CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA
Quinta-feira, 29 de Março de 2007
FamaFest 2007 - personal highlights

A minha selecção pessoal, de uma semana repleta de “good movies”.



O SONHO DO LOBO (WOLFSTRAUM)
de Maria-Anna Rimpfl (Alemanha, 2006)



Com base no folclore alemão, uma jovem desperta de um sonho aterrorizante, onde é perseguida por um lobo. Mas a realidade para a qual desperta ameaça ser tão ou mais assustadora que a do seu inconsciente. 15 minutos de angústia muito bem filmados.




PENUMBRA
de Gwynne McElveen (Irlanda, 2006)




Gwynne McElueen, uma irlandesa, relata a sua experiência de correspondência com Jim, um americano com um talento especial para o desenho - o seu herói é o Capitão Penumbra. 5 anos após o início desta “amizade por carta”, Gwynne decide visitar Jim. “Penumbra” relata o percurso, físico e emocional, entre duas pessoas, usando as palavras de ambos, mas sobretudo as de Jim, lidas por pessoas encontradas pelo caminho e que, não o conhecendo o tentam descobrir. Um filme sobre a necessidade de comunicação, e sobre o poder das palavras para construírem as verdadeiras pontes.




MAURITÂNIA: ANTIGAS BIBLIOTECAS NO DESERTO (MAURITANIA ANTICHE BIBLIOTECHE)
de Rossella Piccinno (Itália, 2006)




As palavras como caminho para o passado, como testemunho do nosso trajecto histórico. Manuscritos com centenas de anos jazem esquecidos naquilo que foram um dia prósperas cidades, um bem precioso que perece sob a fome devoradora do deserto e das térmitas. Um documentário extraordinariamente consistente e elucidativo acerca do abandono e da urgência de o redimir.

Uma amostra aqui.




PEQUENOS TORMENTOS DA VIDA
de Fabiano Sousa e Gilson Vargas (Brasil, 2006)




As palavras como caminho para o futuro, como causa e consequência do pensamento. Um documentário onde as palavras hábeis do escritor brasileiro Mário Quintana, utilizadas nas aulas, traduzem para as crianças um mundo que elas estão ainda a descobrir. Palavras que, pela sua própria originalidade e pelo seu poder, as fazem ir mais além. Afinal de contas, a mentira é apenas “uma verdade que se esqueceu de acontecer”.




BRECHT - A ARTE DE VIVER (BRECHT – DIE KUNST ZU LEBEN)
de Joachim Lang (Alemanha, 2006)




A vida do dramaturgo através das mulheres que fizeram parte da sua vida, da esposa às amantes, da filha às colaboradoras. Da Bavaria para Berlim Oriental, uma vida foi marcada pela extrema necessidade de uma independência intelectual, num documentário exemplar.




MARINHEIROS E MÚSICOS (MARINERS & MUSICIANS)
de Steven Lippman (EUA, 2006)




Um estilo de videoclip filosófico, palavras com música, imagens com poesia, a voz profunda e olhar intrigante de Rosanne Cash. A compositora e cantora filha do primeiro casamento de Johnny Cash faz uma viagem pela sua história familiar, onde o mar e a música se misturam.




TRÊS PEÇAS (DREI STÜCKE)
de Hubert Sielecki (Áustria, 2006)




Uma experiência visual em três partes. Sinalização: fazendo uso da linguagem dos sinais urbanos como forma de comunicação, imediata, eficaz e extenuante. Traços: através da pintura evidencia-se a repetição dos padrões de relacionamento. Uma pedra rola: a consequência interminável e circular dos acontecimentos. Um jogo em que imagem e palavra se unem musicalmente (efeito infelizmente prejudicado pela necessidade de ler as legendas).




DEBAIXO DO SOL (UNTER DER SONNE)
de Baran bo Odar (Alemanha, 2006)




No Verão de 1984, enquanto em Los Angeles decorrem os Jogos Olímpicos, e em África sucumbe perante uma gigantesca seca, Victor passa uns dias com a sua tia e a sua prima de 15 anos. Entre a descoberta sexual e a profunda angústia adolescente de não pertencer a sítio nenhum e não ser entendido por ninguém, Victor é obrigado a lidar com um medo traumático do seu passado. E nada como um trauma para superar outro.




FECHADO (VERSCHLOSSEN)
de Albert Radl (Alemanha, 2006)




Um homem encontra uma porta fechada e decide abri-la por todos os meios possíveis. Uma metáfora de 3 minutos sobre os drásticos caminhos da obsessão e dos reflexos negativos da violência.




O LOUCO, O CORAÇÃO E O OLHO (DER VERRÜCKTE, DAS HERZ UND DAS AUGE)
de Annette Jung e Gregor Dashuber (Alemanha, 2006)




Baseado num conto de Edgar Allan Poe e com um visual muito perto do delicioso gótico de Tim Burton, Ed conta-nos a história de como foi parar dentro de um colete de forças. A culpa de tudo foi do terrível olho do seu pai que lhe causava uma angústia insuportável. Para se livrar dessa ansiedade, Ed traça um plano infalível. Ou talvez não. O que estamos dispostos a fazer para destruir a (natural) ansiedade que é a vida?




SÓ QUERIA VIVER (VOLEVO SOLO VIVERE)
de Mimmo Calopresti (Itália/Suiça, 2006)




Impressionante documentário sobre o holocausto nas palavras de sobreviventes italianos. O seu relato desapaixonado, fruto da extenuante expiação a que devem ter sujeitados os seus fantasmas, consegue ser mais chocante que as duras imagens de arquivo reproduzidas. Sem sentimentalismos, porque a realidade é suficientemente escabrosa.






realizado por Rita às 23:54
link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 27 de Março de 2007
XIV CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS



A XIV edição dos CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS decorrerá entre os dias 21 e 28 do próximo mês de Abril, em Coimbra, com as seguintes obras presentes a concurso:


LONGA-METRAGEM
“O Jardim do Outro Homem” (Sol de Carvalho, 95’)
“Suicídio Encomendado” (Artur Serra Araújo, 88’)
“Body Rice” (Hugo Vieira da Silva, 120’)
“Pele” (Fernando Vendrell, 102’ )
“Transe” (Teresa Villaverde, 126’)
“Atrás das Nuvens” (Jorge Queiroga 85’)
“Filme da Treta” (José Sacramento, 90’)

CURTA-METRAGEM
“Avé Maria” (João Botelho, 25’)
“Night Shop” (João Constâncio, 25’)
“Animalz” (Sérgio Cruz, 3’10’’)
“Espírito de Natal” (Victor Candeias, 25’)
“A Cura” (José Barahona, 29’)
“The End / Capítulo Final” (Victor Candeias, 12’30’’)
“História Desgraçada” (Elsa Bruxelas, 28’)
“Regresso a Casa” (João Maia, 25’)
“Manhã de Novembro, 1981” (Mariana Castro e Sílvia Santana, 15’06’’)
“O Buraco” (Miguel Gaudêncio 25’)
“Ladrões de Nêsperas” (Fernando Lobo Amaral, 11’44’’)
“Palavras Roubadas” (Luís Dias, 14’)
“O Operário em Construção” (Eduardo Nascimento e Pedro Canotilho, 15’)
“Cântico das Criaturas” (Miguel Gomes, 24’)

DOCUMENTÁRIO
“Maria” (Fábio Ribeiro e Nuno Gaspar, 15’)
“Logo Existo” (Graça Castanheira, 60’)
“Humanos – A Vida em Variações” (António Ferreira, 33’)
“Show da Fé” (António Contador, 3’)
“Life is Change” (Eduardo Morais de Sousa, 5’)
“Olhar o Cinema Português 1896-2006” (Manuel Mozos, 53’)
“Cartas a Uma Ditadura” (Inês de Medeiros, 60’)
“Ricardo Rangel – Ferro em Brasa” (Licínio de Azevedo, 48’)
“José Carlos Schwarz – A Voz do Povo” (Adulai Jamanca, 52’)
“Batalha de Aljubarrota” (Rui Pinto de Almeida, 52’)
“Batalha de La Lys” (Rui Pinto de Almeida, 53’)
“Brava Dança” (José F. Pinheiro e Jorge P.Pires, 80’31’’)
“A Minha Aldeia Já Não Mora Aqui” (Catarina Mourão, 60’)
“Pátria Incerta” (Inês Gonçalves e Vasco Pimentel, 52’)
“Eduardo Luiz - Retracto do Artista Desaparecido” (Victor Candeias, 55’)
“Ainda há Pastores?” (Jorge Pelicano, 73’)

