
My Blueberry Nights
My Week With Marilyn
My Son, My Son, What Have Ye Done
Mysterious Skin

N
Nana, La
Nathalie
Ne Le Dis À Personne
Ne Te Retourne Pas
NEDS
New World, The
Ni pour, ni contre (bien au contraire)
Niña Santa, La
Night Listener, The
Night on Earth
Nightmare Before Christmas, The
Ninguém Sabe
No Country For Old Men
No Reservations
No Sos Vos, Soy Yo
Nombres de Alicia, Los
North Country
Notes on a Scandal
Number 23, The

O
Ocean’s Thirteen
Odore del Sangue L’
Offside
Old Joy
Oldboy
Oliver Twist
Once
Onda, A - Die Welle
Ondine
Orgulho e Preconceito
Orly

P
Pa Negre (Pan Negro)
Painted Veil, The
Palais Royal!
Para Que No Me Olvides
Paradise Now
Paranoid Park
Parapalos
Paris
Paris, Je T’Aime
Passager, Le
Passenger, The (Professione: Reporter)
Patti Smith - Dream of Life
Perder Es Cuestión de Método
Perfume: The Story of a Murderer
Persépolis
Personal Velocity
Petite Lili, La
Piel Que Habito, La
Pink
Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest
Planet Terror
Playtime
Please Give
Post Mortem
Poupées Russes, Les
Prairie Home Companion, A
Precious: Based on the Novel ‘Push’ by Sapphire
Prestige, The
Presunto Culpable
Pretty In The Face
Prophète, Un
Promeneur du Champ de Mars, Le
Promotion, The
Proof
Proposition, The
Prud'Hommes
Public Enemies

Q
Quantum of Solace
Quatro Noites Com Anna
Queen, The
Quelques Jours en Septembre
Qui M’Aime Me Suive

R
Rabia
Rachel Getting Married
Raison du Plus Faible, La
Ratatouille
Re-cycle
Reader, The
Red Eye
Red Road
Redacted
Refuge, Le
Religulous
Reservation Road
Reservoir Dogs
Resident, The
Restless
Revenants, Les
Revolutionary Road
Ring Two, The
Road, The
Road To Guantanamo, The
Rois et Reine
Rôle de sa Vie, Le
Romance & Cigarettes
Rubber
Rum Diary, The
S
Sabor da Melancia, O
Safety of Objects, The
Salt
Salvador (Puig Antich)
Samaria
Sauf Le Respect Que Je Vous Dois
Savages, The
Saw
Saw II
Saw III
Scaphandre et le Papillon, Le
Scanner Darkly, A
Science des Rêves, La
Sconosciuta, La
Scoop
Scott Pilgrim vs. The World
Secret Window
Secreto de Sus Ojos, El
Selon Charlie
Sem Ela...
Semana Solos, Una
Señora Beba
Sentinel, The
Separação, Uma - Jodaeiye Nader az Simin
Séptimo Día, El
Séraphine
Seres Queridos
Serious Man, A
Sex is Comedy
Sexualidades - En Soap
S&Man
Shady Grove
Shame
Shattered Glass - Verdade ou Mentira
She Hate Me
Shooting Dogs
Shopgirl
Shortbus
Shrek 2
Shrek The Third
Shrink
Shutter Island
Sicko
Sideways
Silence de Lorna, Le
Silk
Simpsons Movie, The
Sin City
Single Man, A
Sky Captain and the World of Tomorrow
Slumdog Millionaire
Smart People
Social Network, The
Soeurs Fâchées, Les
Soledad, La
Solitudine dei Numeri Primi, La
Somewhere
Son of Rambow
Sonny
Snow
Snow Cake
Spanglish
Spread
Squid and the Whale, The
Star Trek
Still Life
Stop Making Sense
Stranger Than Fiction
Strings
Submarine
Sunshine
Super 8
Sweeney Todd
Syriana

