CRÍTICA E OPINIÃO SOBRE CINEMA
Sexta-feira, 30 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - VI


EXTREME WAYS - Moby
in “Bourne Supremacy” de Paul Greengrass (2004)





Extreme ways are back again
Extreme places I didn't know
I broke everything new again
Everything that I'd owned
I threw it out the windows, came along
Extreme ways I know, will part
The colors of my sea
Perfect color me

Extreme ways that help me
They help me out late at night
Extreme places I had gone
But never seen any light
Dirty basements, dirty noise
Dirty places coming through
Extreme worlds alone
Did you ever like it planned

I would stand in line for this
There's always room in life for this

Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Like it always does, always does

Extreme times that told me
They held me down every night
I didn't have much to say
I didn't get above the light
I closed my eyes and closed myself
And closed my world and never opened
Up to anything
That could get me alone

I had to close down everything
I had to close down my mind
Too many things to cover me
Too much can make me blind
I've seen so much in so many places
So many heartaches, so many faces
So many dirty things
You couldn't even believe

I would stand in line for this
It's always good in life for this

Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Then it fell apart, it fell apart
Oh baby, oh baby
Like it always does, always does





realizado por Rita às 00:46
link do post | comentar

Quarta-feira, 28 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - V


SON OF SAM - Elliott Smith
in “Antitrust” de Peter Howitt (2001)





something's happening, don't speak to soon
I told the boss off and made my move
got no where to go
son of sam, son of a shining path, the clouded mind
couple killer each and every time
I'm not uncomfortable, feeling weird
long revered options disappear
but I know what to do
son of sam, son of a doctor's touch, a nurse's love
acting under orders from above...
king for a day...
son of sam, son of a shining path, the clouded mind
couple killer running out of time
shiva opens her arms now
to make sure I don't get too far
I may talk in my sleep tonight cause I don't know what i am
I'm a little like you, more like son of sam





realizado por Rita às 02:36
link do post | comentar

Segunda-feira, 26 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - IV


MR. E BEAUTIFUL BLUES - Eels
in “Along Came Polly” de John Hamburg (2004)





The smokestack spitting black soot into the sooty sky
The load on the road brings a tear to the indian's eye
The elephant won't forget what it's like inside his cage
The ringmaster's telecaster sings on an empty stage

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The girl with the curls and the sweet pink ribbon in her hair
She's crawling out her window 'cause her daddy
He just don't care
Come on

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The clown with the frown driving down to the sidewalk fair
Finger on the trigger let me tell you gave us quite a scare

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

The kids flip their lids when their ids hear that crazy sound
My neighbor digs the flavor still he's moving to another town
And I don't believe he'll come back

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day

Well I don't know how you take in all the shit you see
No don't believe anyone and most of all
Don't believe me
Believe you

Goddamn right it's a beautiful day
Goddamn right it's a beautiful day





realizado por Rita às 00:27
link do post | comentar

Sexta-feira, 23 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - III


SAVE ME - Aimee Mann
in “Magnolia” de Paul Thomas Anderson (1999)





You look like a perfect fit
For a girl in need of a tourniquet

But can you save me
Come on and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

'Cause I can tell
You know what it's like
The long farewell of the hunger strike

But can you save me
Come on and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

You struck me dumb like radium
Like Peter Pan or Superman

You will come to save me
C'mon and save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone
'Cept the freaks
Who suspect they could never love anyone
But the freaks
Who suspect they could never love anyone

C'mon and save me
Why don't you save me
If you could save me
From the ranks of the freaks
Who suspect they could never love anyone

Except the freaks
Who suspect they could never love anyone
Except the freaks who could never love anyone





realizado por Rita às 00:12
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 21 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - II


DREAMS - The Cranberries
in “Chungking Express” de Wong Kar Wai (1994)





Oh my life is changing everyday
Every possible way
Though my dreams, it’s never quite as it seems
Never quite as it seems

I know I felt like this before
But now I’m feeling it even more
Because it came from you

Then I open up and see
The person fumbling here is me
A different way to be

I want more, impossible to ignore
Impossible to ignore
They’ll come true, impossible not to do
Impossible not to do

Now I tell you openly
You have my heart so don’t hurt me
For what I couldn’t find

Talk to me amazing mind
So understanding and so kind
You’re everything to me

Oh my life is changing everyday
Every possible way
Though my dreams, it’s never quite as it seems
’cause you’re a dream to me
Dream to me





realizado por Rita às 01:07
link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 19 de Junho de 2006
MÚSICA E CINEMA - I


GLASS, CONCRETE AND STONE - David Byrne
in “Dirty Pretty Things” de Stephen Frears (2002)





Now
I'm wakin' at the crack of dawn
to send a little money home
from here to the moon
is risin' like a discotheque
and now my bags are down and packed for traveling

Lookin' at happiness
keepin' my flavor fresh
nobody knows I guess
how far I'll go, I know
so I'm leavin' at Six O' Clock
meet in a parkin' lot
Harriet Hendershot
sunglasses on, she waits by this

Glass and concrete and stone
It is just a house, not a home.

Skin, that covers me from head to toe
except a couple tiny holes and openings
Where, the city's blowin' in and out
this is what it's all about, delightfully

Everything's possible
when you're an animal
not inconceivable
How things can change, I know

So I'm puttin' on aftershave
nothin' is out of place
gonna be on my way
Try to pretend, it's not only

Glass and concrete and stone
That it's just, not a home.
And its glass and concrete and stone

It is just a house, not a home
And my head is fifty feet high
Let my body and soul be my guide





realizado por Rita às 00:41
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 17 de Junho de 2006
Nas próximas duas semanas...


...por aqui vai haver música.

Mas não desta:








realizado por Rita às 00:48
link do post | comentar

Sexta-feira, 16 de Junho de 2006
Hard Candy ****

Realização: David Slade. Elenco: Patrick Wilson, Ellen Page, Sandra Oh, Odessa Rae. Nacionalidade: EUA, 2005.





“Hard Candy” é um daqueles filmes que vale a pena ver com o mínimo de informação possível. O efeito surpresa ampliará o choque deste sádico conto sobre um Capuchinho Vermelho decidido a vingar-se do Lobo Mau.


Jeff (Patrick Wilson) é um fotógrafo de moda de 32 anos. Hayley (Ellen Page) é uma adolescente de 14. Três semanas depois de estarem a teclar na Internet, numa conversa claramente sugestiva, Hayley propõe a Jeff conhecerem-se pessoalmente. Visivelmente agradados com a aparência física um do outro, a sedução mútua intensifica-se e, contra toda as regras do bom-senso, Hayley decide acompanhar Jeff a casa.


Hayley está decidida a provar que Jeff é um pedófilo, por muito que ele clame pela sua inocência. Da mesma forma que existe uma clara separação entre uma fantasia e levá-la a cabo (será legítimo julgar instintos?), o realizador David Slade, na sua estreia no cinema, opta, e bem, pelo terror psicológico em detrimento do visual.


Não interessa contar o resto, mas fica o aviso para eles: rapazes, este filme pode ferir a vossa susceptibilidade. A sério. E pode implicar alguns pesadelos.


“Hard Candy” é um desafio, limitando-se praticamente a um cenário e duas personagens, com nenhuma das quais é possível ao comum mortal identificar-se. Entre o sexo proibido e a vingança cega, ficamos sem perceber qual o desejo mais perigoso. Uma parte deste jogo sádico é feito com o espectador. Desconhecemos a base moral do conflito porque não sabemos quais as motivações de Hayley nem a extensão dos actos de Jeff. Mas esse desconhecimento, ao contrário de prejudicar a narrativa, acrescenta-lhe a dose certa de desconcerto.


Ellen Page (“X-Men: The Last Stand”) é uma Lolita irresistível (com 17 anos à data do filme), fazendo uso do seu poder de sedução, deliciando-se com o seu domínio sobre um homem adulto e lisonjeada com as suas atenções. Um pouco como qualquer rapariga adolescente: uma criança num corpo de mulher, utilizando o poder que a sociedade actual lhe dá de bandeja e julgando-se, arrogantemente, acima de tudo. A sua interpretação é impressionante, de tão rica e poderosa. Patrick Wilson (“Angels in America” e “The Phantom of the Opera”) é charmoso sem ser agressivo, consciente da estranheza de eles os dois juntos (diz inclusivamente que terá de esperar 4 anos por ela), mas mantendo a dose certa de perturbante mistério.


Fazendo uso, sem misericórdia, de todos os twists possíveis, que nos levam a crer, em cada momento, que encontrámos a solução, “Hard Candy” recusa-se a ser um exercício de destreza mental. Vai muito mais fundo que isso, questionando comportamentos de raiz puramente animal. Este será, certamente, o pior pesadelo para qualquer homem que tenha alguma vez cobiçado uma rapariga menor de idade.


Infelizmente, no final opta-se pela solução fácil. E não gosto mesmo nada quando um argumentista/realizador parte do princípio que sabe o que eu quero.