ANIMAÇÃO
“Stuart” (Zepe, 11’26’’)
“A Culpa” (Irina Calado, 7’)
“In Silentiu (Silêncio)” (Irina Calado, 7’)
“Sem Dúvida, Amanhã…” (Pedro Brito, 7’)
“Turno da Noite: Fé” (Carlos Fernandes, 5’30’’)
“Jantar em Lisboa” (André Carrilho, 7’06’’)
“O Trabalho do Corpo” (Nuno Amorim, 7’06’’)
“A Noiva do Gigante” (Nuno Amorim, 9’04’’)
“O Pescador de Sonhos” (Igor Pitta Simões, 10’50’’ )
“Esperânsia” (Cláudio Jordão, 7’)
“A Religiosa II” (Clídio Nóbio, 2’)
“Quatro Elementos” (Janek Pfifer, 20’)
“Histórias de Molero – Todos os Gajos Têm Um Tio Maluco” (Afonso Cruz, 6’30’’)


Como complemento à selecção oficial do festival, continua a secção Ensaios Visuais, dedicada às escolas de cinemas e audiovisuais existentes nacionais (inscrições abertas até dia 10 de Abril).


Estão previstos ainda os workshops:

> Produção Filmes, com Henrique Espírito Santo
> Animação de Volumes com Cristina Teixeira
> Animação Digital - 3D Studio Max, com Fililpe Rocha
> Interpretação/Expressão, com Ana Paula de Jesus
> Realização - Como Realizar uma Curta?, com Rui Sousa


Mais informações em www.caminhos.info






realizado por Rita às 00:52
link do post | comentar

Segunda-feira, 26 de Março de 2007
FamaFest 2007 - o rescaldo



Depois de uma semana de intensa actividade, foram estes os resultados da 9ª edição do Festival Internacional de Cinema de Famalicão.



JÚRI INTERNACIONAL

Grande Prémio do Famafest 2007
“As Borboletas Estão Apenas Um Passo Atrás” (Mohammad Ibrahim Moaiery, Irão)

Grande Prémio de Lusofonia
"O Escritor Prodigioso” (Joana Pontes, Portugal)

Premio Ficção/Adaptação de Obra Literária
“Debaixo do Sol” (Baran Von Odar, Alemanha)

Prémio Melhor Documentário
“Só Queria Viver” (Mimmo Calopresti, Itália/Suíça)

Prémio Ficção Jovem
“Conoclasta” (Mariko Saga, Polónia)

Prémio Especial do Júri - Memória Histórica
“Meu Pai Humberto Delgado” (Francisco Manso, Portugal)

Menções Honrosas
“Marinheiros e Músicos” (Steven Lippmann, EUA)
“Ehni” (Jean-Luc Bouvret, França)
“Penumbra” (Gwynne MacElveen, Irlanda)
“O Jardim Que Se Afastou A Flutuar” (Ruth Walk, Israel)
“Roxana” (Moze Mossanen, Canadá)


JÚRI DA JUVENTUDE

Grande Prémio da Juventude
“Só Queria Viver” (Mimmo Calopresti, Itália/Suíça)

Prémio Especial da Juventude – Ficção
“O Sonho do Lobo” (Maria-Anna Rimpfl, Alemanha)

Prémio Especial da Juventude – Documentário
“Ensaio Sobre o Teatro” (Rui Simões, Portugal)

Prémio Especial da Juventude – Animação
“O Louco, o Coração e o Olho” (Annette Jung e Gregor Dashuber, Alemanha)

Menções Honrosas
“O Portugal de Miguel Esteves Cardoso” (Fernando Ávila, Portugal)
“Pequenos Tormentos da Vida” (Fabiano Sousa e Gilson Vargas, Brasil)


ENCONTRO DE BLOGS

Primeiro Prémio CINEMA
Amarcord
Zona Negra

Menções Honrosas CINEMA
Cineblog
Play It Again
Royale With Cheese
Wasted Blues

Primeiro Prémio CULTURA
O Intruso
Piano

Menções Honrosas CULTURA
A a Z
Bandida
Erotismo na Cidade
hoje há conquilhas
Indústrias Culturais

No contexto deste encontro, foram ainda eleitos como os melhores filmes estreados em Portugal em 2006: “The Departed: Entre Inimigos” e “Match Point”






realizado por Rita às 23:47
link do post | comentar

Sexta-feira, 23 de Março de 2007
Homem bom na Cinemateca


Do press-release da Cinemateca, chega-nos o anúncio de um ciclo sobre Jim Jarmusch. O programa completo pode ser consultado no site da casa do cinema.

«Nascido a 22 de Junho de 1953 no Ohio, Jim Jarmusch constituíu-se, nos anos 80, como principal rosto do "cinema independente americano", depois muito copiado e muito imitado. Aluno de Nicholas Ray e de Laslo Benedek na escola de cinema de Nova Iorque, uma das forças do cinema de Jim Jarmusch reside justamente no balanço perfeito entre "classicismo" e "modernidade", tanto no modo de fazer como nos universos e referências convocados. Cinéfilo esclarecido (descobriu o cinema, diz ele, na Cinemateca Francesa, ainda de Langlois, no princípio dos anos 70), Jim Jarmusch representa porventura no cinema americano o papel do último realizador filho de uma cultura cinéfila "clássica", capaz de citar Dreyer a propósito de um western de série B. [...] Vamos ver todos os seus filmes, incluindo algumas preciosidades nunca vistas em Portugal. Como TIGRERO, de Mika Kaurismäki, que reúne Jarmusch e Samuel Fuller, ou o filme de episódios TEN MINUTES OLDER: THE TRUMPET, que traz um impressionante plantel de cineastas. Abril será mês de "melancólica independência" na Cinemateca.»



realizado por Miguel Marujo às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 16 de Março de 2007
Belle de jour...






Catherine Deneuve em “Belle de Jour” de Luis Buñuel (1967)



Belle de nuit!









realizado por Rita às 00:41
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 15 de Março de 2007
Curse of the Golden Flower ***

T.O.: Man cheng jin dai huang jin jia. Realização: Zhang Yimou. Elenco: Chow Yun-Fat, Gong Li, Chou Jay, Liu Ye, Ni Dahong, Qin Junjie, Li Man, Chen Jin. Nacionalidade: Hong Kong / China, 2006.





O argumento co-escrito por Zhang Yimou, Wu Nan e Bian Zhihong adapta a peça de teatro de 1934 da autoria de Yu Cao situando a acção do filme no século X, durante a curta dinastia Tang. “Curse of the Golden Flower” não pretende fazer qualquer reprodução histórica, colocando-se antes ao nível de uma tragédia grega e/ou shakespeariana sob o peso da ancestral cultura chinesa.


A família real chinesa vive um período complicado. O imperador (Chow Yun Fat) decidiu envenenar a esposa (Gong Li), acrescentando um fungo ao seu remédio para a anemia. A emperatriz tem um envolvimento sexual com o seu enteado, o príncipe herdeiro (Lie Ye), que por sua vez tem um relacionamento amoroso com Chan (Li Man), a filha do médico imperial (Ni Dahong). O filho mais velho da imperatriz, o príncipe Jai (Jay Chou), regressou de um longo período de treino, mostrando ser o mais apto a assumir o trono. Em segundo plano está o mais novo e menos atendido príncipe Yu (Qin Junjie). Quando a imperatriz descobre os planos de envenenamento do seu marido, desenha um plano de vingança que vai testar a lealdade do seu filho Jai.


Apesar de conter a típica batalha épica com auxílio computorizado, a nível de artes marciais e cenas de luta, “Curse of the Golden Flower” é consideravelmente inferior aos anteriores filmes de Zhang Yimou, “Hero” (2002), “House of the Flying Daggers” (2004). Mas, num estilo coerente, mantém-se o espectáculo visual. Os cenários são opulentos, as cores saturadas, o guarda-roupa da responsabilidade de Yee Chung Man sumptuoso. Do dourado ao verde esmeralda, do amarelo ao vermelho, a brilhante e psicadélica mistura de cores emanadas das paredes, tectos, tapetes, mobiliário contrasta de uma forma extrema ao negro melodrama que se desenrola no interior do palácio imperial.