T
Tabloid
Tarnation
Tartarugas Também Voam, As
Taxidermia
Te Doy Mis Ojos
Temps du Loup, Le
Temps Qui Changent, Les
Temps Qui Reste, Le
Temporada de Patos
Teta Asustada, La
Thank You For Smoking
There Will Be Blood
This Is England
This Movie Is Broken
This Must Be The Place
Thirst
Thor
Three Burials of Melquiades Estrada, The
Thumbsucker
Tideland
Tigre e la Neve, La
Time Traveler's Wife, The
Tinker, Tailor, Soldier, Spy
To Take A Wife
Todos os Outros – Alle Anderen
Tonite Let's All Make Love in London
Tournée
Toy Story 3
Transamerica
Transsiberian
Travaux, On Sait Quand Ça Commence
Tree of Life, The
Très Bien, Merci
Três Macacos, Os
Trilogia Lucas Belvaux
Triple Agent
Tristram Shandy: A Cock and Bull Story
Tropa de Elite
Tropa de Elite 2
Tropic Thunder
Tropical Malady
Trust the Man
Tsotsi
Tueur, Le

U
United States of Leland
Unknown
Untergang, Der - A Queda
Up
Up In The Air

V
V For Vendetta
Vacancy
Valkyrie
Valsa com Bashir
Vanity Fair
Vantage Point
Vera Drake
Vers Le Sud
Vicky Cristina Barcelona
Vida Secreta de las Palabras, La
Vidas dos Outros, As (Das Leben der Anderen)
Vie en Rose, La
Village, The
Vipère au Poing
Visitor, The
Viva
Volver

W
Walk Hard: The Dewey Cox Story
Walk the Line
WALL-E
War, Inc.
War of the Worlds
Wassup Rockers
Waste Land - Lixo Extraordinário
Watchmen
What a Wonderful Place
What the #$*! Do We (K)now!?
Whatever Works
When in Rome
Where the Truth Lies
Where The Wild Things Are
Whip It
Whisky
We don’t care about music anyway…
We Dont’t Live Here Anymore
Weisse Band, Das – O Laço Branco
Wide Awake
Wilbur Wants to Kill Himself
Wind That Shakes The Barley, The
Winter’s Bone
Woman Under The Influence, A
Woodsman, The
World, The
World Trade Center
Wrestler, The

X
X-Files: I Want To Believe, The
X-Men: First Class
X-Men Origins: Wolverine

Y
Yo Soy La Juani
Young Adult
Youth in Revolt
Youth Without Youth

Z
Zack And Miri Make A Porno

Zodiac
Arquivo

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Festivais e Prémios
- FANTASPORTO
- FESTROIA
- INDIE LISBOA
- FESTIVAL DE CINEMA GAY E LÉSBICO DE LISBOA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS METRAGENS DE VILA DO CONDE
- DOCLISBOA
- CINANIMA
- CineECO
- FamaFEST
- FICA
- FESTIVAL DE CINEMA LUSO-BRASILEIRO DE SANTA MARIA DA FEIRA
- fest | FESTIVAL DE CINEMA E VÍDEO JOVEM DE ESPINHO
- CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS
- FESTIVAL DE CANNES
- LES CÉSAR DU CINEMA
- PREMIOS GOYA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE DONOSTIA - SAN SEBASTIAN
- LA BIENNALE DI VENEZIA
- FESTIVAL INTERNAZIONALE DEL FILM - LOCARNO
- INTERNATIONALE FILMSPIELE BERLIN<
- BAFTA
- LONDON FILM FESTIVAL
- EDINBURGH INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- OSCAR
- SUNDANCE FILM FESTIVAL
- GOLDEN GLOBES
- NEW YORK FILM FESTIVAL
- SAN FRANCISCO FILM FESTIVAL
- TORONTO INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- MONTRÉAL WORLD FILM FESTIVAL
- ROTTERDAM INTERNATIONAL FILM FESTIVAL