CITAÇÕES:


“I was expecting someone not as impressive.”
PATRICK WILSON (Jeff)


“You use the same phrases about Goldfrapp that they use on Amazon.”
ELLEN PAGE (Hayley)


“Was I born a vindictive little bitch or has society made me this way?”
ELLEN PAGE (Hayley)






realizado por Rita às 01:23
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 14 de Junho de 2006
All The Invisible Children ***


Baseado numa ideia de Chiara Tilesi, e produzido por Tilesi, Stefano Veneruso e Maria Grazia Cucinotta (sim, meninos, a própria - que também aparece por breves segundos no segmento “Ciro”), “All The Invisible Children” é um conjunto de sete retratos de infâncias desfavorecidas, de crianças exploradas, sujeitas a situações extremas de guerra, de pobreza, ou pressão psicológica.


Com os lucros destinados à UNICEF, ao Programa Alimentar da ONU, e à Cooperação Italiana para o Desenvolvimento, este projecto convidou oito realizadores dos vários continentes para contribuírem com o seu ponto de vista: Medhi Charef (África), Emir Kusturica (Sérvia-Montenegro), Spike Lee (EUA), Kátia Lund (Brasil), Jordan e Ridley Scott (Reino Unido), Stefano Veneruso (Itália) e John Woo (China).


As contribuições de Kusturica, Lee, Lund e Woo encaixam perfeitamente dentro da sua obra, e talvez por isso, nenhuma delas se torne verdadeiramente marcante. Os segmentos que, ainda assim, se salientam por uma qualidade superior são o de Kátia Lund (co-realizadora de “A Cidade de Deus”) e o de John Woo. No entanto, a perspectiva mais original acaba por ser a da equipa pai-filha Scott.


Tina Turner e Elisa interpretam conjuntamente o belíssimo tema “Teach Me Again”, elaborado expressamente para este projecto.


Ainda que como peça de cinema não faça jus aos nomes que envolve, como meio de alertar as consciências adormecidas, ou para quem pensa que os dramas da infância vão pouco além da gestão entre TPC e Morangos com Açúcar, “All The Invisible Children” merece uma olhadela.


Para que as crianças se tornem visíveis.




TANZA

Realização: Mehdi Charef. Intérpretes: Adama Bila, Elysee Rouamba, Rodrigue Ouattara, Ahmed Ouedraogo, Harouna Ouedraogo. Nacionalidade: Argélia, 2005.





Sete jovens armados lutam pela liberdade do seu povo. O mais velho tem 20 anos e lidera o grupo. Tanza (Adama Bila), de 12, juntou-se ao grupo depois da sua família ter sido massacrada. Após um encontro violento com uma patrulha militar, donde resulta a morte de um dos jovens, o grupo chega ao seu alvo, uma aldeia, onde Tanza é encarregue da colocação de uma bomba.


Sem identificação do país onde decorre a acção, Charef põe os jovens a falar (dificilmente) inglês. Mas esta abstracção, ainda que bem embrulhada na música de Rokia Traore, em vez de alargar o âmbito do filme, parece que nos distancia dele para um terreno de irrealidade.




BLUE GYPSY

Realização: Emir Kusturica. Intérpretes: Uroš Milovanovic, Dragan Zurovac, Vladan Milojevic, Goran R. Vracar, Mihona Vasic, Mita Belic, Dalibor Milenkovic, Miroslav Cvetkovic, Petar Simic. Nacionalidade: Sérvia-Montenegro, 2005.





Uroš (Uroš Milovanovic) prepara-se para sair do centro de detenção juvenil onde passou os seus últimos tempos, e onde se sente em casa. A ansiedade pela nova liberdade reveste-se, no entanto, de alguma preocupação. Uroš quer ir trabalhar com o tio como barbeiro, mas o pai de Uroš não tem intenção de abandonar o seu projecto de vida: todos os seus filhos roubam para ele.


Neste conto sobre a falta de escolha das crianças, limitadas que estão por contingências externas, Kusturica replica o seu universo (até o musical), com humor, mas sem grande novidade.




JESUS CHILDREN OF AMERICA

Realização: Spike Lee. Intérpretes: Rosie Perez, Hannah Hodson, Andre Royo, Coati Mundi, Hazelle Goodman, Damaris Edwards, Keteya Ulmer, Ashley Evans, Lavon Malik Green, Petra Quinones, Natalia Roldan, Charles Socarides, Robin Lord Taylor, Lanette Ware, Philicia Wood. Nacionalidade: EUA, 2005.





Os pais de Blanca (Hannah Hodson) são toxicodependentes. Na escola, em Brooklyn, a adolescência assume toda a sua cruel competitividade, e uma rixa na escola coloca à frente dos seus olhos uma dura realidade: Blanca é seropositiva. À ignorância e preconceito dos colegas e pais adiciona-se a confusão e o drama de lidar com a sua mortalidade.


Filmado com o realismo característico de Spike Lee, e com a mestria do murro no estômago no momento certo, o destaque interpretativo vai para a “grande” Rosie Perez.




BILU E JOÃO

Realização: Katia Lund. Intérpretes: Vera Fernandes, Francisco Anawake de Freitas. Nacionalidade: Brasil, 2005.





Nas ruas de São Paulo, Bilu e João dão o seu melhor para arranjar dinheiro, de recolher cartão e latas para vender ao peso e poderem comprar tijolos para que o pai possa construir a sua casa. Assumindo uma infância de responsabilidades, transformam a cidade no seu recreio e usam a sua imaginação para concretizar os seus objectivos. Modestos, como a realidade impõe.


As interpretações honestas de Vera Fernandes e Francisco Anawake de Freitas são a grande mais-valia desta curta sobre a realização pessoal através de pequenas tarefas.




JONATHAN

Realização: Jordan Scott e Ridley Scott. Intérpretes: David Thewlis, Kelly MacDonald, Jack Thompson, Jonathan Jordan Clarke, Joshua Light, Jake Ritzema, Kemal Chakarto. Nacionalidade: Reino Unido, 2005.





Jonathan (David Thewlis) é um foto-jornalista de guerra, desiludido com a vida e em estado de choque com a acumulação dos duros eventos a que assistiu. Num sonho de liberdade, ele regressa à sua infância e, através de uma aventura de descoberta recupera a sua fé na humanidade.


O segmento mais inesperado, pela inclusão do ponto de vista adulto, versa sobre o instinto de mútua protecção das crianças e o seu instinto de sobrevivência, que lhes permite lidar com as situações mais extremas.




CIRO

Realização: Stefano Veneruso. Intérpretes: Daniele Vicorito, Emanuele Vicorito, Maria Grazia Cucinotta, Peppe Lanzetta, Ernesto Mahieux, Giovanni Mauriello.. Nacionalidade: Itália, 2005.





Ciro (Daniele Vicorito) vive nos subúrbios de Nápoles, num complexo de edifícios de cimento construídos depois do terramoto de 1980. Em plena luz do dia, Ciro parte a janela de um carro enquanto o seu amigo Bertucciello (Emanuele Vicorito) rouba o Rolex do condutor. Os dois amigos fogem em direcções separadas. Uma cão persegue Ciro, ameaçando a sua fuga.


Negligenciado pela mãe, Ciro conta apenas com este grupo de amigos como referência. A inevitabilidade de um futuro de criminalidade paira no ar, apesar do sonho de paz num intervalo tirado à realidade num parque de diversões.




SONG SONG & LITTLE CAT

Realização: John Woo. Intérpretes: Zhao Zi Cun, Qi Ru Yi, Wang Bin, Jiang Wen Li, You Yong, Jiang Tong, Shen Chang, Xu Jun. Nacionalidade: China, 2005.





Song Song (Zhao Zi Cun) toca no piano a angústia de assistir à separação dos seus pais. A mãe, deprimida, ignora Song Song, que por sua vez se revolta contra a sua colecção de bonecas. Um idoso (Wang Bin) encontra uma boneca debaixo de um viaduto, no mesmo sítio onde anos antes tinha encontrado um bebé: Little Cat (Qi Ru Yi), que adoptou. A boneca passa de mãos entre as duas crianças, ambas enfrentando, de forma distinta, infâncias difíceis.


Este é o segmento que possui personagens mais consistentes. Woo consegue, através de uma série de detalhes, colocar-nos perante a realidade de cada uma delas. Apesar do cliché rico vs. pobre, a expressividade das duas pequenas actrizes é tocante.








TEACH ME AGAIN - Tina Turner & Elisa

What's it to walk on a silent road
To be thirsty and wait for,
wait for the rain?
What is it like?

You wake me up
with a ray of light.
Tell me a joke
And if you don't know one, nevermind.
Can't we just look at the sun?

And live a lifetime in a day
Like some butterfly,
life's not quite the same
A lifetime in a day
In which we learn to fly out of a cage.

CHORUS:
(So what is)
The smell of summer like and,
(So what is)
The sound of your heart
when you're running
(So what is)
To be fearless like
(So what is)
It to have nothing in life
but plenty of space?

In this place is the law of the strongest
But we confuse the weak
with the one that make's the big mistakes
And the strong with the perfect

And live a lifetime in a day
Like some butterfly,
life's not quite the same
A lifetime in a day
In which we learn to fly out of a cage.