Incesto, traição, assassínio, segredos profundos e luta pelo poder é uma receita eficaz, mesmo que pouco original. Nas interpretações destacam-se um sádico e cruel Chow Yun Fat (“Crouching Tiger, Hidden Dragon”), uma sofrida, só e louca Gong Li (“Memórias de uma Geisha”) e um magnético Jay Chou, mais conhecido pela sua vertente musical.


Debaixo da bela e luxuriante aparência exterior, germina o lado mais sórdido da humanidade. Afinal aquele palácio deslumbrante não é mais do que uma gaiola bem decorada. A tragédia surge quando à rígida estrutura social imposta pelo exterior se vem opor a emoção pessoal. É na aniquilação de qualquer vestígio de humanidade individual (imperador e imperatriz nunca são referidos pelo seu nome próprio, mas pelo papel social que desempenham), que se sustentam os sistemas de governo autocráticos. As analogias entre a China de ontem e a de hoje ficam ao cargo, e à responsabilidade, de cada um.






CITAÇÕES:


“Aquilo que eu não te der, nunca o deves tomar pela força.”
CHOW YUN FAT (Imperador Ping)






realizado por Rita às 01:03
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 14 de Março de 2007
Os Anjos em cartaz

Depois da sua ante-estreia na 7ª Festa do Cinema Francês, o ano passado, “Les Anges Exterminateurs” estreia amanhã nas salas portuguesas.





Infelizmente, e apesar da imagem tentadora que aqui coloco, eu recomendo vivamente quaisquer outros programas alternativos.






realizado por Rita às 01:43
link do post | comentar

Terça-feira, 13 de Março de 2007
El Laberinto del Fauno ****

Realização: Guillermo del Toro. Elenco: Sergi López, Maribel Verdú, Ivana Baquero, Ariadna Gil, Doug Jones, Álex Angulo. Nacionalidade: México / Espanha / EUA, 2006.





O realizador de “El Espinazo del Diablo” (2001) e “Hellboy” (2004) constrói em “El Laberinto del Fauno” uma fábula fantástica sobre a Espanha franquista.


Em 1944, Carmen (Ariadna Gil) e a sua filha Ofelia (Ivana Baquero) chegam a uma aldeia onde reside o novo marido de Carmen, um capitão do exército franquista obcecado com com o filho que Carmen tem na barriga e com eliminar todos os rebeldes republicanos que combatem a ditadura a partir das montanhas. Entretanto, Ofelia descobre no bosque que rodeia a casa um fauno, uma figura mitológica que a intima a cumprir três tarefas para poder converter-se na princesa que já foi um dia.


O filme de Guillermo del Toro equilibra magistralmente o drama individual, o drama nacional e o sobrenatural, este último funcionando como metáfora das atribulações emocionais experimentadas pelas personagens. Entre o tom indiscutivelmente adulto e o tom duvidosamente infantil, em “El Laberinto del Fauno” a fantasia complementa a realidade, simultaneamente reforçando e atenuando o seu impacto.


“El Laberinto del Fauno” faz uso da figura circular não apenas na narrativa, mas também visualmente através da repetição, dos reflexos e da memória perdida. De um lado está Ofelia, que tenta recuperar o passado que esqueceu, do outro está o capitão Vidal cujo maior temor é ser esquecido.


Este é um filme altamente parcial, onde todos os desalmados militares estão do lado do mal e a heróica resistência republicana do lado do bem. Tendo em conta o resultado histórico dos acontecimentos, só resta a defesa da liberdade de pensamento como única arma contra uma opressão que visa eliminar qualquer sinal de identidade (aliás, a violência em “El Laberinto del Fauno” não raras vezes é feita sobre os rostos das vítimas). Mas a discussão política vai do plano ideológico ao plano moral, onde a morte pode também significar libertação (vide a cena em que Vidal se barbeia).


“El Laberinto del Fauno” é uma obra de proeza técnica, com especial destaque para a fotografia (Guillermo Navarro), o design de produção (Eugenio Caballero) e a caracterização (David Martí, Montse Ribé) – todos premiados com um Oscar. Mas “El Laberinto del Fauno” utiliza o género fantástico para um fim mais profundo que a simples auto-contemplação, como sucede muitas vezes. Para isso valem também as fortes interpretações, começando no genial Sergi López (“Harry, Un Ami Que Vous Veut Du Bien”, “Dirty Pretty Things”), passando por Maribl Verdú (“Y Tú Mamá También”) até à jovem e desarmante Ivana Baquero.


“El Laberinto del Fauno” transpira um extremo romantismo, com planos lindíssimos e imagens grotescas, e com fluidas transições entre cenas que conduzem suavemente o espectador entre o mundo real e o surreal. Somos colocados perante a evidência do sonho quando Ofelia regressa ao seu quarto de uma das suas incursões ao mundo do fauno por uma porta que contraria todas as leis físicas.


Em “El Laberinto del Fauno” a beleza convive de perto com a brutalidade e a crueldade. Realidade é dor, e nós somos reais na medida em que os nossos corpos são marcados. Apenas através da dor física parece ser possível libertar a mente dos seus fantasmas. E depois de uma perseguição final que faz lembrar “The Shining” de Stanley Kubrick, a entrega de uma criança a um mundo limpo deixa-nos a sensação angustiosa e contraditória da possibilidade de felicidade mas também da hipótese de tragédia.






CITAÇÕES:


“Quiero que le llames ‘padre’, ¿me has oído? ‘Padre’... Ese hombre ha sido muy bueno con nosotras, hija. No sabes cuanto. Es una palabra, Ofelia. No es más que una palabra.”
ARIADNA GIL (Carmen)


“Capitão Vidal – Digáme, ¿Porqué no me obedeció?
Dr. Ferreiro – Es que... Obedecer, por obedecer. Así sin pensarlo... Solo lo hacen gentes como usted, Capitán.”
SERGI LÓPEZ (Capitão Vidal) e ÁLEX ANGULO (Dr. Ferreiro)



Mais sobre o deus Pan (o correspondente grego do deus romano Fauno) aqui.






realizado por Rita às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 12 de Março de 2007
The Good German **1/2

Realização: Steven Soderbergh. Elenco: George Clooney, Cate Blanchett, Tobey Maguire, Robin Weigert, Dave Power, Leland Orser, Tony Curran, Dominic Comperatore, Beau Bridges, Jack Thompson, Ravil Isyanov. Nacionalidade: EUA, 2006.





Berlim, Julho 1945. Logo após a rendição alemã, Estaline, Truman e Churchill reuniram-se na conferência de Potsdam para dividirem a Alemanha entre si. Berlim é uma cidade bombardeada. É também uma terra sem leis, onde não se pode confiar em ninguém, e pejada de jornalistas, entre os quais o correspondente Jake Geismer (George Clooney), que já tinha estado sedeado na cidade antes da guerra, onde tinha conhecido Lena Brandt (Cate Blanchett), actualmente é namorada do oficial designado para ser seu motorista em Berlim, Tully (Tobey Maguire). Tully está envolvido em negociatas no mercado negro, aproveitando as oportunidades que a guerra, ao contrário da paz, lhe trouxe. Mas é junto do general russo Sikorsky (Ravil Issykanov) que Tully vai tentar conseguir o dinheiro que precisa para ajudar Lena a sair da Alemanha, ao saber que aquele procura o falecido marido de Lena, Emil (Christian Oliver), um matemático a serviço das SS.


Baseado no livro de Joseph Kanon (2001) e adaptado por Paul Attanasio (“Quiz Show”, “Donnie Brasco”), o filme de Steven Soderbergh (“Erin Brockovich”, “Traffic”, saga “Ocean’s”) é uma homenagem ao film noir, irrepreensível em termos de estilo e de ambiente. Soderbergh filmou “The Good German” como se estivesse de facto em 1945, utilizando os materiais e aparelhos disponíveis na altura, bem como imagens de arquivo. Do genérico inicial ao poster, o visual é consistentemente anos 40, passando pela dupla de protagonistas, em especial Blanchett que até no sotaque faz lembrar Marlene Dietrich (e quanto de “Casablanca” anda por ali...).