CHORUS

Teach me again. Teach me again.
Teach me again. Teach me again.

CHORUS

Teach me again. Teach me again.
Teach me again. Teach me again.






realizado por Rita às 01:35
link do post | comentar | ver comentários (5)

Terça-feira, 13 de Junho de 2006
FESTROIA - Vencedores




A 22ª edição do FESTROIA - a primeira a que tive o prazer de assistir - chegou ao fim. Apesar da fraquíssima afluência de espectadores às sessões que tiveram lugar no cinema Monumental (apesar de tudo a pessoa que sincronizava as legendas ajudava a compor mais a sala), espero que a organização volte a fazer esta extensão no próximo ano. Eu vou!

Foi este o resultado:



Prémios Oficiais

MELHOR FILME – GOLFINHO DE OURO
“WHAT A WONDERFUL PLACE”, de Eyal Halfon (Israel)

PRÉMIO ESPECIAL DO JÚRI, - GOLFINHO DE PRATA
“GRAVEHOPPING”, de Jan Cvitkovič (Eslóvenia)

MELHOR REALIZADOR – GOLFINHO DE PRATA
EYAL HALFON, por “WHAT A WONDERFUL PLACE” (Israel)

MELHOR ACTRIZ – GOLFINHO DE PRATA
MARIA LUNDQVIST, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)

MELHOR ACTOR – GOLFINHO DE PRATA
TOPI MAJANIEMI, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)

MELHOR ARGUMENTO – GOLFINHO DE PRATA
DAGUR KÁRI e RUNE SCHJOTT, por “DARK HORSE” (Dinamarca/Islândia)

MELHOR FOTOGRAFIA – GOLFINHO DE PRATA
JARKKO LAINE, por “MOTHER OF MINE” (Finlândia/Suécia)


Prémios especiais

PRÉMIO DO PÚBLICO
“THE WEDDING PARTY”, de Dominique Deruddere (Bélgica/Alemanha)

PRÉMIO HOMEM E A NATUREZA
“THE CAVE OF THE YELLOW DOG”, de Byambasuren Davaa (Mongólia/Alemanha)

PRÉMIO CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL –INDEPENDENTES AMERICANOS
“THINGS THAT HANG FROM TREES”, de Ido Mizrahy (EUA)

PRÉMIO PRIMEIRAS OBRAS
“MAN PUSH CART”, de Ramin Bahrani (Irão/EUA)

MENÇÃO ESPECIAL
“AHLAAM”, de Mohamed Al-Daradji (Iraque/Inglaterra/Holanda)

PRÉMIO FIPRESCI
“EN LA CAMA”, de Matías Bize (Chile/Alemanha)

PRÉMIO SIGNIS
“WHAT A WONDERFUL PLACE”, de Eyal Halfon (Israel)

MENÇÃO ESPECIAL
“THE CHILDREN OF LENINGRADSKY”, de Anna Polak e Andrzej Celinski (Polónia)

PRÉMIO CICAE
“GRAVEHOPPING”, de Jan Cvitkovič (Eslóvenia)




realizado por Rita às 02:34
link do post | comentar

Segunda-feira, 12 de Junho de 2006
Frozen Land ****1/2

T.O.: Paha Maa. Realização: Aku Louhimies. Elenco: Jasper Pääkkönen, Mikko Leppilampi, Pamela Tola, Petteri Summanen, Matleena Kuusniemi, Mikko Kouki, Sulevi Peltola, Pertti Sveholm, Samuli Edelmann. Nacionalidade: Finlândia, 2005.





O domínio da arte de contar histórias do jovem realizador Aku Louhimies coloca uma sombra de ameaça ao domínio de Aki Kaurismäki no cinema finlandês.


“Frozen Land” (“Paha Maa”)baseia-se no conto de Tolstoi “Faux Billet”. Esta referência é feita logo no início do filme, na aula de literatura de Pertti (Pertti Sveholm), um professor que, depois de ser despedido, cai no alcoolismo e, num impulso, expulsa de casa o seu filho Niko (Jasper Pääkkönen). Sob o efeito de drogas e álcool, Niko usa o computador do seu amigo Tuomas (Mikko Leppilampi) para imprimir uma nota de 500 euros. Com ela compra um rádio numa loja de artigos em segunda mão. Aí a nota passa para as mãos de Isto (Mikko Kouki), que é preso quando a tenta usar num restaurante. Isto vinga-se roubando um carro a um negociante de automóveis (Samuli Edelmann), que, por sua vez, confisca, por falta de pagamento, o carro de Teuvo (Sulevi Peltola, magnífico), um alcoólico em recuperação que vende aspiradores porta-a-porta. O destino destas personagens, interligado através de estranhas e trágicas coincidências, irá ainda ligar-se ao de Hannele (Matleena Kuusniemi), uma mulher polícia em plena crise depressiva e do seu marido Antti (Petteri Summanen), professor.


“Frozen Land” aborda a teoria do caos, à semelhança de filmes como “Butterfly Effect”</a>, em que um simples acontecimento desencadeia uma série de desastres e fatalidades. Numa estrutura de episódios que se misturam, lembrando “21 Grams”</a> de Alejandro González Iñarritu, “Frozen Land” não é exactamente circular, porque não há regresso possível, não há meio de emendar o passado, por muita capacidade de perdão que se possa ter. E porque “Frozen Land” não é um filme sobre o perdão, mas sobre a vingança. A vingança sobre os outros pelo mal que nos sucede. Porque recusamos o arbitrário e porque apenas vemos um lado da história, o ser humano precisa de se libertar do seu mau-estar passando aos outros, e com ele a sua raiva, as suas frustrações, os seus desamores, os seus erros.


O grande risco deste tipo de estrutura não linear é perderem-se espectadores pelo caminho, mas a preocupação de Louhimies com a clareza e a consistência de “Frozen Land” é não só evidente como compensadora. Louhimies trata estas personagens de uma forma tão humana, que não conseguimos evitar sentir pena de todas elas, independentemente dos actos terríveis que cometem. Porque todos nós, em algum momento, nos sentimos totalmente miseráveis, como elas.


Com realismo, “Frozen Land” fala de problemas como o desemprego, o alcoolismo, a toxicodependência, a depressão, a violência. Tudo ambientando numa Helsínquia fria.


Um filme negro e triste, para o qual contribui a escuridão do tempo de Inverno, das casas mal iluminadas, dos ambientes lúgubres. Apenas a cena inicial/final se reveste de luminosidade, como se depois de todas as desgraças que acabámos de assistir, aquela fosse a luz da esperança de que a vida tem lago de bom ainda reservado.


O argumento reforça ideias com falas repetidas por diferentes personagens, como o caso de “dinheiro é dinheiro” ou “o fim está próximo”. Alguns detalhes comuns – o movimento de dedos nervosos em torno de um elástico ou mãos que se apertam com angústia – acabam por unir todas as desgraças numa mesma tragédia universal. E esta surpreendente ordem, este equilíbrio insólito onde nenhuma acção é inócua, torna-se subitamente cruel.


Apesar de muito bem construído, e com interpretações exemplares, “Frozen Land” estica a sua duração até aos 130 minutos. Uma distribuição fora do circuito de festivais talvez necessite de um ligeiro ajuste.


No meio da miséria que a vida humana pode ser, resta sempre a esperança de um final feliz. Só isso pode explicar a capacidade, por vezes sobre-humana, de resistir ao sofrimento. Mas não estamos aqui por acaso, e aquilo que recebemos é aquilo que damos. Quando apenas usamos o mundo para tirar dele o que pretendemos, o mundo acabará por virar esse instinto predador contra nós. Isto se primeiro não nos auto-canibalizarmos.






realizado por Rita às 00:09
link do post | comentar

Sexta-feira, 9 de Junho de 2006
O ONZE IDEAL (mas sem bandeirinhas na janela)

PEDRO COSTA

MANOEL DE OLIVEIRA

TERESA VILLAVERDE

JOÃO BOTELHO

SERGIO TREFFAUT

CATARINA RUIVO

JOSÉ FONSECA E COSTA

JOÃO MARIO GRILO

PEDRO FERREIRA

SANDRO AGUILAR

FERNANDO LOPES

(E nunca esquecendo, claro, JOÃO CESAR MONTEIRO e JOSÉ ALVARO MORAIS)

 

Se o Mundial fosse aqui, a minha equipa era esta.

 



realizado por sergiotrs às 17:01
link do post | comentar | ver comentários (1)

UM ANO DE CINEMA(S)




Os melhores filmes estreados entre Junho 2005 e Junho 2006 vão estar, por 3,50€, no King. De 29 de Junho a 23 de Agosto, com sessões às 14h, 16h30, 19h, 21h30; sexta, sábado e 2ª Feira também às 00h (onde assinalado com * às 14h, 17h45, 21h30).


A oportunidade de ver os que se deixaram escapar e de rever os que mais nos tocaram.



A RAPARIGA SANTA, Lucrecia Martel
Quinta, 29 Junho

MARIA CHEIA DE GRAÇA, Joshua Marston
Sexta, 30 Junho

ODETE, João Pedro Rodrigues
Sábado, 1 Julho

CLOSER - PERTO DEMAIS, Mike Nichols
Domingo, 2 Julho

VERA DRAKE, Mike Leigh
Segunda, 3 Julho

TARNATION, Jonathan Caouette
Terça, 4 Julho

MILLION DOLLAR BABY - SONHOS VENCIDOS, Clint Eastwood
Quarta, 5 Julho

SIDEWAYS, Alexander Payne
Quinta, 6 Julho

À BOLEIA PELA GALÁXIA, Garth Jennings
Sexta, 7 Julho

UM PEIXE FORA DE ÁGUA, Wes Anderson
Sábado, 8 Julho

A QUEDA - HITLER E O FIM DO TERCEIRO REICH *, Olivier Hirschbiegel
Domingo, 9 Julho

QUERIDA FAMÍLIA, Dominic Harari e Teresa Pelegri
Segunda, 10 Julho

TEMPORADA DE PATOS, Fernando Eimbcke
Terça, 11 Julho

MONDOVINO *, Jonathan Nossiter
Quarta, 12 Julho

COLISÃO, Paul Haggis
Quinta, 13 Julho

SINAIS VERMELHOS, Cédric Kahn
Sexta, 14 Julho

9 SONGS - 9 CANÇÕES, Michael Winterbottom
Sábado, 15 Julho

CHARLIE E A FÁBRICA DE CHOCOLATE, Tim Burton
Domingo, 16 Julho

DE TANTO BATER O MEU CORAÇÃO PAROU, Jacques Audiard
Segunda, 17 Julho

MAR ADENTRO, Alejandro Amenábar
Terça, 18 Julho

OS PSICO-DETECTIVES, David O. Russel
Quarta, 19 Julho

OS EDUKADORES, Hans Weingartner
Quinta, 20 Julho

O SEGREDO DE BROKEBACK MOUNTAIN, Ang Lee
Sexta, 21 Julho

OS IRMÃOS GRIMM, Terry Gilliam
Sábado, 22 Julho

ALICE, Marco Martins
Domingo, 23 Julho

O CASTELO ANDANTE, Hayao Miyazaki
Segunda, 24 Julho

LAST DAYS - ÚLTIMOS DIAS, Gus Van Sant
Terça, 25 Julho

AURORA, F. W. Murnau
Quarta, 26 Julho

REIS E RAINHA *, Arnaud Desplechin
Quinta, 27 Julho

A MARCHA DOS PINGUINS, Luc Jacquet
Sexta, 28 Julho

AS BONECAS RUSSAS, Cédric Klapisch
Sábado, 29 Julho

OLIVER TWIST, Roman Polanski
Domingo, 30 Julho

DOM QUIXOTE DE ORSON WELLES, Orson Welles
Segunda, 31 Julho

BROKEN FLOWERS - FLORES PARTIDAS, Jim Jarmusch
Terça, 1 Agosto

O FATALISTA, João Botelho
Quarta, 2 Agosto

A NOIVA CADÁVER, Tim Burton
Quinta, 3 Agosto

SARABAND, Ingmar Bergman
Sexta, 4 Agosto

O PESADELO DE DARWIN, Hubert Sauper
Sábado, 5 Agosto

NADA A ESCONDER, Michael Haneke
Domingo, 6 Agosto

MATCH POINT, Woody Allen
Segunda, 7 Agosto

ESPELHO MÁGICO *, Manoel de Oliveira
Terça, 8 Agosto

O LEOPARDO *, Luchino Visconti
Quarta, 9 Agosto

ELA ODEIA-ME *, Spike Lee
Quinta, 10 Agosto

TRÊS ENTERROS DE UM HOMEM, Tommy Lee Jones
Sexta, 11 Agosto

TRANSAMERICA, Duncan Tucker
Sábado, 12 Agosto

CAPOTE, Bennett Miller
Domingo, 13 Agosto

O CÉU GIRA, Mercedes Alvarez
Segunda, 14 Agosto

COISA RUIM, Tiago Guedes e Frederico Serra
Terça, 15 Agosto

MEMÓRIAS DE UMA GUEIXA *, Rob Marshall
Quarta, 16 Agosto

O MUNDO *, Jia Zhang Ke
Quinta, 17 Agosto

UMA HISTÓRIA DE VIOLÊNCIA, David Cronenberg
Sexta, 18 Agosto

3 EXTREMOS, Park Chan-Wood, Takashi Miike e Fruit Chan
Sábado, 19 Agosto

NINGUÉM SABE *, Hirokazu Koreeda
Domingo, 20 Agosto

INFILTRADO, Spike Lee
Segunda, 21 Agosto

LISBOETAS, Sergio Tréfaut
Terça, 22 Agosto

A CRIANÇA, Jean-Pierre e Luc Dardenne
Quarta, 23 Agosto




realizado por Rita às 08:27
link do post | comentar

Quinta-feira, 8 de Junho de 2006
What a Wonderful Place ***

T.O.: Eize Makom Nifla. Realização: Eyal Halfon. Elenco: Uri Gavriel, Evelyn Kaplun, Avi Oria, Yossi Graber, Yoav Hait, Raymond Bagatsing, Chedpong Laoyant, Mymy Davao, Marina Choif, Evelin Hagoel, Dvir Benedek. Nacionalidade: Israel, 2005.





A proposta israelita para os Oscar de 2005 aborda o choque de culturas através da experiência de diversos indivíduos estrangeiros, e a forma como estes fazem parte da paisagem humana de Israel.


Perto da fronteira de Arava, que separa Israel da Jordânia, Jana (Evelyn Kaplun) e um grupo de outras mulheres ucranianas atravessam o arame farpado. Esta operação é conduzida por Franco (Uri Gavriel, na interpretação de maior destaque), um ex-polícia, que rapidamente entrega as mulheres ao seu patrão (Dvir Benedek), chefe de uma rede de prostituição e de casas de jogo. A carteira que Jana perdeu ao atravessar a fronteira é encontrada por Zeltzer (Avi Oria), um agricultor com excesso de peso, determinado em encontrar a mulher que aparece na fotografia.


Uma marca de nascença na face evita que Jana tenha o mesmo destino que as companheiras, mas, reduzida a trabalhos de limpeza, ela é impedida de ganhar dinheiro suficiente para mandar para a sua mãe e para a sua filha na Ucrânia. Franco desenvolve um sentimento de protecção em relação a Jana, que aumenta quando ela começa a dar-lhe lições de natação.


O grupo de tailandeses que trabalham para Zeltzer, e por quem ele tem uma simpatia especial, com destaque para Vissit (Chedpong Laoyant), é perseguido por Yoav Aloni (Yoav Hait), um ranger excessivamente zeloso convicto de que eles andam a colocar armadilhas aos animais da reserva natural. O pai de Yoav (Yossi Graber), um ex-militar incapacitado, é cuidado por Eddie (Raymond Bagatsing), um jovem filipino viciado no jogo.


Esta rede multi-étnica de personagens e de histórias está construída com extremo cuidado, num argumento sólido que desenvolve as várias camadas das suas personagens, preocupado em dar-lhes uma dimensão humana. O seu lado mais agressivo é sempre contrabalançado com um outro lado mais sensível, ou vice-versa. O realizador Eyal Halfon também não descuida nenhuma das narrativas paralelas em benefício de outra, fazendo transições harmoniosas que nos fazem associar as diferentes vivências ainda antes de que elas se cruzem.


“What a Wonderful Place” é um drama humano que fala da luta - dos que se vêem obrigados a trabalhar em árduas condições; da dignidade - essa que se mantém mesmo quando a humilhação parece reduzir o ser à sua mínima expressão; de afectos entre estranhos - uma solidariedade universal que tende a unir-nos no infortúnio.






realizado por Rita às 01:29
link do post | comentar

Quarta-feira, 7 de Junho de 2006
The Collector ****

T.O.: Komornik. Realização: Feliks Falk. Elenco: Andrzej Chyra, Małgorzata Kożuchowska, Kinga Preis, Grzegorz Wojdon, Jan Frycz, Sławomir Orzechowski, Marian Dziędziel, Marian Opania, Mieczysław Grąbka, Dariusz Kowalski, Krzysztof Dracz, Małgorzata Ząbkowska, Juliusz Krzysztof Warunek, Paweł Iwanicki, Cezary Łukaszewicz. Nacionalidade: Polónia, 2005.





Como transformar num herói um cobrador que confisca as máquinas do serviço de urgências de um hospital ou um acordeão a uma crianças doente? Este é o desafio a que Feliks Falk se propõe com este conto moral.


Lucjan Bohme (Andrzej Chyra, uma versão polaca de Daniel Craig) trabalha para um tribunal como cobrador de dívidas, e adora o seu trabalho. Lucjan é incansável e consistente nos seus objectivos e democrático na sua abordagem, penhorando todos de igual modo, sem ceder sequer à tentação do suborno. Mas a ética profissional de Lucjan contrasta de forma chocante com a sua falta de compaixão e solidariedade para com o seu próximo. O encontro com a sua primeira namorada, Gosia (Kinga Preis) irá pôr em causa a sua forma de vida.