Infelizmente o filme de Soderbergh, que está também a cargo da fotografia e da montagem, sob os pseudónimos de Peter Andrews e Mary Ann Bernard, respectivamente, negligencia o conteúdo a favor da forma. As personagens têm pouca densidade, e aos actores é dado muito pouco com que trabalhar, e por muitos bonitos que sejam Clooney e Blanchett, entre eles não existe qualquer química. Aliás, “The Good German”, peca, em contraste com a profunda beleza do seu jogo de luzes e sombras, pelo vazio emocional. Enquanto a personagem de Maguire está no filme a sensação de thriller mantém-se, mas após o seu desaparecimento, este filme reduz-se a um exercício estilístico.


Também não ajuda o facto de Soderbergh nos privar de um herói típico que mova a narrativa e nos comova. Em vez disso, ele opta por nos mostrar três pontos de vista, mas é através desta mudança de perspectiva que as respostas aos mistérios vão sendo dadas. São tocadas ao de leve algumas questões morais como a possibilidade de ignorar os crimes de guerra de um indivíduo se este possuir informações que beneficiem os vencedores; ou o “roubo de cérebros” efectuado no pós-guerra entre russos e americanos como recursos para guerras futuras. Mas tudo isto carece de sentimento. “The Good German” é como uma mulher extremamente bonita que desencanta assim que se fala com ela. É uma pena Sr. Soderbergh.






CITAÇÕES:


“Whenever you say to yourself, "That's the worst thing I've ever heard ...", stick around. That's Berlin.”
TONY CURRAN (Danny)









realizado por Rita às 01:47
link do post | comentar

Sexta-feira, 9 de Março de 2007
Na Cinemateca...

... recuperam-se filmes em atraso.




PORQUE UM FILME É UM FILME É UM FILME É A VIDA




FULL FRONTAL - Vidas a Nu, de Steven Soderbergh (2002)




PORQUE AS NOSSAS EXPECTATIVAS PODEM SER A MAIOR PRISÃO DE TODAS




STROMBOLI, de Roberto Rossellini (1950)




PORQUE ATÉ NA AMORALIDADE PODE HAVER ÉTICA
(FAZER BEM E FAZER O BEM NÃO É O MESMO)




ASSASSIN(S), de Mathieu Kassovitz (1997)






realizado por Rita às 01:26
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 8 de Março de 2007
Dreamgirls **1/2

Realização: Bill Condon. Elenco: Jamie Foxx, Beyoncé Knowles, Eddie Murphy, Danny Glover, Jennifer Hudson, Anika Noni Rose. Nacionalidade: EUA, 2006.





25 anos após a sua estreia na Broadway, o musical “Dreamgirls” surge numa adaptação cinematográfica pelas mãos do argumentista de “Chicago” (2002) e realizador de “Kinsey” (2004).


“Dreamgirls” conta a história de Effie (Jennifer Hudson no papel interpretado na Broadway por Jennifer Holliday, vencedora de um prémio Tony), Deena (Beyonce Knowles) e Lorrell (Anika Noni Rose), The Dreamettes, um trio de cantoras na Detroit dos anos 60 - muito à semelhança das The Supremes. Descobertas num concurso de talentos por Curtis Taylor Jr. (Jamie Foxx), um vendedor de automóveis com ambições de agente musical, o filme acompanha a sua (tortuosa) escalada para o êxito, focando os seus romances, as suas ambições e as suas frustrações. Em determinado momento, Effie é forçada a sair do grupo e Deena assume a liderança, ao mesmo tempo que o seu manager tenta acomodar o estilo das The Dreamettes às mudanças musicais dos anos 70. Em pano de fundo está o movimento de direitos civis que marcou essa época dos Estados Unidos.


Desengane-se quem está à espera de puro divertimento, “Dreamgirls” é um filme sentimental até à medula, que explora sem pudor as emoções do espectador. Um dos exemplos disso é a canção “And I Am Telling You I’m Not Going”, um dos momentos mais fortes do filme, que é arrastada até à exaustão da intérprete Jennifer Hudson e do espectador. Ao contrário de “Chicago”, a músicas que em “Dreamgirls” são utilizadas fora do espectáculo, isto é, como diálogo entre as personagens, surgem forçadas e com um conteúdo tremendamente previsível.


Em termos de história, teria sido interessante ver aprofundada a questão dos roubos musicais que músicos brancos (dos quais Elvis Presley é apenas um exemplo) faziam da música negra. Infelizmente, um tema tão soturno, iria escurecer os luxuriantes guarda-roupa de Sharen Davis e fotografia de Tobias A. Schliessler. Independentemente do fraco argumento, Bill Condon tem uma forte noção estética, e “Dreamgirls” tem momentos verdadeiramente bonitos, como é o caso do movimento circular da câmara em torno de uma personagem - e usado pelo menos duas vezes ao longo do filme - fazendo uma elipse temporal e espacial.


Mas onde “Dreamgirls” surpreende verdadeiramente, sobretudo pelas fracas expectativas, é nas interpretações (exceptuando a unidimensionalidade da personagem de Foxx). Eddie Murphy, no papel de uma estrela auto-destrutiva, James ‘Thunder’ Early (uma aproximação a James Brown, quem diria que Murphy sabia cantar?) está de tirar a respiração. Por outros motivos, também Beyoncé Knowles (uma sessão fotográfica cola-a na perfeição ao visual de Diana Ross). Aquela que poderia facilmente ser a personagem mais detestável do filme é, graças a Knowles, de uma timidez e simplicidade desarmantes. Muito à semelhança da sua própria humildade em aceitar um papel num filme que dá mais protagonismo a uma estreante do que a ela mesma. Chega-se, pois, à forte interpretação (não só musical) da estreante Jennifer Hudson, a tão falada excluída do programa de talentos "American Idol" e ainda mais falada vencedora do Oscar de Melhor Actriz Secundária. Com uma voz impressionantemente forte e segura ela entrega-se a Eddie de uma forma audaciosa e comovente. (Atenção também à voz de Anika Noni Rose, o terceiro e mais negligenciado elemento do grupo.)


Bumpy road to success. Happy ending. No surprises...






CITAÇÕES:


“Deena, you know why I chose you to sing lead? Because your voice... has no personality. No depth. Except for what I put in there.”
JAMIE FOXX (Curtis Taylor Jr.)






realizado por Rita às 20:33
link do post | comentar

Quarta-feira, 7 de Março de 2007
Notes on a Scandal ***1/2

Realização: Richard Eyre. Elenco: Judi Dench, Cate Blanchett, Bill Nighy, Andrew Simpson, Juno Temple, Max Lewis. Nacionalidade: Reino Unido, 2006.





Barbara Covett (Judi Dench) é professora de história num liceu de Londres. Barbara é uma mulher solitária a quem os anos trouxeram uma elevada dose de cinismo e para ela a educação reduz-se a um controlo de uma população juvenil com um futuro cheio de limitações. A chegada à escola de Sheba Hart (Cate Blanchett), uma nova professora de arte, proporciona a Barbara a possibilidade de uma nova amizade. Quando Barbara descobre que Sheba tem um caso com um aluno seu de 15 anos (Andrew Simpson), ela aproveita esse segredo em comum para se aproximar ainda mais de Sheba e exercer o seu poder sobre ela, através de uma chantagem emocional e de um pesado jogo psicológico.


O argumento de Patrick Marber (“Closer”), com base no livro de Zoë Heller, “What Was She Thinking: Notes on a Scandal”, é uma visão perturbante sobre o efeito tóxico da solidão crónica, mesmo quando esta é vivida no seio de uma família. Barbara percebe que, pela partilha deste segredo que pode destruir a família e a vida de Sheba, tem a oportunidade de extorquir de Sheba uma amizade sem limites. Sheba é obrigada a jurar que irá terminar o romance, mas à sua vontade falta-lhe a força. Perante esta nova traição, a raiva e o ciúme impelem Barbara a tomar medidas mais drásticas.


O filme de Richard Eyre (“Iris”, 2001) beneficia de personagens profundas e desenhadas em detalhe, interpretadas com ferocidade por uma Cate Blanchett (“The Aviator”, “Babel”) de intensa beleza e à beira do colapso nervoso e uma Judi Dench (“Mrs. Henderson Presents”, “Casino Royale”) simultaneamente ameaçadora e vulnerável, que, do alto dos seus 72 anos abdica de toda a vaidade. A par desta dupla está Bill Nighy, cuja interpretação tem um peso dificilmente comparável ao cantor Billy Mack de “Love Actually” (2003) ou ao pirata Davy Jones em “Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest” (2006).


A narrativa move-se ao ritmo da narração de Barbara, que descreve subjectivamente os acontecimentos da sua vida num diário, adensando a atmosfera claustrofóbica de uma obsessiva, possessiva e retorcida forma de amar. Apesar da cena final quebrar a força de um final que se queria mais dúbio, o texto de “Notes on a Scandal” é belíssimo e impregnado de humor inteligente. Quando às emoções, as mais fortes decorrem no apartamento de Barbara, onde a música de Phillip Glass coloca os nossos nervos em ponto de ebulição e onde temos o prazer de ver contracenar duas actrizes de excepção.


Como conselho paternal fica o “cuidado com o desnível”, aquele que se abre – por vezes, perigosamente – entre a vida que construímos e aquela que imaginámos. Como ansiedade final fica a tendência patológica do ser humano procurar o seu sentido nesta e não naquela.






CITAÇÕES:


“My father always said ‘mind the gap’. The distance between life as you dream it and... life as it is.”
CATE BLANCHETT (Sheba Hart)


“Barbara Covett – Do you know much about wine?
Richard Hart – I know I like drinking it!”
JUDI DENCH (Barbara Covett) e BILL BIGHY (Richard Hart)


“We are bound by the secrets we share.”
JUDI DENCH (Barbara Covett)


“Judas had the dignity to hang himself, but only according to Matthew, the most sentimental of the apostles.”
JUDI DENCH (Barbara Covett)






realizado por Rita às 02:37
link do post | comentar

Terça-feira, 6 de Março de 2007
Zwartboek - Livro Negro **

Realização: Paul Verhoeven. Elenco: Carice van Houten, Halina Reijn, Thom Hoffman, Jochum ten Haaf, Peter Blok, Derek DeLint, Sebastian Koch, Christian Berkel, Waldemar Kobus, Dolf DeVries, Michiel Huisman, Ronald Armbrust. Nacionalidade: Holanda / Bélgica / Reino Unido / Alemanha, 2006.





Duas mulheres encontram-se num kibutz em Israel em 1956, a partir daí um longo flashback conduz-nos ao passado de uma delas, Rachel Stein (Carice van Houten), uma cantora judia que, no final da Segunda Guerra Mundial, se encontra refugiada na casa de uma família cristã da Holanda rural. Depois da destruição do seu esconderijo e sem família, ela acaba por se juntar a uma célula da resistência holandesa comandada por Gerben Kuipers (Derek de Lint, que a minha retina guardou da série televisiva “China Beach”). Aí, disfarçando-se de loura ariana, ela assume a identidade Ellis de Vries e, seduzindo o oficial alemão Ludwig Müntze (Sebastian Koch, “Das Leben der Anderen”), consegue infiltrar-se no seu escritório e obter informações para os seus companheiros. Fora dos seus planos estava, no entanto, o amor.


O realizador de “RoboCop” (1987), “Total Recall” (1990), “Basic Instinct” (1992), “Showgirls” (1995) e “Starship Troopers” (1997), regressa às raízes holandesas com “Zwartboek”, um filme inspirado em eventos reais que se debruça sobre o vasto limbo de nuances morais que, por via da guerra, se estende entre as definições de bem e mal (um exemplo disso é o do advogado Wim Smaal (Dolf DeVries) que negoceia com os nazis pela libertação de prisioneiros da resistência).


Misturando o político e o pessoal, no longo trabalho dos co-argumentistas Verhoeven e Gerard Soeteman, testam-se amizades e lealdades face a interesses pessoais e ao instinto de sobrevivência. O bem e o mal mostram-se exteriores aos actos, que podem ser ambas as coisas dependendo de quem os vê e desde que lugar. Neste jogo duplo, o sexo é usado como moeda de troca e como forma de poder.


Mas apesar das interpretações capazes de Carice van Houten, Sebastian Koch e Thom Hoffman (Hans Akkermans, “Dogville”) no papel de líder da resistência, “Zwartboek” opta por soluções muito pouco originais e que, em pouco tempo, o farão desaparecer da memória do espectador. O sentimento é puxado por vezes ao exagero, tornando-o ainda mais pesado do que as suas duas horas e meia de duração. E nem as diversas viragens na narrativa conseguem justificar a nossa atenção, não fosse a câmara de Karl Walter Lindenlaub estar completamente apaixonada pelas desconcertantes naturalidade e beleza de van Houten.


O final não apresenta resoluções, mostrando a mesma ambiguidade que a moral destes indivíduos, que tentam confusamente lidar com a inocência, o desespero, a sua vontade e a sua ideologia. Na euforia do pós-guerra, a chocante vontade de vingança mostra que as lições não foram aprendidas, e que do mal dificilmente se pode gerar qualquer outra coisa. Nos sobreviventes sobra a culpa.






realizado por Rita às 01:19
link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 5 de Março de 2007
FamaFest 2007




Entre os dias 16 e 24 deste mês, terá lugar a 9ª edição do Festival Internacional de Cinema de Famalicão, focado nas relações da Sétima Arte com a Literatura. Os filmes a concurso estarão divididos nas seguintes secções:

I. ADAPTAÇÕES DE OBRAS LITERÁRIAS
II. BIOGRAFIAS E DOCUMENTÁRIOS SOBRE TEMAS LITERÁRIOS
III. ADAPTAÇÕES DE OBRAS LITERÁRIAS PARA CRIANÇAS E JOVENS


Entre os dias 16 e 18 terá também lugar o I Encontro de Blogues de Cinema, que contará com um workshop sobre “As Vanguardas Cinematográficas nas Décadas de 20 a 40”.






realizado por Rita às 00:16
link do post | comentar

Sexta-feira, 2 de Março de 2007
Letters From Iwo Jima ****

Realização: Clint Eastwood. Elenco: Ken Watanabe, Kazunari Ninomiya, Tsuyoshi Ihara, Ryo Kase, Shido Nakamura, Hiroshi Watanabe, Takumi Bando, Yuki Matsuzaki, Takashi Yamaguchi, Eijiro Ozaki, Nae, Nobumasa Sakagami. Nacionalidade: EUA, 2006.





No seguimento de “Flags Of Our Fathers” surge “Letters From Iwo Jima”, a segunda parte do díptico de Clint Eastwood sobre a batalha de Iwo Jima.


Um grupo de soldados japoneses prepara-se para o ataque americano à ilha cavando trincheiras no meio da praia da ilha de Iwo Jima. Sabendo que esse será o primeiro lugar a ser arrastado no ataque americano, o seu novo líder ordena que se façam túneis na montanha, onde terão uma melhor posição para combater o inimigo e proteger a ilha e, consequentemente, o Japão. Após a batalha de Saipan, os contingentes da Marinha Imperial e Força Aérea japonesas cancelam quaisquer reforços para a ilha. Em desvantagem numérica, sem comida e água, assolados pela desinteria, a morte destes homens torna-se uma realidade iminente.


Olhando pelo lado japonês, Clint Eastwood humaniza o inimigo americano através de três personagens: o general a cargo da defesa da ilha, Tadamichi Kuribayashi (Ken Watanabe); um ex-padeiro convocado para a guerra, Saigo (Kazunari Ninomiya); e um ex-atleta olímpico, o Tenente Baron Nishi (Tsuyoshi Ihara). São sobretudo as cartas dos dois primeiros às suas mulheres que dão nome ao filme. Embora estas missivas não sejam o motor da narrativa são essenciais para a caracterização destas personagens.


“Letters from Iwo Jima” é um filme mais forte que “Flags of our Fathers”, e é aquele que dá ao conjunto o seu peso devido (evidenciando as poucas diferenças que existem entre os homens que se enfrentam numa guerra). Da mesma forma que os japoneses mal aparecem em “Flags of our Fathers”, a presença dos americanos neste filme é também reduzida. Mas enquanto o primeiro lidava sobretudo com os efeitos (e custos) do pós-guerra, o segundo debruça-se mais profundamente sobre a realidade da guerra, a tragédia de morrer sem um motivo válido, a reacção perante a inevitabilidade (“O que vou fazer depois de morreres?”, pergunta a mulher de Saigo quando ele é recrutado) e o conceito de honra (onde entra o ritual suicídio).