Lucjan é ambicioso, tem orgulho no que faz e não entende a agressividade com que as suas “vítimas” o recebem. Afinal de contas, ele apenas está a fazer o seu trabalho. Lucjan defende os interesses dos credores. Que ele lucre com o crescente desemprego provocado pelo desaparecimento da indústria local no período pós-1989 parece ser um mero detalhe. O prazer de Lucjan é ainda mais evidente nos jogos psicológicos e na ironia que usa com os devedores.


Os colegas de Lucjan elogiam-no, mas vêem a sua honestidade como uma ameaça. A única forma de manter o sistema sob controlo é garantir a dependência de todas as partes. A arrogância de Lucjan fá-lo pensar que está acima de tudo e de todos, intocável nas suas convicções.


O momento da revelação chega através de uma desagradável coincidência. A consciência de Lucjan desperta e começa a atormentá-lo. A sua busca desesperada pela redenção, pela correcção dos seus erros, parece encontrar obstáculos intransponíveis. E talvez seja já demasiado tarde.


Vencedor dos prémios polacos Orly 2005 para melhor filme, melhor realizador, melhor argumento, melhor actor, melhor actriz, melhor design de produção e prémio do público, “The Collector” foi a aposta polaca para os Oscares, assumindo-se como uma metáfora da actual sociedade polaca, perdida no meio da desmedida ambição ocidental.


A interpretação voraz de Andrzej Chyra, coerente nos seus diferentes registos, em conjunto com a inocência e incredulidade de Grzegorz Wojdon, como Jasiek, o colega de Lucjan, equilibram de tal forma a balança, que permitem ao espectador uma quase impossível empatia por este anti-herói.


Apesar de alguma previsibilidade nas relações/confrontos entre personagens, a agilidade da filmagem cria um relevante sentido de urgência: quer no caminho de construção a todo o custo de uma carreira profissional, quer no caminho de regresso à humanidade. Também este feito a todo o custo.






realizado por Rita às 20:56
link do post | comentar

Terça-feira, 6 de Junho de 2006
Gravehopping ****

T.O.: Odgrobadogroba. Realização: Jan Cvitkovič. Elenco: Gregor Baković, Drago Milinović, Sonja Savić, Mojca Fatur, Domen Remškar, Brane Grubar, Nataša Matjašec, Zoran Dževerdanović, Vlado Novak, Nada Žnidaršič. Nacionalidade: Eslovénia / Croácia, 2005.





A citação inicial do conto “Teddy” de J.D. Salinger insere esta produção esloveno-croata num contexto religioso, sobre a procura e a descoberta de Deus. A câmara sobe, à medida que ouvimos um discurso fúnebre. A imagem desloca-se de dentro de uma campa, acompanhada por uma banda filarmónica que toca a música “I Will Survive”. Este é o tom irónico que marca “Gravehopping”. O título original “Odgrobadogroba” é escrito sem espaços, a forma correcta seria “Od groba do groba” (seria pedir muito que o traduzissem para “Desepulturaemsepultura”?), porque é assim que se faz a vida, num contínuo entre pequenas “mortes”.


Pero (Gregor Baković, incrivelmente parecido com Gene Wilder) ganha a vida fazendo discursos fúnebres nos enterros que se realizam na sua pequena cidade eslovena e nas cidades vizinhas. Pero tem a particularidade de personalizar cada discurso de uma forma poética, filtrando a informação do defunto e não conseguindo evitar incluir desabafos, como por exemplo “Toda a gente quer ir para o céu, mas ninguém quer morrer.”


Shooki (Drago Milinović) é obcecado pelo seu velho carro, o que não invalida que dê boleia ao seu melhor amigo, Pero, nos seus afazeres profissionais, ou o ajude a evitar as constantes tentativas de suicídio do pai de Pero, Dedo (Brane Grubar). Enquanto Pero tenta conquistar Renata (Mojca Fatur), Shooki partilha já uma especial relação com Ida (Sonja Savić), a irmã surda de Pero. A outra irmã, Vilma (Nataša Matjašec), debate-se com uma relação complicada com o pai do seu filho Johhny (Domen Remškar).


Jan Cvitkovič, que recebeu o ano passado um prémio na categoria de novos realizadores no Festival de Cinema de San Sebastian, rodeia todas estas personagens de uma falsa felicidade, onde o humor negro esconde a iminente tragédia de vidas que mais não procuram do que o amor.


É impossível não comparar a estética deste filme com a cinematografia de Kusturica. Da fotografia de cores quentes ao papel da música como efeito descongestionante (além de “I Will Survive”, há também a versão filarmónica de “Hands Up” e “Sex Bomb”), passando por uma forte vitalidade das personagens.


“Gravehopping” é eficaz na criação de um ambiente surreal (destaque para o plano final), mas revela uma grande dificuldade em lidar com a variedade de personagens, criando uma certa dispersão nos fios de narrativa, ficando alguns deles por concluir.


Mas através do contraste, muitas vezes surpreendente, entre comédia e drama, entre o riso e o silêncio perturbador, Jan Cvitkovič transmite o debate incoerente e desesperado entre a vida e a morte, onde nem sempre é clara a vantagem de uma alternativa em relação à outra. Como diz Renata: “A morte incomoda-me... Tal como a vida...”.


Se pelo menos fosse possível ter um pedaço de céu sem ser preciso morrer...






CITAÇÕES:


“I was six when I saw that everything was God, and my hair stood up, and all that," Teddy said. "It was on a Sunday, I remember. My sister was only a very tiny child then, and she was drinking her milk, and all of a sudden I saw that she was God and the milk was God. I mean, all she was doing was pouring God into God, if you know what I mean.”
in “TEDDY” de J. D. SALINGER





realizado por Rita às 20:27
link do post | comentar

Segunda-feira, 5 de Junho de 2006
En la Cama ***

Realização: Matías Bize. Elenco: Blanca Lewin, Gonzalo Valenzuela. Nacionalidade: Alemanha / Chile, 2005.





“En la Cama” começa, como o título mais do que sugere, com sexo. Em frente à câmara os lençóis agitam-se, ao som de gemidos de prazer. Essa mesma câmara vai-se movimentando entre o tecido em direcção aos corpos, até ao momento climático, em que os desvenda.


Daniela (Blanca Lewin) e Bruno (Gonzalo Valenzuela) conheceram-se numa festa e foram para um motel. É aqui que se encontram e é aqui que se desenrola, no período de umas breves horas, toda a “acção” de “En la Cama”. “Acção” porque, de facto, este é um filme de palavras onde o diálogo é o ponto chave (é fácil cair na tentação de mencionar os filmes de Richard Linklater, mas a dinâmica das personagens é completamente distinta).


Por algum motivo que nenhum deles consegue explicar, este dois estranhos sentem uma urgente necessidade de trocarem perguntas, de fazer confidências um ao outro, e de mentirem sobre o mundo lá fora. Quase sempre na cama, rodeada de espelhos, Daniela e Bruno são filmados em grandes planos, por vezes desfocados (como quem se aproxima ou afasta demasiado rápido, num jogo semelhante ao que as personagens jogam entre si).


A utilização dos mínimos recursos - um cenário, dois actores - é um desafio que Matías Bize supera sem nunca roçar o tédio ou pôr em risco atenção do espectador. Para ajudar a isso está o argumento de Julio Rojas e a montagem vivaz (ainda que com algumas falhas) de Paula Talloni, transformando a troca de Daniela e Bruno numa descoberta urgente.


Mas mais do que as imagens, o som é aqui a forma de comunicação essencial, dos gemidos da luxúria às palavras que os desvendam pouco a pouco. Os diálogos vão evoluindo, os temas de conversa mudam, e das originais abordagens cheias de leveza passam a um quase-interrogatório com os pesados clichés que marcam a intromissão dos sentimentos na relação casual.


A constante nudez dos corpos acaba por tornar-se secundária à nudez das almas, e a ânsia de desembaraçar o outro das roupas com que oculta os seus verdadeiros desejos, é superior à vontade de possuir o seu corpo. “En la Cama” inicia-se com sexo, como muitas vezes acontece com o amor. Mas o sexo acaba por tornar-se numa forma de chegar mais perto, de tentar tocar um pouco mais o outro, e de perceber até que ponto o outro nos consegue tocar. Daniela e Bruno testam a sua resistência física da mesma forma que testam a sua capacidade de se enganarem a si mesmos. Em “En la Cama” a mentira é usada simultaneamente para manter o outro à distância e para conquistá-lo, ocultando elementos que poriam em causa a hipótese (mesmo que ténue) de que aquele encontro casual pudesse alguma vez ser algo mais. Daniela admite mesmo, a dado momento, que o sexo casual não significa nada e não tem nenhuma importância.


“En la Cama” está profundamente dedicado às suas duas personagens (e dependente delas também), mas capitaliza na impressionante empatia (e beleza) de Lewin e Valenzuela. Ainda assim, é Lewin quem se destaca, não só por o seu corpo ter mais tempo de ecrã, mas também porque este filme acaba por abordar o papel da mulher como fonte de iniciativa, do seu calculismo e, ainda assim, da sua subjugação (seja à sociedade, seja aos seus próprios objectivos de vida).


Nunca chegamos a perceber exactamente quem são aquelas duas pessoas, ou o que pretendem de tudo aquilo. As máscaras que colocam para o sexo casual oculta a imensa necessidade de serem amados. Uma máscara que parecem não conseguir tirar. Eles vivem não só a angústia de não perceber o que estão à procura no outro, como também a de não conseguirem entender o que verdadeiramente querem da vida.


Vencedor dos prémios de Melhor Filme nos festivais de cinema de Valladolid e de Viña del Mar, onde também recebeu o prémio de Melhor Actriz, e de Melhor Guião no Festival de Cinema de Havana, “En la Cama” é um pedaço de existencialismo degladiando-se em frente a espelhos e sobre lençóis.






realizado por Rita às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 4 de Junho de 2006
22º FESTROIA




Depois da adesão em massa a eventos como o Festival de Cinema Francês, o IndieLISBOA ou o DocLisboa, a única justificação para a Sala 3 do Monumental estar quase vazia nesta nova extensão do FESTROIA parece-me dever-se à falta de divulgação. E é uma pena, porque, pelo que já vi, a selecção é de uma qualidade invejável.



Estes dois foram vistos ainda antes do festival:
“DEAR WENDY”, de Thomas Vinterberg
“LA VIDA SECRETA DE LAS PALABRAS”, de Isabel Coixet


A não perder!


Até 11 de Junho no Fórum Luísa Todi e no Auditório Municipal Charlot em Setúbal, extensões no Auditório Fernando Lopes Graça em Almada e Sala 3 do Cinema Monumental em Lisboa.


Programa completo, aqui.





realizado por Rita às 23:58
link do post | comentar

Sábado, 3 de Junho de 2006
The Da Vinci Code ***

Realização: Ron Howard. Elenco: Tom Hanks, Audrey Tautou, Ian McKellen, Jean Reno, Paul Bettany, Alfred Molina, Jürgen Prochnow, Jean-Yves Berteloot, Etienne Chicot, Jean-Pierre Marielle, Marie-Françoise Audollent. Nacionalidade: EUA, 2006.





Hoje em dia, o que é verdadeiramente polémico é dizer bem de qualquer coisa que tenha a ver com O Código Da Vinci. Eu adiei ler o livro de Dan Brown porque detesto modas. Quando me chegou às mãos um exemplar em inglês, justifiquei-me com a utilidade de praticar o idioma para acabar por fazer o mesmo que o resto da população. É um livro que se lê bem (no metro), sem quaisquer laivos e genialidade e sem verdadeiras aspirações a tal. A baixa qualidade literária é compensada pela boa técnica. O esquema novelístico de capítulos pequenos e punch final a impelirem para mais uma página monopoliza completamente o nosso livre arbítrio como leitores. Eu não me senti impelida pela história, mas simplesmente pela forma. O que me revoltou.


Quanto ao conteúdo, não me surpreendeu. O enredo é pouco consistente e pouco credível. E, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, não é nada inovador nas suas propostas pseudo-destabilizadoras. Basta ter lido O Evangelho Segundo Jesus Cristo, de Saramago, para perceber que há muito pouco já para se inventar. Mas Saramago, ao contrário de Dan Brown não escreve para todos, e a máquina promocional sabe disso perfeitamente.


Acho lógico Dan Brown ter visto interesse no Evangelho Segundo Maria Madalena (mencionado igualmente no filme de Abel Ferrara), e nos mitos que rodeiam as sociedades secretas e a Opus Dei nomeadamente. Bem, e quanto à Igreja Católica, essa sempre se pôs a jeito para ser criticada. O que me preocupa é ver mentes jovens a acreditarem em tudo aquilo que lhes chega já mastigado e cuspido. E esse é o perigo de misturar factos e ficção. Não querendo generalizar a falta de discernimento de quem lê Dan Brown ou de que vê o filme de Ron Howard, fiquei inquieta com as explicações ridículas que uma jovem dava ao seu amigo no intervalo do filme. Ele não tinha lido o livro e não estava a perceber nada (também tenho receio em generalizar esta conclusão), e ela falava de Templários, Opus Dei, Priorado do Sião, como se fossem os mais recentes actores de Morangos Com Açúcar.


Gosto da ideia de haver livros que levantam véus, que nos fazem questionar e querer descobrir mais (a quantidade de livros que li para ler O Pêndulo de Foucault, de Umberto Eco!!! - por falar em Templários). A questão aqui é que quem lê O Código Da Vinci, vai procurar esclarecer factos nos restantes livros (ficcionais) de Dan Brown (que pode finalmente desfazer-se dos stocks acumulados dos seus anteriores livros) ou na praga de edições feitas às costas do Código.


Agora que desabafei, vamos ao filme. A história é a do livro, por isso, para quem leu não vale a pena contar, e para quem não leu, vale mais ler que ver o filme. Um crime no Museu do Louvre leva o simbologista Robert Langdon (Tom Hanks) e a criptologista Sophie Neveu (Audrey Tautou) pelos meandros de conspirações de vários grupos de interesses ao redor da verdadeira identidade do Santo Graal (a este respeito, a lenda do Rei Arthur continua sem concorrência).


Deve ter sido muito complicado para Howard concentrar o livro no formato cinema, dada a quantidade de peripécias que acontecem a Langdon e Neveu. O que torna mais fácil detectar os buracos de todas as felizes coincidências deste heróis. O livro é tão visual que a interpretação de Howard não se reveste de grande originalidade. Mas a fidelidade não pode ser questionada, e nisso, Howard cumpre. Além disso, a sua equipa técnica é tão boa que é impossível anular as qualidades desta obra: da fotografia de Salvatore Totino, passando pelo design de produção de Allan Cameron, até à montagem de Daniel P. Hanley e Mike Hill (que certamente tiveram o maior desafio de todos).


Há quem se queixe da falta de química entre Hanks e Tautou, mas... essa química no livro é inexistente (e bastante forçada para a parte final). Não acho de todo que isso faça falta à história, antes pelo contrário. A nível de interpretações, quero destacar o sempre forte Ian McKellen, como Sir Leigh Teabing, o belíssimo Paul Bettany como Silas e o carismático Jean-Yves Berteloot como Remy, o empregado de Teabing.


E depois, gostei de passear por Paris, pelo Louvre, por uma falsa Abadia de Westminster, e dos planos aéreos: soberbos! Quem quiser ir ver, vá. Não ganha demasiado com isso, mas também não perde. Mas reforço o aviso: pensar por nós próprios continua a ser a melhor forma de encontrar alguma verdade, por pequena que seja.






CITAÇÕES:


“Why is it divine or human? Can't human be divine?”
TOM HANKS (Robert Langdon)





realizado por Rita às 11:25
link do post | comentar

Sexta-feira, 2 de Junho de 2006
No dia da criança

... fui ver, por mera coincidência, “All The Invisible Children”.





Sete curtas metragens da autoria de Mehdi Charef (“TANZA”), Emir Kusturica (“BLUE GIPSY”), Spike Lee (“JESUS CHILDREN OF AMERICA”), Kátia Lund (“BILU E JOÃO”), Jordan e Ridley Scott (“JONATHAN”), Stefano Veneruso (“CIRO”) e John Woo (“SONG SONG & LITTLE CAT”), fazem um retrato duro de realidades certamente mais duras.


E porque são crianças dói mais.
Mas porque são crianças a esperança é também maior.






realizado por Rita às 01:06
link do post | comentar

Cinefools
RITA, MIGUEL, SÉRGIO, NUNO,
VASCO, LUÍS,
efeitos visuais por S.
Citação

“When morals decline and good men do nothing evil flourishes.”
LEONARDO DICAPRIO (J. Edgar Hoover) in J. EDGAR, de Clitn Eastwood
Banda sonora

PILEDRIVER WALTZ – Alex Turner
in “Submarine” de Richard Ayoade (2010)
Artigos recentes

Dos vícios antigos se faz...

Dos vícios antigos se faz...

Reavivar com música XIV

Reavivar com música XIII

Reavivar com música XII

Dos vícios antigos se faz...

Porque a cultura nunca fe...

E dia 30, no Porto, tudo ...