O argumento de Iris Yamashita e Paul Haggis baseia-se na correspondência do real General Kuribayashi, publicada postumamente, um homem cuja anterior experiência na América lhe truxe uma visão do mundo que chocava com a propaganda imperialista do seu país. O erguer da bandeira no Monte Suribachi pelos americanos, a imagem que serve de ponto de partida para o filme anterior, é aqui visto do outro lado da História.


A escuridão da fotografia de Tom Stern, entre os cinzentos e os castanhos, constrói o ambiente de tragédia e resignação. Os rasgos de cor surgem fora da guerra, ou então no fogo das explosões e muito marcadamente no sol vermelho da bandeira japonesa.


Clint Eastwood revela uma segurança desarmante na realização. As ferozes imagens de batalha são brilhantemente filmadas, com a mesma intensidade da compaixão que revela perante as emoções. Sem actos heróicos, “Letters From Iwo Jima” é um filme silenciosamente corajoso e comovente.






CITAÇÕES:


“Parabéns, o seu marido vai para a guerra!”


“É estranho, prometi lutar até à morte pela minha família, mas só de pensar nela torna-se difícil cumprir a promessa.”
KEN WATANABE (General Tadamichi Kuribayashi)






realizado por Rita às 01:30
link do post | comentar

Quinta-feira, 1 de Março de 2007
The Good Shepherd **1/2

Realização: Robert De Niro. Elenco: Matt Damon, Angelina Jolie, Robert De Niro, Alec Baldwin, John Turturro, William Hurt, Billy Crudup, Tammy Blanchard, Michael Gambon, Eddie Redmayne, John Sessions, Timothy Hutton, Lee Pace, Keir Dullea, Martina Gedeck, Mark Ivanir, Gabriel Macht, Joe Pesci, Oleg Stefan. Nacionalidade: EUA, 2006.





A celeuma à volta de “The Good Shepherd” prende-se essencialmente com o nome de Robert De Niro na realização (pelo menos foi essa a minha motivação.) O seu nome trouxe para o projecto uma série de nomes sonantes (William Hurt, Michael Gambon, Alec Baldwin, Billy Crudup, John Turturro, Timothy Hutton, Angelina Jolie, Joe Pesci, e até uma fugaz aparição de Keir Dullea – “2001: A Space Odyssey”), o que não significa necessariamente uma série de interpretações memoráveis.


De Niro revela a destreza de quem está dentro do assunto há muito tempo – com algumas soluções esteticamente muito bem conseguidas –, mas o argumento de Eric Roth (co-argumentista de "The Insider” de Michael Mann e de “Munich” de Steven Spielberg) deixa bastante a desejar quer em termos do desenho das personagens quer em termos narrativos.


“The Good Shepherd” é uma versão ficcional do nascimento da CIA e dos seus primeiros ano de actividade, centrando a sua acção em torno de personagem de Matt Damon, Edward Wilson, que se baseia livremente numa composição de diversos intervenientes reais da história da agência, entre os quais James Jesus Angleton, um antigo director de contra-informação.


Abril 1961. O Senador Philip Allen (William Hurt) encarregue de reportar directamente ao Presidente, quer resposta de Wilson, pois dada a elevada confidencialidade da operação, a fuga de informação deverá ter vindo de uma alta patente da agência. Wilson recebe uma fotografia e uma fita áudio de uma fonte anónima e que deverá estar na raiz do falhanço americano da Invasão da Baía dos Porcos em Cuba.


O primeiro de muitos flashbacks leva-nos para os tempos da universidade Yale, a entrada de Wilson na fraternidade Skull & Bones, a sua relação com uma colega surda (Tammy Blanchard), o convite para fornecer informações sobre um dos seus professores (Michael Gambon), suspeito de actividades nazis, o seu casamento com Clover (Angelina Jolie), e a sua imediata saída para o estrangeiro numa operação do Office of Strategic Services (OSS), e o posto de director de contra-informação na recém criada Central Intelligence Agency (CIA).


Edward Wilson poderia ser simplesmente um homem duro, mas a personagem de Damon é tão hermética e sem emoções que as suas relações mas íntimas se tornam pouco credíveis, dificultando gravemente a empatia do espectador. E os dilemas morais que ele é forçado a enfrentar não compensam o seu fraco arco evolutivo e a sua previsibilidade.


Com saltos temporais nem sempre facilmente identificáveis, “The Good Shepherd” torna-se confuso em vez de misterioso. Sugestões que parecem prometer revelações importantes, revelam-se frustrantes, como é o caso da carta deixada pelo pai de Wilson (e que parecia ser o seu “Rosebud”), o tempo perde-se em cenas dispensáveis como os rituais da fraternidade. Mas “The Good Shepherd” tem um visual sofisticado e uma aura de máfia que consegue, apesar de tudo, ir alimentando o nosso imaginário. E as cenas partilhadas entre Damon e Oleg Stefan, no papel de Ulysses (nome de código do seu homólogo russo) compensam em tensão o tom morno que sobra para o resto.


Mas não deixa de ser um pouco deprimente que num filme de espiões – haverá profissão com uma mística mais sedutora? – todos passem a vida a lamentarem-se por não terem amigos verdadeiros e não poderem confiar em ninguém.






CITAÇÕES:


“I want this… to be the eyes and ears of our country, not the heart and soul.”
ROBERT DE NIRO (Bill Sullivan)


“Hello, I believe you know me as Ulysses. Do you know what our code name is for you... it's "Mother". Yes, they said you were the quiet type. But your silence speaks volumes, what is the saying? "Your silence is deafening," yes that is it. You will be a great adversary Mother, hopefully for many years.”
OLEG STEFAN (Ulysses)


“You know what I tell people when they ask why I don't use the word "the" when I talk about CIA? Do you put a "the" in front of God?”
LEE PACE (Richard Hayes)






realizado por Rita às 00:11
link do post | comentar | ver comentários (1)

Cinefools
RITA, MIGUEL, SÉRGIO, NUNO,
VASCO, LUÍS,
efeitos visuais por S.
Citação

“When morals decline and good men do nothing evil flourishes.”
LEONARDO DICAPRIO (J. Edgar Hoover) in J. EDGAR, de Clitn Eastwood
Banda sonora

PILEDRIVER WALTZ – Alex Turner
in “Submarine” de Richard Ayoade (2010)
Artigos recentes

Dos vícios antigos se faz...

Dos vícios antigos se faz...

Reavivar com música XIV

Reavivar com música XIII

Reavivar com música XII

Dos vícios antigos se faz...

Porque a cultura nunca fe...

E dia 30, no Porto, tudo ...

Reavivar com música XI

Reavivar com música X


NOTÍCIAS

OPINIÕES

Filmes
#
$9.99
(500) Days of Summer
12:08 A Este de Bucareste
127 Hours
13 (Tzameti)
1408
16 Blocks
2 Days in Paris
2046
21
21 Grams
25 Watts
3... Extremos
300
4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias
4ème Morceau de la Femme Coupée en Trois, Le
50/50
5x2
9 Songs

A
À l’Origine
À Tout de Suite
Aaltra
Abrazos Rotos, Los
Adam
Adeus, Dragon Inn
Ae Fond Kiss
Affaire Farewell, L’
Afterschool
Agents Secrets
Agony and the Ecstasy of Phil Spector, The
Ágora
After.Life
Alatriste
Albert Nobbs
Alex
Alexander
Alfie
Alice In Wonderland
All The Invisible Children
Amants Réguliers, Les
American, The
American Gangster
American Splendor
Amor Idiota
Amours Imaginaires, Les
An Education
An Obsession
Ana Y Los Otros
Anche Libero Va Bene
Angel-A
Anges Exterminateurs, Les
Answer Man, The
Anthony Zimmer
Antichrist
Apocalypto
Approaching Union Square
Après Vous...
Arnacoeur, L’
Arsène Lupin
Artist, The
Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, The
Assassination of Richard Nixon, The
Astronaut Farmer, The
Asylum
Atonement
Ausentes
Aventures Extraordinaires d'Adèle Blanc-Sec, Les
Aviator, The
Away We Go
Azuloscurocasinegro