Reavivar com música XI

Reavivar com música X


NOTÍCIAS

OPINIÕES

Filmes
#
$9.99
(500) Days of Summer
12:08 A Este de Bucareste
127 Hours
13 (Tzameti)
1408
16 Blocks
2 Days in Paris
2046
21
21 Grams
25 Watts
3... Extremos
300
4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias
4ème Morceau de la Femme Coupée en Trois, Le
50/50
5x2
9 Songs

A
À l’Origine
À Tout de Suite
Aaltra
Abrazos Rotos, Los
Adam
Adeus, Dragon Inn
Ae Fond Kiss
Affaire Farewell, L’
Afterschool
Agents Secrets
Agony and the Ecstasy of Phil Spector, The
Ágora
After.Life
Alatriste
Albert Nobbs
Alex
Alexander
Alfie
Alice In Wonderland
All The Invisible Children
Amants Réguliers, Les
American, The
American Gangster
American Splendor
Amor Idiota
Amours Imaginaires, Les
An Education
An Obsession
Ana Y Los Otros
Anche Libero Va Bene
Angel-A
Anges Exterminateurs, Les
Answer Man, The
Anthony Zimmer
Antichrist
Apocalypto
Approaching Union Square
Après Vous...
Arnacoeur, L’
Arsène Lupin
Artist, The
Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, The
Assassination of Richard Nixon, The
Astronaut Farmer, The
Asylum
Atonement
Ausentes
Aventures Extraordinaires d'Adèle Blanc-Sec, Les
Aviator, The
Away We Go
Azuloscurocasinegro

B
Baader-Meinhof Komplex, Der
Babel
Babies
Backstage
Ballad of Jack and Rose, The
Banquet, The
Barney’s Version
Basic Instinct 2
Batman Begins
Battle in Seattle
Be Kind Rewind
Bee Movie
Before Sunset
Before the Devil Knows You’re Dead
Beginners
Being Julia
Belle Bête, La
Belleville Rendez-Vous
Big Bang Love, Juvenile A
Big Fish
Birth - O Mistério
Black Swan
Blade Runner
Blindness
Blood Diamond
Blue Valentine
Boat That Rocked, The
Bobby
Body of Lies
Bocca del Lupo, Las
Borat
Born Into Brothels
Bourne Ultimatum, The
Box, The
Boxing Day
Boy in the Striped Pyjamas, The
Boys are Back, The
Brave One, The
Breach
Breakfast on Pluto
Breaking and Entering
Brick
Brokeback Mountain
Broken Flowers
Brothers Bloom, The
Brothers Grimm, The
Brüna Surfistinha
Brüno
Burn After Reading
Butterfly Effect

C
Caché
Caimano, Il
Camping Sauvage
Candy
Canino - Kynodontas
Capitalism: A Love Story
Capote
Caramel
Carandiru
Carlos
Carnage
Carne Fresca, Procura-se
Cartouches Gauloises
Casanova
Casino Jack
Casino Royale
Caos Calmo
Castro
C’est Pas Tout à Fait la Vie Dont J’avais Rêvé
Chamada Perdida, Uma
Changeling
Chansons d’Amour
Chaos
Chaos Theory
Charlie and the Chocolate Factory
Charlie Wilson's War
Che: El Argentino
Che: Guerrilla
Chefe Disto Tudo, O - Direktøren for det Hele
Chico & Rita
Children of Men
Chloe
Choke
City of Life and Death
Client 9: The Rise and Fall of Eliot Spitzer
Climas - Iklimer
Closer - Perto Demais
Cloudy With A Chance Of Meatballs
Coco Avant Chanel
Cœurs
Coffee and Cigarettes
Coisa Ruim
Cold Souls
Collateral
Collector, The
Combien Tu M’Aimes?
Comme une Image
Concert, Le
Condemned, The
Constant Gardener, The
Control
Copying Beethoven
Corpse Bride
Couperet, Le
Couples Retreat
Crash
Crazy, Stupid, Love.
Crimen Ferpecto
Crimson Gold
Crónicas
Crónicas de Narnia, As
Curious Case of Benjamin Button, The
Curse of the Golden Flower

D
Da Vinci Code, The
Dangerous Method, A
Dans Paris
Darjeeling Limited, The
Dark Knight, The
De Tanto Bater o Meu Coração Parou
Dead Girl, The
Dear Wendy
Death of Mr. Lazarescu, The
Death Proof (S), Death Proof (R)
Debt, The
Deixa-me Entrar
Déjà Vu
Delirious
Departed, The
Descendants, The
Despicable Me
Derailed
Destricted
Dialogue Avec Mon Jardinier
Diarios de Motocicleta
Die Hard 4.0
Disturbia
Do Outro Lado
Don’t Come Knocking
Dorian Gray
Doublure, La
Drama/Mex
Drawing Restraint 9
Dreamgirls
Dreams on Spec
Drive

E
Eamon
Eastern Promises
Easy Rider
Edge of Love, The
Educación de las Hadas, La
Edukadores, Os
Elegy
Elizabeth: The Golden Age
Elizabethtown
En la Cama
Enfant, L’
Ensemble, C’est Tout
Enter The Void
Entre Les Murs
Entre os Dedos
Entre Ses Mains
Eternal Sunshine of the Spotless Mind
Être et Avoir
Eu Servi o Rei de Inglaterra
Evening
Everything is Illuminated
Exit Through the Gift Shop
Extremely Loud & Incredibly Close

F
Factory Girl
Fahrenheit 9-11
Family Stone, The
Fantastic Mr. Fox
Fast Food Nation
Faute à Fidel, La
Ferro 3
Fighter, The
Fille Coupée en Deux, La
Fille du Juge, La
Fils de L’Épicier, Le
Final Cut, The
Find Me Guilty
Finding Neverland
Fish Tank
Five Minutes of Heaven
Flags Of Our Fathers
Flores de Otro Mundo
Flushed Away
Fountain, The
Forgotten, The
Fracture
Frágeis
Frank Zappa - A Pioneer of the Future of Music Part I & II
Frankie
Freedomland
Fresh Air
Frost/Nixon
Frozen Land

G
Gabrielle
Gainsbourg (Vie Héroïque)
Garden State
Géminis
Genesis
Gentille
George Harrison: Living in the Material World
Get Smart
Gigantic
Ghost Dog - O Método do Samurai
Ghost Town
Ghost Writer, The
Girl From Monday, The
Girl With a Pearl Earring
Girlfriend Experience, The
Go Go Tales
Gomorra
Gone Baby Gone
Good German, The
Good Night, And Good Luck
Good Shepherd, The
Good Year, A
Graduate, The
Graine et le Mulet, La
Gran Torino
Grande Silêncio, O
Gravehopping
Green Lantern
Grbavica

H
Habana Blues
Habemus Papam
Habitación de Fermat, La
Half Nelson
Hallam Foe
Hanna
Happening, The
Happy Endings
Happy-Go-Lucky
Hard Candy
Harsh Times
He Was a Quiet Man
Hedwig - A Origem do Amor
Héctor
Hellboy
Hellboy II: The Golden Army
Help, The
Herbes Folles, Les
Hereafter
History of Violence, A
Hoax, The
Holiday, The
Home at the End of the World, A
Host, The
Hostel
Hotel Rwanda
Hottest State, The
House of the Flying Daggers
How To Lose Friends & Alienate People
Howl
Humpday
Hunger
Hurt Locker, The
Hustle & Flow
I
I Am Legend
I Could Never Be Your Woman
I Don’t Want To Sleep Alone
I Heart Huckabees
I Love You Phillip Morris
I’m Not There
I’m Still Here
Ice Age - The Meltdown
Ice Harvest, The
Ides of March, The
If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front
Illusionist, The
Illusioniste, L’
Ils Ne Mouraient Pas Tous Mais Tous Étaient Frappés
Imaginarium of Doctor Parnassus, The
Immortel (ad vitam)
In a Better World - Hævnen
In Bruges
In Good Company
In Her Shoes
In The Loop
In the Valley of Elah
In Time
Inception
Inconvenient Truth, An
Incredible Hulk, The
Incredibles, The
Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull
Indigènes - Dias de Glória
Infamous
Informant!, The
Informers, The
Inglourious Basterds
Inland Empire
Inner Life of Martin Frost, The
Inside Man
Intermission
Interpreter, The
Interview
Into the Wild
Introspective
Io Sono L’Amore
Iron Lady, The
Iron Man
Island, The
It Happened Just Before
It Might Get Loud
Ivresse du Pouvoir, L’

J
J. Edgar
Jacket, The
Japanese Story
Jarhead
Je Ne Suis Pas La Pour Être Aimé
Je Préfère Qu’on Reste Amis
Jeux d’Enfants
Jindabyne
Julie & Julia
Juno
Just Like Heaven
Juventude em Marcha

K
Kids Are All Right, The
Kill List
King Kong
King’s Speech, The
Kiss Kiss Bang Bang
Klimt
Knight and DayKovak Box, The

L
Laberinto del Fauno, El
Lady in the Water
Lake House, The
Land of Plenty
Lars and the Real Girl
Last King of Scotland, The
Last Kiss, The
Last Night
Last Station, The
Leatherheads
Letters From Iwo Jima
Levity
Libertine, The
Lie With Me
Life Aquatic with Steve Zissou, The
Life During Wartime
Life is a Miracle
Lions For Lambs
LIP, L’Imagination au Pouvoir, Les
Lisboetas
Little Children
Little Miss Sunshine
Livro Negro - Zwartboek
Left Ear
Lonely Hearts
Long Dimanche de Fiançailles, Un
Lost in Translation
Lou Reed's Berlin
Louise-Michel
Love Conquers All
Love and Other Drugs
Love in the Time of Cholera
Love Song for Bobby Long, A
Lovebirds, The
Lovely Bones, The
Lucky Number Slevin
Luna de Avellaneda
Lust, Caution