B
Baader-Meinhof Komplex, Der
Babel
Babies
Backstage
Ballad of Jack and Rose, The
Banquet, The
Barney’s Version
Basic Instinct 2
Batman Begins
Battle in Seattle
Be Kind Rewind
Bee Movie
Before Sunset
Before the Devil Knows You’re Dead
Beginners
Being Julia
Belle Bête, La
Belleville Rendez-Vous
Big Bang Love, Juvenile A
Big Fish
Birth - O Mistério
Black Swan
Blade Runner
Blindness
Blood Diamond
Blue Valentine
Boat That Rocked, The
Bobby
Body of Lies
Bocca del Lupo, Las
Borat
Born Into Brothels
Bourne Ultimatum, The
Box, The
Boxing Day
Boy in the Striped Pyjamas, The
Boys are Back, The
Brave One, The
Breach
Breakfast on Pluto
Breaking and Entering
Brick
Brokeback Mountain
Broken Flowers
Brothers Bloom, The
Brothers Grimm, The
Brüna Surfistinha
Brüno
Burn After Reading
Butterfly Effect

C
Caché
Caimano, Il
Camping Sauvage
Candy
Canino - Kynodontas
Capitalism: A Love Story
Capote
Caramel
Carandiru
Carlos
Carnage
Carne Fresca, Procura-se
Cartouches Gauloises
Casanova
Casino Jack
Casino Royale
Caos Calmo
Castro
C’est Pas Tout à Fait la Vie Dont J’avais Rêvé
Chamada Perdida, Uma
Changeling
Chansons d’Amour
Chaos
Chaos Theory
Charlie and the Chocolate Factory
Charlie Wilson's War
Che: El Argentino
Che: Guerrilla
Chefe Disto Tudo, O - Direktøren for det Hele
Chico & Rita
Children of Men
Chloe
Choke
City of Life and Death
Client 9: The Rise and Fall of Eliot Spitzer
Climas - Iklimer
Closer - Perto Demais
Cloudy With A Chance Of Meatballs
Coco Avant Chanel
Cœurs
Coffee and Cigarettes
Coisa Ruim
Cold Souls
Collateral
Collector, The
Combien Tu M’Aimes?
Comme une Image
Concert, Le
Condemned, The
Constant Gardener, The
Control
Copying Beethoven
Corpse Bride
Couperet, Le
Couples Retreat
Crash
Crazy, Stupid, Love.
Crimen Ferpecto
Crimson Gold
Crónicas
Crónicas de Narnia, As
Curious Case of Benjamin Button, The
Curse of the Golden Flower

D
Da Vinci Code, The
Dangerous Method, A
Dans Paris
Darjeeling Limited, The
Dark Knight, The
De Tanto Bater o Meu Coração Parou
Dead Girl, The
Dear Wendy
Death of Mr. Lazarescu, The
Death Proof (S), Death Proof (R)
Debt, The
Deixa-me Entrar
Déjà Vu
Delirious
Departed, The
Descendants, The
Despicable Me
Derailed
Destricted
Dialogue Avec Mon Jardinier
Diarios de Motocicleta
Die Hard 4.0
Disturbia
Do Outro Lado
Don’t Come Knocking
Dorian Gray
Doublure, La
Drama/Mex
Drawing Restraint 9
Dreamgirls
Dreams on Spec
Drive

E
Eamon
Eastern Promises
Easy Rider
Edge of Love, The
Educación de las Hadas, La
Edukadores, Os
Elegy
Elizabeth: The Golden Age
Elizabethtown
En la Cama
Enfant, L’
Ensemble, C’est Tout
Enter The Void
Entre Les Murs
Entre os Dedos
Entre Ses Mains
Eternal Sunshine of the Spotless Mind
Être et Avoir
Eu Servi o Rei de Inglaterra
Evening
Everything is Illuminated
Exit Through the Gift Shop
Extremely Loud & Incredibly Close

F
Factory Girl
Fahrenheit 9-11
Family Stone, The
Fantastic Mr. Fox
Fast Food Nation
Faute à Fidel, La
Ferro 3
Fighter, The
Fille Coupée en Deux, La
Fille du Juge, La
Fils de L’Épicier, Le
Final Cut, The
Find Me Guilty
Finding Neverland
Fish Tank
Five Minutes of Heaven
Flags Of Our Fathers
Flores de Otro Mundo
Flushed Away
Fountain, The
Forgotten, The
Fracture
Frágeis
Frank Zappa - A Pioneer of the Future of Music Part I & II
Frankie
Freedomland
Fresh Air
Frost/Nixon
Frozen Land

G
Gabrielle
Gainsbourg (Vie Héroïque)
Garden State
Géminis
Genesis
Gentille
George Harrison: Living in the Material World
Get Smart
Gigantic
Ghost Dog - O Método do Samurai
Ghost Town
Ghost Writer, The
Girl From Monday, The
Girl With a Pearl Earring
Girlfriend Experience, The
Go Go Tales
Gomorra
Gone Baby Gone
Good German, The
Good Night, And Good Luck
Good Shepherd, The
Good Year, A
Graduate, The
Graine et le Mulet, La
Gran Torino
Grande Silêncio, O
Gravehopping
Green Lantern
Grbavica

H
Habana Blues
Habemus Papam
Habitación de Fermat, La
Half Nelson
Hallam Foe
Hanna
Happening, The
Happy Endings
Happy-Go-Lucky
Hard Candy
Harsh Times
He Was a Quiet Man
Hedwig - A Origem do Amor
Héctor
Hellboy
Hellboy II: The Golden Army
Help, The
Herbes Folles, Les
Hereafter
History of Violence, A
Hoax, The
Holiday, The
Home at the End of the World, A
Host, The
Hostel
Hotel Rwanda
Hottest State, The
House of the Flying Daggers
How To Lose Friends & Alienate People
Howl
Humpday
Hunger
Hurt Locker, The
Hustle & Flow
I
I Am Legend
I Could Never Be Your Woman
I Don’t Want To Sleep Alone
I Heart Huckabees
I Love You Phillip Morris
I’m Not There
I’m Still Here
Ice Age - The Meltdown
Ice Harvest, The
Ides of March, The
If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front
Illusionist, The
Illusioniste, L’
Ils Ne Mouraient Pas Tous Mais Tous Étaient Frappés
Imaginarium of Doctor Parnassus, The
Immortel (ad vitam)
In a Better World - Hævnen
In Bruges
In Good Company
In Her Shoes
In The Loop
In the Valley of Elah
In Time
Inception
Inconvenient Truth, An
Incredible Hulk, The
Incredibles, The
Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull
Indigènes - Dias de Glória
Infamous
Informant!, The
Informers, The
Inglourious Basterds
Inland Empire
Inner Life of Martin Frost, The
Inside Man
Intermission
Interpreter, The
Interview
Into the Wild
Introspective
Io Sono L’Amore
Iron Lady, The
Iron Man
Island, The
It Happened Just Before
It Might Get Loud
Ivresse du Pouvoir, L’

J
J. Edgar
Jacket, The
Japanese Story
Jarhead
Je Ne Suis Pas La Pour Être Aimé
Je Préfère Qu’on Reste Amis
Jeux d’Enfants
Jindabyne
Julie & Julia
Juno
Just Like Heaven
Juventude em Marcha

K
Kids Are All Right, The
Kill List
King Kong
King’s Speech, The
Kiss Kiss Bang Bang
Klimt
Knight and DayKovak Box, The

L
Laberinto del Fauno, El
Lady in the Water
Lake House, The
Land of Plenty
Lars and the Real Girl
Last King of Scotland, The
Last Kiss, The
Last Night
Last Station, The
Leatherheads
Letters From Iwo Jima
Levity
Libertine, The
Lie With Me
Life Aquatic with Steve Zissou, The
Life During Wartime
Life is a Miracle
Lions For Lambs
LIP, L’Imagination au Pouvoir, Les
Lisboetas
Little Children
Little Miss Sunshine
Livro Negro - Zwartboek
Left Ear
Lonely Hearts
Long Dimanche de Fiançailles, Un
Lost in Translation
Lou Reed's Berlin
Louise-Michel
Love Conquers All
Love and Other Drugs
Love in the Time of Cholera
Love Song for Bobby Long, A
Lovebirds, The
Lovely Bones, The
Lucky Number Slevin
Luna de Avellaneda
Lust, Caution

M
Machete
Madagascar
Made in Dagenham
Mala Educación, La
Malas Temporadas
Mammuth
Man About Town
Man On Wire
Management
Manuale d’Amore
Maquinista, O
Mar Adentro
Margin Call
Margot at the Wedding
Maria Cheia de Graça
Marie Antoinette
Martha Marcy May Marlene
Mary
Match Point
Me And You And Everyone We Know
Meek's Cutoff
Melancholia
Melinda and Melinda
Memórias de uma Geisha
Men Who Stare at Goats, The
Método, El
Mi Vida Sin Mí
Michael Clayton
Micmacs à Tire Larigot
Midnight in Paris
Milk
Million Dollar Baby
Mio Fratello è Figlio Unico
Moine, Le
Momma’a Man
Moneyball
Monster
Moon
Morning Glory
Mother (Madeo)
Mother, The
Moustache, La
Mozart and the Whale
Mrs Henderson Presents
Mujer Sin Cabeza, La
Munique
Music & Lyrics
My Blueberry Nights
My Week With Marilyn
My Son, My Son, What Have Ye Done
Mysterious Skin

N
Nana, La
Nathalie
Ne Le Dis À Personne
Ne Te Retourne Pas
NEDS
New World, The
Ni pour, ni contre (bien au contraire)
Niña Santa, La
Night Listener, The
Night on Earth
Nightmare Before Christmas, The
Ninguém Sabe
No Country For Old Men
No Reservations
No Sos Vos, Soy Yo
Nombres de Alicia, Los
North Country
Notes on a Scandal
Number 23, The

O
Ocean’s Thirteen
Odore del Sangue L’
Offside
Old Joy
Oldboy
Oliver Twist
Once
Onda, A - Die Welle
Ondine
Orgulho e Preconceito
Orly

P
Pa Negre (Pan Negro)
Painted Veil, The
Palais Royal!
Para Que No Me Olvides
Paradise Now
Paranoid Park
Parapalos
Paris
Paris, Je T’Aime
Passager, Le
Passenger, The (Professione: Reporter)
Patti Smith - Dream of Life
Perder Es Cuestión de Método
Perfume: The Story of a Murderer
Persépolis
Personal Velocity
Petite Lili, La
Piel Que Habito, La
Pink
Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest
Planet Terror
Playtime
Please Give
Post Mortem
Poupées Russes, Les
Prairie Home Companion, A
Precious: Based on the Novel ‘Push’ by Sapphire
Prestige, The
Presunto Culpable
Pretty In The Face
Prophète, Un
Promeneur du Champ de Mars, Le
Promotion, The
Proof
Proposition, The
Prud'Hommes
Public Enemies

Q
Quantum of Solace
Quatro Noites Com Anna
Queen, The
Quelques Jours en Septembre
Qui M’Aime Me Suive

R
Rabia
Rachel Getting Married
Raison du Plus Faible, La
Ratatouille
Re-cycle
Reader, The
Red Eye
Red Road
Redacted
Refuge, Le
Religulous
Reservation Road
Reservoir Dogs
Resident, The
Restless
Revenants, Les
Revolutionary Road
Ring Two, The
Road, The
Road To Guantanamo, The
Rois et Reine
Rôle de sa Vie, Le
Romance & Cigarettes
Rubber
Rum Diary, The
S
Sabor da Melancia, O
Safety of Objects, The
Salt
Salvador (Puig Antich)
Samaria
Sauf Le Respect Que Je Vous Dois
Savages, The
Saw
Saw II
Saw III
Scaphandre et le Papillon, Le
Scanner Darkly, A
Science des Rêves, La
Sconosciuta, La
Scoop
Scott Pilgrim vs. The World
Secret Window
Secreto de Sus Ojos, El
Selon Charlie
Sem Ela...
Semana Solos, Una
Señora Beba
Sentinel, The
Separação, Uma - Jodaeiye Nader az Simin
Séptimo Día, El
Séraphine
Seres Queridos
Serious Man, A
Sex is Comedy
Sexualidades - En Soap
S&Man
Shady Grove
Shame
Shattered Glass - Verdade ou Mentira
She Hate Me
Shooting Dogs
Shopgirl
Shortbus
Shrek 2
Shrek The Third
Shrink
Shutter Island
Sicko
Sideways
Silence de Lorna, Le
Silk
Simpsons Movie, The
Sin City
Single Man, A
Sky Captain and the World of Tomorrow
Slumdog Millionaire
Smart People
Social Network, The
Soeurs Fâchées, Les
Soledad, La
Solitudine dei Numeri Primi, La
Somewhere
Son of Rambow
Sonny
Snow
Snow Cake
Spanglish
Spread
Squid and the Whale, The
Star Trek
Still Life
Stop Making Sense
Stranger Than Fiction
Strings
Submarine
Sunshine
Super 8
Sweeney Todd
Syriana

T
Tabloid
Tarnation
Tartarugas Também Voam, As
Taxidermia
Te Doy Mis Ojos
Temps du Loup, Le
Temps Qui Changent, Les
Temps Qui Reste, Le
Temporada de Patos
Teta Asustada, La
Thank You For Smoking
There Will Be Blood
This Is England
This Movie Is Broken
This Must Be The Place
Thirst
Thor
Three Burials of Melquiades Estrada, The
Thumbsucker
Tideland
Tigre e la Neve, La
Time Traveler's Wife, The
Tinker, Tailor, Soldier, Spy
To Take A Wife
Todos os Outros – Alle Anderen
Tonite Let's All Make Love in London
Tournée
Toy Story 3
Transamerica
Transsiberian
Travaux, On Sait Quand Ça Commence
Tree of Life, The
Très Bien, Merci
Três Macacos, Os
Trilogia Lucas Belvaux
Triple Agent
Tristram Shandy: A Cock and Bull Story
Tropa de Elite
Tropa de Elite 2
Tropic Thunder
Tropical Malady
Trust the Man
Tsotsi
Tueur, Le

U
United States of Leland
Unknown
Untergang, Der - A Queda
Up
Up In The Air

V
V For Vendetta
Vacancy
Valkyrie
Valsa com Bashir
Vanity Fair
Vantage Point
Vera Drake
Vers Le Sud
Vicky Cristina Barcelona
Vida Secreta de las Palabras, La
Vidas dos Outros, As (Das Leben der Anderen)
Vie en Rose, La
Village, The
Vipère au Poing
Visitor, The
Viva
Volver

W
Walk Hard: The Dewey Cox Story
Walk the Line
WALL-E
War, Inc.
War of the Worlds
Wassup Rockers
Waste Land - Lixo Extraordinário
Watchmen
What a Wonderful Place
What the #$*! Do We (K)now!?
Whatever Works
When in Rome
Where the Truth Lies
Where The Wild Things Are
Whip It
Whisky
We don’t care about music anyway…
We Dont’t Live Here Anymore
Weisse Band, Das – O Laço Branco
Wide Awake
Wilbur Wants to Kill Himself
Wind That Shakes The Barley, The
Winter’s Bone
Woman Under The Influence, A
Woodsman, The
World, The
World Trade Center
Wrestler, The

X
X-Files: I Want To Believe, The
X-Men: First Class
X-Men Origins: Wolverine

Y
Yo Soy La Juani
Young Adult
Youth in Revolt
Youth Without Youth

Z
Zack And Miri Make A Porno

Zodiac
Arquivo

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Festivais e Prémios
- FANTASPORTO
- FESTROIA
- INDIE LISBOA
- FESTIVAL DE CINEMA GAY E LÉSBICO DE LISBOA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS METRAGENS DE VILA DO CONDE
- DOCLISBOA
- CINANIMA
- CineECO
- FamaFEST
- FICA
- FESTIVAL DE CINEMA LUSO-BRASILEIRO DE SANTA MARIA DA FEIRA
- fest | FESTIVAL DE CINEMA E VÍDEO JOVEM DE ESPINHO
- CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS
- FESTIVAL DE CANNES
- LES CÉSAR DU CINEMA
- PREMIOS GOYA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE DONOSTIA - SAN SEBASTIAN
- LA BIENNALE DI VENEZIA
- FESTIVAL INTERNAZIONALE DEL FILM - LOCARNO
- INTERNATIONALE FILMSPIELE BERLIN<
- BAFTA
- LONDON FILM FESTIVAL
- EDINBURGH INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- OSCAR
- SUNDANCE FILM FESTIVAL
- GOLDEN GLOBES
- NEW YORK FILM FESTIVAL
- SAN FRANCISCO FILM FESTIVAL
- TORONTO INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- MONTRÉAL WORLD FILM FESTIVAL
- ROTTERDAM INTERNATIONAL FILM FESTIVAL