M
Machete
Madagascar
Made in Dagenham
Mala Educación, La
Malas Temporadas
Mammuth
Man About Town
Man On Wire
Management
Manuale d’Amore
Maquinista, O
Mar Adentro
Margin Call
Margot at the Wedding
Maria Cheia de Graça
Marie Antoinette
Martha Marcy May Marlene
Mary
Match Point
Me And You And Everyone We Know
Meek's Cutoff
Melancholia
Melinda and Melinda
Memórias de uma Geisha
Men Who Stare at Goats, The
Método, El
Mi Vida Sin Mí
Michael Clayton
Micmacs à Tire Larigot
Midnight in Paris
Milk
Million Dollar Baby
Mio Fratello è Figlio Unico
Moine, Le
Momma’a Man
Moneyball
Monster
Moon
Morning Glory
Mother (Madeo)
Mother, The
Moustache, La
Mozart and the Whale
Mrs Henderson Presents
Mujer Sin Cabeza, La
Munique
Music & Lyrics
My Blueberry Nights
My Week With Marilyn
My Son, My Son, What Have Ye Done
Mysterious Skin

N
Nana, La
Nathalie
Ne Le Dis À Personne
Ne Te Retourne Pas
NEDS
New World, The
Ni pour, ni contre (bien au contraire)
Niña Santa, La
Night Listener, The
Night on Earth
Nightmare Before Christmas, The
Ninguém Sabe
No Country For Old Men
No Reservations
No Sos Vos, Soy Yo
Nombres de Alicia, Los
North Country
Notes on a Scandal
Number 23, The

O
Ocean’s Thirteen
Odore del Sangue L’
Offside
Old Joy
Oldboy
Oliver Twist
Once
Onda, A - Die Welle
Ondine
Orgulho e Preconceito
Orly

P
Pa Negre (Pan Negro)
Painted Veil, The
Palais Royal!
Para Que No Me Olvides
Paradise Now
Paranoid Park
Parapalos
Paris
Paris, Je T’Aime
Passager, Le
Passenger, The (Professione: Reporter)
Patti Smith - Dream of Life
Perder Es Cuestión de Método
Perfume: The Story of a Murderer
Persépolis
Personal Velocity
Petite Lili, La
Piel Que Habito, La
Pink
Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest
Planet Terror
Playtime
Please Give
Post Mortem
Poupées Russes, Les
Prairie Home Companion, A
Precious: Based on the Novel ‘Push’ by Sapphire
Prestige, The
Presunto Culpable
Pretty In The Face
Prophète, Un
Promeneur du Champ de Mars, Le
Promotion, The
Proof
Proposition, The
Prud'Hommes
Public Enemies

Q
Quantum of Solace
Quatro Noites Com Anna
Queen, The
Quelques Jours en Septembre
Qui M’Aime Me Suive

R
Rabia
Rachel Getting Married
Raison du Plus Faible, La
Ratatouille
Re-cycle
Reader, The
Red Eye
Red Road
Redacted
Refuge, Le
Religulous
Reservation Road
Reservoir Dogs
Resident, The
Restless
Revenants, Les
Revolutionary Road
Ring Two, The
Road, The
Road To Guantanamo, The
Rois et Reine
Rôle de sa Vie, Le
Romance & Cigarettes
Rubber
Rum Diary, The
S
Sabor da Melancia, O
Safety of Objects, The
Salt
Salvador (Puig Antich)
Samaria
Sauf Le Respect Que Je Vous Dois
Savages, The
Saw
Saw II
Saw III
Scaphandre et le Papillon, Le
Scanner Darkly, A
Science des Rêves, La
Sconosciuta, La
Scoop
Scott Pilgrim vs. The World
Secret Window
Secreto de Sus Ojos, El
Selon Charlie
Sem Ela...
Semana Solos, Una
Señora Beba
Sentinel, The
Separação, Uma - Jodaeiye Nader az Simin
Séptimo Día, El
Séraphine
Seres Queridos
Serious Man, A
Sex is Comedy
Sexualidades - En Soap
S&Man
Shady Grove
Shame
Shattered Glass - Verdade ou Mentira
She Hate Me
Shooting Dogs
Shopgirl
Shortbus
Shrek 2
Shrek The Third
Shrink
Shutter Island
Sicko
Sideways
Silence de Lorna, Le
Silk
Simpsons Movie, The
Sin City
Single Man, A
Sky Captain and the World of Tomorrow
Slumdog Millionaire
Smart People
Social Network, The
Soeurs Fâchées, Les
Soledad, La
Solitudine dei Numeri Primi, La
Somewhere
Son of Rambow
Sonny
Snow
Snow Cake
Spanglish
Spread
Squid and the Whale, The
Star Trek
Still Life
Stop Making Sense
Stranger Than Fiction
Strings
Submarine
Sunshine
Super 8
Sweeney Todd
Syriana

T
Tabloid
Tarnation
Tartarugas Também Voam, As
Taxidermia
Te Doy Mis Ojos
Temps du Loup, Le
Temps Qui Changent, Les
Temps Qui Reste, Le
Temporada de Patos
Teta Asustada, La
Thank You For Smoking
There Will Be Blood
This Is England
This Movie Is Broken
This Must Be The Place
Thirst
Thor
Three Burials of Melquiades Estrada, The
Thumbsucker
Tideland
Tigre e la Neve, La
Time Traveler's Wife, The
Tinker, Tailor, Soldier, Spy
To Take A Wife
Todos os Outros – Alle Anderen
Tonite Let's All Make Love in London
Tournée
Toy Story 3
Transamerica
Transsiberian
Travaux, On Sait Quand Ça Commence
Tree of Life, The
Très Bien, Merci
Três Macacos, Os
Trilogia Lucas Belvaux
Triple Agent
Tristram Shandy: A Cock and Bull Story
Tropa de Elite
Tropa de Elite 2
Tropic Thunder
Tropical Malady
Trust the Man
Tsotsi
Tueur, Le

U
United States of Leland
Unknown
Untergang, Der - A Queda
Up
Up In The Air

V
V For Vendetta
Vacancy
Valkyrie
Valsa com Bashir
Vanity Fair
Vantage Point
Vera Drake
Vers Le Sud
Vicky Cristina Barcelona
Vida Secreta de las Palabras, La
Vidas dos Outros, As (Das Leben der Anderen)
Vie en Rose, La
Village, The
Vipère au Poing
Visitor, The
Viva
Volver

W
Walk Hard: The Dewey Cox Story
Walk the Line
WALL-E
War, Inc.
War of the Worlds
Wassup Rockers
Waste Land - Lixo Extraordinário
Watchmen
What a Wonderful Place
What the #$*! Do We (K)now!?
Whatever Works
When in Rome
Where the Truth Lies
Where The Wild Things Are
Whip It
Whisky
We don’t care about music anyway…
We Dont’t Live Here Anymore
Weisse Band, Das – O Laço Branco
Wide Awake
Wilbur Wants to Kill Himself
Wind That Shakes The Barley, The
Winter’s Bone
Woman Under The Influence, A
Woodsman, The
World, The
World Trade Center
Wrestler, The

X
X-Files: I Want To Believe, The
X-Men: First Class
X-Men Origins: Wolverine

Y
Yo Soy La Juani
Young Adult
Youth in Revolt
Youth Without Youth

Z
Zack And Miri Make A Porno

Zodiac
Arquivo

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Outubro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Festivais e Prémios
- FANTASPORTO
- FESTROIA
- INDIE LISBOA
- FESTIVAL DE CINEMA GAY E LÉSBICO DE LISBOA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS METRAGENS DE VILA DO CONDE
- DOCLISBOA
- CINANIMA
- CineECO
- FamaFEST
- FICA
- FESTIVAL DE CINEMA LUSO-BRASILEIRO DE SANTA MARIA DA FEIRA
- fest | FESTIVAL DE CINEMA E VÍDEO JOVEM DE ESPINHO
- CAMINHOS DO CINEMA PORTUGUÊS
- FESTIVAL DE CANNES
- LES CÉSAR DU CINEMA
- PREMIOS GOYA
- FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE DONOSTIA - SAN SEBASTIAN
- LA BIENNALE DI VENEZIA
- FESTIVAL INTERNAZIONALE DEL FILM - LOCARNO
- INTERNATIONALE FILMSPIELE BERLIN<
- BAFTA
- LONDON FILM FESTIVAL
- EDINBURGH INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- OSCAR
- SUNDANCE FILM FESTIVAL
- GOLDEN GLOBES
- NEW YORK FILM FESTIVAL
- SAN FRANCISCO FILM FESTIVAL
- TORONTO INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
- MONTRÉAL WORLD FILM FESTIVAL
- ROTTERDAM INTERNATIONAL FILM FESTIVAL